A política como cinema: Lula lá | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
>>> Cia de Teatro Heliópolis realiza debates sobre Cárcere, projeto que celebra 20 anos de grupo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler, investir, gestar
>>> Top 10 da literatura
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Queime depois de ler, de Joel e Ethan Coen
>>> Chorões e seresteiros
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Toda maneira de amor vale a pena de Bety Orsini pela Primeira pessoa
>>> Transformando suor em ouro de Bernadinho pela Sextante
>>> Ora, Vírgulas! de Rosana Rios pela Global (2008)
>>> O Livro da Escrita de Ruth Rocha; Otavio Roth pela Melhoramentos (2000)
>>> Midias sociais transformadoras de Beth Kanter e Allison H. Fine pela Évora
>>> Gabi e o Tesouro do Oriente de Tiago de Melo Andrade pela Melhoramentos (2009)
>>> Pense como patrão de Barry Eigen pela Saraiva
>>> Trabalho de Criança Não é Brincadeira, Não! de Rossana Ramos pela Cortez (2011)
>>> Urso Benjamim Pede Desculpas de Claire Freedman pela Hagnos (2008)
>>> O corpo em terapia a abordagem bioenergética de Alexander Lowen pela Summus
>>> Shakespeare para apaixonados de Allan Percy pela Sextante
>>> O Pintinho Que Nasceu Quadrado de Regina Chamlian; Helena Alexandrino pela Global (2007)
>>> A Margarida Friorenta de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2008)
>>> Bebel, a Gotinha Que Caiu do Céu de Patrícia Engel Secco; Cris Alhadeff pela Melhoramentos (2012)
>>> Superação da Lógica Classificatória e Excludente da Avaliação de Celso dos Santos Vasconcellos pela Libertad (1998)
>>> O vendedor de sonhos de Augusto Cury pela Academia
>>> Disciplina - Construçao da Disciplina Consciente de Celso dos Santos Vasconcellos pela Libertad (2000)
>>> O futuro da humanidade de Augusto Cury pela Sextante
>>> IRPJ/CSLL 2012 de Aldenir Ortiz Rodrigues e outros pela IOB
>>> Manual de produção de textos acadêmicos e cientificos PLT 772 de Ada Magaly e Matias Brasileiro pela Atlas
>>> O pequeno principe de Antoine de Saint - Exupéry pela Agir
>>> Educação Em Primeiro Lugar de Arnaldo Niskier pela Moderna (1992)
>>> Cem dias entre o céu e mar de Amyr Klink pela Companhia das letras
>>> Como Sobreviver no Espaço de Anita Ganeri pela Abril (1995)
>>> Tex Nº 54 - 2ª Edição - Quando Explodem os Canhões de Giovanni Luigi Bonelli pela Vecchi
COLUNAS

Segunda-feira, 13/12/2004
A política como cinema: Lula lá
Lucas Rodrigues Pires

+ de 2800 Acessos

Dois anos depois de eleito presidente, chegam aos cinemas dois documentários sobre Lula, um diretamente inspirado no candidato, outro indiretamente, voltado ao tempo das greves em que Lula surgiu no cenário nacional. O primeiro é Entreatos, de João Moreira Salles, o outro Peões, de Eduardo Coutinho. Ambos distintos em suas propostas, em sua linguagem, em seu intuito, ambos com a presença ou sombra do mesmo personagem.

Assisti aos filmes um seguido do outro. Saí da segunda sessão exausto, overdose de Lula (Entreatos) que cansou minha visão. Lula é uma figura emblemática, carismática e capaz de gerar os mais diversos sentimentos. Quem simpatiza com ele vai ver em Entreatos mais uma razão para admirá-lo, quem não vai com sua cara barbuda encontrará resquícios para criticá-lo a exaustão - os "s" comidos quando fala, o fato de gostar de beber etc. Mas antes de ser um filme sobre os bastidores do último mês de campanha de Lula à presidência - a proposta do filme nasceu da idéia de registrar sem censuras o candidato do PT em todos seus momentos durante o último mês de campanha (Lula anuiu e João Salles, como relata em narração off no início do filme, teve total liberdade para filmar, editar, não tendo inclusive o presidente visto o filme antes de chegar aos cinemas) - Entreatos se parece mais com um tratado sobre a política no Brasil.

O grande lance do filme - e também de seu protagonista - reside em mostrar o que é a política hoje. Salles mostra o que todos nós sabemos - que política é no fundo um jogo de encenação - pela prática. Vemos Lula lendo discursos pelo teleprompter, vemos Duda Mendonça e Aluisio Mercadante discutindo quais os temas que o candidato deveria enfatizar em tal discurso, qual palavra não deveria ser dita, vemos comentários e a repercussão de entrevistas de grandes empresários e de adversários políticos no centro nervoso da campanha Lula e, o que me surpreendeu, o acompanhamento em tempo real do debate entre Lula e Serra por pessoas que comentam o que estão achando e a equipe de Lula passa quase que instantaneamente as instruções do que vai bem e do que não está funcionando para a cúpula transmitir ao próprio candidato no estúdio em que se gravava. A política, tal qual a ficção, é um palco em que figurantes fazem a cena. Mudam-se apenas os nomes. Num são atores, noutro, políticos.

Ironia da situação, João Moreira Salles faz um cinema-verdade (o documentário, intenção de obter a realidade), busca uma realidade máxima que é, ao fim das contas, uma grande ficção. Filma com formato de realidade o que é encenação. Lula é um grande ator, cumpre seu papel com maestria e saímos da exibição com a sensação de que só ele seria capaz de governar este país. De fato, em termos de expressão nacional, como o próprio então candidato afirmou num dos vôos entre comícios, ele é a única liderança nacional. Não há alguém com o carisma e reconhecimento que Lula tem junto ao povo. Mas parece fato também que o homem privado há tempos não existe mais. Cedeu espaço ao homem-show, ao homem-mídia, ao homem público, ao homem-político, adaptado conforme seu tempo e eleitorado exigem. Luis Inácio da Silva morreu. Persiste apenas Lula. Mas um Lula transformado pelo tempo, pela experiência, pelos cabelos brancos e barba rala, pelos ternos de linho e gravatas de seda.

Um tanto longo e cansativo, Entreatos tem momentos de grande interesse histórico e de descontração, como aquele em que Lula, quando se preparavam para gravar um discurso para a TV de Belém, pega o telefone e finge falar com o presidente argentino como se este quisesse Luis Favre (marido de Marta Suplicy) de volta. Ou então quando Salles entrevista o rapaz porto-alegrense que perdera o vôo de Florianópolis-Porto Alegre, mas, depois de cumprimentar Lula no aeroporto, acabou "encaixado" por Lula em sua comitiva que se dirigia à capital gaúcha. É interessante ver também toda a patota de Lula que hoje governa o país: o sempre desconfiado Zé Dirceu, que não gostou da câmera de Salles, o tímido Palocci, hoje o homem forte de Lula, Graziano, José Alencar (responsável pela cena mais interessante do filme junto a Lula e Palocci, quando discutem futebol durante um dos vôos), Gushiken, Duda Mendonça, com seu brinquinho horroroso, Mercadante, o cérebro da turma, e em menor aparição os Suplicys.

Já o documentário de Coutinho, de nome Peões, tem outra proposta. Se em Entreatos a câmera se punha a espiar, a invadir, a registrar momentos como se ali não estivesse (como um Big Brother), Peões faz dela sua razão: Coutinho tira dos personagens depoimentos, eles sabem que estão ali para serem registrados. Em sua simplicidade de filmagens e trabalho - basicamente essas entrevistas filmadas - Coutinho produz história e não apenas cinema. Alias, cinema é o que menos se tem em seus filmes. Desde Cabra Marcado para Morrer, o documentarista reconta em imagens faladas histórias e, assim, vai reconstruindo a História recente do país. Falar das greves de 79 a 81 no ABC paulista é, sem dúvida, entrar no tema da ditadura militar, da migração nordestina, do conflito de classes e ideológico que marcou os anos 70. Peões, indiretamente, trata de tudo isso e mais um pouco. É um filme, antes de tudo, sobre o ser humano, sobre seres humanos que sofreram e lutaram, em determinada época de suas vidas, contra algo que acreditavam injusto e amoral. Lula foi o epicentro desse movimento, o pavio aceso que levou ao engajamento. Metalúrgicos que fizeram parte das greves - anônimos, como está escrito na apresentação do filme - são entrevistados por Coutinho. O diretor vai ao Ceará conversar com alguns que, depois do movimento, por motivos diversos e distintos, voltaram à terra natal. A maioria dos operários do ABC era nordestinos, atraídos pelo pujante crescimento econômico que se dera nos anos 70 com a indústria automobilística e a expansão da rede rodoviária. Trechos de vidas são remontadas num mosaico tão plural mas ao mesmo tempo tão homogêneo. Cada vida é diferente da outra, retalhos de tecidos guardados que no final darão uma bela colcha.

Há entrevistas tocantes pela simplicidade dos personagens, como a da servente do sindicato (foto abaixo) que se orgulha e chega a chorar quando recorda que salvou o filme Linha de Montagem de ser preso pela polícia. Ela chega a dizer que aquilo era importante porque "era a única história que nós tínhamos". De fato, Coutinho utiliza diversas imagens deste filme e de ABC da Greve, de Leon Hirszman.

Na entrevista final, com Geraldo, soldador desempregado que participou do movimento, este explica o que vinha a ser peão. "Peão é aquele que bate cartão, que veste uniforme". Depois de um longo silêncio, em que a câmera permanece firme no rosto de Geraldo, ele pergunta ao diretor se ele já tinha sido peão. A resposta é rápida e simples: "Não". Escurece a tela e fim do filme. Talvez Geraldo não tenha dado a idéia exata de peão. Peão talvez seja o empregado, aquele que é subordinado, que trabalha horas e horas e ainda consegue chegar em casa e sorrir. Também aquele desempregado, que luta, luta e nada no final do dia. São todos peões, fora do âmbito de poder. E, diante disso, talvez Coutinho também esteja errado. Ele é, assim com Geraldo, um peão. Peão do Brasil, de sua história, de suas imagens.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 13/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) de Diogo Salles
02. Deixa se manifestar de Vicente Escudero
03. De onde vem a carne que você come? de Wellington Machado
04. Planejamento de Daniel Bushatsky
05. Amazon 451 de Diego Viana


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lévi-strauss
Edmund Leach
Fontana Modern Masters
(1982)
R$ 28,90



Hp 12c Financial Calculator - Users Guide
Hewlett-packard
Hp
(2004)
R$ 10,00



Práticas Pediátricas - Segunda Edição
Vera L T Aires
Atheneu
(2006)
R$ 36,17



Revista Civilização Brasileira - 1 (caderno especial)
Vários
Civilização Brasileira
(1967)
R$ 5,00



50 Pequenas Coisas Que Você Pode Fazer para Salvar a Terra
The Earth- Works Group
Cículo do Livro
R$ 6,90



Otosclerosis
Philip H. Beales
Wright
(1981)
R$ 23,00



Gramática de Español- Paso a Paso
Adrián Fanjul
Santillana
(2005)
R$ 30,00



Boa Companhia - Haicai
Rodolfo Witzig Guttilla - Org
Companhia das Letras
(2009)
R$ 5,00



Céus Derretidos
Teixeira Coelho Jean-claude Bernardet
Ateli
(1996)
R$ 12,00



Headway Student´s Book + Work Book Beginner
Liz and John Soars
Oxford University Press
(2002)
R$ 30,00





busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês