O jogo não pode parar | Blog de Isaac Rincaweski

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Treehouse
>>> Música em 2004
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Jornalismo em tempos instáveis
>>> Rasgos de memória
>>> História da leitura (II): o códice medieval
>>> Rufo, 80 II
>>> Jeitos de trabalhar
>>> The GigaOM Show
>>> BoicotaSP
Mais Recentes
>>> Fuvest 2000 - Literatura de Célia N. A. Passoni pela Núcleo (1999)
>>> Doze Contos Peregrinos de Gabriel Garcia Márquez pela Record (1992)
>>> Outeiro da Glória Marco na História da Cidade do Rio de Janeiro de Jorge de Souza Hue e Outros pela Artepadilla (2015)
>>> Le Voyageur et son Ombre de Nietzsche pela Mediations (1979)
>>> Avenidas da Saúde de Dr Haroldo Shryock pela Casa Publicadora Brasileira (1963)
>>> Livro Anne Whit An E Lucy Maud Bordando com as Estrelas de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Flâneur - um Passeio Pelos Paradoxos de Paris de Edmund White pela Companhia das Letras (2001)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Coleção o Globo de Manuel Antônio de Almeida pela O Globo (1997)
>>> O mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (2000)
>>> Veneno Digital de Walcyr Carrasco pela Ática (2017)
>>> Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2015)
>>> Um Olhar Sobre a Ciência: Desenvolvimento, Aplicações e Políticas de Eloi de Souza Garcia pela Interciência (2003)
>>> O Verão e a Cidade - Os Diários de Carrie de Candance Bushnell pela Galera Record (2011)
>>> O Cotidiano de um Deficiente de Patricia Vaitsman dos Santos pela Interciência (2001)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Ano Inesquecível de Babi Dewet, Bruna Vieira, Paula Pimenta e Thalita Rebouças pela Gutenberg (2015)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1978)
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Record (1983)
>>> A Linguagem e Seu Funcionamento - as Formas do Discurso de Eni Puccinelli Orlandi pela Brasiliense (1983)
>>> A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows pela Rocco (2009)
>>> Poesia Que Transforma de Bráulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia de Thomas Bulfinch pela Harper Collins (2018)
>>> Memórias Quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> A Gênese de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Guerra Não Tem Rosto de Mulher de Svetlana Aleksiévitch pela Companhia das Letras (2016)
>>> Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber de Antônio Carlos Vilela pela Melhoramentos (2006)
>>> Engenharia genética - O Sétimo dia da criação de Fátima Oliveira pela Moderna (1995)
>>> O Ladrão de sonhos e outras historias de Ivan Angelo pela Atica (1999)
>>> Necronomicon: the Best Weird Tales of de H. P. Lovecraft pela Gollancz (2008)
>>> Um Dia "Daqueles": Uma Lição de Vida Para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> A Cidadela do Caos de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1990)
>>> O Calabouço da Morte de Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1984)
>>> O Feiticeiro da Montanha de Fogo de Steve Jackson; Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1991)
>>> Rostos da Portugalidade de Luís Machado pela Vega (2010)
>>> LIVRO NOVO! A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Principis (2021)
>>> A Nave Espacial Traveller de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1982)
>>> Norse Mythology de Neil Gaiman pela W. W. Norton & Company (2017)
>>> A Mão e a Luva de Machado de Assis pela Prazer de Ler (2016)
>>> Buda: na Floresta de Uruvella -vol. VI de Osamu Tezuka pela Conrad (2005)
>>> Buda. Em Busca da Iluminação. Vol. IV de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> Literatura Ao Sul de Luis Augusto Fischer pela Universidade de Passo Fundo (2009)
>>> Buda. a Outra Margem do Rio. Vol. III de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> O Cavaleiro da Esperança de Jorge Amado pela Record (1987)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Globo (2015)
>>> Passagens da Antiguidade ao Feudalismo de Perry Anderson pela Brasiliense (1987)
>>> O Não Me Deixes - Suas Histórias e Sua Cozinha de Rachel de Queiroz pela Arx (2004)
>>> George Sand de René Doumic pela Perrin (1922)
>>> Sybil de Flora Rheta Schreiber pela Círculo do Livro
>>> Dicionário de Filologia e Gramática Referente à Língua Portuguesa de J. Mattoso Câmara Jr. pela J. Ozon (1968)
>>> Declarnado - se culpado de Scott Turow pela Record (1993)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 28/2/2018
O jogo não pode parar
Isaac Rincaweski

+ de 400 Acessos

O futebol sempre foi meu esporte preferido. Jogávamos em qualquer lugar (principalmente na rua de terra esburacada da minha casa), desde que fosse possível a fixação das traves (duas pedras, bem grandes!), sendo que bola alta não validava o gol, pois nunca tínhamos certeza de que ela passava dentro na linha imaginária do que deveria ser uma trave de verdade.

Pior do que jogar em estrada esburacada e cheia de pedras soltas, tendo que parar o jogo a cada vez que passava um carro, era jogar no pasto cheio de vacas da casa da oma (avó) do meu vizinho, repleto de bostas frescas, com o agravante de ter que tomar o cuidado de não perder a bola, devido ao forte declive do terreno. É claro, também tínhamos cuidado para não trocar a bola por bosta de vaca na hora do chute.

Nossa bola de couro geralmente estava em frangalhos, com vários gomos faltantes, e chegava a pesar quase uma tonelada quando estava molhada. Os dedos dos meus pés eram roxos e tortos devido aos constantes chutes em pedras ou nas canelas dos outros guris, na tentativa de acertar a bola.

Às vezes reuníamos nossa turma e fazíamos uma pequena excursão nos arredores para jogar algum torneio organizado por outras “turmas”. Nessas ocasiões, era prudente o uso de algum calçado, pois o clima de final de Libertadores era a senha para um jogo duro, com vantagem para o time da casa (sempre jogávamos no campo do adversário, pois nosso campinho, “pasto” ou “rua” não era aprovado pela federação internacional).

O pau comia solto. A regra era clara: do pescoço para baixo, valia tudo! Mesmo assim, quando criança, nunca me machuquei gravemente jogando aquilo que eu acreditava que fosse o melhor futebol do mundo!

Eu tinha 6 anos e frequentava o Jardim de Infância. Nosso uniforme era uma espécie de bata de cor azul quadriculada, do mesmo tipo daquelas toalhas usadas em piquenique. Era simplesmente horrível!

Eu odiava ser obrigado a usar aquilo, pois, em minha opinião, era parecido com um vestido. Sorte minha é que a dos meninos era azul e a das meninas era rosa. Excetuando o uniforme, eu adorava frequentar o Jardim de Infância e também participar de todas as atividades. O simples ato de ir e vir já era uma aventura! Eu e meus inseparáveis amigos, Beto, Tutti e Jano, aprontávamos bastante naqueles quase dois quilômetros de estrada que tínhamos de caminhar diariamente, principalmente em dias de chuva, com banhos e brincadeiras nos ribeirões existentes pelo caminho.

E foi no Jardim de Infância que fui iniciado na prática de outros esportes, e, dentre eles, a corrida foi marcante. Aquela era a minha primeira corrida “oficial”. Estávamos todos os garotos perfilados na beira de um campo de futebol (sem bostas de vaca e, incrivelmente plano) aguardando somente o apito da tia.

Mesmo com apenas 6 anos, e com o trecho a ser percorrido não sendo superior a 50 metros, eu me sentia como se estivesse participando de uma Olimpíada, tamanha era a adrenalina que percorria o meu corpo naquele momento.

O apitou soou! Saímos em disparada, correndo como loucos. Eu queria vencer aquela prova... Ah, como eu queria. Olhei para os lados e vi que estava um pouquinho à frente dos demais competidores, mas, nesse momento, me distraí um pouco e tropecei numa pequena saliência no gramado. Não foi uma simples queda, eu rolei na grama, diversas vezes. E a cada giro, eu via meus amigos se distanciarem cada vez mais, pois ninguém se importou com a minha queda, pelo contrário, comemoraram a desistência de um concorrente.

Quanto parei de rolar e comer grama, levantei-me e logo senti uma forte dor no ombro. Fui levado ao hospital e constataram que tive uma fratura na clavícula, o que me obrigou a ficar com a região imobilizada pelo período de um mês, aproximadamente, o que, na minha contagem de tempo, era o equivalente a uns 30 anos!.

A primeira semana (7 anos!) foi realmente terrível para mim. Ainda sem entender a gravidade da lesão e os limites do meu pequeno corpo, eu quase não me mexia (com medo ficar torto pelo resto da vida), mas, após essa primeira semana de adaptação, fui ganhando confiança e, como a capacidade de recuperação de uma criança é incrivelmente superior à de um adulto, a dor e a humilhação da queda foram rapidamente esquecidas. Mesmo estando imobilizado na forma de um “cabide”, em poucos dias, utilizando técnicas de contorcionismo que só uma criança se arrisca a fazer, eu já havia encontrado outras maneiras de brincar e me divertir (bolinha de gude, bate figurinha e bilboquê, por exemplo), conseguindo, dessa forma, uma boa redução da minha pena de 30 anos.

Ah, e é claro que, após alguns dias de confinamento, eu também já estava batendo uma bolinha na rua, afinal, eu só havia quebrado a clavícula, não as pernas!


Postado por Isaac Rincaweski
Em 28/2/2018 às 08h59


Mais Blog de Isaac Rincaweski
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Ditadura Acabada - Volume 5
Elio Gaspari
Intrínseca
(2016)
R$ 20,00



Registros Relatórios E Arquivos
Karl E. Ettinger
Ibrasa
R$ 9,00



O Que é Medicina Preventiva
Kurt Kloetzel
Brasiliense
(1985)
R$ 12,00



A Droga da Obediência
Pedro Bandeira
Moderna
(2000)
R$ 17,00



Miq Juster e as Quimeras de Mc Rat
Tom C. Raseck
Aldrava Letras e Artes
(2003)
R$ 5,00



O Proprietário
Jhom Galsworthy
Record
R$ 4,68



Direito Civil Aplicado - Vol 1
Cláudia Fialho, Maria Emília Naves Nunes
Lumen Juris
(2016)
R$ 75,00



A Linguagem da Política 4
Harold Lasswell
Universidade de Brasília
(1980)
R$ 15,00



O Tempo de Keynes nos Tempos do Capitalismo EAN: 9788569220091
Luiz Gonzaga Belluzzo
Facamp
(2016)
R$ 40,00



Homem de Ferro Vírus ( Novo)
Alex Irvine
Novo Século
R$ 15,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês