<p>O SÉCULO QUE ME VIU NASCER</p> | Impressões Digitais

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Fotoleitura de Paul R. Scheele pela Summus (1995)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 2/1/2016

O SÉCULO QUE ME VIU NASCER


Ayrton Pereira da Silva

+ de 1000 Acessos

Não me considero melhor nem pior do que ninguém: sou um homem da planície. Tive catapora, sarampo, coqueluche, caxumba, e tenho pensamentos sinistros. Um superego tirânico me mantém sob seu tacão até hoje - o que faz de mim um perfeccionista obsessivo e doentio.

Se acaso tiver algum crédito em minha deficitária contabilidade emocional (coisa de que até duvido), só posso atribuí-lo à circunstância fortuita de haver nascido na terceira década do século XX, quando a Alemanha, debaixo do nariz das nações executoras do Tratado de Versailles, ostensivamente gestava a formidável máquina de guerra que aterrorizou o mundo. Época de extremas contradições, o século XX espelha com precisão e fidelidade o que todos somos, animais divididos entre instinto e razão.

Mas, como dizia, ter nascido no século passado ensejou-me a oportunidade de uma visada em perspectiva que o distanciamento no tempo proporciona. Não sei se essa espécie de cosmovisão representa algo de vantajoso. Tenho sérias dúvidas.

Assim, cheguei ao mundo ainda num tempo em que predominava a cultura europeia, a língua francesa era o idioma universal com todo o seu acervo intelectual e artístico, representado por personalidades de magnitude estelar nos múltiplos campos do fazer humano. Época do cultivo do espírito, anterior à civilização pela imagem, era da cultura humanística, herdada da Grécia Antiga, a Magna Hélade, rejuvenescida pelas conquistas do Renascimento e da Democracia Moderna.

Nada mais natural que minha formação fosse forjada nos moldes da educação formal então em voga: o estudo do idioma merecia especial ênfase, pela óbvia razão de que vivemos num mundo de relação e o conhecimento do vernáculo constituía o primeiro passo no domínio da linguagem que, além de ser a ferramenta de comunicação por excelência, representa sobretudo o cimento que consolida a unidade de um povo como nação.

Sob a orientação de meu pai, que me abriu as portas do universo mágico da literatura, iniciei-me na leitura de entretenimento devorando os números do Tico-Tico, revista em quadrinhos precursora das modernas HQs, tornando-me cúmplice das trapalhadas do trio Reco-Reco, Bolão e Azeitona, personagens genuinamente brasileiros concebidos pelo traço burlesco de Luiz Sá. Daí para o acesso aos gibis com seus heróis tipo Flash Gordon, Fantasma, Príncipe Submarino, Tocha Humana, Capitão América, Batman e tantos outros foi um pulo. Viajei, ainda na infância, pelos livros do genial Monteiro Lobato - e vieram então O Saci, As caçadas de Pedrinho, Reinações de Narizinho, O Picapau Amarelo, até as versões infantojuvenis dos temas mitológicos como O Minotauro, Os doze trabalhos de Hércules e O D. Quixote das crianças. Seguiram-se as leituras de escritores estrangeiros, sobretudo franceses, como Victor Hugo, Jules Verne, os Dumas, pai e filho, com breves digressões pelos os autores de dicção inglesa e italiana, devidamente traduzidos, como Sir Walter Scott, Rudyard Kipling, Mark Twain, Emilio Salgari, entre outros. Ah, claro, e o indefectível Sherlock Holmes, de Conan Doyle...

Aprendi com meu pai a amar os livros, que, mais do que simples objetos, se afiguravam aos meus olhos como uma espécie de seres reveladores das rotas da imaginação nas tramas que armazenavam. E foi então que ao prazer físico do folheá-los, agregou-se o misto de respeito e cumplicidade que me tornava também um personagem de carona nas estórias que narravam. Hoje, os linguistas aludem à denominada teoria da recepção segundo a qual o leitor, ao aderir ao texto pela leitura, torna-se, por assim dizer, seu coautor, emprestando vida à letra morta.

Meu rito de passagem para a idade adulta coincidiu com o batismo de fogo na literatura portuguesa, arrostando a "selva selvaggia" da tríade romântica llusitana, formada por Alexandre Herculano, Almeida Garrett e Antonio Feliciano de Castilho, somente capaz de ser desbravada com o Caldas Aulete a tiracolo. Tornei-me, à custa de tentar decodificar aqueles textos, um quase especialista em sinonímia, atributo que se esmaeceu com o passar dos anos de desuso.

De lá para cá, o mundo sofreu uma revolução, caracterizada, sobretudo, pelo sequestro do idioma, avassalado pela invasão de barbarismos. Aos que não sabem que palavra é essa, recomendo que consultem um dicionário; perdão, senhores, pelo ato falho, que recorram ao doutor Google...

A passos largos, vamos perdendo o domínio do vernáculo e junto com ele nossa identidade nacional.

Vivemos a era da extinção dos livros impressos, substituídos pelos e-books e outros veículos de comunicação virtual. Pois é, essa a nossa realidade.

Metaforicamente, poderíamos figurar essa transição como a passagem da borboleta para a crisálida, ou seja, uma metamorfose às avessas?

Mas você está, propositalmente, ignorando o notável progresso técnico-cientifico que atingimos, a ponto de se cogitar, através das células-tronco e da decodificação do genoma, na possibilidade até de alcançarmos a juventude eterna, isso sem falar no inimaginável progresso da eletrônica que não conhece limites. Vive-se agora uma era em que a mais ousada das fantasias vai se tornando realidade.

Não sei se devo responder à provocação de um demiurgo que cavilosamente se disfarça em otimista de plantão, descortinando um mundo de sonhos hedonísticos, em que tanto a ciência quanto a tecnologia detêm o condão de transformar a vida numa fruição sem fim. Não sei se devo mandá-lo ler o Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, mas, diante do risco concreto e imediato de vê-lo navegando num texto virtual, engulo o que ia dizer.

Não sei se devo teorizar sobre o tema mais que batido do eterno descompasso entre o progresso material e o retrocesso moral que pontua nossa trajetória existencial. Penso que não, pois, na verdade, esse demiurgo não passa de uma invenção minha ou do meu próprio alter ego.

E assim caminha a humanidade, oscilando perigosamente entre dois extremos, num movimento pendular. Não sei o que mais - além da ameaça do apocalipse nuclear, dos homens-bomba, da espionagem virtual, da degeneração dos costumes, da abolição da ética e da impunidade - ainda nos aguarda neste planeta estuprado a cada minuto pelo bicho-homem cuja criminosa irresponsabilidade não tem mais fronteiras.

Não sei o que será de um mundo em que seus habitantes se tornaram imunes ao horror das tragédias a que assistem comodamente instalados em suas casas, como se as reportagens transmitidas pela televisão em tempo real fossem apenas cenas de um filme. Francamente, não sei como pessoas adoram ver sangue jorrando nos octógonos dos UFCs e MMAs da vida podem ter algum futuro como civilização.

É por isso que, apesar de todos os contrastes e confrontos, dos altos e baixos, prós e contras, me considero afortunado por ter nascido no século passado e, por falta exclusiva de tempo vital, não ter muito mais a testemunhar.

Mas tudo isso que foi dito aí em cima, cai fragorosamente por terra, diante de meu olhar perplexo, quando o próprio autor destas linhas se socorre do milagre da virtualidade para transmiti-las a hipotéticos leitores por meio de um post.

Essa, a meu ver, a grande magia da vida, essa roda-gigante que nos põe a girar...girar...girar... passando do êxtase ao assombro, da alegria à tristeza, da grandeza à pequenez, porque para isso nascemos e assim prosseguiremos até as cortinas se fecharem.

Ayrton Pereira da Silva



Postado por Ayrton Pereira da Silva
Em 2/1/2016 às 10h47


Mais Impressões Digitais
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MATEMÁTICA FINANCEIRA
JOSÉ DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1982)
R$ 5,50



OS 500
MATTHEW QUIRK
PARALELA
(2013)
R$ 22,00



AIRBRUSHING FOR FINE & COMMERCIAL ARTISTS
ROBERT PASACHAL
VRN
(1982)
R$ 30,00



DEUS: TESE, ANTÍTESE, SÍNTESE
PAULO RESENDE
SAGA
(1969)
R$ 25,82



INVOCAÇÃO - TRILOGIA DARKEST POWERS
KELLEY ARMSTRONG
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 10,00



CONFISSÕES DE UM COMEDOR DE ÓPIO
THOMAS DE QUINCEY
L&PM POCKET
(2002)
R$ 12,00



COMENTÁRIOS AO NOVO CÓDIGO CIVIL - VOL. XIV ART. 966 A 1195
ARNOLDO WALD
FORENSE
(2005)
R$ 200,00



SEGMENTAÇÃO OPÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O MERCADO BRASILEIRO
RAIMAR RICHERS / CECÍLIA PIMENTA LIMA
NOBEL
(1991)
R$ 13,00



UM MILHÃO N°39 BATMAN PLANETA PRISÃO!
DC COMICS
ABRIL 50 ANOS
R$ 20,00



O OUTRO DESAFIO
JULIO LOBOS
DO AUTOR
(1987)
R$ 27,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês