busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Sábado, 6/5/2006
Osesp, 22.04
Fabio Silvestre Cardoso

De volta à sala de concerto pouco mais de um mês após o retorno da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo ao palco da Sala Julio Prestes. Parece pouco, mas não é. Soa corriqueiro, mas, mesmo assim, é preciso prestar atenção: a programação nunca esteve tão variada; os espetáculos continuam tão ou mais concorridos do que no ano passado, e o público, pelo menos os que freqüentam os concertos, parece saber disso. Como em poucas áreas, a música erudita está bem representada na cidade, com um número interessantíssimo de espetáculos. E, para o bem ou para o mal, a constatação chega até a imprensa. A edição de São Paulo da Veja já dedicou pelo menos duas edições a tratar do assunto. Nada mal, se se considerar que só agora é que entramos em maio...

No concerto do dia 22 de abril (há duas semanas, portanto), o público pôde comprovar a variedade e a qualidade da Osesp em obras não necessariamente conhecidas por parte dos ouvintes. Os nomes, apesar de tudo, possuem sonoridade. Leif Segerstam; Jean Sibelius; Einojuhani Rautavaara. Origem? Finlândia, país da aurora boreal, dos celulares e, para o espanto de muita gente, de boa música erudita.

A peça de abertura, Tapiola, foi de Jean Sibelius, compositor do início do século XX. Seu flerte com a música modernista é patente. Isso fica claro pela variação de estilos, ora um toque suave, ora em trechos fortes, com a participação todos os naipes e instrumentos. Desses, aliás, cabe destacar os violinos que ajudaram a formar um contraponto mais tradicional. Até aqui, nenhuma surpresa, a não ser pela figura falstafiana do maestro Leif Segerstam, cujos gestos e cumprimentos traziam à memória de alguns comentários irônicos.

Foi do maestro, a propósito, a peça seguinte: Sinfonia nº 149 . Definitivamente, a mais (pós) modernista de todas. Até mesmo o mais incauto dos ouvintes conseguiu notar os elementos que destacavam essa obra dos standards. A começar pela natureza da música. Concerto para tímpanos e piano. A percussão foi, então, o principal naipe desta peça, com direito a um martelo que mais lembrava o toque de um sino. Outro destaque? A peça não foi regida pelo maestro e compositor, apesar de sua presença. Ao final, no entanto, ele foi saudado com aplausos. Discretamente, é verdade, mas foi.

Após o intervalo, novamente Jean Sibelius, com a Sinfonia nº 7 em Dó maior, Op.105. Mesmo para os mais puristas e conservadores, as peças de Sibelius têm um atrativo. Pelo que se ouviu na Sala São Paulo, Sibelius prefere o encantamento e a leveza harmônica, características que são obtidas a partir dos violinos, das trompas e da introdução com flauta. Pode-se dizer que foi a peça mais rica e harmoniosa daquela tarde, e por extensão a mais original.

O experimentalismo esteve de volta na última peça do dia. Os presentes ouviram ao Cantus Articus, de Einojuhani Rautavaara, um concerto para pássaros e Orquestra. Talvez a experiência mais próxima que este repórter havia participado até então era a fase ecológica de Tom Jobim. No caso de Rautavaara, o que se ouviu foram os pássaros como contraponto às frases dos naipes de cordas e de metais. Se não foi marcante do ponto de vista sonoro, a peça tampouco chegou a "provocar" o público presente, que até mostrou simpatia e entusiasmo nos efusivos aplausos ao final do Concerto.

Fabio Silvestre Cardoso
6/5/2006 às 15h00

 

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês