5º Rio das Ostras Jazz & Blues | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
>>> Campanha Sonhar o Mundo traz diversificada programação elaborada pelos museus paulistas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Contra os intelectuais
Mais Recentes
>>> Psicometria Genética (lacrado) de Sara Pain pela Casa do Psicologo (1995)
>>> Solidão de John T. Cacioppo, William Patrick pela Record (2011)
>>> Coaching de Relacionamentos a Dois (lacrado) de Ritah Oliveira pela Qualitymark (2017)
>>> Mitos e Realidades da Qualidade no Brasil de Marco A. Oliveira pela Nobel (1994)
>>> História Global Ensino Médio Volume Único de Gilberto Cotrim pela Saraiva (2016)
>>> Olhos de Madeira de Carlo Ginzburg pela Companhia das Letras (2001)
>>> A Formação da Professora Alfabetizadora - 6ª Ed. de Regina Leite Garcia pela Cortez (1998)
>>> Cinema Brasileiro no Século 21 de Franthiesco Ballerini pela Summus (2012)
>>> Microsoft Project 2007 Gestão e Desenvolvimento de Projetos de Maurício Moreira pela Erica (2009)
>>> O Dinheiro do Diabo (novo) de Pedro Ángel Palou pela Benvirá (2012)
>>> Fernando Pessoa - Homoerotismo Psicanálise Sublimação (lacrado) de Durval Checchinato pela Companhia de Freud (2012)
>>> Linhas de Fuga (lacrado) de Susana Scramim, Marcos Siscar, Alberto Pucheu pela Iluminuras (2016)
>>> Brandscendência - o Espirito das Marcas (lacrado) de Mario Ernesto René Schweriner pela Saraiva (2010)
>>> Fernando Pessoa - Resposta à Decadência (lacrado) de Haquira Osakabe pela Iluminuras (2013)
>>> A Practical Way to English 2 de Joseph Troster pela Não Encontrada (1982)
>>> Ética Concorrencial (lacrado) de Oscar Pilagallo pela Campus / Elsevier (2014)
>>> Viagem à Palestina - Prisão a Céu Aberto de Adriana Mabilia pela Civilização Brasileira (2013)
>>> Made in Japan: Akio Morita e a Sony de Edwin M. Reingold e Mitsuko Shimomura pela Cultura (1986)
>>> Nunca é Tarde Demais de Amy Cohen pela Best Seller (2009)
>>> O Sujeito Não Envelhece - Psicanálise e Velhice de Ângela Mucida pela Autêntica (2007)
>>> Contabilidade Introdutória de Sérgio de Iudícibus pela Atlas (1994)
>>> Perdidos por Aí (lacrado) de Adi Alsaid pela Verus (2015)
>>> The Picture in the Attic de Richard Macandrew / Cathy Lawday pela Cengage Learning (2014)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Abril Cultural (1971)
>>> Minna - Coleção Premio Nobel de Literatura de Karl Gjellerup pela Delta (1963)
COLUNAS

Terça-feira, 19/6/2007
5º Rio das Ostras Jazz & Blues
Marília Almeida

+ de 5100 Acessos

Após uma abertura tradicional, um dia de apresentações heterogêneas e outro que respirou modernidade, a última noite (9/6) do 5º Rio das Ostras Jazz & Blues demorou para engrenar, mas o blueseiro Robben Ford surpreendeu e ela terminou com mais um show do enérgico Michael Hill, que gostou tanto do país e do feedback que obteve nos dias anteriores que quis fazer uma terceira apresentação, dessa vez com a participação de Romero, Big Gilson e até mesmo de Big Joe Manfra, que participou dos bastidores do festival.

As apresentações começaram lentas com o show intimista de Luciana Souza e Romero Lubambo, até demais para o grande palco Costazul e que, certamente, se encaixou melhor no Bourbon Street de São Paulo. A apresentação, impecável e com rigor técnico, incluiu clássicos da MPB, como "Respeita Januário", de Luis Gonzaga, e "Que nem jiló", de Gilberto Gil, além de composições de jazzistas norte-americanos. O ponto mais alto foi a performance de "Modinha", de Vinicius, música que Luciana declarou ter crescido ouvindo. Com uma performance impressionante no scat, que por vezes entra em perfeita harmonia com o violão de Romero, também tocou pandeiro em algumas execuções.

O currículo de ambos impressiona: Luciana é hoje uma cantora de jazz respeitada nos Estados Unidos que arranca elogios de revistas especializadas como a Downbeat e Jazz Times e já recebeu também três indicações ao Prêmio Grammy por Melhor Álbum Vocal de Jazz. Seu terceiro álbum, Brazilian Duos, é composto por canções de Tom Jobim e Vinicius de Moraes e figurou na lista dos melhores CDs de jazz do The New York Times. Por sua vez, Romero, com quem Luciana toca nos EUA, é um carioca radicado em Nova York considerado um guitarrista completo pela crítica de diversos países que já gravou mais de 600 discos, além de trilhas publicitárias e cinematográficas. Com formação em violão clássico, já tocou com nomes como Wynton Marsalis e Diana Krall.

Entre o show de Ravi Coltrane e Robben Ford, a Dixie Square Jazz Band, que serviu muitas vezes, durante os shows noturnos, de um agradável tapa-atraso, subiu ao palco e pela primeira vez se tornou protagonista. Vista durante todo o festival pelas ruas da cidade tocando standards do gênero de New Orleans, lembrando com saudosismo da antiga tradição de street bands no sul dos Estados Unidos através de uma roupagem formal, não fez feio: a animação dos músicos paulistas, já bem conhecida pelo público, contagiou a todos.



A Dixie tem uma trajetória notável: faz parte, há três anos, do cast do Bourbon Street e já abriu shows para B.B. King e Ray Charles. Embora foque instrumentos de sopro, o wash board do líder Marco Vital, que se destaca entre músicos jovens, é uma grande atração e contém até mesmo uma buzina e um simpático cachorro que produz sons ao ser apertado. Para interagir com o público, o grupo conta piadas e é capaz de imitar a buzina do Titanic, provocando muitas risadas. Além disso, também pode tocar clássicos românticos que são dedicados a alguma garota na platéia.

Logo depois, foi a vez do show do guitarrista e vocalista californiano Robben Ford, influenciado por Aretha Franklin, Ottis Redding e pelas guitarras de Mike Bloomfield, Eric Clapton e B.B. King e que foi descoberto pelo gaitista Charlie Musselwhite, que se apresentou na última edição do festival. Ex-Yellowjackets, em 1986 saiu em turnê com Miles Davis.

Reconhecido por atravessar gêneros tendo como base o blues, Ford retornou ao gênero em 1992 e, desde Handful of Blues, de 1995, também executa vocais. Anunciando seu novo CD, Truth, Ford executou "Nobody´s fault but mine", de Ottis Reading, além de músicas como "Too much", dedicada a seu sobrinho. No bis, a gingada "Supernatural", faixa título de um de seus CDS.



No domingo ainda houveram novas apresentações de Dom Salvador e Robben Ford. A conclusão é que o evento soube dosar na medida certa modernidade e tradição. Trouxe o novo, mas sem esquecer do antigo que é, enfim, sua base. Descontando os atrasos, principalmente na abertura e na primeira noite, a organização foi eficiente e os três palcos foram bem escolhidos, apesar dos locais dos shows vespertinos já estarem ficando pequenos para o grande público e alguns shows não terem combinado com o extenso palco noturno.

Vale destacar que é impressionante como um espetáculo, que em 2005 acontecia somente no verão e reunia um público em torno de 400 pessoas, cresceu tanto em apenas cinco edições. A estimativa é que, no sábado, cerca de 10 mil pessoas conferiram os shows noturnos. Mas o estranhamento é entendido se olharmos a cidade que está por trás do evento: com apenas 15 anos de idade, Rio das Ostras recebe, desde 1986, por meio de uma lei federal, royalties por ser um município produtor de petróleo. São cerca de 900 cidades que nos últimos oito anos ganharam 15 bilhões extras pagos majoritariamente pela Petrobrás. Rio das Ostras cresceu 1200% desde 1993 e sua receita atingiu R$ 400 milhões de reais no ano passado.

Como essa receita não irá durar para sempre e a prefeitura já deixou de receber milhões, a cidade quer acelerar seu crescimento e consolidar um turismo qualificado. Por isso, o festival tem grande papel e é valorizado. Inspirado no festival de jazz de Ceará, apesar da proximidade do da vizinha Búzios, seu orçamento, de cerca de R$ 700 mil, financiado apenas pela prefeitura, se manteve em todas as edições e ultrapassa R$ 1 milhão com os gastos da cidade com estrutura, em itens como segurança e transporte, durante o feriado. O crescimento também traz algumas armadilhas: surgem parcerias que são rechaçadas, pois o principal objetivo é manter a ligação do festival à cidade e o caráter popular dos shows.

Se o município conseguir arranjar parcerias que não deturpem o evento, mas ajudem a mantê-lo quando os recursos acabarem, esse objetivo será certamente atingido. A possibilidade de serem organizados shows menores durante o ano seria uma forma de manter o turismo aquecido e, conseqüentemente, firmar a tradição de eventos de jazz e blues na cidade. Aguardamos os resultados.


Marília Almeida
São Paulo, 19/6/2007


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sujeitos e objetos do sucesso: antropologia do Brasil emergente
Diana Nogueira de Oliveira Lima
Garamond- Faperj
(2008)



O Clima Pós Copenhague Vol 18 N 4
Política Externa
Revista Política Externa
(2010)



Sessão de Terapia
Jaqueline Vargas
Arqueiro
(2013)



Silveira Bueno Minidicionario da Lingua Portuguesa - Revisado
Francisco da Silveira Bueno
Ftd
(2000)



Niquito o Cão Jardineiro
Dill Ferreira
Apedzinha
(2013)



Camilo Castelo Branco Literatura Comentada
Maria Aparecida Santilli
Abril



Homens-Caranguejo
Sérgio Carvalho
Local Foto
(2013)
+ frete grátis



é Agora... Ou Nunca
Marian Keyes
Bertrand Brasil
(2013)



Conhecendo o Cérebro
Luciano Mecacci
Nobel
(1987)



Depois do Escorpião uma História de Amor Sexo e Traição
Samantha Moraes
Seoman
(2006)





busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês