Cinema Independente (2) | Cinema Independente na Estrada

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #06 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 29/11/2015
Cinema Independente (2)
Fabio Gomes

+ de 600 Acessos

2
IDEIA NA CABEÇA

DA IDEIA AO ROTEIRO

Todo filme, seja curta, média ou longa-metragem, documentário ou ficção, com alto, baixo ou nenhum orçamento, começa com uma ideia. Você tem uma ideia que quer compartilhar com as outras pessoas de forma audiovisual, e a partir daí mobiliza outras pessoas para que colaborem com você nessa empreitada. O cinema é por definição uma arte coletiva — claro que nada impede que você filme apenas aspectos da natureza (por exemplo, um canteiro de flores num parque público de sua cidade, ou as travessuras de seu gatinho dentro de casa), edite e publique isto na internet, sem a interferência de mais ninguém. Mas se não houver a participação de outras pessoas, nem que seja assistindo, qual o sentido em se fazer um filme?

A ideia é apenas isto, uma ideia. Para se transformar em filme, ela primeiro deve poder ser expressa de forma clara e concisa, de modo a poder ser facilmente entendida por qualquer outra pessoa. Digamos que você queira adaptar a peça Romeu e Julieta, de William Shakespeare, ambientando a ação no Rio de Janeiro nos dias atuais. Essa frase que acabei de escrever — "adaptar a peça Romeu e Julieta, de William Shakespeare, ambientando a ação no Rio de Janeiro nos dias atuais" — já serve para transmitir a ideia. Essa frase concisa que descreve brevemente a ideia para o filme é ora chamada de sinopse, ora de storyline.

Há quem diferencia sinopse de storyline, como o roteirista Doc Comparato, em seu livro Da Criação ao Roteiro: "a story line representa o quê (o conflito-matriz escolhido), a sinopse representa o quando (a temporalidade), o onde (a localização), o quem (as personagens) e, finalmente, o qual (a história que vamos contar)".

 O passo seguinte é elaborar o argumento, que, no entender de Garcia Filho, é "a verdadeira base de todo o filme", acrescentando que "por argumento, se compreende o conjunto de ideias que serão desenvolvidas no roteiro. Ele tem a ação delineada, bem como a sequência, personagens e locações. Normalmente não tem diálogos e sua narrativa é pobre". Seu tamanho é variável; enquanto uma convenção de Hollywood estipula que uma página de argumento equivale a dez páginas de roteiro, o crítico Inácio Araújo afirma que "normalmente são utilizadas de duas a quatro páginas para indicar as linhas gerais da história que será tratada: o que acontece, o porquê e quem são os personagens."

Já o roteiro é um texto com a sequência detalhada das cenas do filme, na ordem em que serão apresentadas ao espectador, contendo indicações de cenários, horários em que as cenas se passam, personagens (com atitude corporal e entonação a usar nas falas, se necessário) e os diálogos completos — basicamente, o roteiro pode ser considerado "o filme por escrito".

Para exemplificar melhor as diferenças entre argumento e roteiro, vamos ver trechos que correspondem à sexta cena do filme Cidade de Deus, de Fernando Meirelles e Kátia Lund, cujo roteiro foi escrito por Bráulio Mantovani:

Argumento:
Pelas ruas da Cidade de Deus Cabeleira, Alicate e Marreco fogem da polícia. Eles percorrem algumas ruelas, trocam de roupa e correm até o campinho onde fingem jogar bola com os meninos.

Roteiro:
6 EXT. RUAS DO CONJUNTO - DIA
Cabeleira, Alicate e Marreco correm, perseguidos de perto, por um POLICIAL que dá tiros para o alto. Eles riem. E também atiram para o alto.

BUSCA-PÉ (V.O.)
O Trio Ternura não tinha medo de ninguém.
Nem da polícia... Eles achavam que a Cidade
de Deus era deles. Mas tinha um monte de
bandido que achava a mesma coisa. Naquele
tempo, a Cidade de Deus ainda não tinha
dono.

Os bandidos se metem pelas ruelas do local.
MONTAGEM cria a sensação de labirinto: o Policial nunca sabe para onde ir.
Os bandidos param um instante. Tiram as camisetas vermelhas, jogando-as por trás do muro de uma casa. Todos agora estão de camiseta branca. Eles continuam correndo até o...

Há uma importante diferença a respeito de roteiro quando o filme a ser produzido for um documentário. Num filme de ficção, você primeiro estrutura toda a história no papel para só depois filmá-la. Num documentário, você trabalha inicialmente com sinopse e argumento, e aí já parte para produzir a filmagem e filmar. Após a filmagem, você assiste o material captado, fazendo a chamada "decupagem" (ou seja, você anota o que foi gravado e transcreve as falas) e só então escreve o roteiro, que será utilizado nas etapas de montagem e pós-produção.

AUTORIZAÇÕES

Fazer cinema envolve, em algum momento, a necessidade de obter autorizações de outras pessoas. Vamos ver os principais casos:

- você precisa obter autorização para adaptar obra de outra pessoa. Fernando Meirelles e Kátia Lund precisaram obter de Paulo Lins a autorização para transformar o romance Cidade de Deus em filme. Já uma adaptação de qualquer peça de Shakespeare pode ser feita livremente, pois o autor é falecido há mais de 70 anos, prazo após o qual tudo o que alguém tenha produzido passe ao domínio público. Durante o período entre a morte de um autor e a entrada de sua obra no domínio público, a autorização deve ser obtida junto aos herdeiros. Geralmente a autorização é concedida por um prazo determinado, ao fim do qual, se o filme não foi ao menos iniciado, o diretor perde o direito a adaptar a obra para o cinema, e o autor pode vender os direitos para outro produtor.

- você precisa obter autorização para utilizar obra de outra pessoa. Por exemplo, para utilizar uma música na trilha sonora de seu filme, ou ainda um poema ou qualquer texto que não seja seu e que não faça parte da obra cujos direitos foram adquiridos. Em relação a música, caso ela tenha mais de um autor, a contagem dos 70 anos para entrada em domínio público só inicia após a morte do último parceiro. Por exemplo: "Carinhoso" é de Pixinguinha e João de Barro. Pixinguinha faleceu em 1973 e João de Barro em 2006. Portanto, "Carinhoso" só passará ao domínio público em 2077 (a liberação se concretiza em 1º de janeiro do ano seguinte ao que se completam as sete décadas do falecimento). Até lá, a inclusão de "Carinhoso" em filme precisa ser autorizada pelos herdeiros de ambos os autores. A inserção de cenas de filmes brasileiros feitos há mais de 70 anos independe de autorização, bem como o uso de textos de autores falecidos há pelo menos 70 anos. Obras de autores estrangeiros podem ter prazos maiores de proteção aos direitos autorais, pois cada país é livre para fixar o período que quiser, desde que nunca menos de 50 anos, prazo estabelecido pela Convenção de Berna.

- você precisa obter autorização para usar a imagem das pessoas. É o chamado "direito de imagem". Em cinema, esse direito está mais ligado a documentários — todas as pessoas que irão dar depoimento precisam assinar um documento afirmando que autorizaram ser filmadas. Não é necessário obter essa autorização quando a filmagem for feita em local público, ou em evento aberto ao público.

- você precisa obter autorização para usar o nome das pessoas. Isso pode acontecer, por exemplo, se você quiser adaptar uma biografia. Digamos que você queira filmar um trecho do livro de memórias Antes que me Esqueçam, de Daniel Filho. Depois de obter a autorização do autor para a filmagem, você teria que buscar a autorização de cada pessoa real citada por Daniel no livro que vá se tornar um personagem do seu filme — é um caso semelhante ao do uso de obra alheia: as autorizações referentes a pessoas já falecidas devem ser obtidas com seus herdeiros, com o detalhe de que neste caso não existe o prazo de 70 anos que há em relação ao direito autoral. O direito de imagem é um direito moral, e não prescreve, ou seja, nunca tem fim.

- você também irá precisar de autorização para filmar em imóveis de outras pessoas, sejam casas, empresas, terrenos, fazendas etc. — enfim, todo e qualquer lugar onde você não poderia entrar livremente. Filmar na rua, praia, praças, parques, estradas, rios, lagos etc. independe de autorização.



Postado por Fabio Gomes
Em 29/11/2015 às 15h25


Mais Cinema Independente na Estrada
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GEOGRAFIA O HOMEM NO ESPAÇO GLOBAL
ELIAN ALABI LUCCI
SARAIVA
(2001)
R$ 9,00



UMA NOTA ERRADA - LIVRO 2 - ( NOVA ORTOGRAFIA )
GORDON KORMAN
ÁTICA
(2011)
R$ 18,90



PALAVRA É ARTE
GILBERTO MARTINS
CULTURA
(2010)
R$ 20,00



AMADEU AMARAL
PAULO DUARTE
HUCITEC SCET CECE
(1976)
R$ 15,00



EL DORADO COLEÇÃO AMÉRICAS
FRANCISCO VAZQUEZ
TEOREMA
(1991)
R$ 31,70



CELEIRO DE BÊNÇÃOS - 1ª ED.
DIVALDO P. FRANCO / JOANNA DE ANGELIS
LIVARIA ESPÍRITA ALVORADA
(1974)
R$ 12,00



PEDRO PEDRA
GUSTAVO BERNARDO
ROCCO
(2010)
R$ 10,00



O HOMEM QUE SE TORNOU DEUS
GERALD MESSADIE
BEST SELLER - CIRCULO DO LIVRO
R$ 13,40



A CAUSA PENTENDI E O CONTRADITÓRIO
JUNIOR ALEXANDRE MOREIRA PINTO
REVISTA DOS TRIBUNAIS/ SP.
(2007)
R$ 61,90



DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO
SERGIO PINTO MARTINS
ATLAS
(2011)
R$ 45,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês