Mas isso é arte??? | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
36550 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sidney Rocha lança seu novo livro, A Lenda da Seca
>>> Oficina de Alegria encerra o mês das crianças com a festa Bloquinho na Praça - 27 de outubro
>>> EMP Escola de Música faz apresentação gratuita de alunos e professores
>>> Miami Ad School Rio promove curso sobre criatividade que desmistifica o padrão do que é ser criativo
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Por um triz
>>> Sete chaves a sete cores
>>> Feira livre
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cuidado: Texto de Humor
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> My fair opinion
>>> Hitler e outros autores
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Queijos
>>> A trilogia da vingança de Park Chan-Wook
>>> Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
Mais Recentes
>>> A Nova Contabilidade Social de Leda Maria Paulani, Márcio Bobik Braga pela Saraiva (2005)
>>> Contabilidade Básica: livro de exercícios de César Augusto Tibúrcio Silva pela Atlas (2002)
>>> Contabilidade Básica de César Augusto Tibúrcio Silva, Gilberto Tristão pela Atlas (2000)
>>> Instituições de Direito Público e Privado: introdução ao estudo do direito de Ruy Rebello Pinto, Amauri Mascaro Nascimento pela Atlas (2004)
>>> Economia do Setor Público: uma abordagem introdutória de Flávio Riani pela LTC (2013)
>>> A Metodologia da Economia de Mark Blaug pela Gradiva (1994)
>>> Introdução à Crítica da Ecologia Política de Jean-Pierre Dupuy pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Estatística para Economistas de Rodolfo Hoffmann pela Pioneira Thomson Learning (2002)
>>> Os Economistas e as Relações entre o Sistema Econômico e o Meio Ambiente de Charles C. Mueller pela Editora Universidade de Brasília (UnB) (2007)
>>> O Longo Século XX - dinheiro, poder e as origens de nosso tempo de Giovanni Arrighi pela Contraponto Editora / Editora UNESP (1996)
>>> História do Pensamento Econômico de E. K. Hunt pela Campus / Elsevier (1981)
>>> Economia Ambiental de Ronaldo Seroa da Motta pela Editora FGV (2008)
>>> Economia Internacional: teoria e experiência brasileira de Renato Baumann, Otaviano Canuto, Reinaldo Gonçalves pela Campus / Elsevier (2004)
>>> Economia do Meio Ambiente: teoria e prática de Peter H. May, Maria Cecília Lustosa, Valéria da Vinha (orgs.) pela Campus / Elsevier (2003)
>>> Economia da Energia: fundamentos econômicos, evolução histórica e organização industrial de Helder Queiroz Pinto Junior (org.), Edmar Fagundes de Almeida, José Vitor Bomtempo, Mariana Iootty, Ronaldo Goulart Bicalho pela Campus / Elsevier (2007)
>>> Predictably Irrational: the hidden forces that shape our decisions de Dan Ariely pela Harper Collins Publishers (2008)
>>> The Entropy Law and the Economic Process de Nicholas Georgescu-Roegen pela toExcel / Harvard University Press (1999)
>>> Limits to Growth: the 30-year update de Donella Meadows, Jorgen Randers, Dennis Meadows pela Chelsea Green Publishing Company (2004)
>>> Industrial Organization: Theory and Applications de Oz Shy pela MIT Press (1996)
>>> Natural Resource and Environmental Economics de Roger Perman, Yue Ma, James McGilvray, Michael Common pela Pearson Education Limited (2003)
>>> Para além do bem e do mal de Frederico Nietzsche pela Guimarães Portugal (1978)
>>> O paraíso de Cézanne de Philippe Sollers pela José Olympio (2003)
>>> Diário de uma guerra estranha. Setembro de 1939-Março de 1940 de Jean-Paul Sartre pela Nova Fronteira (2005)
>>> Nova Mitologia Clássica. História dos deuses e heróis da Antiquidade de Mário Meunier pela Ibrasa (1991)
>>> A Máfia por dentro de Norman Lewis pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Métodos de crítica literária de Élisabeth Ravoux Rallo pela Martins Fontes (2005)
>>> Signagem da televisão de Décio Pignatari pela Brasiliense (1984)
>>> O Capital: Conceitos Fundamentais & Manual de Economia Política de Marta Harnecker & Lapidus & Ostrovitianov pela Global (1978)
>>> História da indústria e do trabalho no Brasil de Francisco Foot & Victor Leonardi pela Global (1982)
>>> A criança desobediente : estratégias de controle do comportamento de Cristina Larroy & María Luisa de La Puente pela Scipione (2000)
>>> O Enigma Do Mal de John W. Wnham pela Vida Nova (2018)
>>> Moksha de Aldous Huxley pela Globo (1983)
>>> O poderoso chefão de Mario Puzo pela Record - Altaya (1996)
>>> O Rebelde de Osho pela Gente (1991)
>>> Riso: A Religião Essencial de Osho pela Gente
>>> Cartas A Sua Mãe de Antoine De Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1987)
>>> Solidão - A Ausência Do Outro de V. A. Angerami-Camon pela Pioneira (1990)
>>> A Primeira E Última Liberdade de Krishnamurti pela Cultrix (1981)
>>> Quatro Gigantes Da Alma de Mira Y López pela José Olympio (1980)
>>> O Caos Das Seitas - Um Estudo Sobre Os "Ismos" Modernos de J. K. Van Baalen pela Imprensa Batista Regular (1989)
>>> Na Pior Em Paris E Em Londres de George Orwell pela Philobiblion (1986)
>>> Xamã a Historia de um Medico no Seculo XIX de Noah Gordon pela Rocco (1995)
>>> A Harmonia Oculta: Discursos Sobre Os Fragmentos De Heráclito de Bhagwan Shree Rajneesh pela Pensamento (1982)
>>> Meus Demônios de Edgar Morin pela Bertrand Brasil (1997)
>>> Os Cátaros E O Catarismo de Lucienne Julien pela Ibrasa (1993)
>>> Os Grandes Iniciados: Gnose de Édouard Schuré pela Ibrasa (1991)
>>> Nova enciclopedia ilustrada folha-volume 2. de Folha de sao paulo pela Folha de sao paulo (2018)
>>> Historia universal da arte--2. de Gina pischel pela Melhoramentos (2018)
>>> Aprenda a fazer bolos para festas infantis de Mundo editorial pela Mundo editorial (2018)
>>> Enciclopedia de doces e sobremesas-maravilhas tropicais de Editora tres pela Tres (2018)
COLUNAS >>> Especial Arte

Quarta-feira, 29/8/2001
Mas isso é arte???
Daniela Sandler

+ de 6600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Yara Mitsuishi

“Mas isso é arte???” Você talvez já tenha feito essa pergunta. Eu já perguntei, diante de muita instalação em galeria de arte, como por exemplo um monte de saquinhos de vômito de avião, olhando em redor para ver se algum especialista definia a palavra. “Arte”, o que é? Não adianta olhar no dicionário. Não estou falando dos muitos sentidos do termo nem da definição clássica. Estou pensando na conotação especial, mágica – fetichista, se quiserem –, mística que acompanha a idéia de objetos artísticos, artistas, criação, obra de arte.

Quando os modernos, no começo do século 20, romperam a representação figurativa da realidade com manchas coloridas ou formas geométricas, muita gente torceu o nariz. “Mas isso é arte???” Horror dos horrores, aqueles quadros e esculturas expostos poderiam ter sido feitos por uma criança! Ou talvez as formas e cores distorcidas fossem o produto de mentes degeneradas, como diziam os nazistas! Alguns temiam que fosse simples tiração de sarro. Público e críticos – incluindo Monteiro Lobato com o célebre ataque a Anita Malfatti em “Paranóia ou Mistificação?” – reagiram muitas vezes com violência.

O curioso é que, hoje em dia, quase cem anos depois, as obras modernas estão devidamente consagradas pelas instituições que ditam as normas culturais (museus, faculdades, livros...), e a situação se inverteu. Boa parte do público e críticos de arte vai torcer o nariz diante daquilo que, há um século, parecia seguramente ser arte: paisagens, retratos, representações fiéis e convencionais da realidade, pinturas acadêmicas. Quadros que você pode ver na loja do Roberto Camasmie (com o devido outdoor eletrônico), na Praça da República, em algumas galerias de arte comerciais. “Mas isso é arte???” De novo, o coro escandalizado – e violento.

Berço e cadeirão

Lembro-me de uma visita ao Masp há dez anos. Eu estava no terceiro colegial e fui com amigos mostrar nosso museu a um intercambista canadense. Lá no andar de baixo, junto às rampas vermelhas, arte contemporânea brasileira. Um dos artistas expunha três obras (todas intituladas “Sem título”, como sempre): um berço, uma banheirinha suspensa de bebê e um cadeirão. As três peças eram evidentemente da mesma linha, pois o plástico que as revestia tinha a mesma estampa. As peças estavam meio detonadas: plástico rasgado, manchas de tinta, revestimento descascado.

Veja bem: éramos um grupo privilegiado em termos artísticos. Tínhamos aula de história da arte, conhecíamos as inovações modernistas, freqüentávamos museus. Mas foi demais. Não gastamos muito tempo vociferando: estávamos nos divertindo. Meu amigo jogou sua mochila no chão, no meio do piso, e eu passei em volta da mochila, admirando: “Oh que obra de arte profunda!” Tudo virou obra de arte – ou melhor, tudo virou piada: a mochila, a lata de lixo, nós mesmos em pose de estátua, a pedra do piso. Rindo castigas mais (assim está em O Nome da Rosa, e com razão), mas rir não resolve o nosso problema.

Tenho de confessar, se é que os mais atentos já não pensaram nisso: faço doutorado no Departamento de... História da Arte! Devia já ter chegado a alguma conclusão, não? Não. Tenho a desculpa confortável de que o meu negócio é arquitetura, não arte. Arquitetura é mais fácil: está na interseção entre arte e utilidade, criação e técnica.

Mas a desculpa não me convém. Digo com todas as letras que, mesmo tendo feito cursos sobre arte, lido textos teóricos, mesmo estando rodeada por historiadores da arte e por artistas, eu não tenho a resposta para a pergunta: “Mas isso é arte?”

Em parte porque o tema é complexo demais (e, enquanto eu escrevo esse texto, vou pensando em dezenas de implicações e desdobramentos que gostaria de citar aqui – o que não farei, para não transformar a coluna em mau ensaio acadêmico). Em parte, porém, há outro motivo mais importante: porque arte é definida historicamente. Socialmente. Não é como uma cenoura, por exemplo, que é cenoura para mim, para você, para o coelho e para Picasso. Que sempre foi cenoura desde que cenoura apareceu na Terra (independente do nome que lhe damos).

Arte, como outros termos abstratos e complexos, tem significado contigente e sempre em transformação. Muda o que nós entendemos por arte, mas não só isso: muda tudo. Muda a maneira de produzir arte, mudam os artistas, e muda o produto final. Quando o produto muda, muda também nossa maneira de olhar, perceber e reagir. E, por fim, muda o conceito, afetado por tudo isso – e por sua vez afetando todos esses modos também.

Todas essas mudanças não são gratuitas. As condições de vida mudam, a tecnologia progride, o mundo material que nos rodeia se transforma; as relações sociais também se modificam, as crenças, os valores; os eventos históricos se sucedem, e, pensando assim, não é de surpreender que mudem as obras de arte, assim como as roupas, as comidas e até os corpos (ou os ideais de beleza).

Poder místico

Mas e o tal poder mágico ou místico da obra de arte? Será que é só porque está no museu? Não haverá algum critério?

Sempre penso em como tudo começou. As primeiras obras de arte foram as pinturas nas paredes das cavernas e as estatuetas femininas. Esses objetos tinham funções mágicas ou místicas: atrair sucesso na caça ao bisão, garantir fertilidade. Por que sua importância cultural? Porque testemunham a capacidade para o pensamento simbólico e abstrato, a representação de eventos por meio de ícones, a atribuição de significado a determinadas formas. Não apenas a raiz do pensamento simbólico: também a origem do contrato social, já que o significado dos desenhos ou amuletos era uma convenção, um acordo entre os membros de um grupo (voltamos aí ao caráter convencional, socialmente definido, da arte).

A arte, na origem, tinha esse poder mágico. Não surpreende que a arquitetura grega seja magnífica em templos dedicados aos deuses, ou que boa parte da produção estética e intelectual da Idade Média tenha sido sacra. Quando penso nisso, penso que é como se essa conotação mística e religiosa tivesse impregnado nossa expectativa em relação à arte até hoje – como se isso tivesse sobrevivido às outras mudanças (ou quase – há gente que vê arte de um ponto de vista puramente intelectual; há também os cínicos).

É nisso que eu penso quando vou a um museu. Quero dizer, quando vou ao museu como eu mesma e não como doutoranda em Estudos Culturais e Visuais. Eu me ponho diante da obra e, no meio de toda a análise formal ou histórica, sempre me faço uma espécie de pergunta, ou me abro para a resposta que a obra pode me dar: pode ser um insight, um sentimento, um estímulo ao pensamento, uma cadeia de associações-livres... às vezes a obra faz um comentário político, às vezes me emociona, às vezes traz uma lembrança. Uma obra que é significativa, para mim, vai me atingir de alguma dessas formas, antes mesmo que eu formule a questão: “Mas isso é arte?”

Sei que alguns hão de discordar da maneira jocosa com que me referi, no começo do texto, a uma obra da artista Jac Leirner – a tal obra que usou um monte de saquinhos de vômito, e que ganhou certa notoriedade por conta disso. Sem nenhuma intenção de ofensa, eu comecei a tentar lembrar como era a obra, para poder descrevê-la aqui. Não lembrava se eram costurados, se era em forma de corda, se era em forma de manta, se eram amontoados... Só lembrava que era um monte de saquinho de vômito junto (sem vômito, diga-se). Achei minha falha de memória significativa. Afinal, só o que lembro, em relação à obra, são os saquinhos de vômito. Uma instalação que é lembrada por isso – e não por sua “mensagem” artística ou por suas qualidades formais: gente, preciso dizer mais???

Antes que meu tempo acabe, uma última consideração: embora eu me deixe envolver por objetos artísticos (até já chorei diante de gravura em museu), sou contra a confusão entre arte e “arteterapia”. Acho bacana que qualquer um possa socar argila ou empunhar pincéis para exorcizar fantasmas (ou divertir as mãos), mas não é isso que faz do produto uma obra de arte. Do mesmo modo que o meu diário não é literatura.

Para quem se interessar pelo assunto, recomendo o texto “A Obra de Arte na Era da Reprodução Mecânica”, do Walter Benjamin. É um texto, por assim dizer, básico. Benjamin tem um estilo fluente, solto, nada empoeirado. É um dos textos que mais me ajudaram a entender o que é arte.


Daniela Sandler
Rochester, 29/8/2001


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


Mais Especial Arte
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/10/2001
00h00min
Daniela, gostei da matéria e gostaria de saber exatamente em que livro do Walter Benjamin está esse texto.Abração do Mário!
[Leia outros Comentários de Mário G. Montaut]
2/10/2002
08h13min
Oi, Gostei do texto. Gostei principalmente pq, apesar de dizer o q acha de certas "representações artísticas", vc deixou em aberto q quem pensa o contrário não é exatamente um idiota, expediente muito comum em alguns de seus colegas de digestivo. Parabéns
[Leia outros Comentários de elvis]
28/12/2013
10h11min
Fico com Braque, Gerhard Richter e tantos outros artistas que ao longo de toda história disseram a mesma coisa com palavras diferentes: Falar sobre arte, explicar a arte, é desnecessário. Da primeira metade do século XX pra cá, principalmente, o observador passou a exercer papel fundamental nas obras. Percebeu-se que interpretações múltiplas podiam e deviam ser aceitas, o que não anula a questão do contexto histórico e da intenção do artista, apenas se torna, no mínimo, igualmente importante.
[Leia outros Comentários de Raphaela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PEQUENA ENCICLOPÉDIA DA CULTURA OCIDENTAL
SALVATORE DONOFRIO
CAMPUS
(2005)
R$ 45,00



BALZAC E A COSTUREIRINHA CHINESA
DAI SIJIE
OBJETIVA
(2000)
R$ 35,00



CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO ET AL
MARIA ZÉLIA DE ALMEIDA SOUZA E OUTROS
FGV
R$ 14,48



VIDA EM VIDA
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
ANDRE LUIZ
(1980)
R$ 8,04



ONDE CANTA O SABIÁ
NADIR BRANDÃO
HD LIVROS
(2000)
R$ 6,00



MAGUILA: A SAGA DE UM CABRA MACHO CAMPEÃO
CARLOS ALENCAR
MARCO MARKOVITCH
(1997)
R$ 9,90



UMA BRUXA COMO EU
SIRONA KNIGHT
NOVO SÉCULO
(2002)
R$ 9,30



MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL A. DE ALMEIDA
KLICK
(1997)
R$ 4,90



CONTABILIDADE INDUSTRIAL Nº 113 - INSTITUTO MONITOR
INSTITUTO MONITOR
INSTITUTO MONITOR
(2004)
R$ 7,99



IMPOSTO DE RENDA DAS EMPRESAS INTERPRETAÇÃO E PRÁTICA
HIROMI HIGUCHI FÁBIO HIROSHI HIGUCHI
IR PUBLICAÇÕES
(2009)
R$ 15,00





busca | avançada
36550 visitas/dia
851 mil/mês