Internet 10 anos – 1996 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
Mais Recentes
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
>>> Curso de Eletrotécnica Vol 6 Corrente Alternada de Chester L. Dawes pela Globo (1979)
COLUNAS >>> Especial Internet 10 anos

Sexta-feira, 18/11/2005
Internet 10 anos – 1996
Julio Daio Borges

+ de 9900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

(Começa aqui...)

Em 1996, eu estudava francês e fui passar uma temporada em Paris. Mas não ouvi falar de internet lá. Nem me passava pela cabeça. Imagine que sem e-mail eu escrevia longas cartas para os meus amigos, esperando que eles me respondessem, porque ia ficar lá "longos" dois meses. Eu tinha saudade dos meus amigos, mas eles não me responderam pelo correio.

Minha maior relação com tecnologia em Paris, em 1996, foi que eu comprei os CD-ROMs que eu invejara de um professor da Poli: comprei os do Louvre e o do Musée d'Orsay (não havia pirataria ainda). Hoje isso não faz o menor sentido porque provavelmente todas as imagens estão disponíveis (e muito mais acessíveis)... na internet. Mas em 1996 não havia quase internet. (Eu não sei se eu já falei pra vocês...)

Em 1996, também, eu comecei a namorar uma colega do francês, já em São Paulo, e ela me contou secretamente que seu pai tinha um e-mail...! "Nossa, seu pai deve ser importante", disparei - naquele então, expliquei, nem as empresas (brasileiras) tinham e-mail direito... Como disse, eu acessava a Web desde 1995, mas não sabia distinguir - acreditem - um endereço de site de um endereço de e-mail.

O grande impulso para meu contato mais estrito com esse mundo foi outro estágio que fiz numa consultoria em meados de 1996 (com a ida a Paris, acabei abandonando o estágio da Poli em 1995). Lá, nessa empresa, pude entender o que era a internet na prática. Eu administrava uma rede e, longe de toda a teoria da faculdade, pude me apaixonar novamente pela computação.

Com o dinheiro desse estágio comprei o primeiro computador do meu bolso, onde fui instalando cada coisa. E perdendo finais de semana em instalações e reinstalações de periféricos... Meus colegas mais radicais compravam a placa-mãe e montavam. Inclusive a "torre", com ventilador, fonte (de alimentação), BIOS, aquelas coisas (alguém um dia soube dessas coisas?).

Mas o texto é sobre internet, não é mesmo? Pois então. Em 1996, eu comprei o meu primeiro fax-modem, da US Robotics. E instalei o bicho. Antes, antes de 1996, as pessoas até tinham fax-modem, mas como eram poucas pessoas, nem conseguiam se descobrir, nem se encontrar, muito menos se comunicar... utilizavam mais a porção "fax" do que a "modem".

Instalar a internet era o ó do borogodó. Eu já havia instalado no escritório, assim em casa foi relativamente fácil. Você pegava um CD-ROM de um provedor - eles distribuíam em shoppings -, e seguia o manual passo-a-passo. O primeiro que peguei foi da IBM; não funcionou. O segundo, por influência de um colega da Poli, foi da MTECnet. Esse funcionou.

Meu e-mail era j.d.borges@mtecnet.com.br. Eu achava fácil, minha namorada achava difícil. O e-mail mais fácil para ela era o de uma amiga da faculdade de direito: ianda@mandic.com.br. Tive ainda o j.d.borges@ams.com.br e o j.d.borges@netpoint.com.br - e seguia teimando com a minha namorada que os meus endereços eram muuuito mais fáceis de guardar...

Naquela época, a internet era uma coisa de dois ou três links. Na página do meu provedor, havia algumas indicações para navegação. Por exemplo, a loja CDNOW. A Amazon também estava lá, mas dela eu já sabia, por causa de um colega de trabalho que adorava comprar livros na língua do Tio Sam, e que tinha até mousepad da Amazon - um luxo só.

Naquela época, também, era preciso instalar, além do fax-modem, o navegador. Hoje o Internet Explorer já vem pré-instalado no Windows, mas em 1995-96 todo mundo usava o Netscape - e disquetes eram passados com a versão 2.0 e 3.0 (gold). O Explorer ainda gerava dúvidas e eu me lembro de um colega defendendo-o ardentemente, porque, através dele, era possível clicar com o botão da direita do mouse e salvar imagens...

Surgiam as primeiras homepages. E esse mesmo colega meu queria porque queria que a sua abrisse ao som de Beethoven. Era sua maior preocupação. Outro, outro colega da Poli com homepage, ficava preocupado se o GIF animado que havia colocado na sua página efetivamente girava em outros browsers... Os professores - coisa rara - estimulavam e até concediam espaço no servidor da USP para quem quisesse tentar.

Eu não tentei. O que eu ia colocar lá? Mas participei da feitura do site da empresa de alguma forma. Um consultor, quase tão jovem quanto eu, justamente com experiência anterior numa empresa de internet, montava o mgdk.com.br aos poucos e me mostrava. Baixava o tal do HotDog e quebrava a cabeça por causa de bobagens como: a cor de fundo; o link para envio de e-mails; e, até, se ia aparecer "LTDA." ou não.

Na empresa, fiquei com a incumbência de administrar os e-mails corporativos e, de uma hora pra outra, me senti o Master of the Universe. (Também quando me deram a chave do escritório, durante uma mudança, mas essa é outra história...) Eu criava os endereços das pessoas (primeiro ponto último nome arroba etc.), detinha todas as senhas e infernizava todo mundo com o uso indiscriminado do endereço todos@mgdk.com.br, que espalhava mensagens para obviamente todos na empresa.

Surpreendentemente, em 1996, não havia quase spam. Minha namorada da época, inclusive, usava um cliente de e-mail (Outlook da vida) que, quando não havia mensagem, confortava assim a pessoa: "Sorry, you have no e-mails". Foi ela quem descobriu o Hotmail, que insistia em chamar de "Hotline". Ah, e logo que saiu a versão (nova?) do Outlook Express que permitia administrar múltiplas contas de e-mail, eu dei pulos de alegria e anunciei a boa-nova aos quatro ventos.

Era sinal de status ter o e-mail da empresa em que você estagiava ou trabalhava. Era um sinal de vínculo e praticamente de reconhecimento. A minha empresa era nova e pouca gente conhecia (tinha de explicar), mas meus colegas de faculdade ostentavam e-mails arroba banco-não-sei-quê, e-mail arroba corretora-não-sei-das-quantas, e-mail arroba consultoria-não-sei-de-que-tipo.

Agora não sei se foi em 1996 (ou em 1997), mas peguei minha primeira peça usando e-mail falso nesses anos. Por algum motivo que agora me é obscuro, um professor, temido na Poli, entrou na nossa lista de discussão. Ele era um dos poucos que tinha, e fornecia, seu e-mail, e parece que - como castigo - todo mundo o copiava em todas as mensagens.

Configurei meu Outlook para enviar e-mails como se fosse ele. Funcionou. E vinguei o professor. Comecei a responder às mensagens mais banais da turma ameaçando reprovar os mais brincalhões. Um colega meu que dependia da aprovação na matéria desse professor para se formar naquele ano (ou no outro) arrepiou os cabelos, tremeu na base e gelou. Até hoje não tenho certeza se me perdoou pela brincadeira, mas que foi engraçado, foi.

No dia seguinte, a suposta mensagem do temível professor era o comentário. Estimulado, inventei uma porção de coisas sobre a vida do professor. Inventei, por exemplo, que sua filha (admirada pela sua beleza por todos) estudava no Mackenzie e que sua faculdade (a dela) colocava no chinelo a PUC e até a USP. A lista de discussão ferveu e os quebra-paus foram aumentando.

Até o dia em que eu me enchi e revelei que era eu por trás de tudo. "Genial!", exclamou um colega bem-humorado; já os outros não sei ao certo o que acharam... Quando da minha formatura, no momento exato em que fui pegar o canudo, foi o tal professor quem me entregou e apertou minha mão. Pensei que ele fosse me repreender de alguma forma (ou até me agradecer, quem sabe) mas apenas sorriu e nada falou.

A internet para nós era quase uma brincadeira, mas para muita gente, principalmente nos Estados Unidos, já era coisa séria. Nessa mesma época, estavam sendo inventados (ou aperfeiçoados) o Yahoo!, o AltaVista, o mesmo Hotmail e até - como embrião num paper dos acadêmicos Larry Page e Sergey Brin - o Google. Eu não sei se - podendo ou sabendo - teria começado antes. O Cadê - como eu já disse aqui - tinha metade dos visitantes que o Digestivo tem hoje e era a grande sensação da internet brazuca (foi vendido por milhões logo depois).

Eu comecei no outro ano, 1998, pelo e-mail, via newsletter, como o CardosOnline. Jamais acreditaria, se me dissessem em 1995-1996, que meu futuro estaria na Web. Naqueles anos, quem investia em internet, investia em infra-estrutura. A mesma consultoria em que eu trabalhava, por exemplo, pensou em abrir um provedor - e me convocaram para uma minirreunião...

"Olha, provedor, eu não sei, não... Mas tem um negócio muito, muito bom, chamado Digestivo Cultural, o problema é que vocês vão ter de esperar uns anos..."


Julio Daio Borges
São Paulo, 18/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 10º Búzios Jazz e Blues de Marília Almeida
02. 5º Rio das Ostras Jazz & Blues de Marília Almeida
03. Leituras, leitores e livros – Parte III de Ana Elisa Ribeiro
04. Leituras, leitores e livros – Parte I de Ana Elisa Ribeiro
05. 13º Porto Alegre em Cena de Guilherme Conte


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. Melhores Blogs - 20/5/2005
02. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005
05. A volta das revistas eletrônicas - 17/6/2005


Mais Especial Internet 10 anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/11/2005
23h19min
Julio (sem acento né?). Estou aqui em cólicas, rindo pra cacete(boa forma de terminar o domingo, obrigada). Texto brilhante. Vc já deve ter ouvido (lido) isto mil vezes, mas me permita a repetição. Seu primeiro modem era US Robotics??? Ué, o meu ainda é... Será que isto é bom??? Rs... Adoraria que meu outlook me confortasse na ausência de new e-mails: “Sorry, you have no e-mails”. Amei tudo... As sextas? Estarei por cá. É quando vc é o colunista, certo?
[Leia outros Comentários de Tâmara Alves]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BATISMO DE FOGO
MARIO VARGAS LLOSA
RECORD
(1995)
R$ 10,00



DEMOCRACIA PARTICIPATIVA NO BRASIL
GISELE HELOISE BARBOSA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 559,00



ECLOSÃO DE CISTOS DE BRANCHONETA
DANIEL CAMPOS PEREIRA UND MIGUEL A. SANTOS NETO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



RELIGIÃO - PRÓS E CONTRAS 2 VOLUMES
A. DA SILVA MELLO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1963)
R$ 17,70



O CARANGUEJO DO SAARA
JULIO CRUZ NETO
EDIÇÃO DO AUTOR
(2014)
R$ 35,00
+ frete grátis



PROMESSAS DE JESUS
EQUIPE DA CEDIBRA EDITORA BRASILEIRA
CEDIBRA
(1983)
R$ 7,00



OPS APRENDENDO A VIVER, COM AIDS
BERNARDO DANIA GUINÉ
AUTÊNTICA
(2000)
R$ 10,00



CIRURGIA DA VESICULA BILIAR
A. BERNARDES DE OLIVEIRA
LIMITADA
(1934)
R$ 22,33



GO GIRL - TODA HISTÓRIA TEM DOIS LADOS 1 - ESTRELAS DA PISTA
KATHY CASTLE
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 34,50



OS OVOS DE FABERG
TOBY FABER
RECORD
(2012)
R$ 38,00
+ frete grátis





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês