Risco, o filme | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Quinta-feira, 16/12/2004
Risco, o filme
Marcelo Maroldi

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ultimamente tenho assistido a vários curtas-metragens nacionais. Alguns são bons, outros, nem tanto. Dia desses, vi Risco (Bernardo Gebara, 14'56'', RJ/Brasil, 2004), um filme interessantíssimo que vale a pena destacar. Pouco antes da apresentação, seu produtor dava algumas explicações sobre a sua obra. Atraiu-me o fato de procurar uma visão poética expressa através de um filme. Acredito que ele tenha ficado aquém do seu objetivo, e o filme, que é no seu conjunto muito bom, fica distante da extração lírica que o tema lhe permitia explorar, limitando-se a contar a história e manter-se de certa forma imparcial as imagens exibidas.

O filme gira em torno de um morador de rua, Mauro, que vive a riscar a cidade do Rio de Janeiro com uma pedrinha. É difícil transmitir exatamente a imagem através de palavras, mas, basicamente, Mauro risca os muros, pontos de ônibus, praças, etc., com a pequena pedra, ora construindo figuras simplórias e misteriosas, ora simplesmente riscando o muro ao meio, de um lado a outro. E, pelas imagens, vê-se claramente que faz isso há anos (no final do documentário, informam que faz isso desde 2001), o tempo todo.

Talvez não pareça um bom tema para um documentário, mas, a força das imagens, dos riscos e em especial de Mauro, incitam reflexões diversas envolvidas no tema e garantem a beleza do vídeo. Entre as imagens em que Mauro risca a cidade, alguns depoimentos são exibidos. Pessoas que, de certo modo, convivem com o rapaz no seu dia-a-dia de riscador. Temos o atendente da padaria, a caixa da padaria, o porteiro do prédio onde ele passa diariamente, etc. Dois dos depoimentos dizem algo similar: que um rapaz como ele, bonito, não merecia aquilo. Curioso isso, a beleza do rapaz chama a atenção dessas pessoas. Talvez não se autoquestionem sobre o que o leva a fazer aquilo, sobre quem é, ou algo assim. Simplesmente lamentam por um jovem bem apessoado morar na rua. A caixa da padaria chega a frisar que ele é um rapaz educado, destacando mais uma qualidade que deveria impedi-lo de ser morador de rua. Em um outro depoimento, o rapaz diz que Mauro passa toda à noite a riscar uma mesma parede, de um lado a outro, indo e vindo, todos os dias. Um senhor diz que não precisa ser médico ou psicólogo para saber que Mauro vive em outra realidade. O depoimento mais significativo, na minha opinião, é dado pelo atendente da padaria, que diz que ele faz isso para mostrar que ele está ali, para que o encontrem.

Em momento algum Mauro é abordado. Não sei se foi uma escolha dos produtores ou uma recusa (ou dificuldade) em conseguir falar com o ele. Mas, seja o que for, creio ter sido melhor dessa maneira, sem perguntas, sem questionamentos e sem respostas, permitindo-nos investigar a alma desta intrigante figura segundo nossos métodos particulares e refletir sobre o se passa com o rapaz.

Obviamente, Mauro vive em uma realidade distinta da maioria das pessoas. É certo que essa realidade é muito particular e seria absolutamente impossível adentrarmos nela, saber o que ele pensa. Ainda que ele nos dissesse, jamais saberíamos o que é ser um riscador como ele. Nunca teremos a noção vital que para Mauro assume o ato de riscar os muros, tampouco o que pretende dizer com aquilo, se é que pretende dizer algo. É possível que seja uma necessidade individual e não uma forma de comunicação com o mundo exterior, o nosso mundo. O que impressiona é a extrema importância que os riscos parecem assumir na vida dele, monopolizando todas os passos de sua vida marginal e paralela, direcionando todos seus atos, permitindo-lhe apenas alguns atos básicos além do risco, como comprar três ou quatro pãezinhos na padaria e dormir na grama da praça. Esses atos, obrigatórios, parecem atrapalhá-lo na sua missão, na sua principal ocupação, afastam-no dos riscos. Por isso, há tanto isolamento do personagem. Ele não parece ter colegas de rua, ter pessoas a conversar, ter coisas a se preocupar. Sua preocupação é única, qualquer outra coisa é secundária e um estorvo.

Ele parece não querer alterar o rumo das coisas. Tem-se a impressão de que a vida deve seguir rigorosamente como está. Não há sinais de que se incomoda em viver a rua, de que se incomoda em não ter casa, roupas, filhos a quem abraçar ao retornar do escritório sufocante. Tudo isso é descartável, o importante é riscar, marcar a cidade com sua pedrinha, imprimindo-lhe os seus sinais evidentes da diferença e da incompreensão. Não há necessidade de ser como os outros, de ser alguém, de ser mais um. Ele não quer - ou pelo menos não parece querer - fazer parte do todo, desse todo que dita as regras e impõe limites a subjetividade. É um caso extremo, é verdade, mas simboliza bem a não adequação de alguém ao mundo e as outras pessoas.

Finalmente, a TV Cultura diz que "Esse filme causa uma sensação de solidão e loucura que leva a pensar sobre todos os riscos de uma cidade." Confesso que não consegui vincular o vídeo a essa idéia (os riscos de uma cidade grande). A história é muito maior que isso. Trata-se de pessoas, de arte, de realidade e da falta dela. Melhor concentrar-se apenas nessa idéia.

Ainda segundo a TV Cultura, "Risco é o resultado de uma busca constante do diretor em entender a alma humana". Bom filme, feito por alguém que tem algo a dizer e se preocupa com o que diz aos outros.

Nota do Editor
Marcelo Maroldi assina também o blog que leva o seu nome.


Marcelo Maroldi
São Carlos, 16/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges
02. Escrever? Quantas linhas? de Ana Elisa Ribeiro
03. Uma literatura de sangue, suor, lágrimas e idéias de Jonas Lopes
04. Conto de Natal de Gian Danton
05. Curtas e Grossas de Sergio Faria


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
03. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
04. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
05. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005


Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/4/2005
23h15min
...e estou feliz de ver meu filme tocar os corações pelo Brasil afora. Infelizmente não assisti nenhuma das entrevistas que dei na tv cultura, tve e globo. Mas seu texto mostra que voce tambem tem habilidade retorica e poética e por isso tambem ficou tocado com o filme. Tive dificuldade de rotula-lo, mas categorizei-o de documentario, mas o filme é puramente um ensaio poetico e espero poder continuar este trabalho, ligando cinema a área da saude. Obrigado por suas palavras sobre o filme. Abraço, Bernardo Gebara
[Leia outros Comentários de Bernardo Gebara]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EM BRASÍLIA, DEZENOVE HORAS
TIAGO
DO AUTOR
(1994)
R$ 23,00



AMIGOS DE DEUS
JOSEMARÍA ESCRIVA
QUADRANTE
(2000)
R$ 22,00



DEATH NOTE: ALVOS 8
TSUGUMI OHBA
JBC
(2001)
R$ 10,00



FÊNIX E HARPIA: FACES MÍTICAS DA POESIA E DA POÉTICA DE IVAN JUNQ
CHRISTINA RAMALHO
ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS
(2005)
R$ 19,82



HENRI MATISSE -COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA 8
TRAD MARTIN ERNESTO RUSSO
FOLHA DE SÃO PAULO
(2007)
R$ 5,90



MENINO DE OLHO VIVO
RICARDO AZEVEDO
ÁTICA
(1996)
R$ 14,24



O CONSTRUTIVISMO E A ALFABETIZAÇÃO - (AUTOGRAFADO)
IVANILDE MOREIRA
LIVRUS
(2009)
R$ 80,00



A HORA E VEZ DO RIO DE JANEIRO E NOVO GOVERNO
JOÃO PAULO DOS REIS VELLOSO
JOSÉ OLYMPIO
(2007)
R$ 14,00



BEIRA-MAR - MEMÓRIAS 4
PEDRO NAVA
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 15,00



GILSON MARTINS - VIAJANDO NO DESIGN
GLÁUCIA CENTENO, GILSON MARTINS
ESTAÇAO DAS LETRAS
(2008)
R$ 37,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês