Internet 10 anos – 1996 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
30221 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
>>> LANÇAMENTO DO LIVRO "DIALÓGOS DE UM RABINO REFLEXÕES PARA UM MUNDO DE MONÓLOGOS" DE MICHEL SCHLESI
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2008, o ano de Chigurh
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Onde fica o interruptor?
>>> Era uma vez
>>> The Ultimate Ozzy 1986
>>> Cognição Estética contra o Logos (Parte I)
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> A política e os retrocessos sociais
>>> Visões Fugitivas
Mais Recentes
>>> O Homem e o Universo
>>> O Judaísmo- do Exílio ao Tempo de Jesus
>>> Direito Penal - Parte Geral ( V. 7)
>>> O Exército de Cavalaria
>>> The Golden Treasury
>>> Surdez e linguagem- Aspectos e implicações neurolinguísticas (Nova Ortografia)
>>> El Libro Supremo de Todas las Magias - Magia Blanca - Negra - Roja
>>> Rituais e Egrégoras para a Era de Aquário
>>> O Despertar da Consciência
>>> Sic Questões Comentadas
>>> Sic Questões Comentadas
>>> Código Civil - 7ª Edição Atualizada
>>> Fonética e Ortografia - Coleção Linguagem Jurídica vol. 1
>>> Dicionário Jurídico
>>> Introdução Ao Direito
>>> Debate Sobre a Constituição de 1988
>>> Noções de Prevenção e Controle de Perdas Em Segurança do Trabalho 7ª edição revista e atualizada
>>> Vire a Página - Estratégias para Resolver Conflitos 6ª edição
>>> Tópicos de Administração Aplicada à Segurança do Trabalho 9ª edição
>>> Doenças Profissionais Ou do Trabalho 10ª edição
>>> Epidemiologia
>>> Cipa - Comissao Interna de Prevençao de Acidentes uma Nova Abordagem 14ª edição
>>> Prevenção e Controle de Risco Em Máquinas, Equipamentos e Instalações 3ª edição
>>> Os 10 Mandamentos: Princípios Divinos para Melhorar seus Relacionamentos
>>> Mini Código Saraiva Civi
>>> Mini Aurélio da Língua Portuguesa 7ª Edição
>>> Guia da Sexualidade - Reedição Ampliada e Ilustrada
>>> A Rosa do Povo
>>> Quando o Sofrimento Bater à Sua Porta
>>> Cura das Emoções Em Cristo
>>> A Terapia das Histórias Porque Todos Têm Direito a um Final Feliz
>>> Administrar a Própria Vida - o Negócio Mais Urgente
>>> A Luta Contra a Depressão
>>> Os Anjos e Eu
>>> Cura das Feridas Interiores
>>> O Papa Francisco Chaves de Seu Pensamento
>>> Vocação:inicio de Conversa
>>> Receitas da Dieta de South Beach
>>> Espana Contemporanea Historia Economia y Sociedad
>>> Northstar: Reading and Writing advanced 2ª edição
>>> Northstar : Listening and Speaking Advanced
>>> New Cambridge Advanced English - Student's Book
>>> Cake Design
>>> Nada é por Acas- Edição de Bolso
>>> Como Treinar Seu Dragão
>>> Cidadão Policial
>>> 7 Segredos da Vida Sentimental 2ª edição
>>> O Dom da Colheita:Dom de Adquirir Riquezas
>>> A Unção
>>> Batalha Espiritual
COLUNAS >>> Especial Internet 10 anos

Sexta-feira, 18/11/2005
Internet 10 anos – 1996
Julio Daio Borges

+ de 9500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

(Começa aqui...)

Em 1996, eu estudava francês e fui passar uma temporada em Paris. Mas não ouvi falar de internet lá. Nem me passava pela cabeça. Imagine que sem e-mail eu escrevia longas cartas para os meus amigos, esperando que eles me respondessem, porque ia ficar lá "longos" dois meses. Eu tinha saudade dos meus amigos, mas eles não me responderam pelo correio.

Minha maior relação com tecnologia em Paris, em 1996, foi que eu comprei os CD-ROMs que eu invejara de um professor da Poli: comprei os do Louvre e o do Musée d'Orsay (não havia pirataria ainda). Hoje isso não faz o menor sentido porque provavelmente todas as imagens estão disponíveis (e muito mais acessíveis)... na internet. Mas em 1996 não havia quase internet. (Eu não sei se eu já falei pra vocês...)

Em 1996, também, eu comecei a namorar uma colega do francês, já em São Paulo, e ela me contou secretamente que seu pai tinha um e-mail...! "Nossa, seu pai deve ser importante", disparei - naquele então, expliquei, nem as empresas (brasileiras) tinham e-mail direito... Como disse, eu acessava a Web desde 1995, mas não sabia distinguir - acreditem - um endereço de site de um endereço de e-mail.

O grande impulso para meu contato mais estrito com esse mundo foi outro estágio que fiz numa consultoria em meados de 1996 (com a ida a Paris, acabei abandonando o estágio da Poli em 1995). Lá, nessa empresa, pude entender o que era a internet na prática. Eu administrava uma rede e, longe de toda a teoria da faculdade, pude me apaixonar novamente pela computação.

Com o dinheiro desse estágio comprei o primeiro computador do meu bolso, onde fui instalando cada coisa. E perdendo finais de semana em instalações e reinstalações de periféricos... Meus colegas mais radicais compravam a placa-mãe e montavam. Inclusive a "torre", com ventilador, fonte (de alimentação), BIOS, aquelas coisas (alguém um dia soube dessas coisas?).

Mas o texto é sobre internet, não é mesmo? Pois então. Em 1996, eu comprei o meu primeiro fax-modem, da US Robotics. E instalei o bicho. Antes, antes de 1996, as pessoas até tinham fax-modem, mas como eram poucas pessoas, nem conseguiam se descobrir, nem se encontrar, muito menos se comunicar... utilizavam mais a porção "fax" do que a "modem".

Instalar a internet era o ó do borogodó. Eu já havia instalado no escritório, assim em casa foi relativamente fácil. Você pegava um CD-ROM de um provedor - eles distribuíam em shoppings -, e seguia o manual passo-a-passo. O primeiro que peguei foi da IBM; não funcionou. O segundo, por influência de um colega da Poli, foi da MTECnet. Esse funcionou.

Meu e-mail era j.d.borges@mtecnet.com.br. Eu achava fácil, minha namorada achava difícil. O e-mail mais fácil para ela era o de uma amiga da faculdade de direito: ianda@mandic.com.br. Tive ainda o j.d.borges@ams.com.br e o j.d.borges@netpoint.com.br - e seguia teimando com a minha namorada que os meus endereços eram muuuito mais fáceis de guardar...

Naquela época, a internet era uma coisa de dois ou três links. Na página do meu provedor, havia algumas indicações para navegação. Por exemplo, a loja CDNOW. A Amazon também estava lá, mas dela eu já sabia, por causa de um colega de trabalho que adorava comprar livros na língua do Tio Sam, e que tinha até mousepad da Amazon - um luxo só.

Naquela época, também, era preciso instalar, além do fax-modem, o navegador. Hoje o Internet Explorer já vem pré-instalado no Windows, mas em 1995-96 todo mundo usava o Netscape - e disquetes eram passados com a versão 2.0 e 3.0 (gold). O Explorer ainda gerava dúvidas e eu me lembro de um colega defendendo-o ardentemente, porque, através dele, era possível clicar com o botão da direita do mouse e salvar imagens...

Surgiam as primeiras homepages. E esse mesmo colega meu queria porque queria que a sua abrisse ao som de Beethoven. Era sua maior preocupação. Outro, outro colega da Poli com homepage, ficava preocupado se o GIF animado que havia colocado na sua página efetivamente girava em outros browsers... Os professores - coisa rara - estimulavam e até concediam espaço no servidor da USP para quem quisesse tentar.

Eu não tentei. O que eu ia colocar lá? Mas participei da feitura do site da empresa de alguma forma. Um consultor, quase tão jovem quanto eu, justamente com experiência anterior numa empresa de internet, montava o mgdk.com.br aos poucos e me mostrava. Baixava o tal do HotDog e quebrava a cabeça por causa de bobagens como: a cor de fundo; o link para envio de e-mails; e, até, se ia aparecer "LTDA." ou não.

Na empresa, fiquei com a incumbência de administrar os e-mails corporativos e, de uma hora pra outra, me senti o Master of the Universe. (Também quando me deram a chave do escritório, durante uma mudança, mas essa é outra história...) Eu criava os endereços das pessoas (primeiro ponto último nome arroba etc.), detinha todas as senhas e infernizava todo mundo com o uso indiscriminado do endereço todos@mgdk.com.br, que espalhava mensagens para obviamente todos na empresa.

Surpreendentemente, em 1996, não havia quase spam. Minha namorada da época, inclusive, usava um cliente de e-mail (Outlook da vida) que, quando não havia mensagem, confortava assim a pessoa: "Sorry, you have no e-mails". Foi ela quem descobriu o Hotmail, que insistia em chamar de "Hotline". Ah, e logo que saiu a versão (nova?) do Outlook Express que permitia administrar múltiplas contas de e-mail, eu dei pulos de alegria e anunciei a boa-nova aos quatro ventos.

Era sinal de status ter o e-mail da empresa em que você estagiava ou trabalhava. Era um sinal de vínculo e praticamente de reconhecimento. A minha empresa era nova e pouca gente conhecia (tinha de explicar), mas meus colegas de faculdade ostentavam e-mails arroba banco-não-sei-quê, e-mail arroba corretora-não-sei-das-quantas, e-mail arroba consultoria-não-sei-de-que-tipo.

Agora não sei se foi em 1996 (ou em 1997), mas peguei minha primeira peça usando e-mail falso nesses anos. Por algum motivo que agora me é obscuro, um professor, temido na Poli, entrou na nossa lista de discussão. Ele era um dos poucos que tinha, e fornecia, seu e-mail, e parece que - como castigo - todo mundo o copiava em todas as mensagens.

Configurei meu Outlook para enviar e-mails como se fosse ele. Funcionou. E vinguei o professor. Comecei a responder às mensagens mais banais da turma ameaçando reprovar os mais brincalhões. Um colega meu que dependia da aprovação na matéria desse professor para se formar naquele ano (ou no outro) arrepiou os cabelos, tremeu na base e gelou. Até hoje não tenho certeza se me perdoou pela brincadeira, mas que foi engraçado, foi.

No dia seguinte, a suposta mensagem do temível professor era o comentário. Estimulado, inventei uma porção de coisas sobre a vida do professor. Inventei, por exemplo, que sua filha (admirada pela sua beleza por todos) estudava no Mackenzie e que sua faculdade (a dela) colocava no chinelo a PUC e até a USP. A lista de discussão ferveu e os quebra-paus foram aumentando.

Até o dia em que eu me enchi e revelei que era eu por trás de tudo. "Genial!", exclamou um colega bem-humorado; já os outros não sei ao certo o que acharam... Quando da minha formatura, no momento exato em que fui pegar o canudo, foi o tal professor quem me entregou e apertou minha mão. Pensei que ele fosse me repreender de alguma forma (ou até me agradecer, quem sabe) mas apenas sorriu e nada falou.

A internet para nós era quase uma brincadeira, mas para muita gente, principalmente nos Estados Unidos, já era coisa séria. Nessa mesma época, estavam sendo inventados (ou aperfeiçoados) o Yahoo!, o AltaVista, o mesmo Hotmail e até - como embrião num paper dos acadêmicos Larry Page e Sergey Brin - o Google. Eu não sei se - podendo ou sabendo - teria começado antes. O Cadê - como eu já disse aqui - tinha metade dos visitantes que o Digestivo tem hoje e era a grande sensação da internet brazuca (foi vendido por milhões logo depois).

Eu comecei no outro ano, 1998, pelo e-mail, via newsletter, como o CardosOnline. Jamais acreditaria, se me dissessem em 1995-1996, que meu futuro estaria na Web. Naqueles anos, quem investia em internet, investia em infra-estrutura. A mesma consultoria em que eu trabalhava, por exemplo, pensou em abrir um provedor - e me convocaram para uma minirreunião...

"Olha, provedor, eu não sei, não... Mas tem um negócio muito, muito bom, chamado Digestivo Cultural, o problema é que vocês vão ter de esperar uns anos..."


Julio Daio Borges
São Paulo, 18/11/2005


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. Melhores Blogs - 20/5/2005
02. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. A volta das revistas eletrônicas - 17/6/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


Mais Especial Internet 10 anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/11/2005
23h19min
Julio (sem acento né?). Estou aqui em cólicas, rindo pra cacete(boa forma de terminar o domingo, obrigada). Texto brilhante. Vc já deve ter ouvido (lido) isto mil vezes, mas me permita a repetição. Seu primeiro modem era US Robotics??? Ué, o meu ainda é... Será que isto é bom??? Rs... Adoraria que meu outlook me confortasse na ausência de new e-mails: “Sorry, you have no e-mails”. Amei tudo... As sextas? Estarei por cá. É quando vc é o colunista, certo?
[Leia outros Comentários de Tâmara Alves]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NÊMESIS
PHILIP ROTH
COMPANHIA DAS LETRAS
(2018)
R$ 35,00



THE BRAZILIAN OTHELLO OF MACHADO DE ASSIS
HELEN CALDWELL
UNIVERSITY OF CALIFORNIA PRES
(1960)
R$ 450,00



MIL OITOCENTOS E OITO 1808
LAURENTINO GOMES
GLOBO LIVROS
(2014)
R$ 44,00
+ frete grátis



ALMANAQUE BRASIL SOCIOAMBIENTAL
INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL
INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL
(2005)
R$ 10,00



IL SACERDOTE
PIERRE TEILHARD DE CHARDIN
QUERINIANA
(1991)
R$ 28,70
+ frete grátis



AS BRINCADEIRAS DE CLARA E TOM
CRISTINA VON
CALLIS
(2003)
R$ 5,00



AQUEDUCTE 92 - II BIENNAL INTERNACIONAL DE FOTOGRAFIA
VÁRIOS
AGRUPACIÓ FOTO-CINE
(1992)
R$ 35,00



A GAROTA DAS LARANJAS
JOSTEIN GAARDER
SEGUINTE
(2005)
R$ 37,90



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA (EM QUADRINHOS)
LAILSON DE HOLANDA CAVALCANTI
NACIONAL
(2008)
R$ 10,00



ARTE NOS SÉCULOS VOL IV ORIENTE, AMÉRICA ÁFRICA E OCEÂNIA
VICTOR CIVITA (EDITOR)
ABRIL CULTURAL
(1970)
R$ 25,00





busca | avançada
30221 visitas/dia
773 mil/mês