O conservadorismo e a refrega de símbolos | Ricardo Gessner

busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
>>> Projeto Entrecruzados lança livro e videodança documental
>>> Inscrições Abertas || Residência Artística no Jardim Botânico de Brasília
>>> Gravação de videoclipe quase provoca prisão do irmão de Gabriel o Pensador
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Melhores Podcasts
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> A imprensa dos ruivos que usam aparelho
>>> Entrevista a Ademir Pascale
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> O Direito à Estupidez
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Salinger: uma vida
>>> Pessach: entre o social e o existencial
>>> Entrevista com João Moreira Salles
Mais Recentes
>>> Qual e que e. de Lalau e laurabeatriz pela Cortez (2004)
>>> Arte e Sociedade nos Cemitérios Brasileiros (2 volumes) de Clarival do Prado Valladares pela Conselho Federal de Cultura - MEC (1972)
>>> Veja--1649--o silvio que voce nunca viu. de Editora abril pela Abril (2000)
>>> Veja--2219--voo af 447--panico na cabine. de Editora abril pela Abril (2011)
>>> Revista dos curiosos--3--tira-teima das copas. de Editora europa pela Europa
>>> Tadeu Chiarelli de A Fotografia e o Tempo, Prêmio Porto Seguro 2009 pela Matavelli (2009)
>>> Galileu--7--historia--por que israel nao tem paz. de Editora globo pela Globo (2006)
>>> As Mil e Uma Noites, Contos Árabes III Volume de Anônimo pela Vademecum
>>> Introdução à Antropologia Cultural de Mscha Titiev pela Fundação Calouste Gulbenkian (1969)
>>> Tempo Brasileiro 70 Em Torno de Freud de Joel Birman, Chaim Samuel Katz e outros pela Tempo Brasileiro (1982)
>>> Vivências de Hermann Hesse pela Record
>>> Vidas Paralelas (Rainhas do Romance 52) de Linda Lael Miller pela Harlequin (2011)
>>> Caminhos da Sedução (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 53) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> O Gosto Do Pecado - Coleção Harlequin Primeiros Sucessos. Número 37 de Diana Palmer pela Harlequin (2013)
>>> Desafio de uma Vida (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 49) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> Amor Eterno - Special 81 de Caroline Anderson pela Harlequin (2013)
>>> Negócios À Parte - Sabrina 1618 de Fern Michaels pela Nova Cultural (2010)
>>> Se houver amanhã - Julia 1354 de Suzanne McMinn pela Nova Cultural (2005)
>>> Um Novo Amor! - Sabrina 1617 de Jerri Corgiat pela Nova Cultural (2004)
>>> Sete anos de feitiço - Coleção Desejo Novo, N° 38 de Heidi Betts pela Harlequin (2006)
>>> Amor fora-da-lei - Série Mavericks - Os Indomáveis 06 de Pat Warren pela Harlequin (2008)
>>> Beijos & Desejos - Coleção Harlequin Desejo Clássicos. Número 5 de Charlene Sands pela Harlequin (2014)
>>> Paixão e Atração - Harlequin Paixão #151 de Lucy Monroe e Trish Morey pela Harlequin (2009)
>>> Uma Noite Inesquecível / Doce Proposta - Harlequin Desejo Livro 227 de Brenda Jackson pela Harlequin (2015)
>>> Paixão Total de Jackie Braun pela Harlequin Books (2009)
>>> A ilha dos deuses de Nora Roberts pela Harper Collins (2016)
>>> Bruxa da noite de Nora Roberts pela Arqueiro (2015)
>>> Um Amor Para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2005)
>>> Anjos à mesa de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Nunca diga adeus de Doug Magee pela Arqueiro (2012)
>>> O amor mora ao lado de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Melhor que chocolate: Uma história sobre amor, Paris e teimosia de Laura Florand pela Única (2015)
>>> O lago místico de Kristin Hannah pela Novo Conceito (2014)
>>> O Jeito que me Olha de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> Não Posso me Apaixonar de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Quero ser seu de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Um Olhar de Amor de Bella André pela Novo Conceito (2012)
>>> Perto de Você de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> A arte da ilusão de Nora Roberts pela Harper Collins (2015)
>>> O Presente do Meu Grande Amor. Doze Histórias de Natal de Stephanie Perkins pela Intrínseca (2014)
>>> Para Sempre de Kim e Krickitt Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Perfeito Cavalheiro de Julia Quinn pela Arqueiro (2014)
>>> Felizes Para Sempre de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Bem Casados de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Mar de Rosas de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Álbum de Casamento de Nora Roberts pela Arqueiro (2013)
>>> Á Primeira Vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Pode Beijar a Noiva de Patricia Calbot pela Essência (2012)
>>> Professional PHP4 Programming (Programmer to programmer) Importado de Deepak Thomas pela Wrox (2002)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 16/9/2018
O conservadorismo e a refrega de símbolos
Ricardo Gessner

+ de 700 Acessos

Hoje em dia a expressão “sair do armário” deixou de ser aplicada aos homossexuais e passou a se referir à “nova direita”, aos “novos conservadores”. Até pouco tempo, o predomínio da esquerda no campo cultural e no debate público era evidente — e continua sendo –; pouquíssimos intelectuais e artistas se apresentam como “liberais”, “conservadores”, liberal-conservatives ou, simplesmente, de “direita”. Agora, junto ao crescimento e popularização das redes sociais; o aumento do descrédito do Partido dos Trabalhadores; o ceticismo em relação às pautas progressistas, o número de indivíduos apresentando-se como de “direita” é mais abundante.

Com isso, formou-se o que Lira Neto, em sua coluna da Folha (07/01/2018) chamou de “guerra de símbolos”: de um lado estão os “conservadores nos costumes e liberais na economia”; de outro, os progressistas. Trata-se de uma guerra travada principalmente nas redes sociais em que, segundo as palavras do historiador, os conservadores, protegidos pelo politicamente incorreto, “esbravejam vitupérios, expelem platitudes, vomitam sarcasmos” e, ao mesmo tempo, “apontam o dedo censório, invocam preconceitos, cultivam ódios primários” em defesa dos bons costumes. Do outro lado, os progressistas, coitados, são alvejados por ofensas, enquanto lutam — militam — por “conquistas humanas irrevogáveis”.

Lira Neto é um historiador talentoso, construiu uma obra respeitável, escreve bem e publicou livros de fôlego (vide os estudos sobre Getúlio Vargas). Endosso a crítica que faz aos tais “conservadores que vomitam ofensas” pelas redes sociais. No entanto, pontuo que tais indivíduos podem professar o que acreditarem, mas nem por isso serão, de fato, conservadores. De minha parte, não me representam e acredito que outros concordarão comigo. Há uma lacuna entre fé professada e sua conduta; nem sempre estão de acordo e, desse modo, enxergar o lapso é mais importante do que isolar um lado do outro.

Se os “novos conservadores” é um grupo minoritário, como Lira Neto bem acentuou — “Sim, é verdade, eles são barulhentos. Mas estão longe de ser a maioria. Eles, sim, são a verdadeira ‘minoria ruidosa’” –, não se deve tomar a parte pelo todo. As redes sociais estão abarrotadas de “minorias ruidosas” com comportamentos igualmente agressivos, que professam e defendem inúmeras bandeiras, desde a qualidade musical de Pabblo Vittar até a planificação da Terra. Os tais “conservadores” a que se refere o historiador é apenas uma delas.

Não há regras para definir universalmente um conservador ou suas condutas, visto que, segundo alguns teóricos como Michael Oakeshott, trata-se mais de temperamento pessoal do que de etiqueta. Se nos reportarmos a Os dez princípios conservadores, de Russel Kirk, veremos que “a atitude a que chamamos conservadorismo é sustentada por um corpo de sentimentos, mais do que por um sistema de dogmas ideológicos”. Uma dessas atitudes é o “princípio de imperfectibilidade”: “A natureza humana sofre irremediavelmente de certas faltas graves, sabem os conservadores. Sendo o homem imperfeito, nenhuma ordem social perfeita pode ser criada. Devido à inquietação natural, a espécie humana se rebelaria sob uma dominação utópica e eclodiria uma vez mais em descontentamento violento, ou senão, expiraria em tédio”. Desse modo, vitupérios, ofensas, grosserias e demais formas de insulto não correspondem à conduta conservadora e, de maneira nenhuma, são os “símbolos” defendidos na “guerra” apresentada por Lira Neto.

O conservador considera-se herdeiro de algo bom e que precisa ser preservado. Essa herança pode estar associada com valores morais; sistemas políticos; jurídicos; artísticos. Não se trata de conservar algo ad aeternum, mas de incorporá-lo às mudanças culturais. Um pilar fundamental do pensamento conservador é o ceticismo em relação a ideologias, revoluções e mudanças abruptas, pois nem sempre um avanço é sinônimo de melhoramento. Mudanças devem acontecer e adaptações devem ser feitas, mas desde que de forma prudente.

Com isso, os principais “símbolos” defendidos pelo conservador, supondo-se a guerra, são aqueles acumulados pela tradição: um conjunto de valores que nos constituíram. Para utilizar os termos de Kirk: “É senso conservador de que as pessoas modernas são anões nos ombros de gigantes, capazes de enxergar mais longe que seus ancestrais apenas devido à grande estatura daqueles que nos precederam no tempo”. Noutras palavras, se derrubarmos e assassinarmos o “gigante” — isto é, a tradição — faremos um retrocesso e voltaremos a enxergar apenas — sejamos otimistas — o próprio nariz.

Além isso, gostaria de salientar um detalhe a respeito da expressão “conservador nos costumes e liberais na economia”, ou sua expressão original: liberal-conservative. Se nos reportarmos ao livro de Edmund Burke, veremos que o liberalismo econômico é incompatível à conduta conservadora; encontraremos um posicionamento similar em outros conservadores, como em O que é conservadorismo, de Roger Scruton (posteriormente o autor irá rearticular esse posicionamento). Outros podem apresentar-se como liberal-conservatives, mas de modo diferente: liberal nos costumes e conservador na política. Enfim, aclarar cada nuance estenderia os propósitos originais deste texto. O mais importante, por ora, é salientar que a expressão, (hoje) aparentemente contraditória, é aceita por ser uma forma de adaptação ao contexto contemporâneo, não sendo, portanto, uma absurdidade como alguns acreditam.

Por fim, o senhor Lira Neto cita algumas estatísticas, apresentada nos seguintes termos (os destaques são meus):

“Uma segunda pesquisa, (…), indica que nada menos de 70% dos entrevistados são contrários às privatizações indiscriminadas. Apenas 20% se declararam a favor de que as empresas públicas sejam vendidas a rodo para a iniciativa privada, enquanto os 10% restantes são indiferentes ou não souberam responder. Entre os jovens, 68% não acreditam na tal “mão invisível” como panaceia para todos os nossos males históricos.

A terceira pesquisa, enfim, publicada no penúltimo dia do ano, aponta o crescimento do apoio à descriminalização do aborto entre os brasileiros. Nesse caso, 61% dos entrevistados se disseram favoráveis à interrupção da gravidez quando há risco de morte para a mãe.

Outros 53%, segundo o Datafolha, também defendem o direito ao aborto para mulheres vítimas de estupro, ao contrário do que querem os conservadores aboletados no Congresso Nacional. Mais uma vez, um detalhe salta à vista: a maior parcela dos que defendem a descriminalização do aborto é composta por jovens entre 16 e 24 anos.”


A despeito de meu ceticismo em relação a numerologia estatística, assim como o crédito irrefletido à visão de mundo jovem, as expressões destacadas — “indiscriminadas; vendidas a rodo” — não pressupõem “prudência” e, assim, é possível que haja conservadores que também se oponham ao caráter indiscriminado das privatizações, assim como às “vendas a rodo” de empresas públicas. Há possibilidade, portanto, de jovens conservadores estarem incluídos nestes dados, associados de antemão exclusivamente aos progressistas.

p.s.: O texto do senhor Lira Neto está acessível através deste endereço:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/lira-neto/2018/01/1948201-nao-ha-duvida-de-que-uma-guerra-de-simbolos-esta-em-curso.shtml

As citações de Russel Kirk foram feitas a partir do site:

http://tradutoresdedireita.org/os-dez-principios-conservadores/

Recorri ao link, pois não estou com o livro "Política da prudência" (editado pela É Realizações, que inclui “Os dez princípios conservadores) em mãos.


Postado por Ricardo Gessner
Em 16/9/2018 às 23h07


Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BEBÊ - MANUAL DO PROPRIETÁRIO
LOUIS BORGENICHT E JOE BORGENICHT
GENTE
(2003)
R$ 10,90



PRETTY BABY
WILLIAM HARRISON
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1977)
R$ 9,00



AGAPINHO - ÁGAPE PARA CRIANÇAS
PADRE MARCELO ROSSI
GLOCO
(2012)
R$ 10,00



EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - UMA VISÃO INTEGRADA
MICHAEL MOORE E GREG KEARSLEY
THOMSON
(2007)
R$ 39,00



SPY DOG 05 - NA COLA DO FOGUETE
ANDREW COPE
FUNDAMENTO
(2018)
R$ 12,00



O MUNDO DE JIA ZHANGKE
JEAN-MICHEL FRODON
COSAC NAIFY
(2014)
R$ 70,00
+ frete grátis



GRUNDISSE
KARL MARX
BOITEMPO
(2011)
R$ 59,00



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY / PETER LANDNESS
AFILIADA
(2015)
R$ 10,00



DICIONÁRIO UNESP DO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO - NOVA ORTOGRAFIA
FRANCISCO S. BORBA (ORG.)
PIÁ
(2011)
R$ 100,00



FORÇAS & FORMAS: ASPECTOS DA POESIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA (DOS ANOS 70 AOS 90)
WILBERTH CLAYTHON FERREIRA SALGUEIRO
EDUFES
(2002)
R$ 25,00





busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês