O jogo não pode parar | Blog de Isaac Rincaweski

busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 28/2/2018
O jogo não pode parar
Isaac Rincaweski

+ de 200 Acessos

O futebol sempre foi meu esporte preferido. Jogávamos em qualquer lugar (principalmente na rua de terra esburacada da minha casa), desde que fosse possível a fixação das traves (duas pedras, bem grandes!), sendo que bola alta não validava o gol, pois nunca tínhamos certeza de que ela passava dentro na linha imaginária do que deveria ser uma trave de verdade.

Pior do que jogar em estrada esburacada e cheia de pedras soltas, tendo que parar o jogo a cada vez que passava um carro, era jogar no pasto cheio de vacas da casa da oma (avó) do meu vizinho, repleto de bostas frescas, com o agravante de ter que tomar o cuidado de não perder a bola, devido ao forte declive do terreno. É claro, também tínhamos cuidado para não trocar a bola por bosta de vaca na hora do chute.

Nossa bola de couro geralmente estava em frangalhos, com vários gomos faltantes, e chegava a pesar quase uma tonelada quando estava molhada. Os dedos dos meus pés eram roxos e tortos devido aos constantes chutes em pedras ou nas canelas dos outros guris, na tentativa de acertar a bola.

Às vezes reuníamos nossa turma e fazíamos uma pequena excursão nos arredores para jogar algum torneio organizado por outras “turmas”. Nessas ocasiões, era prudente o uso de algum calçado, pois o clima de final de Libertadores era a senha para um jogo duro, com vantagem para o time da casa (sempre jogávamos no campo do adversário, pois nosso campinho, “pasto” ou “rua” não era aprovado pela federação internacional).

O pau comia solto. A regra era clara: do pescoço para baixo, valia tudo! Mesmo assim, quando criança, nunca me machuquei gravemente jogando aquilo que eu acreditava que fosse o melhor futebol do mundo!

Eu tinha 6 anos e frequentava o Jardim de Infância. Nosso uniforme era uma espécie de bata de cor azul quadriculada, do mesmo tipo daquelas toalhas usadas em piquenique. Era simplesmente horrível!

Eu odiava ser obrigado a usar aquilo, pois, em minha opinião, era parecido com um vestido. Sorte minha é que a dos meninos era azul e a das meninas era rosa. Excetuando o uniforme, eu adorava frequentar o Jardim de Infância e também participar de todas as atividades. O simples ato de ir e vir já era uma aventura! Eu e meus inseparáveis amigos, Beto, Tutti e Jano, aprontávamos bastante naqueles quase dois quilômetros de estrada que tínhamos de caminhar diariamente, principalmente em dias de chuva, com banhos e brincadeiras nos ribeirões existentes pelo caminho.

E foi no Jardim de Infância que fui iniciado na prática de outros esportes, e, dentre eles, a corrida foi marcante. Aquela era a minha primeira corrida “oficial”. Estávamos todos os garotos perfilados na beira de um campo de futebol (sem bostas de vaca e, incrivelmente plano) aguardando somente o apito da tia.

Mesmo com apenas 6 anos, e com o trecho a ser percorrido não sendo superior a 50 metros, eu me sentia como se estivesse participando de uma Olimpíada, tamanha era a adrenalina que percorria o meu corpo naquele momento.

O apitou soou! Saímos em disparada, correndo como loucos. Eu queria vencer aquela prova... Ah, como eu queria. Olhei para os lados e vi que estava um pouquinho à frente dos demais competidores, mas, nesse momento, me distraí um pouco e tropecei numa pequena saliência no gramado. Não foi uma simples queda, eu rolei na grama, diversas vezes. E a cada giro, eu via meus amigos se distanciarem cada vez mais, pois ninguém se importou com a minha queda, pelo contrário, comemoraram a desistência de um concorrente.

Quanto parei de rolar e comer grama, levantei-me e logo senti uma forte dor no ombro. Fui levado ao hospital e constataram que tive uma fratura na clavícula, o que me obrigou a ficar com a região imobilizada pelo período de um mês, aproximadamente, o que, na minha contagem de tempo, era o equivalente a uns 30 anos!.

A primeira semana (7 anos!) foi realmente terrível para mim. Ainda sem entender a gravidade da lesão e os limites do meu pequeno corpo, eu quase não me mexia (com medo ficar torto pelo resto da vida), mas, após essa primeira semana de adaptação, fui ganhando confiança e, como a capacidade de recuperação de uma criança é incrivelmente superior à de um adulto, a dor e a humilhação da queda foram rapidamente esquecidas. Mesmo estando imobilizado na forma de um “cabide”, em poucos dias, utilizando técnicas de contorcionismo que só uma criança se arrisca a fazer, eu já havia encontrado outras maneiras de brincar e me divertir (bolinha de gude, bate figurinha e bilboquê, por exemplo), conseguindo, dessa forma, uma boa redução da minha pena de 30 anos.

Ah, e é claro que, após alguns dias de confinamento, eu também já estava batendo uma bolinha na rua, afinal, eu só havia quebrado a clavícula, não as pernas!


Postado por Isaac Rincaweski
Em 28/2/2018 às 08h59


Mais Blog de Isaac Rincaweski
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SELEÇÕES DO READERS DIGEST FEVEREIRO 1954
TITO LEITE (EDITOR CHEFE)
YPIRANGA
(1954)
R$ 10,00



O JOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL
TIZUKO MORCHIDA KISHIMOTO
PIONEIRA
(2002)
R$ 30,00



DICIONÁRIO PRÁTICO DE ECOLOGIA
ERNANI FORNARI
AQUARIANA
(2001)
R$ 7,50



APERITIVOS - LAROUSSE 100% PRAZER
VÁRIOS AUTORES
LAROUSSE
(2009)
R$ 10,00



AS MULHERES FRANCESAS NÃO ENGORDAM
MIREILLE GUILIANO
CAMPUS
(2005)
R$ 10,00



INVESTIDORES E MERCADOS - SELEÇÃO DE CARTEIRAS, APREÇAMENTO DE ATIVOS E INVESTIMENTOS
WILLIAM F. SHARPE
NOVO CONCEITO
(2008)
R$ 24,90



MAO A HISTÓRIA DESCONHECIDA
JON HALLIDAY JUNG CHANG
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 25,00



CARNAVAL EM CORES: A LINDA MÁSCARA DE JOÃO DIAS; AS MULATAS DO HAVAI;
O CRUZEIRO, Nº 4 DE FEVEREIRO DE 1967
O CRUZEIRO
(1967)
R$ 19,82



LEONARDO DA VINCI - BIOGRAFIA ILUSTRADA
KENNETH CLARK
EDIOURO
(2003)
R$ 20,00



UMA HISTÓRIA DO CORPO NA IDADE MÉDIA
NICOLAS TRUONG; JACQUES LE GOFF
CIVILIZAÇAO BRASILEI
(2006)
R$ 36,00
+ frete grátis





busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês