Domingos de Oliveira (1936-2019) | Julio Daio Bløg

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
>>> The Flickrization of Yahoo!
>>> TechCrunch Disrupt
Mais Recentes
>>> Ruf Der Nacht, Der de Susanna Kearsley pela Piper (2003)
>>> O Real e o Místico no Cadinho da Vida - Volume 2 de Oto Ferreira Alváres pela Thesaurus (2013)
>>> A Primeira Vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro
>>> Curso Prático de Microondas - Refeições Rápidas de Vários Autores pela Globo (1985)
>>> Coleção Professor Pasquale Explica - Interpretação de Textos 11 de Pasquale Cipro Neto pela Gold
>>> Fuga Sobre o Branco de Cesar Kiraly pela Patuá
>>> Lolita de Vladimir Nabokov; Jorio Dauster pela Folha de S. Paulo (2003)
>>> Marketing - Entendendo suas funções e desafios de José Aragão da silva pela Buqui (2017)
>>> Dearly, Beloved: uma Nova Ameaça de Ana Luísa Astiz; Lia Habel pela Id (2013)
>>> Lessons, a Novel de Lee Zacharias pela Houghton Mifflin (1981)
>>> Os Guerreiros do Campo de Deonisio da Silva pela Mandarim (2000)
>>> Feuermale de Tami Hoag pela Ct clube (1999)
>>> Filhos de Galagah de Leandro Reis pela Idea (2008)
>>> Quem Falou Isso? de Ray Dizazzo pela Record (2003)
>>> É Tudo tão Simples de Danuza Leão pela Harper Collins (2011)
>>> O Brasil Em Transformação de Mailson da Nóbrega pela Gente (2000)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Folha de S. Paulo (2003)
>>> Poesias de Machado de Assis pela W. M. Jackson (1950)
>>> Clarice na cabeceira de Clarice Lispector pela Rocco (2011)
>>> A Estranha Madame Mizu de Thierry Lenain pela Cia das Letrinhas (1998)
>>> Histórias de Arrepiar os Cabelos de Alfred Hitchcock pela Record
>>> Os Pensadores - Maquiavel de Nova Cultural pela Nova Cultural (1999)
>>> Os Pensadores - Bentham Stuart Mill de Vários Autores pela Nova Cultural
>>> Tópicos Avançados Em Finanças no Brasil de José Nicolas Albuja Salazar pela Alinea (2005)
>>> Pé na África de Fábio Zanini pela Folha (2009)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 25/3/2019
Domingos de Oliveira (1936-2019)
Julio Daio Borges

+ de 1300 Acessos

Wilde dizia que colocava o talento no trabalho e o gênio na vida - mas acabou mal, renegado pelo grande amor de sua vida, condenado quando a homossexualidade era crime, vindo a perecer num hotel em Paris, onde, dizem, olhando o papel de parede, proferiu: “Morro como sempre vivi, além de minhas posses”.

Domingos de Oliveira também era bom de frases, mas, ao contrário de Wilde, não se importava muito com a divisão entre “vida” e “obra” - preferindo misturá-las, apelando para a autobiografia, sempre que possível, antes da moda da “autoficção”.

Temos de nos lembrar de que ele foi marido de Leila Diniz, um dos ícones do feminismo e da liberação das mulheres, no Brasil. Ela, aliás, atua em “Todas as mulheres do mundo”, filme de Domingos de 1966, autobiográfico desde o título. Depois, Rita Lee compôs - em sua homenagem - a canção homônima, de 1993, onde entoa: “Toda mulher quer ser amada/ Toda mulher quer ser feliz/ Toda mulher se faz de coitada/ Toda mulher é meio Leila Diniz”.

Domingos também foi o pai de Maria Mariana, autora de “Confissões de adolescente”, best-seller dos anos 90, que depois virou série na TV Cultura. Autobiográfica como o pai, Mariana compartilhava sua vida pessoal, mesmo depois do sucesso do livro, com a geração MTV, antes dos “reality shows” e da geração YouTube. Sem o mesmo talento - ou gênio - do pai, vale ressaltar.

Outra mistura que Domingos gostava de fazer era entre teatro e cinema. “Separações”, seu longa de 2002, uma consagração tardia, é um filme com uma peça de teatro dentro. E, logo depois, deu origem a uma outra peça, com Priscilla Rozenbaum, a Glorinha do filme, sua mulher na vida real, casada com Cabral, interpretado, claro, por Domingos.

“Separações” é tão bom porque é Domingos de Oliveira do começo ao fim, desde o texto até a direção, passando por ele, como ator, no papel dele próprio. Suas máximas sobre amor, relacionamento, casamento, separação já valem o filme. Cabral nos surge como um sábio do bem viver, mas despretensioso, sujeito a erros e arrependimentos, muito distante dos infalíveis manuais de autoajuda ou dos, hoje, “life coaches”.

Desse filme pra cá, de 2002 pra cá portanto, Domingos se converteu num mestre oral, exalando sabedoria, como um vulcão, em qualquer mídia - além de cinema e teatro, óbvio, programas de televisão, entrevistas, livros e, ultimamente, até em posts de Facebook, onde se derramava, em mais de um perfil, como se não houvesse amanhã.

Li suas peças, tempos atrás, numa coletânea da editora Global, e não eram tão boas quanto as de Nelson Rodrigues (naturalmente uma inspiração). E minha impressão é de que Domingos era muito passional e tinha dificuldade em ser “objetivo” e, suficientemente, racional para colocar todo seu talento (ou gênio) “apenas” no trabalho. Era um artista transbordante, algo como um Vinicius de Moraes tardio, mas sem o mesmo rigor poético e sem encontrar seu Tom Jobim, sem a “sua” Bossa Nova portanto.

Escrevi, agora não me lembro exatamente (talvez por influência dele), sobre “Separações” e/ou a peça que veio depois, a que assistimos no Sesc Paulista (esta impressionando menos do que aquele). Passado algum tempo, recebi, de Domingos, por correio, um convite para a pré-estreia de “Feminices”, seu próximo filme, no antigo Espaço Unibanco, ao qual não pude ir.

Pensei, na época, que daria no mesmo ver o filme depois. Mas não daria, não - porque Domingos estava lá, em pessoa, e encontrá-lo teria sido tão bom quanto o filme, ou melhor, ou muito melhor.

Talvez uma biografia nos dê a real dimensão do artista. Ou talvez nem isso. Platão escreveu sobre Sócrates antes dos Evangelistas - e estamos discutindo, até hoje, quem foi Sócrates, quem foi Platão. Os grandes homens são como as grandes questões: inesgotáveis.

Descanse em paz, Domingos de Oliveira.


Postado por Julio Daio Borges
Em 25/3/2019 às 09h26


Mais Julio Daio Bløg
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tio Patinhas Nº 137
Walt Disney
Abril
(1976)



Sobre Kant: Lebrun - Confira !!!
Rubens Rodrigues Torres Filho
Iluminuras / Edusp
(1993)



Historia do Automóvel: V. 3
Jose Luiz Vieira
Alaúde
(2010)



O Que Realmente Importa?
Anderson Cavalcante
Buzz
(2017)



Madame Sousatzka
Bernice Rubens
Imago
(1988)



Turma da Monica Jovem Vol. 4 -Mônica e o Cavaleiro
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2017)



Fit For Growth: a Guide to Strategic Cost Cutting, Restructuring, And
John Plansky - Vinay Couto - Deniz Caglar
Wiley
(2017)



9 Atitudes das Pessoas Bem Sucedidas
Heidi Grant Halvordon
Sextante
(2015)



Partidas - Ausências Rupturas Despedidas / Livro de Bolso
Lidia Izecson de Carvalho; Paula Marina
Dobradura Editorial
(2014)



A História de Guto Gato
Toni Brandão; Suppa
Studio Nobel
(2007)





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês