Fup, de Jim Dodge | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgĺrd
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A escola está acabando
>>> Co-opting creative revolution
>>> Gigantes de Tecnologia na Bolsa dos EUA
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Quem é o abutre
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O computador de antigamente
>>> Privacidade
>>> A nova Casa da MPB em São Paulo
>>> Carnaval só ano que vem, da Orquestra Imperial
Mais Recentes
>>> Office 2007 Excel 2007 Básico de Gilberto Carniatto dos Santos pela Senac (2008)
>>> Info Profissional EXCEL de Vários pela Abril (2021)
>>> Venda Mais Nº79 - 2000 GAY de Vários pela Quantum (2000)
>>> Você s/a Exame. As melhores empresas para você trabalhar (edição de 15 anos) de Vários pela Abril (2011)
>>> Nova escola Nº271/2014 (avaliação processual) de Vários pela Abril (2014)
>>> Carta Fundamental Nº44 Era uma vez de Vários pela Carta capital (2013)
>>> Brasil Almanaque Cultura Popular. (edição de aniversário) Nº144 de Vários pela Andreato (2011)
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Pro Teste nº31/nov/2004 - nº34/Mar/2005 - nº22/Fev/2004 de Vários pela Proteste (2004)
>>> Pro Teste Nº129/2013 (Sabões em pó e líquido) de Vários pela Proteste (2013)
>>> Em busca do tempo perdido Vol 3. Dic Porto Fr-Pt-Pt-Fr c/ CD. O Escafandro e a Borboleta de Marcel Proust / Porto / Jean-Dominique Bauby pela Globo
>>> Pro Teste nº67/2008 - nº48/2006 de Vários pela Proteste (2008)
>>> Pro Teste nº122/mar/2013 - nº49/Jul/2006 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Pro Teste nº127 - nº123 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Password English Dictionary For Speakers of Portuguese de Martins Fontes pela Martins Fontes (1998)
>>> Vidas Secas de Graciliano Ramos pela Record
>>> New Framework 4a de Richmond pela Richmond
>>> New Framework Student Book 2A de Rich pela Richmond
>>> Livro Salvador , Pinturas 2014/2015 de Salvador Dalí pela Salvador Dal (2014)
>>> Cidades Mortas de Monteiro Lobato pela Globo
>>> Dinheiro & direitos Nº 9 e Nº5 (CARTÕES DE LOJAS) (CARTÕES DE CRÉDITO) de Vários pela Proteste (2007)
>>> Noite Na Taverna de Álvares de Azevedo pela Martin Claret
>>> Rosaflor E A Moura Torta de Pedro Bandeira pela Melhoramentos
>>> Minidionário Espanhol de Michaelis pela Melhoramento (2002)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/5/2007
Fup, de Jim Dodge
Rafael Rodrigues

+ de 9100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Data do dia 12 de julho de 2004 um tópico criado por mim na comunidade do livro Fup (José Olympio, 2006, 98 págs.), de Jim Dodge, no Orkut, à procura de mais informações sobre ele. Na época, o Dodô "Bom Bril" Azevedo me falou sobre o livro e me deixou muito curioso para lê-lo. Se não me engano, o Dodô leu o livro no original e não soube me dizer se havia uma edição brasileira. Mas eu acho mesmo é que mandei um e-mail pra ele, mas ele não pôde me responder. O homem é ocupado demais.

Sem contar que em 2004 eu era mais devagarzinho. Poderia muito bem ter feito uma pesquisa na rede. Certamente encontraria, em algum sistema de busca, todas as informações que procurava.

Poucos meses depois, em novembro do mesmo ano, há uma resposta minha a um usuário, dizendo que eu havia encontrado o livro em algumas lojas virtuais. Não o comprei na época, não imagino o motivo. Lembro que fiz o download do arquivo, em um link devidamente indicado por uma integrante da comunidade. Mas não foi daquela vez que li Fup.

Só agora, no fim do mês passado, é que li esta pequena grande novela de Jim Dodge, um dos convidados da FLIP deste ano. Reeditada no final de 2006 pela editora José Olympio, Fup faz parte do selo Sabor Literário, destinado a lançar "textos inéditos, esquecidos ou inusitados de grandes escritores de todo o mundo". Pelo selo já saíram - e ainda vão sair - muitos livros no mínimo interessantes, como Sobre arte Sobre poesia (Uma luz no chão), que traz ensaios de Ferreira Gullar que estavam fora de catálogo há mais de 20 anos; ou como O banqueiro anarquista, conto - ou novela - irreverente (banqueiro anarquista?, onde já se viu!) de Fernando Pessoa, entre vários outros títulos. Os livrinhos - porque são pequenos, mas não chegam a ser de bolso - são muito bonitinhos e têm as capas iguais, mudando apenas o nome do autor e da obra, claro, o que dá ao selo a característica de coleção. No sentido de que dá vontade de colecioná-los.

A leitura de Fup foi muito agradável, mas não foi tranqüila. Para lê-lo, tive de carregá-lo na mochila que levo para o trabalho, e tive que sujeitar o livro ao bolso traseiro da minha calça, o que resultou em alguns amassões, já devidamente "desamassados". Isso porque tive que ler o livro nos meus horários de lanche. Depois de comer - ou enquanto comia -, é claro.

Nesses dias aprendi que a maioria das pessoas não respeita leitores solitários em bancos de shopping. Fui interrompido diversas vezes - duas delas por clientes - por motivos banais. Nada do que me disseram ou perguntaram era mais importante que a leitura do livro, e poderiam ter dito ou perguntado para outro que não eu. Mas enfim, não sou rabugento e não vou ficar aqui me lamentando.

O fato é que li Fup, e pronto. A apresentação do livro - porque todo livrinho do Sabor Literário tem uma apresentação escrita por um outro grande autor - é do Marçal Aquino, que diz assim: "Fup é um daqueles livros que, em lugar de leitores, conquistam devotos. Uma pequena jóia literária, digna portanto das confrarias que sua leitura gera em todo o mundo, desde sua publicação original, em 1983.".

E logo no primeiro parágrafo da história tomei um susto. Com a maneira com que Jim Dodge narra a morte de um "personagem" (entre aspas porque ele só aparece no primeiro parágrafo), que vem a ser pai de um dos personagens principais do livro. Ele é direto demais. E a frase que relata a morte vem logo depois de uma passagem feliz. Brusco demais.

Alguns parágrafos adiante, outra morte, narrada do mesmo jeito. Sem rodeios, direto ao ponto. Admito que tive que interromper a leitura e respirar fundo, até porque na hora eu estava comendo, lembro bem disso.

Em seguida fiquei sabendo que quem morreu foram os pais de Miúdo (que, mesmo se tornando um rapagão de quase dois metros de altura e mais de 100 quilos, vai continuar com esse apelido), neto de vovô Jake, que é quem assume a responsabilidade de criá-lo.

Vovô Jake é um homem curioso, dado a ímpetos inexplicáveis. Casou-se várias vezes, sendo que um dos casamentos durou apenas um dia. Foi com uma bibliotecária. O motivo da rápida separação: "Quando ela [na noite de núpcias] abriu um livro e começou a ler, Jake fechou negócio [o divórcio] ali mesmo, em dinheiro vivo.". Aliás, os casórios só lhe trouxeram prejuízo. Sem contar o vício no pôquer e as altas quantias gastas com bebida. Vovô Jake é mesmo um homem excêntrico.

Aos 61 anos Jake encontrou um índio que lhe deu a receita de uma bebida especial, o Velho Sussurro da Morte, que lhe traria a imortalidade. Vovô Jake passou a fabricar a bebida em larga escala e utilizá-la como moeda. Teve até quem usasse o Velho Sussurro como combustível para tratores...

Isso tudo foi antes de Vovô Jake ter de cuidar de Miúdo. Com a responsabilidade adquirida, ele aquietou-se um pouco, deixou de lado ao menos as aventuras amorosas.

A história não tem detalhes da criação de Miúdo, e nem precisa. Logo vemos Miúdo já com 22 anos e seus quase dois metros de altura e Vovô Jake com 99. E apesar de criado pelo avô meio doidão e viciado em jogo, Miúdo tornou-se praticamente o oposto de Vovô Jake. "Suas diferenças, apesar de numerosas, eram superficiais; suas semelhanças eram poucas, mas tinham um alicerce: eram ligados pelo espantoso amor que tinham um pelo outro, uma amabilidade que ia além da mera tolerância, uma compreensão sangüínea daquilo que movia seus corações.".

Fup, personagem que dá título ao livro, só aparece na metade da história, quando Miúdo a encontra, ainda bebê, num buraco de terra.

Sim, a encontra, porque Fup é fêmea, ela é uma pata. "Fup" vem de "fucked up", que foi como Miúdo a encontrou, segundo Vovô Jake. Daí o nome, devidamente escolhido por ele, é claro.

Agora, relendo alguns trechos do livro para escrever esta coluna, entendi uma coisa que não havia entendido antes. Ou dei a essa coisa um sentido que não dera antes, afinal, cada leitor faz uma leitura. Mas se você ler o livro - e eu recomendo muito que você leia - atente para a relação entre a morte da mãe de Miúdo e uma outra morte perto do fim do livro.

Até agora, quando começo a encerrar este texto, pensava em como iria falar de Fup. No quê eu iria falar. Porque a história inteira é digna de citação, e eu não tenho espaço nem tempo para falar sobre toda a história. Fup é uma fábula, porque tem fatos e cenas absurdas, mas é também uma história de como pessoas tão diferentes podem viver juntas e em respeito mútuo. Um livro muito bem escrito, divertido, engraçado e comovente, como poucos que li.

Desisto de tentar encontrar coisa melhor para dizer. Melhor relaxar e deixar que o leitor descubra a obra sozinho.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 4/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II de Cassionei Niches Petry
02. Em noite de lua azul de Elisa Andrade Buzzo
03. O fim do futebol-arte? de Humberto Pereira da Silva
04. Crise (de vergonha na cara?) de Adriana Baggio
05. A Criação em tempos de Crise de Marcelo Spalding


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
04. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/5/2007
08h03min
O meu Fup desencavei num balcão de encalhados numa das pouquíssimas livrarias de Macapá, uns dez anos atrás. Naquela época, eu costumava pôr a data de aquisição e o local. Infelizmente, neste não consta nada. Quando o peguei - pra mim um ilustre desconhecido - o que me atraiu foi o release da contracapa. “Uma pequena editora da Califórnia, em 1983, lança seu terceiro livro, tornando-se um sucesso graças à divulgação de seus entusiasmados leitores.” O quê? Como pôde uma história onde três personagens improváveis de se darem bem em qualquer núcleo familiar vira uma obra cult? E eu - que me julgava o cara mais ligado em qualquer coisa cult - não sabia disso? Pois é. E ainda tinha na capa um comentário do The New York Times (...um best-seller do underground). Além de Fup toda poser desfilando à beira de um rio (acho), sobre um fundo azul. Sem querer estragar a leitura de vocês não me prenderei à história. Termino dizendo que meu Fup é da Nova Fronteira, 4ª edição, de 1984. Pegue o seu logo!
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
4/5/2007
11h25min
Eu me lembro dessa pata, pisando na lama, num dia de chuva. Algo assim. Então era isso, o Fup, o livro do Jim Dodge. Lembro que eu li trechos, em algum lugar do passado... (música, please). Nunca li o livro inteiro, mas Rafa, a sua resenha tá ótima, dá vontade de ler tudo outra vez. Muito bom, cara. Abçs.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Almanaque do Batistinha
Maria Inês Lodi
Fundação Cultural
(1999)
R$ 5,00



Midia Dados Brasil 2009
Grupo de Midia São Paulo
Grupo de Midia São Paulo
(2009)
R$ 20,00



O Monstro do Sono
Maria Vago
Rovelle
(2014)
R$ 40,00



Inteletuais na encruzilhada: correspondência de Alceu Amoroso Lima e António de Alcântara Machado (1927-1933)
Francisco de Assis Barbosa (org.)
Abl
(2001)
R$ 16,90



Lei Dos Serviços Públicos Essenciais - Anotada E Comentada
Fernando Dias Simões E Mariana Pinheiro Almei
Almedina Matriz
(2012)
R$ 118,00



Apena Uma Sombra de Mulher
Fernando do Ó
Federação Espírita Brasileira
(1986)
R$ 5,00



Qué Es El Arte Abstracto
Jorge Romero Brest
Columba
(1962)
R$ 58,80



Segurança e Medicina do Trabalho
Não Definido
Saraiva
(2008)
R$ 10,00



Meu Sítio, Meu Paraíso
Ruy Bueno de Arruda Camargo
Ruy Bueno de Arruda Camargo
R$ 11,00



Opthalmic Lenses Their History Theory and Application
Bausch & Lomb
Bausch & Lomb
(1948)
R$ 55,83





busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês