A política como cinema: Lula lá | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/12/2004
A política como cinema: Lula lá
Lucas Rodrigues Pires

+ de 2700 Acessos

Dois anos depois de eleito presidente, chegam aos cinemas dois documentários sobre Lula, um diretamente inspirado no candidato, outro indiretamente, voltado ao tempo das greves em que Lula surgiu no cenário nacional. O primeiro é Entreatos, de João Moreira Salles, o outro Peões, de Eduardo Coutinho. Ambos distintos em suas propostas, em sua linguagem, em seu intuito, ambos com a presença ou sombra do mesmo personagem.

Assisti aos filmes um seguido do outro. Saí da segunda sessão exausto, overdose de Lula (Entreatos) que cansou minha visão. Lula é uma figura emblemática, carismática e capaz de gerar os mais diversos sentimentos. Quem simpatiza com ele vai ver em Entreatos mais uma razão para admirá-lo, quem não vai com sua cara barbuda encontrará resquícios para criticá-lo a exaustão - os "s" comidos quando fala, o fato de gostar de beber etc. Mas antes de ser um filme sobre os bastidores do último mês de campanha de Lula à presidência - a proposta do filme nasceu da idéia de registrar sem censuras o candidato do PT em todos seus momentos durante o último mês de campanha (Lula anuiu e João Salles, como relata em narração off no início do filme, teve total liberdade para filmar, editar, não tendo inclusive o presidente visto o filme antes de chegar aos cinemas) - Entreatos se parece mais com um tratado sobre a política no Brasil.

O grande lance do filme - e também de seu protagonista - reside em mostrar o que é a política hoje. Salles mostra o que todos nós sabemos - que política é no fundo um jogo de encenação - pela prática. Vemos Lula lendo discursos pelo teleprompter, vemos Duda Mendonça e Aluisio Mercadante discutindo quais os temas que o candidato deveria enfatizar em tal discurso, qual palavra não deveria ser dita, vemos comentários e a repercussão de entrevistas de grandes empresários e de adversários políticos no centro nervoso da campanha Lula e, o que me surpreendeu, o acompanhamento em tempo real do debate entre Lula e Serra por pessoas que comentam o que estão achando e a equipe de Lula passa quase que instantaneamente as instruções do que vai bem e do que não está funcionando para a cúpula transmitir ao próprio candidato no estúdio em que se gravava. A política, tal qual a ficção, é um palco em que figurantes fazem a cena. Mudam-se apenas os nomes. Num são atores, noutro, políticos.

Ironia da situação, João Moreira Salles faz um cinema-verdade (o documentário, intenção de obter a realidade), busca uma realidade máxima que é, ao fim das contas, uma grande ficção. Filma com formato de realidade o que é encenação. Lula é um grande ator, cumpre seu papel com maestria e saímos da exibição com a sensação de que só ele seria capaz de governar este país. De fato, em termos de expressão nacional, como o próprio então candidato afirmou num dos vôos entre comícios, ele é a única liderança nacional. Não há alguém com o carisma e reconhecimento que Lula tem junto ao povo. Mas parece fato também que o homem privado há tempos não existe mais. Cedeu espaço ao homem-show, ao homem-mídia, ao homem público, ao homem-político, adaptado conforme seu tempo e eleitorado exigem. Luis Inácio da Silva morreu. Persiste apenas Lula. Mas um Lula transformado pelo tempo, pela experiência, pelos cabelos brancos e barba rala, pelos ternos de linho e gravatas de seda.

Um tanto longo e cansativo, Entreatos tem momentos de grande interesse histórico e de descontração, como aquele em que Lula, quando se preparavam para gravar um discurso para a TV de Belém, pega o telefone e finge falar com o presidente argentino como se este quisesse Luis Favre (marido de Marta Suplicy) de volta. Ou então quando Salles entrevista o rapaz porto-alegrense que perdera o vôo de Florianópolis-Porto Alegre, mas, depois de cumprimentar Lula no aeroporto, acabou "encaixado" por Lula em sua comitiva que se dirigia à capital gaúcha. É interessante ver também toda a patota de Lula que hoje governa o país: o sempre desconfiado Zé Dirceu, que não gostou da câmera de Salles, o tímido Palocci, hoje o homem forte de Lula, Graziano, José Alencar (responsável pela cena mais interessante do filme junto a Lula e Palocci, quando discutem futebol durante um dos vôos), Gushiken, Duda Mendonça, com seu brinquinho horroroso, Mercadante, o cérebro da turma, e em menor aparição os Suplicys.

Já o documentário de Coutinho, de nome Peões, tem outra proposta. Se em Entreatos a câmera se punha a espiar, a invadir, a registrar momentos como se ali não estivesse (como um Big Brother), Peões faz dela sua razão: Coutinho tira dos personagens depoimentos, eles sabem que estão ali para serem registrados. Em sua simplicidade de filmagens e trabalho - basicamente essas entrevistas filmadas - Coutinho produz história e não apenas cinema. Alias, cinema é o que menos se tem em seus filmes. Desde Cabra Marcado para Morrer, o documentarista reconta em imagens faladas histórias e, assim, vai reconstruindo a História recente do país. Falar das greves de 79 a 81 no ABC paulista é, sem dúvida, entrar no tema da ditadura militar, da migração nordestina, do conflito de classes e ideológico que marcou os anos 70. Peões, indiretamente, trata de tudo isso e mais um pouco. É um filme, antes de tudo, sobre o ser humano, sobre seres humanos que sofreram e lutaram, em determinada época de suas vidas, contra algo que acreditavam injusto e amoral. Lula foi o epicentro desse movimento, o pavio aceso que levou ao engajamento. Metalúrgicos que fizeram parte das greves - anônimos, como está escrito na apresentação do filme - são entrevistados por Coutinho. O diretor vai ao Ceará conversar com alguns que, depois do movimento, por motivos diversos e distintos, voltaram à terra natal. A maioria dos operários do ABC era nordestinos, atraídos pelo pujante crescimento econômico que se dera nos anos 70 com a indústria automobilística e a expansão da rede rodoviária. Trechos de vidas são remontadas num mosaico tão plural mas ao mesmo tempo tão homogêneo. Cada vida é diferente da outra, retalhos de tecidos guardados que no final darão uma bela colcha.

Há entrevistas tocantes pela simplicidade dos personagens, como a da servente do sindicato (foto abaixo) que se orgulha e chega a chorar quando recorda que salvou o filme Linha de Montagem de ser preso pela polícia. Ela chega a dizer que aquilo era importante porque "era a única história que nós tínhamos". De fato, Coutinho utiliza diversas imagens deste filme e de ABC da Greve, de Leon Hirszman.

Na entrevista final, com Geraldo, soldador desempregado que participou do movimento, este explica o que vinha a ser peão. "Peão é aquele que bate cartão, que veste uniforme". Depois de um longo silêncio, em que a câmera permanece firme no rosto de Geraldo, ele pergunta ao diretor se ele já tinha sido peão. A resposta é rápida e simples: "Não". Escurece a tela e fim do filme. Talvez Geraldo não tenha dado a idéia exata de peão. Peão talvez seja o empregado, aquele que é subordinado, que trabalha horas e horas e ainda consegue chegar em casa e sorrir. Também aquele desempregado, que luta, luta e nada no final do dia. São todos peões, fora do âmbito de poder. E, diante disso, talvez Coutinho também esteja errado. Ele é, assim com Geraldo, um peão. Peão do Brasil, de sua história, de suas imagens.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 13/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As prisões de Guel Arraes e Cláudio Assis de Lucas Rodrigues Pires


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS MIL E UMA NOITES VOL VI
EDUARDO DIAS
LIVRARIA CLASSICA
(1949)
R$ 6,90



DEIXA QUE EU TE AME
ALCIONE ARAÚJO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2011)
R$ 6,99



PHYSICAL ANTHROPOLOGY
PHILIP L. STEIN BRUCE M. ROWE
MCGRAW-HILL
R$ 63,25



PORTLAND - GATEWAY TO THE NORTHWEST
CARL ABBOTT
WINDSOR
(1985)
R$ 60,00



A MORTE DE D J EM PARIS
ROBERTO DRUMMOND
OBJETIVA
(2002)
R$ 5,00



PARANORMAL
GISETI MARQUES
CLARIM
(2015)
R$ 14,90



LIRICA
LUIS DE CAMÕES
CULTRIX
R$ 5,00



SUA SAÚDE NA NOVA ERA
CAMILLO MARASSI LEIJOTO
MADRAS
(2003)
R$ 12,00



BIODIREITO ALIMENTOS TRANSGÊNICOS
MARIA RAFAELA JUNQUEIRA BRUNO RODRIGUES
LEMOS & CRUZ
(2003)
R$ 12,00



FISICA PROJETO MULTIPLO VOLUME 1 BOX COMPLETO
WILSON CARRON
SCIPIONE
(2014)
R$ 99,90





busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês