Risco, o filme | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
Mais Recentes
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Children Of The Lamp Book One de P. B. Kerr pela Orchard Books (2004)
>>> The Tale Of Despereaux de Kate Di Camillo pela Candlewick Press (2003)
>>> What She Left For Me de Tracie Peterson pela Bethany House (2005)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> Ruby Dakotah Treasures 1 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2003)
>>> Opal Dakotah Treasures 3 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> The 1999 - John Dinkeloo Memorial Lecture de Will Bruder pela The Univ. Michigan/ USA (1999)
>>> Não estamos abandonados de Eliana Machado Coelho pela Lúmen (2016)
>>> This Charming Man de Marian Keyes pela Penguin Books (2009)
>>> Anybody Out There de Marian Keyes pela Penguin Books (2007)
>>> The Undomestic Goddess de Sophie Kinsella pela A Dell Book (2005)
>>> A voz do fogo de Alan Moore pela Conrad (2002)
>>> The Innocent Man de John Grisham pela A Dell Book (2006)
>>> The Innocent Man de John Grisham pela A Dell Book (2006)
>>> Bluebonnet Belle de Lori Copeland pela Steeple Hill (1997)
>>> Bluebonnet Belle de Lori Copeland pela Steeple Hill (1997)
>>> Tratado de comunicação organizacional e política de Gaudêncio Torquato pela Cengage Learning (2011)
>>> Catálogo de Periódicos Brasileiros Microfilmados de Coord. Ana Fanda/ A. Romano de Sat' Anna:Presid. pela Biblioteca Nacional/ RJ. (1994)
>>> Vá em frente não deixe para depois de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciencia (2016)
>>> Regimes de historicidade - presentismo e experiencias do tempo de François Hartog pela Autentica (2013)
>>> Amazônia: 20 Lendas e Mitos/ Legends And Myths from Amazônia (5 lín de Gea: Coordenadoria Editorial pela Graf. Ed. da Amazônia
>>> La Amada Inmóvil de Amado Nervo pela Soc. Edit. Latino- Americana (1950)
>>> Um (One) de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Um (One) de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Amando Uns aos Outros: o Desafio das Relações Humanas de Leo Buscaglia pela Record/ RJ.
>>> A força do entusiasmo de Prof.Gretz pela Viabilização de Talentos Humanos (2005)
>>> Legislação Penal Especial : Crimes Contra a Economia Popular.- Crimes Falimentares.- Crimes Contra a Liberdade de Imprensa de Manoel Pedro Pimentel (Min. Trib. Alçada Criminal / Sp) pela Revista dos Tribunais (1972)
>>> Os tomadores de decisão de Robert Heller pela Makron (1991)
>>> Farmácia de pensamentos de Sonia de Aguiar pela Relume Dumará (2000)
>>> Hipnotizando Maria de Richard Bach pela Integrare (2019)
>>> Tudo Sobre Finanças - Guia Prático de A a Z ( Exame) de Tim Hindle pela Nobel (2002)
>>> Estranho À Terra de Richard Bach pela Hemus
>>> Estranho À Terra de Richard Bach pela Hemus
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Quinta-feira, 16/12/2004
Risco, o filme
Marcelo Maroldi

+ de 2800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ultimamente tenho assistido a vários curtas-metragens nacionais. Alguns são bons, outros, nem tanto. Dia desses, vi Risco (Bernardo Gebara, 14'56'', RJ/Brasil, 2004), um filme interessantíssimo que vale a pena destacar. Pouco antes da apresentação, seu produtor dava algumas explicações sobre a sua obra. Atraiu-me o fato de procurar uma visão poética expressa através de um filme. Acredito que ele tenha ficado aquém do seu objetivo, e o filme, que é no seu conjunto muito bom, fica distante da extração lírica que o tema lhe permitia explorar, limitando-se a contar a história e manter-se de certa forma imparcial as imagens exibidas.

O filme gira em torno de um morador de rua, Mauro, que vive a riscar a cidade do Rio de Janeiro com uma pedrinha. É difícil transmitir exatamente a imagem através de palavras, mas, basicamente, Mauro risca os muros, pontos de ônibus, praças, etc., com a pequena pedra, ora construindo figuras simplórias e misteriosas, ora simplesmente riscando o muro ao meio, de um lado a outro. E, pelas imagens, vê-se claramente que faz isso há anos (no final do documentário, informam que faz isso desde 2001), o tempo todo.

Talvez não pareça um bom tema para um documentário, mas, a força das imagens, dos riscos e em especial de Mauro, incitam reflexões diversas envolvidas no tema e garantem a beleza do vídeo. Entre as imagens em que Mauro risca a cidade, alguns depoimentos são exibidos. Pessoas que, de certo modo, convivem com o rapaz no seu dia-a-dia de riscador. Temos o atendente da padaria, a caixa da padaria, o porteiro do prédio onde ele passa diariamente, etc. Dois dos depoimentos dizem algo similar: que um rapaz como ele, bonito, não merecia aquilo. Curioso isso, a beleza do rapaz chama a atenção dessas pessoas. Talvez não se autoquestionem sobre o que o leva a fazer aquilo, sobre quem é, ou algo assim. Simplesmente lamentam por um jovem bem apessoado morar na rua. A caixa da padaria chega a frisar que ele é um rapaz educado, destacando mais uma qualidade que deveria impedi-lo de ser morador de rua. Em um outro depoimento, o rapaz diz que Mauro passa toda à noite a riscar uma mesma parede, de um lado a outro, indo e vindo, todos os dias. Um senhor diz que não precisa ser médico ou psicólogo para saber que Mauro vive em outra realidade. O depoimento mais significativo, na minha opinião, é dado pelo atendente da padaria, que diz que ele faz isso para mostrar que ele está ali, para que o encontrem.

Em momento algum Mauro é abordado. Não sei se foi uma escolha dos produtores ou uma recusa (ou dificuldade) em conseguir falar com o ele. Mas, seja o que for, creio ter sido melhor dessa maneira, sem perguntas, sem questionamentos e sem respostas, permitindo-nos investigar a alma desta intrigante figura segundo nossos métodos particulares e refletir sobre o se passa com o rapaz.

Obviamente, Mauro vive em uma realidade distinta da maioria das pessoas. É certo que essa realidade é muito particular e seria absolutamente impossível adentrarmos nela, saber o que ele pensa. Ainda que ele nos dissesse, jamais saberíamos o que é ser um riscador como ele. Nunca teremos a noção vital que para Mauro assume o ato de riscar os muros, tampouco o que pretende dizer com aquilo, se é que pretende dizer algo. É possível que seja uma necessidade individual e não uma forma de comunicação com o mundo exterior, o nosso mundo. O que impressiona é a extrema importância que os riscos parecem assumir na vida dele, monopolizando todas os passos de sua vida marginal e paralela, direcionando todos seus atos, permitindo-lhe apenas alguns atos básicos além do risco, como comprar três ou quatro pãezinhos na padaria e dormir na grama da praça. Esses atos, obrigatórios, parecem atrapalhá-lo na sua missão, na sua principal ocupação, afastam-no dos riscos. Por isso, há tanto isolamento do personagem. Ele não parece ter colegas de rua, ter pessoas a conversar, ter coisas a se preocupar. Sua preocupação é única, qualquer outra coisa é secundária e um estorvo.

Ele parece não querer alterar o rumo das coisas. Tem-se a impressão de que a vida deve seguir rigorosamente como está. Não há sinais de que se incomoda em viver a rua, de que se incomoda em não ter casa, roupas, filhos a quem abraçar ao retornar do escritório sufocante. Tudo isso é descartável, o importante é riscar, marcar a cidade com sua pedrinha, imprimindo-lhe os seus sinais evidentes da diferença e da incompreensão. Não há necessidade de ser como os outros, de ser alguém, de ser mais um. Ele não quer - ou pelo menos não parece querer - fazer parte do todo, desse todo que dita as regras e impõe limites a subjetividade. É um caso extremo, é verdade, mas simboliza bem a não adequação de alguém ao mundo e as outras pessoas.

Finalmente, a TV Cultura diz que "Esse filme causa uma sensação de solidão e loucura que leva a pensar sobre todos os riscos de uma cidade." Confesso que não consegui vincular o vídeo a essa idéia (os riscos de uma cidade grande). A história é muito maior que isso. Trata-se de pessoas, de arte, de realidade e da falta dela. Melhor concentrar-se apenas nessa idéia.

Ainda segundo a TV Cultura, "Risco é o resultado de uma busca constante do diretor em entender a alma humana". Bom filme, feito por alguém que tem algo a dizer e se preocupa com o que diz aos outros.

Nota do Editor
Marcelo Maroldi assina também o blog que leva o seu nome.


Marcelo Maroldi
São Carlos, 16/12/2004


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
03. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
04. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
05. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005


Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/4/2005
23h15min
...e estou feliz de ver meu filme tocar os corações pelo Brasil afora. Infelizmente não assisti nenhuma das entrevistas que dei na tv cultura, tve e globo. Mas seu texto mostra que voce tambem tem habilidade retorica e poética e por isso tambem ficou tocado com o filme. Tive dificuldade de rotula-lo, mas categorizei-o de documentario, mas o filme é puramente um ensaio poetico e espero poder continuar este trabalho, ligando cinema a área da saude. Obrigado por suas palavras sobre o filme. Abraço, Bernardo Gebara
[Leia outros Comentários de Bernardo Gebara]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉLULAS A COMBUSTÍVEIS
KELLEN CRISTINA MESQUITA BORGES, ROSANA F. GONÇALVES UND MARIO J. GODINHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



AYRTON SENNA E A MÍDIA ESPORTIVA
RODRIGO FRANÇA (AUTOGRAFADO)
AUTOMOTOR
(2010)
R$ 24,00



USABILIDADE E ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO PARA ESTRUTURAÇÃO DE PORTAIS
THIAGO MARINHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



AMOR A ROMA
AFONSO ARINOS DE MELO FRANCO
NOVA FRONTEIRA
R$ 41,00



SOLUÇÃO GRADUAL
CARL HONORÉ
RECORD - GRUPO RECORD
(2016)
R$ 46,20



MEMÓRIAS DA SAUNA FINLANDESA
MEMÓRIAS DA SAUNA FINLANDESA
34
(2010)
R$ 20,00
+ frete grátis



TAPETES E TAPEÇARIAS ARRAIOLOS NR 10 ANO 2 PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL
CASA MIDÕES

R$ 24,88



ÊSSE CONTINENTE CHAMADO BRASIL
EDUARDO TOURINHO
JOSÉ OLYMPIO
(1964)
R$ 7,38



CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 05 DE OUTUBRO DE 1988
EQUIPE DA EDITORA ATLAS
ATLAS
(1988)
R$ 7,00



INSTITUIÇÃO E RELAÇÕES AFETIVAS
MARLENE GUIRADO
SUMMUS EDITORIAL
(1986)
R$ 70,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês