O conservadorismo e a refrega de símbolos | Ricardo Gessner

busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sidney Rocha lança seu novo livro, A Lenda da Seca
>>> Oficina de Alegria encerra o mês das crianças com a festa Bloquinho na Praça - 27 de outubro
>>> EMP Escola de Música faz apresentação gratuita de alunos e professores
>>> Miami Ad School Rio promove curso sobre criatividade que desmistifica o padrão do que é ser criativo
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Por um triz
>>> Sete chaves a sete cores
>>> Feira livre
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cuidado: Texto de Humor
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> My fair opinion
>>> Hitler e outros autores
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Queijos
>>> A trilogia da vingança de Park Chan-Wook
>>> Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
Mais Recentes
>>> Awakening the Buddha Within: Tibetan Wisdom for the Western World de Lama Surya Das pela Broadway Books (1998)
>>> Practicing Peace in Times of War de Pema Chodron pela Shambhala (2006)
>>> Nietzsche: O Humano Como Memoria e Como Promessa de Oswaldo Giacoia Júnior pela Vozes (2013)
>>> Nietzsche e Sião: a União de Duas Forças Ideológicas Opostas de Jacob Golomb pela Madras (2005)
>>> Mito e Música em Wagner e Nietzsche de Luiz Claudio Moniz pela Madras (2014)
>>> Ilusoes do Eu: Spinoza e Nietzsche de A Martins, H Santiago, L C Oliva pela Record (2011)
>>> Caitanya Sataka. Cem versões em glorificação de Chandramukha Swami pela Govinda (2013)
>>> The I Ching, Or, Book of Changes (bollingen Series Xix) de Ed Richard Wilhelm pela Princeton University Press (1997)
>>> A Experiência humana de Deus como experiência de graça de Inácio Luiz Rhoden pela Unisinos (2004)
>>> Origem do Ocidente. a antiguidade em Nietzsche de Alan Sampaio pela Unijuí (2008)
>>> Nietzsche Asceta de Mauro Araújo de Sousa pela Unijuí (2009)
>>> Em Busca de um Lugar ao Sol: Nietzsche e a Cultura Alema de Ivo da Silva Junior pela (vide) (2008)
>>> Wagner em Bayreuth de Friedrich Nietzsche pela Zahar (2009)
>>> Nietzsche... (dos companheiros) de Carlos Henrique Escobar pela 7 Letras (2000)
>>> Gilberto Freyre. Pensamento e Ação de Manoel Correia de Andrade (org) pela Fundação Joaquim Nabuco (1995)
>>> As Raízes do Separatismo no Brasil de Manuel Correia de Andrade pela Ufpe (1997)
>>> Ldb - 1996 Contemporanea: Contradicoes, Tensoes, Compromissos de Iria Brzezinski (Org) pela Cortez (2014)
>>> A Temática Indígena na Escola de Pedro Paulo Funari, Ana Piñon pela Contexto (2011)
>>> Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento de Michel Foucault pela Forense Universitária (2013)
>>> Tristes Trópicos de Claude Lévi-strauss pela Companhia das Letras (1996)
>>> O Pensamento Selvagem de Claude Lévi-strauss pela Papirus (1990)
>>> A Doença Como Caminho de Thornwald Dethlefsen, Rudiger Dahlke pela Cultrix (2002)
>>> Introdução à Linguística Africana de Margarida Petter pela Contexto (2015)
>>> Curso De Linguística Geral de Ferdinand de Saussure pela Cultrix (2012)
>>> Bartolomeu De Las Casas de Frei Carlos Josaphat pela Paulinas (2008)
>>> O Expressionismo de Jacó Guinsburg pela Persoectiva (2002)
>>> Avaliação: novos tempos, novas práticas de Edmar Henrique Rabelo pela Vozes (1998)
>>> Dicionario Paulo Freire de Danilo Streck pela Autêntica (2008)
>>> Atualidade de Paulo Freire de João Francisco de Souza pela Cortez (2002)
>>> Conscientização de Paulo Freire pela Cortez (2016)
>>> Conversas com Igor Stravinski de Igor Stravinski pela Perspectiva (2016)
>>> Um Jato na Contramão. Buñuel no México de Eduardo Peñuela Cañizal pela Com-Arte (1991)
>>> Som-Imagem no Cinema de Luiz Adelmo F. Manzano pela Perspectiva (2010)
>>> As sombras móveis: atualidade do cinema mudo de Luiz Nazário pela da UFMG (1999)
>>> Condicao Humana, A Um Tema Para Religioes Comparadas de Robert Cummings Neville pela Paulus (2005)
>>> El vuelo magico The Magic Flight (Spanish Edition) de Mircea Eliade pela Siruela (1995)
>>> La esencia del cristianismo (Spanish Edition) de Ludwig Feuerbach pela Claridad (2006)
>>> A Construção Histórica da Literatura Umbandista de Diamantino Trindade pela do Conhecimento (2010)
>>> Três Livros de Filosofia Oculta de Henrique Cornelio Agrippa de Nesttesheim pela Madras (2016)
>>> Estética da Melancolia de Marie-Claude Lambotte pela Companhia de Freud (2000)
>>> Bem-vindo ao Deserto do Real! de Slavoj Zizek pela Boitempo (2008)
>>> 500 Anos de Educação no Brasil de Eliane M. Lopes, Luciano Faria, Cynthia G. Veiga pela Autêntica (2007)
>>> Historia da Educação Brasileira de Paulo Ghiraldelli Jr pela Cortez (2013)
>>> Avaliação da Aprendizagem: Componente do Ato Pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Hegel y el Idealismo de Wilhelm Dilthey pela Fondo de Cultura Economico (1956)
>>> Introducción a las Ciencias del Espiritu Tomo I de Guilhermo Dilthey pela Espasa Calpe (1948)
>>> Linhas Fundamentais do Pensamento de Nietzsche de Werner Stegmaier pela Vozes (2013)
>>> Antropologia Cultural de Franz Boas pela Ed Zahar (2004)
>>> Eu, Pierre Riviere, Que Degolei Minha Mae, Minha Irma E Meu Irmao de Michel Foucault pela Graal (2012)
>>> Buddhismo de A Cura Di Giovanni Filoramo pela Laterza (2011)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 16/9/2018
O conservadorismo e a refrega de símbolos
Ricardo Gessner

+ de 400 Acessos

Hoje em dia a expressão “sair do armário” deixou de ser aplicada aos homossexuais e passou a se referir à “nova direita”, aos “novos conservadores”. Até pouco tempo, o predomínio da esquerda no campo cultural e no debate público era evidente — e continua sendo –; pouquíssimos intelectuais e artistas se apresentam como “liberais”, “conservadores”, liberal-conservatives ou, simplesmente, de “direita”. Agora, junto ao crescimento e popularização das redes sociais; o aumento do descrédito do Partido dos Trabalhadores; o ceticismo em relação às pautas progressistas, o número de indivíduos apresentando-se como de “direita” é mais abundante.

Com isso, formou-se o que Lira Neto, em sua coluna da Folha (07/01/2018) chamou de “guerra de símbolos”: de um lado estão os “conservadores nos costumes e liberais na economia”; de outro, os progressistas. Trata-se de uma guerra travada principalmente nas redes sociais em que, segundo as palavras do historiador, os conservadores, protegidos pelo politicamente incorreto, “esbravejam vitupérios, expelem platitudes, vomitam sarcasmos” e, ao mesmo tempo, “apontam o dedo censório, invocam preconceitos, cultivam ódios primários” em defesa dos bons costumes. Do outro lado, os progressistas, coitados, são alvejados por ofensas, enquanto lutam — militam — por “conquistas humanas irrevogáveis”.

Lira Neto é um historiador talentoso, construiu uma obra respeitável, escreve bem e publicou livros de fôlego (vide os estudos sobre Getúlio Vargas). Endosso a crítica que faz aos tais “conservadores que vomitam ofensas” pelas redes sociais. No entanto, pontuo que tais indivíduos podem professar o que acreditarem, mas nem por isso serão, de fato, conservadores. De minha parte, não me representam e acredito que outros concordarão comigo. Há uma lacuna entre fé professada e sua conduta; nem sempre estão de acordo e, desse modo, enxergar o lapso é mais importante do que isolar um lado do outro.

Se os “novos conservadores” é um grupo minoritário, como Lira Neto bem acentuou — “Sim, é verdade, eles são barulhentos. Mas estão longe de ser a maioria. Eles, sim, são a verdadeira ‘minoria ruidosa’” –, não se deve tomar a parte pelo todo. As redes sociais estão abarrotadas de “minorias ruidosas” com comportamentos igualmente agressivos, que professam e defendem inúmeras bandeiras, desde a qualidade musical de Pabblo Vittar até a planificação da Terra. Os tais “conservadores” a que se refere o historiador é apenas uma delas.

Não há regras para definir universalmente um conservador ou suas condutas, visto que, segundo alguns teóricos como Michael Oakeshott, trata-se mais de temperamento pessoal do que de etiqueta. Se nos reportarmos a Os dez princípios conservadores, de Russel Kirk, veremos que “a atitude a que chamamos conservadorismo é sustentada por um corpo de sentimentos, mais do que por um sistema de dogmas ideológicos”. Uma dessas atitudes é o “princípio de imperfectibilidade”: “A natureza humana sofre irremediavelmente de certas faltas graves, sabem os conservadores. Sendo o homem imperfeito, nenhuma ordem social perfeita pode ser criada. Devido à inquietação natural, a espécie humana se rebelaria sob uma dominação utópica e eclodiria uma vez mais em descontentamento violento, ou senão, expiraria em tédio”. Desse modo, vitupérios, ofensas, grosserias e demais formas de insulto não correspondem à conduta conservadora e, de maneira nenhuma, são os “símbolos” defendidos na “guerra” apresentada por Lira Neto.

O conservador considera-se herdeiro de algo bom e que precisa ser preservado. Essa herança pode estar associada com valores morais; sistemas políticos; jurídicos; artísticos. Não se trata de conservar algo ad aeternum, mas de incorporá-lo às mudanças culturais. Um pilar fundamental do pensamento conservador é o ceticismo em relação a ideologias, revoluções e mudanças abruptas, pois nem sempre um avanço é sinônimo de melhoramento. Mudanças devem acontecer e adaptações devem ser feitas, mas desde que de forma prudente.

Com isso, os principais “símbolos” defendidos pelo conservador, supondo-se a guerra, são aqueles acumulados pela tradição: um conjunto de valores que nos constituíram. Para utilizar os termos de Kirk: “É senso conservador de que as pessoas modernas são anões nos ombros de gigantes, capazes de enxergar mais longe que seus ancestrais apenas devido à grande estatura daqueles que nos precederam no tempo”. Noutras palavras, se derrubarmos e assassinarmos o “gigante” — isto é, a tradição — faremos um retrocesso e voltaremos a enxergar apenas — sejamos otimistas — o próprio nariz.

Além isso, gostaria de salientar um detalhe a respeito da expressão “conservador nos costumes e liberais na economia”, ou sua expressão original: liberal-conservative. Se nos reportarmos ao livro de Edmund Burke, veremos que o liberalismo econômico é incompatível à conduta conservadora; encontraremos um posicionamento similar em outros conservadores, como em O que é conservadorismo, de Roger Scruton (posteriormente o autor irá rearticular esse posicionamento). Outros podem apresentar-se como liberal-conservatives, mas de modo diferente: liberal nos costumes e conservador na política. Enfim, aclarar cada nuance estenderia os propósitos originais deste texto. O mais importante, por ora, é salientar que a expressão, (hoje) aparentemente contraditória, é aceita por ser uma forma de adaptação ao contexto contemporâneo, não sendo, portanto, uma absurdidade como alguns acreditam.

Por fim, o senhor Lira Neto cita algumas estatísticas, apresentada nos seguintes termos (os destaques são meus):

“Uma segunda pesquisa, (…), indica que nada menos de 70% dos entrevistados são contrários às privatizações indiscriminadas. Apenas 20% se declararam a favor de que as empresas públicas sejam vendidas a rodo para a iniciativa privada, enquanto os 10% restantes são indiferentes ou não souberam responder. Entre os jovens, 68% não acreditam na tal “mão invisível” como panaceia para todos os nossos males históricos.

A terceira pesquisa, enfim, publicada no penúltimo dia do ano, aponta o crescimento do apoio à descriminalização do aborto entre os brasileiros. Nesse caso, 61% dos entrevistados se disseram favoráveis à interrupção da gravidez quando há risco de morte para a mãe.

Outros 53%, segundo o Datafolha, também defendem o direito ao aborto para mulheres vítimas de estupro, ao contrário do que querem os conservadores aboletados no Congresso Nacional. Mais uma vez, um detalhe salta à vista: a maior parcela dos que defendem a descriminalização do aborto é composta por jovens entre 16 e 24 anos.”


A despeito de meu ceticismo em relação a numerologia estatística, assim como o crédito irrefletido à visão de mundo jovem, as expressões destacadas — “indiscriminadas; vendidas a rodo” — não pressupõem “prudência” e, assim, é possível que haja conservadores que também se oponham ao caráter indiscriminado das privatizações, assim como às “vendas a rodo” de empresas públicas. Há possibilidade, portanto, de jovens conservadores estarem incluídos nestes dados, associados de antemão exclusivamente aos progressistas.

p.s.: O texto do senhor Lira Neto está acessível através deste endereço:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/lira-neto/2018/01/1948201-nao-ha-duvida-de-que-uma-guerra-de-simbolos-esta-em-curso.shtml

As citações de Russel Kirk foram feitas a partir do site:

http://tradutoresdedireita.org/os-dez-principios-conservadores/

Recorri ao link, pois não estou com o livro "Política da prudência" (editado pela É Realizações, que inclui “Os dez princípios conservadores) em mãos.


Postado por Ricardo Gessner
Em 16/9/2018 às 23h07


Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA DIONYSOS - Nº 22 (OS COMEDIANTES)
ORLANDO MIRANDA (ORG.)
SNT/MEC
(1975)
R$ 70,00



A DAMA DAS CAMÉLIAS - CAPA DURA
ALEXANDRE DUMAS FILHO
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 20,00



LE AVVENTURE DI PINOCCHIO
CARLO COLLODI
MARZOCCO
(1949)
R$ 79,54



IDOLATRIA PELO ESPIRITO DE ANA LEOCADIA - 15888
BENTA MARIA CROFFI
MENSAGEIROS
(1995)
R$ 10,00



ÁGUA PARA ELEFANTES
SARA GRUEN
ARQUEIRO
(2007)
R$ 9,90



DIREITO PROCESSUAL PENAL ESQUEMATIZADO
ALEXANDRE C. A. REIS E VICTOR EDUARDO R. GONÇALVES
SARAIVA
(2014)
R$ 135,00



ETNOGRAFIA E EDUCAÇÃO - RELATOS DE PESQUISA
CARMEN LÚCIA G. MATTOS / HELENA AMARAL
EDUERJ
(2010)
R$ 14,99



ESTAÇÃO TERMINAL
AUTOR BOILEAU-NARCEJAC
GLOBO
(1980)
R$ 8,99



O DRAMA DA BRETANHA
YVONNE A. PEREIRA
FEB
(1974)
R$ 20,00



SONETOS DO AMOR OBSCURO E DIVÃ DO TAMARIT
FEDERICO GARCÍA LORCA
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 22,00





busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês