Sim-me-drogo-sou-fútil-rica-e-escrevo-blogs | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
48532 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição sobre direito das mulheres à cidade ocupa o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
>>> A Quatro Vozes canta o Clube da Esquina em Guararema pela Caravana Sotaques do Brasil
>>> Série para TV retrata o trabalho da Pecuária brasileira
>>> Naamat promove espetáculo musical beneficente baseado em Aladdin
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O blogueiro: esse desconhecido
>>> PodSemFio, da Garota Sem Fio
>>> Essa o Homer não vai entender
>>> Capacidade de expressão X capacidade linguística
>>> Aleksander Dugin e a marcha da Tradição
>>> Público, massa e multidão
>>> Thereza Simões
>>> Get your flight... lounge music
>>> Programas infantis na TV
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
Mais Recentes
>>> Histórias que Elevam a Alma de Guilherme Victor M. Cordeiro pela Dpl (2002)
>>> Expositio in Cantica canticorum. de Goffredo di Auxerre pela Storia e Letteratura (1974)
>>> Falando de Deus aos Pequeninos de Haydée Araújo Pôrto; ilustrações de Maria do Céu pela Do Professor (1967)
>>> O Poder Flutuante - série diálogo de Ivan Jaf pela Scipione (1996)
>>> Traite D'acupuncture tomo 2 de Roger de La Fuye pela Librairie E. Le François (1955)
>>> Em Carne Viva 23ª edição. - coleção veredas de Maria da Glória Cardia de Castro pela Moderna (1994)
>>> Catalogue des textes hittites. de Emmanuel Laroche. pela Klincksieck. (2000)
>>> Grammaire homérique. Tome I de Pierre Chantraine. pela Klincksieck (1958)
>>> Les Verbes Signifiant Voir En Latin: Etude D'Aspect (Etudes Et Commentaires). de Charles Guiraud pela Klincksieck. (1964)
>>> La formation des noms grecs ancien / Collection Linguistique - société de linguistique de Paris XXXVIII; de Chantraine P. pela Ancienne honoré champion (1933)
>>> Judges (The Anchor Yale Bible Commentaries). de Robert G. Boling. pela Yale University Press. (2005)
>>> Devoradores de Mortos de Michael Crichton pela Rocco (1997)
>>> 75 Anos de Humor Com Seleções de Readers Digest pela Reader (2023)
>>> O Jogo dos gatos Partos de Jorge Sá Earp pela Eldorado (2001)
>>> A Palavra Em Construção de Marilena Moraes e Outros pela Empresa Carioca de Engenharia (1992)
>>> Há 200 Anos de Francisco Cândido Xavier - pelo espírito Emmanuel pela Feb
>>> Indomável de S. C. Stephens pela Valentina (2017)
>>> Os Carolinos - Crônica de Carlos XII - Prêmio Nobel de Literatura de 1916 de Verner Von Heidenstam pela Opera Mundi (1973)
>>> O faroleiro e outros contos - Prêmio Nobel de Literatura de 1905 de Henryk Sienkiewicz pela Opera Mundi (1973)
>>> Estórias que fazem História de Chaia Zisman pela Notrya (1993)
>>> Histórias do Himmerland - Prêmio Nobel de Literatura de 1944 de Johannes V. Jensen pela Opera Mundi (1973)
>>> Platão: República - série reencontro filosofia de adaptação de Marcelo Perine pela Scipione (2002)
>>> Conto Expressão - o poder terapêutico dos contos de Claudine Bernardes ( Org.) pela Literare Books (2022)
>>> Miréia - Prêmio Nobel de Literatura de 1904 de Frédéric Mistral pela Opera Mundi (1973)
>>> Sementes de Vida Eterna de Divaldo P. Franco pela Alvorada (1978)
COLUNAS

Terça-feira, 21/8/2007
Sim-me-drogo-sou-fútil-rica-e-escrevo-blogs
Marcelo Spalding
+ de 11000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Quando cai na sua mão um romance de uma menina de 20 anos, lançado por uma das mais respeitadas editoras do país, logo surgem os velhos preconceitos: deve ser filha de alguém importante, a história deve ser puro sexo e drogas, tipo diário de adolescente. Fugalaça (Record, 2007, 288 págs.) é realmente tudo isso, mas surpreendentemente mais.

Mayra Dias Gomes nasceu em 1987 e é filha do grande dramaturgo e autor de telenovelas Dias Gomes, falecido em um acidente de carro em 1999 (quando Mayra tinha 11 anos). Por causa da perda do pai, a Mayra foi negada a transposição gradual da infância para a adolescência, tendo sido expulsa da vidinha de conto de fadas de menina rica e jogada numa vida de disputas, invejas, auto-afirmação, drogas, culminando nos undergrounds paulista e carioca. Fugalaça é, como diz a própria autora, uma espécie de "vômito literário", vômito dessas experiências intensas e destrutivas, uma tentativa desesperada de compreender-se pelo resgate da memória, de ser aceita pela exposição, de reparar conflitos e dilemas insuperáveis pela aparente lógica proporcionada pelo papel.

"Escrever se tornou meu refúgio - minha mutilação saudável. Meu melhor amigo - o único capaz de entender meu sofrimento sem recriminação. O único capaz de silêncio absoluto aos meus desabafos febris - um tolerante ao meu narcisismo. O único capaz de passar adiante a dor para quem quisesse compreender, para quem estivesse disposto a conceber o fato de que tudo não passava de drama e que o drama em si estava dentro de mim - sim, como um câncer. Eu tentava achar na escrita a minha essência - sim, o meu reflexo."

Não que a iniciativa de Mayra seja original: todo adolescente que gosta de escrever tenta gravar em palavras seus primeiros amores, suas primeiras decepções, seus medos inconfessáveis e desejos reprimidos (basta ver a quantidade de blogs de adolescentes para percebermos que se algo mudou de um tempo pra cá é que hoje essa exposição se dá em tempo real, e não mais no silêncio dos diários). Mas é preciso saudar em Mayra pelo menos duas coisas: primeiro, o bom texto, fluído, maduro sem perder a autenticidade, mesmo nas mesclas de português e inglês típicas da sua idade e classe social; segundo, e mais importante, a coragem, coragem de se expor dessa forma, expor desde a humilhante primeira transa até o desabafo da irmã menor dizendo que melhor seria se ela se matasse logo e não fizesse a mãe sofrer tanto.

Há poucos dias eu mesmo resenhei um livro também memorialista, Tempos heróicos, que conta também em primeira pessoa uma adolescência repleta de sexo, drogas e rock'n'roll, como Fugalaça. Mas o livro era escrito por um adulto casado e pai de dois filhos, um felizardo que soube aproveitar intensamente a juventude e ainda assim vencer na vida, superando conflitos, escapando de doenças, o que não acontece com Satine (a personagem, suposto alterego de Mayra), ainda uma menina, aparentemente ainda com as cicatrizes no corpo e na alma e incapaz, enquanto narradora, de terminar seu livro (na verdade interrompe-o, pois os conflitos, ao que tudo indica, irão permanecer).

Fernanda Young, na orelha do livro, diz que leu "um grande romance, diferente dos outros, escritos em semelhante tom confessional - todos um sim-me-drogo-sou-fútil-rica-e-escrevo-blogs, descrevendo as agruras da juventude desregrada. Fugalaça se destaca. Mayra, tenho certeza, terá mais coisas a contar do que a sua juventude acredita ser incrível. Há dor, há confronto, conflito, cinismo, humor e coragem neste livro. Há talento".

Mas ainda que tenha sido precisa ao afirmar que há talento, Fernanda foi generosa - como todas as orelhas de livros o são - ao dizer que trata-se de um grande romance, pois Fugalaça é um rico testemunho de um tipo de adolescente de uma classe social específica, testemunho sincero e denso, mas a história por vezes parece como a história daquela nossa colega de colégio que encosta a classe do nosso lado e começa a contar sobre seu grande e mal sucedido amor, uma seqüência de lamúrias e indiferenças que se resolveriam com uma só palavra, palavra que você repete insistentemente, "esquece", mas sua colega não consegue esquecer e continua a se humilhar, a se iludir e a contar tudo para você. Mescla de insegurança, mimo e egocentrismo. Nada indica que essa colega saberá narrar com tanta emoção e tanto estilo uma história em que não foi protagonista, uma história realmente incrível ou com um estilo incrível.

Mas voltemos ao que há de melhor no livro, a exposição de uma chaga social que todos fingem não perceber, que as novelas não mostram e os jornais evitam: a falta de sentido para a vida que assola os adolescentes, fazendo-os procurar nas sensações físicas - drogas, bebida, sexo - o vazio de respostas para seus mais singelos e angustiantes questionamentos. Não é só Satine quem sai de um apartamento de luxo toda vestida de preto e desfila suas roupas de marca pelas boates undergrounds, que compra drogas com a mesada da mamãe e quando ela vai viajar promove festinhas em sua casa e transa com o carinha da noite na cama de solteiro com lençol da Hello Kitty. Não é só a amiga de Satine que se suicida depois de descobrir-se soropositiva (suicida-se com o saco plástico que usava para cheirar desodorante). Essa realidade está aí sob os olhares despreparados dos adultos - que resumem tudo a "coisas da idade" - e leva, ano a ano, dia a dia, milhares de jovens em acidentes, overdoses, brigas. Revelar de dentro essa chaga explosiva é mérito de Mayra, ainda que ignore a parcialidade de seu lugar social.

Esta crítica, aliás, Mayra certamente sofrerá ou deve ter sofrido: a de ser rica. A própria autora chega, num certo momento do livro, a falar sobre isso, e de fato não há como fugir à constatação de que Mayra é, sim, produto de uma elite que depois de atingir todos os seus sonhos de modernidade e consumo não sabe mais o que fazer, o que almejar. Tal qual os jovens ricos da Paris de 68, os filhos de pais ricos de Woodstock, Mayra e muitas de suas amigas do underground paulista e carioca perdem-se no oceano da liberdade, afundam numa possibilidade infinita de gozos e ausência de responsabilidades. Não há fome, não há miséria, não há violência por causa do consumo de drogas, não há horizonte social nas palavras de Mayra, mas isso não é sua culpa: assim ela e sua geração foram criadas, protegidas por motoristas, vidros escuros, condomínios de luxo, televisões a cabo repletas de canais norte-americanos.

Curioso é todos nós acordarmos cedo, trabalharmos, estudarmos, passarmos as noites lendo um livro e um domingo escrevendo resenha, deixarmos os filhos em casa para terminar um Mestrado, todos nós batalharmos dia-a-dia para acumular certa riqueza, e quanto mais próximo da riqueza chegamos, mais percebermos sua insuficiência e mais temermos a tragédia que essa acumulação pode representar para nossos filhos. Porque Fugalaça pode não contar nada muito novo, mas confirma com gravidade muita coisa que desde os Livros do Mal aqui de Porto Alegre, desde Christiane F. tem-se revelado: a angústia e o vazio produzidos pela nossa sociedade materialista nas sedentas e despreparadas mentes juvenis. No fundo, no fundo, terminado o livro, a vontade que fica é pegar na mão de Mayra e dar-lhe um sincero e comovido abraço.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 21/8/2007

Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
02. Sexo, drogas e rocknroll - 27/3/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Pequena poética do miniconto - 20/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/8/2007
10h22min
Achei tão parecido com Hell, de Lolita Pille...Parecido até demais.
[Leia outros Comentários de eugenia zerbini]
26/8/2007
16h50min
Olá Marcelo Spalding! Volto a lhe enviar uma mensagem, já que não tenho certeza que a outra tenha chegado, como lhe disse antes adoro seus textos, seu jeito espontãneo de escrever, acho que li um comentario seu a respeito de argentinos, apreciando o cinema atual daquele país, se for seu o texto em questão, podia por favor, me dizer com qual título foi publicado para poder acessá-lo novamente? Agradeço, abraços! Marcela.
[Leia outros Comentários de Marcela Baigorria]
7/12/2008
03h34min
Vou ler o livro só por causa de sua resenha, porque me parece "mais do mesmo", esse livro.
[Leia outros Comentários de Eriberto Junior Beto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Literatura Estrangeira O Lado Bom da Vida
Matthew Quick
Intrínseca
(2013)



Box Sherlock Holmes Série
Sir Arthur Canan Doyle
Pé Da Letra



Estatística do Culto Espírita do Brasil 1965
Serviço de Estatística Demográfica Moral e política
Dip
(1969)



Livro Minidicionário da Língua Portuguesa
Silveira Bueno
Ftd
(2000)



Andreia: Flor Que Desabrochou no Lodo
Hugo Penteado Teixeira
Do Autor
(1972)



Noturnos - Contos
Ana Miranda
Companhia das Letras
(1999)



Quando o Amor é o Remédio
Pedro Santiago
Eme
(2011)



Os Três Mosqueteiros
Alexandre Dumas
Scipione
(1999)



Eu Não Consigo Emagrecer
Dr. Pierre Dukan
Best Seller
(2013)



É Melhor Contar Tudo. O Poder de Sedução das Histórias no Mundo Empresarial e Pessoal
Antonio Nunez
Nobel
(2009)





busca | avançada
48532 visitas/dia
1,8 milhão/mês