Leituras, leitores e livros – Parte I | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
21498 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ao vivo do Roda Viva, pelo Twitter
>>> Os Eleitos, de Tom Wolfe
>>> O Bigode
>>> A dor do inexplicável
>>> Caiu na rede, virou social
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Mas afinal, o que é podcasting?
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Nhô Guimarães
>>> Destaques da Mostra Internacional de Cinema
Mais Recentes
>>> Manual de direito penal brasileiro
>>> História das Literaturas- Teatro Vivo
>>> História das Literaturas-Noções ds Literaturas Volume 2
>>> Filoctetes
>>> Enquanto a noite não chega
>>> Contabilidade de custos facil
>>> Sociologia aplicada a administração
>>> História das Literaturas-Clareza e Mistério da Crítica
>>> O Negrinho do Pastoreio - Conto popular
>>> Machado de Assis- histórias mal contadas e outros assuntos
>>> Afrânio Coutinho - Romances Completos
>>> Novas Prioridades Para o Currículo
>>> Revista Brasileira de História Nº 48 - Produção e Divulgação
>>> Educação - Modernização ou Dependência?
>>> Vida e Educação
>>> Hard Times
>>> Aspectos da Formação Brasileira
>>> Ensino, Sua Técnica - Sua Arte - 3ª Edição
>>> Cotidiano e Diferentes Saberes
>>> Educação Para Uma Vida Criativa - 2ª Edição
>>> Oxigênio
>>> Bombardeiros da 2ª Guerra Volume 1
>>> A Guerra do Fim do Mundo - 2ª Edição
>>> No Wonder They Call Him The Savior
>>> Ophélia Speaks
>>> Gaudí
>>> Foto-Grafismo
>>> Arte Moderna no Salão Nacional 1940-1982
>>> The Assassin - The Explosive Badge of Honor Novel
>>> The Wonderful Wizard Of Oz - Penguin Popular Classics
>>> Tempo de Médico
>>> Um Guia Para os Remédios Florais do Dr. Bach
>>> The Rainmaker
>>> The Trailsman - Montana Fire Smoke Nº 130
>>> The Final Diagnosis
>>> A Queda da França Volume 3 - O Colapso da Terceira República
>>> A Queda da França Volume 2 - O Colapso da Terceira República
>>> A Queda da França Volume 1 - O Colapso da Terceira República
>>> O Romano
>>> Parati Entre Dois Pólos
>>> Cem Dias Entre Céu E Mar
>>> Parati Entre Dois Pólos
>>> Viagens internacionais - O Nomadismo da Conscienciologia
>>> Vagamundo
>>> Os Lusíadas
>>> História de Mayta
>>> Erros Médicos
>>> Aspectos do Antigo Egito
>>> Saúde Natural Para Mulheres Gravidas
>>> Um Liberal da República - Volume 1
COLUNAS

Sexta-feira, 9/2/2007
Leituras, leitores e livros – Parte I
Ana Elisa Ribeiro

+ de 13200 Acessos
+ 8 Comentário(s)


As lentes da xará Ana Elisa Novais miram e flagram leitores

Ler está na moda. Para quem é vivo nesta nossa época, é difícil explicar as razões desse surto de preocupação com a formação do leitor, as práticas da leitura, a produção do bom texto. Talvez, mais adiante, historiadores da quarta ou quinta geração dos Annales possam esclarecer nossa atual perplexidade ao saber que os índices de analfabetismo continuam altos no mundo (com médias mais altas aqui e ali) e que o analfabetismo dito "funcional" reina absoluto (também com médias mais altas aqui e ali, principalmente aqui).

O que é ler? Também há uma trupe imensa de pesquisadores gastando os tubos para responder a esta questão. Uns sob um ângulo mais assim, outros, mais assado, mas todos querendo desvendar os mistérios que há sob o artifício interessantíssimo de ler coisas escritas.

Por falar em "mais assim ou mais assado", há algumas correntes de pensamento sobre ler. Desta vez, não apenas em relação às respostas para a pergunta "Como?", mas ao "O quê?". Há alguns anos, em Campinas, onde foi estabelecida uma das mais inteligentes e produtivas instituições de ensino superior públicas do Brasil, aconteceu um COLE (Congresso de Leitura) que levava o seguinte título: "O que lê a gente?". Nem me lembro mais em que versão do imenso evento, o tema proposto era discutir que materiais as pessoas têm lido, não se importando com juízos de valor, elitizações, prescrições, olhos tortos, narizes torcidos. A idéia era apenas saber o que as pessoas lêem, com que materiais elas têm contato, por que razões tomam um livro (ou jornal, revista, folheto, etc.) nas mãos e iniciam uma leitura.

Gosto muito dessa perspectiva de deixar que as pessoas leiam o que querem. É claro que não excluo a possibilidade de chegarem a ler os clássicos, por exemplo, mas talvez fosse mais produtivo deixar que tomassem gosto pelas coisas antes de serem apresentadas a um universo que pode soar árido para quem está acostumado apenas às placas de ônibus da cidade.

Ler é uma prática que se "contrai" com vagar. Não se passa a ler muito da noite para o dia. É preciso que as pessoas, individualmente e às vezes em grupo, consigam construir seus percursos de leitura. Suas trajetórias dizem muito sobre elas mesmas, as companhias, as possibilidades que tiveram, as iniciativas, os deveres cumpridos.

No início desta década, o INAF (Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional) deu muitas pistas sobre as práticas da leitura no Brasil. Reparem que eu escrevi "práticas", no plural, porque é sabido por todos nós que não se lê apenas o que a escola pede, o que o professor manda, o que o padre dita, o que o Digestivo diz que é bom, o que sai na Veja, o que a Folha de S. Paulo diz que é bonito, o que os personagens das novelas da Globo estão lendo. Saber sobre os dados do INAF pode dar a ver uma espécie de "retrato" do que acontece nas mesas de cabeceira dos brasileiros. Aliás, outra pesquisa que fez sucesso em 2001 foi a "Retratos da leitura no Brasil", que tinha uma característica menos acadêmica e servia bastante mais ao mercado editorial.

Desde 2003, o país tem leis sobre promoção do livro e da leitura. Interessantíssimo, não? Pena que nem tudo acontece "de cima para baixo". É preciso colher os resultados pela raiz. Pegar as plantinhas pelo talo e regar por baixo. É de criança que se torce o pepino. Mas me lembro bem de que, quando era criança, eu gostava bastante de Atari e de pique-esconde na rua. Taí: com o castigo forçado das crianças de hoje, que não podem mais brincar na rua, talvez funcionasse melhor encher a casa de livros. Mas não é bem assim. Sabemos disso. Não há fórmulas. Não há macetes. Há possibilidades. Várias.

Um leitor do Digestivo que me contacta diz, num e-mail bastante descrente, que o professor, que deveria dar o exemplo, não é leitor, não lê com fluência, não tem esse hábito, não carrega livros pelos corredores da escola (exceto o didático, que é outra conversa polêmica). Concordo, Rodrigo. Morro de pena, mas concordo. Mas para não achar que isso é tudo, é preciso ler História do Brasil. Sugeri a ele uma passadinha por alguns livros do Nelson Werneck Sodré sobre a formação cultural do nosso país. E também disse a ele que pôr a culpa, com tanta veemência, no professor é exagero. Fiz a pergunta que não me cala nunca: e cadê os pais das crianças nesta história? Cadê?

Meu pai não é leitor de livros. Uma única prateleira com livros técnicos da década de 1970 deve resumir toda a biblioteca dele. A versão de O pequeno príncipe de 1953 eu confisquei e mantive na minha estante, para garantir a conservação da edição. Mas foi com meu pai que aprendi o protocolo de ler um jornal diário. Eu e meus três irmãos aprendemos a manipular jornal, ler, escolher, navegar, fechar e guardar, até recortar, quando é o caso, mas só depois que todos tiverem lido.

Minha mãe também não é leitora de livros maçudos. Diz ela que a memória não funciona mais. Talvez o círculo comece do outro lado: a memória não funciona porque ela parou de ler. Vai saber. Mas mesmo assim não foram poucas as vezes que vi, em sua mesa de cabeceira, uns livros de psicologia ou serviço social. Sei também que ela guarda livros num baú trancado a chave. Esse sempre foi meu motivo para implicar com ela. Livro, para mim, é bicho criado solto. Nem tanto que possam ser emprestados, mas ficarem trancados não justifica nada. Foi de minha mãe que ganhei meus primeiros exemplares da coleção Vaga-lume, intróito da minha carreira de leitora.

E assim vão acontecendo as leituras, as influências. Li livros porque gostei da capa, porque era o que estava disponível na hora, porque me disseram que era bom, porque ganhei e tinha que dar satisfação, porque comprei, porque fazia coleção, porque li resenha no jornal ou na revista, porque eram argumento de filme, porque disseram que era muito ruim, porque era proibido, porque era muito vendido, porque tinha ilustração, porque era minha obrigação escolar ou profissional. Li jornal, revista, folheto, cartaz, outdoor, manual de instrução, placa de trânsito, bula de remédio, rótulo de garrafa e lata, li panfleto, catálogo de telefones, cardápio, sacola de padaria, sites de cultura, revistas em quadrinhos, li missal, poema, livro didático e lápide. E a gente lê o quê? Lê muita coisa. Talvez não passe da leitura cotidiana, que não amplia os horizontes, mas lê. O que falta então? Ler melhor, ler com mais associações entre informações, ler com mais crítica (não a gratuita, claro), ler com responsabilidade, com astúcia, ler textos mais elaborados, mais complexos, maiores, mais profundos, mais estéticos, engajados, definitivos. Falta ler para escrever. Esta última é raríssima. Esta é uma das maiores dificuldades do estudante médio universitário. Ler para transformar e escrever. Aprender a ser autor.


Ana Elisa Ribeiro
Campos dos Goytacazes, 9/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
03. Paul Ricoeur e a leitura de Celso A. Uequed Pitol
04. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007
05. Guia para escrever bem ou Manual de milagres - 8/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/2/2007
23h46min
Ana, que interessante, também comecei lendo a coleção Vaga-lume. E como foi boa a época, sempre pegava dois livros por semana na biblioteca da escola. Também vejo a má leitura como um grande problema. De forma geral muitas pessoas lêem sem a consciência da leitura, sem parar e pensar, "pera aí, o que estão me dizendo estes livros?". É como se fosse algo automático, feito sem cuidado. Tudo bem começar assim, apenas para criar o hábito, contudo é natural imaginar uma evolução na leitura e passar a realmente ler um texto. É claro que a melhor forma de avaliar o quão bem lemos é na hora de escrever. Concordo que ser autor significa saber ler, e aí ainda está (admito) minha maior dificuldade. Mas como você disse "é uma prática que se 'contrai' com vagar"; espero chegar lá. Abraços, Ana
[Leia outros Comentários de Arthur Alves]
10/2/2007
01h17min
Eis a questão! As diversas possibilidades de expressão que praticamos, verbais e não verbais, nos remetem à condição codificadores/decodificadores em todos os níveis. A imposição normativa continua se confrontando com a experiencia artística que considera fatores isolados e subjetivos na criação e apreciação do texto. O objetivo do texto tende a determinar a sua relevancia e o contexto, em que ele é inserido, é determinante para o nível de interação e profundidade que ele possa atingir. O autor que reflete sobre o seu trabalho está, provavelmente, engajando-se na missão de formar leitores, que fundamentalmente romperão em algum momento com o canal de decodificadores e vão atingir a interação com a matéria que os identifica; criando textos e experimentando o código. O autor talvez nada mais seja que a autonomia do leitor num diálogo libertário com todos os seus autores e a tese seja apenas o objeto de catarse em que estas duas personas se fundam, e se apaziguem.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
10/2/2007
23h10min
Ana, fiquei 15 dias sem computador em casa. Senti falta do Digestivo e de você. Estou voltando hoje e encontro esse texto seu, gostoso, delicioso, tratando de um tema que é minha paixão. Adorei! Aprendi, com François de Singly, que a oferta de livros, entre outras coisas, não garante, mas contribui bastante para formar leitores. Acho que está faltando livro neste país. Mas prefiro comentar sobre isso em um café, em um fim de tarde, topas? Abraços, Áurea
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
14/2/2007
08h05min
Ana, existem muitas outras razões para que a prática da leitura não seja uma atitude constante na vida da sociedade. Antigamente se cobrava muito pelo livro, ainda hoje existem alguns com preços exorbitantes, porém há muito tempo têm surgido inúmeros livros com preço barato. Outra questão é totalmente cultural, a educação familiar, a maioria dos pais não são completamente alfabetizados e assim não incentivam os filhos a lerem. Contudo, existem outras famílias que possuem condições para comprar livros e preferem utilizar outros meios que impedem o crescimento intelectual. Não costumo obrigar a esposa e minha filha a ler, incentivo com inteligência, aos poucos consigo alguns frutos, a leitura é provadamente um recurso fácil, rápido, eficaz, maravilhoso de transformar a vida e alcançar resultados positivos. A leitura é a possibilidade de realizar o possível mesmo que seja um sonho. Aos leitores um grande abraço...
[Leia outros Comentários de Gilberto Barros Lima]
14/2/2007
10h28min
Também adoro desse hábito maravilhoso, que é a leitura vernacular. Aprendi também que melhor mesmo é ler bem. Que é outro grande desafio (pessoal e sócio-cultural). Acho que só o tempo ensina e a boa-sorte possibilita. Parabéns pelo texto, Ana. Percebo sua afinidade com o que escreve e divide.
[Leia outros Comentários de Rosa Nina C. Serra]
14/2/2007
15h22min
Ana, como sói acontecer, concordo contigo. Mas me preocupa a leitura pelo modismo. Tenho a impressão de que as pessoas têm se preocupado mais em parecer "ter lido" do que efetivamente ler. Identifico uma série de leitores de resenhas e de orelhas que, em deslavado estelionato, contabilizam suas leituras como se tivessem devorado as obras. É a velha estética do "parecer ser", bem coisa de quem adora "andar na moda", sem se preocupar com o conteúdo, o conforto... Bjs, Cynthia
[Leia outros Comentários de Cynthia Barcelos]
15/2/2007
16h17min
Ana, não creio em influências. Creio mais em possibilidades, concordando com você nesse aspecto. Por que não creio em influências? Porque, se dependesse de meus pais e de meus irmãos, por exemplo, jamais alcançaria a paixão pela literatura, que mantenho hoje. Venho de uma família pobre financeiramente e de pessoas pouco afeitas à leitura. A falta de dinheiro impossibilitava a aquisição de livros, jornais ou revistas, e a baixa escolaridade impedia o gosto pela leitura. Pelas influências, seria impossível que viesse a me tornar um leitor contumaz, mas havia possibilidades, sim. E foi isso que acabou acontecendo: meus primeiros contatos com a leitura de bons livros só viriam a ocorrer no ginasial, quando li, pela primeira vez, Machado de Assis, e, aí, foi amor ao primeiro parágrafo. Daí em diante, nunca mais abandonei a leitura.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
21/2/2007
22h42min
"Falta ler para escrever"... e como falta. Sou jornalista em Belo Horizonte e sempre tenho contato com estagiários na redação onde trabalho e em outras que já percorri. Confesso ter arrepios com tantos absurdos que encontro até em pequenas notas. Falta tudo: grafia correta, acentuação, concordância (essa é campeã!) e até a conclusão clara de uma idéia. Quando penso que esses serão os jornalistas de amanhã - ou pelo menos terão o diploma - tenho uma mistura de tristeza, pena e revolta. "Tristeza" com a falta de rumo que a educação vem tomando, tanto na escola e como em casa. "Pena" dos possíveis leitores e do próprio pretenso autor. "Revolta" pelo perverso coquetel que essa situação representa. Cansei de ver pautas ridículas, cheias de erros de português, que quando apontados eram rebatidos com o seguinte argumento: "isso não vai ser publicado mesmo". Não quero ser purista, mas acredito que a boa escrita pode conviver em harmonia com gírias e neologismos. Basta tentar. Será possível?
[Leia outros Comentários de Mônica Catta Prêta]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TODO RISCO, O OFÍCIO DA PAIXÃO
DAMÁRIO DACRUZ
LIVRO COM
(2012)
R$ 25,00



DIÁRIO DE UM ZUMBI DO MINECRAFT 3 - FÉRIAS DO TERROR
HOROBRINE BOOKS
SEXTANTE
(2015)
R$ 28,00
+ frete grátis



MODERNAS TÉCNICAS EMPRESARIAIS VOL. 6 TÉCNICAS DE LIDERANÇA
OSWALDO DORIA
GRAFIPAR
(1970)
R$ 8,26



O RABI DE BACHERACH
HEINRICH HEINE
HUCITEC
(1992)
R$ 10,00



MEGUILAT ESTER
BEGUM SCHMUL OSHER
LUBAVITCH
(2010)
R$ 25,00



CARTA VIVA SEM LENHA O FOGO SE APAGARÁ Nº 62
R. R. SOARES
IGREJA INTERNACIONAL DA GRAÇA DE DEUS
(2001)
R$ 3,00



COLEÇÃO OS PENSADORES: NIETZSCHE
NIETZSCHE
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 20,00



TIEMPO CON SHAKESPEARE - MARIO RODRÍGUEZ ALEMÁN (EM ESPANHOL)
MARIO RODRÍGUEZ ALEMÁN
EDITORIAL LETRAS CUBANAS - CUBA
(1982)
R$ 25,00



MOISÉS
IVAN FRANKÓ
CIA BRASILEIRA ARTES GRAFICAS
(1981)
R$ 8,99



OS ENIGMAS DA SOBREVIVÊNCIA
JACQUES ALEXANDER
EDIÇÕES 70
(1977)
R$ 26,00





busca | avançada
21498 visitas/dia
708 mil/mês