Razoavelmente desinteressante | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Songbook Chão da Gente tem lançamento grátis nas plataformas de digitais dia 24 de abril
>>> Heinz e Z Deli abrem conversa no Clubhouse sobre tradição e inovação
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> Alimentaçao Saudavel - Dicas e Receitas de Helena Tonetto; Angela Tonetto pela L&Pm Editores (2003)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Paulo de Azevedo Ltda (1968)
>>> Edições de Planeta - Jung de Varios Autores pela Tres
>>> Viagens e Outros Poemas de Zirlano Teixeira pela Bagaço (2003)
>>> A Revolução Industrial de Leticia Bicalho Canedo pela Atual (1987)
>>> Inteligencia Competitiva de Gomes Elisabeth^Braga Fabiane pela Campus (2002)
>>> Revista do Instituto Historico e Geografico da Vitoria de Sto Antão de Varios Autores pela Instituto Historico de Vitoria (2000)
>>> Temas Tomistas Em Debate de Elcias Ferreira da Costa Org pela Circulo Catolico (2003)
>>> A Separação Passo a Passo- Antes Durante e Depois de Paulo Dantas Saldanha pela Raiz (1999)
>>> Liderando Mudanças de Kotte pela Campus (1999)
>>> Liderando Mudanças de Kotte pela Campus (1999)
>>> O Amante de Lady Chatterley de D H Laurence pela 1972 (1972)
>>> O Gitanja Li e Rubaiyat de Rabindranath Tagore e Omar Khayyam pela Jose Olimpio E (1938)
>>> Instituto de Pesquisas Filosoficas Santo Antonio de Aquino de Elcias Ferreira Costa pela Instituto de Pesquisas (2001)
>>> Gramática - Teoria e exercícios de Paschoalin e Spadato pela FTD (1996)
>>> 365 Belas Historias para Sonhar de D ánne Murat pela Blu (2014)
>>> Terra Pauxi de Francisco Manoel Brandão pela Do Autor (1955)
>>> Terra Pauxi de Francisco Manoel Brandão pela Do Autor (1955)
>>> Dragões de Eter Vol.1 - Caçadores de Bruxas de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Agatha Christie - o Incidente da Bola de Cachorro de John Curran pela Leya (2010)
>>> Esposa de Mentira de Ruby M Ayres pela José Olympio (1946)
>>> O Circo e o Sonho de O Circo e o Sonho pela Lidador (1965)
>>> Lucro A Partir Do Core Business de Chris Zook pela Elsevier (2010)
>>> A Casuarina de W Somerset Maugham pela Globo (1951)
>>> Liderando Mudança de John P. Kotter pela Campus (1997)
COLUNAS >>> Especial Deus tem futuro?

Segunda-feira, 18/2/2008
Razoavelmente desinteressante
Eduardo Mineo

+ de 8000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Gostaria de me casar numa igreja como esta. Acho impossível alguém ver essa cena e não querer se casar. Não sei como uma feminista vê um casamento desses e não sai correndo para esconder seus livros da Simone de Beauvoir e vestir um sutiã. O que há de errado com casamentos, afinal? Mulheres moderninhas dizem aborrecidas que jamais se casarão porque, onde já se viu, se casar, oras, oras, lavar pratos pra sujeito barbado etc. Se casamento fosse isto, realmente seria algo terrível, mas eu não consigo vê-lo desta forma.

Praticamente todas as acusações contra o casamento são frutos de uma mente meio camponesa que reclama das funções que o marido supostamente obriga sua esposa a exercer, mas que hoje em dia já são feitas por máquinas com uma qualidade infinitamente superior a um custo infinitamente inferior. A relação de marido e esposa, portanto, está acima disso; tem de estar acima disso. Alguém pode não querer se casar por não querer relacionamentos e isto é até tolerável, mas que deixe isso claro e não fique reclamando das, ó, imposições machistas do casamento e blábláblá. O casamento não tem nada disso; não, pelo menos, pra mim. Certo, acredito em alguns conceitos conservadores, como o sustento da casa ser obrigação minha, mas jamais trancaria minha esposa numa cozinha. E, além do mais, a imagem de um casal me parece sempre bonita. Não a de um simples casal de namorados, desses que a gente vê trocando fluidos em shoppings, mas a de um casal que assumiu um ao outro e que está disposto a encarar tudo para sempre. É uma imagem bonita.

E a imagem de se casar numa igreja também é bonita, embora eu esteja tratando o casamento de uma forma bem genérica. O casamento religioso é, além de um contrato entre marido e esposa, um contrato entre o casal e Deus, o que pra mim já é um exagero. Eu não sou cristão, ou pior, eu não acredito em Deus, mas preferiria me casar numa igreja. Na verdade eu nem estou tão certo de que Deus não existe, nem questiono muito os dogmas da fé porque não me interesso por dogmas da fé, mas alguns costumes cristãos já fazem parte da minha vida ― como o natal, a páscoa, o casamento, exclamações como "Meu Deus!", "Por Cristo!" etc. ―, e não estou disposto a me desfazer deles só porque acho a idéia de um Deus meio besta. Uns sujeitos argumentam "a ciência não explica a criação da vida" e a melhor resposta pra isso é um Deus?

Percebam que eu estou evitando ao máximo o uso dos termos "ateu" e "agnóstico" porque não gostaria de receber a mesma classificação de um pré-adolescente mongolóide que provavelmente nunca ouviu falar em R.G.Ingersoll. Ele não fez grande literatura, nem grande filosofia, mas me pareceu bem persuasivo no que se refere ao amor como algo que não pode ser propriedade e, portanto, não pode ser uma obrigação. Ninguém pode ser obrigado a amar ou admirar um quadro, uma música; da mesma forma como ninguém pode ser obrigado a amar ou admirar um Deus. A fé, portanto, não pode estar acima da pessoa de modo que a crença ou não-crença seja fator para um desempate, por assim dizer, para ser absolvido e ir para um céu. Considerando isso, a religião se resume aos costumes e à ética; e qualquer discussão sobre a existência de um Deus perderia seu sentido porque não deveria importar o fato de alguém acreditar ou não num Deus.

Porém, se Deus existir e se a fé for uma obrigação ou um pré-requisito para se entrar em seu céu, onde todo o comportamento do indivíduo durante sua vida importe menos do que sua simples opinião sobre Deus, então, aí sim, eu sou contra este Deus. Mas minhas diferenças com a igreja terminam aí; são pontuais e não surgiram do excesso de testosterona, garanto. E numa discussão com um cristão eu nunca, em hipótese alguma, usaria contra ele a Santa Inquisição, porque isso não se faz, entende? Algumas coisas simplesmente não se fazem, como usar camisetas do Che Guevara ou comer terra. E em algumas ocasiões, até me pergunto com muita curiosidade como foram impedir a igreja de queimar certos tipos de gente...

Pensando agora, pelo lado da igreja, aceitar o casamento de um não-crente seria o equivalente a aceitar o casamento de gays e eu entendo perfeitamente que a igreja recuse. Não é a religião que tem que estar de acordo com as pessoas, mas o contrário, porque esta é a função da religião: definir regras. E se estas regras forem maleáveis, se perde o próprio conceito de religião. Tendo em vista que eu sou uma pessoa superficial, admito casar num lugar que não seja uma igreja porque, embora eu realmente acredite nos valores e ideais cafonas da instituição do casamento, dou grande valor ao senso estético da coisa toda e gostaria de me casar num lugar que pelo menos se parecesse com aquela igreja lá. O grande problema, entretanto, é que o tipo de garota que se casa geralmente faz questão do casamento religioso, né, e eu teria de fingir um pouco. Seria o meu primeiro sacrifício por ela, digamos. Ou, tudo bem, sacrifício é um exagero, já fingi coisas muito piores como gostar de gatos, mas um esforcinho, pelo menos. Eu reprovaria, claro, por isto torço para que minha esposa seja superficial também.

Isto é, se eu casar. Sou uma pessoa razoavelmente desinteressante e hoje em dia é tão difícil encontrar garotas bonitas e desinteressantes. Garotas bonitas são do tipo que gostam de dançar e de caminhar em lugares perigosos e de surfar e de bares lotados e de músicas eletrônicas e de muitas outras coisas monstruosamente legais, ao passo que o meu momento mais emocionante de hoje foi uma câimbra patética em frente ao escritório.

Sem contar a minha espetacular incompetência com estes tipos. Me ocorre uma garota linda de quem nunca consegui um sorriso em momento algum, nem um sorriso simulado, nem um esboço de cordialidade com uma levantada de ombros, nada. Tenho certeza de que fiz algumas boas tentativas, mas todas em vão. E não devo ser tão feio a ponto de ofuscar todos os seus pensamentos num tipo impressionante de colapso. Mas ela me olha como se eu tivesse a aparência de uma palestra de motivação empresarial. O que devo fazer sobre Bettina? Não sei, não sei.


Eduardo Mineo
São Paulo, 18/2/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que você comeu no café da manhã? de Marta Barcellos


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2008
01. Dê-me liberdade e dê-me morte - 20/10/2008
02. Razoavelmente desinteressante - 18/2/2008
03. Bem longe - 4/2/2008
04. Não ria! - 21/7/2008
05. Trauma paulistano - 25/8/2008


Mais Especial Deus tem futuro?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/2/2008
11h01min
Hehê...deve ter coisa melhor do que se casar em igreja ou coisa parecida.Mas valeu a tentativa. Li a sua tradução sobre Betina, no seu blog. Gostei muito. Aliás, tinha muito tempo que não visitava aquilo lá. Parece que vc tá em crise, meu caro. Sai dessa. Essa coisa de se casar também passa. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
18/2/2008
11h58min
Muito legal essa lucidez toda, sobre R.G. Ingersoll (por falar nisso, ele deve ser tataravô do Marlon Brando, né não?), sobre o papel da igreja e tudo mais. E o que se pode fazer com as Bettinas? No meu livro, "Como Conquistar Garotas Sem Ofuscá-las Num Colapso de Desinteresse", consta o seguinte, pág. 436, segundo parágrafo: "Não tente impressionar essas Bettinas, mas faça qualquer coisa, por mais imbecil que pareça, para que ela acredite que ELA te impressionou, de uma maneira única, indelével e para sempre. ISSO é a única coisa que vai impressioná-las"... Depois, se vire como puder, ehehe Ótimo texto, Mineo. Abraços. PS. Não esqueça de mandar o convite do casório.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
18/2/2008
17h14min
Casar não significa juntar as casas? Hoje casais que moram juntos são considerados casados, não são? Só as próprias religiões, cada uma com seu ritual, alguns bem parecidos com outros, ainda exigem as bênçãos divinas para que o amor dure para sempre, o que infelizmente não se concretiza. Os casamentos, mesmo os abençoados, não têm durado muito, e não porque os homens, machistas, obrigam suas mulheres amadas a lavarem pratos, após terem feito comida, arrumado a casa, lavado as roupas do sujeito barbado. As moças de hoje não precisam mais ser "mulheres de verdade", as admiradas Amélias do tempo do Mário Lago. Parece que até temos mais motivos pra casar, levando em conta a própria relação, a possibilidade de união, de marido e esposa se tornarem cúmplices, íntimos, com confiança um no outro, assumindo um cuidado de manter a aproximação e o bem-estar de ambos no relacionamento, o que ainda é difícil de ocorrer, poucos conseguem. Bom texto, bem humorado. E a igreja é interessante.
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
18/2/2008
17h57min
Ótimo texto, Mineo, mas não fique contra Deus; tenha certeza de que o comportamento do indivíduo durante sua vida importa bastante! "O segredo não é correr atrás das borboletas; é cuidar do jardim para que elas venham até ele", disse Quintana.
[Leia outros Comentários de Lucas R. Bispo]
19/2/2008
10h27min
Acho que a grande maioria das moças quer casar e quer cuidar do marido e todas essas coisas. Sério mesmo, e não é porque eu tenho 26 anos e quero casar, mas porque minhas amigas também querem. À medida que o mundo vai perdendo sentido, as pessoas desejam valores antigos, pois eram confortáveis, pois traziam alguma segurança. Mulheres atualmente conseguem quase tudo sozinhas, ganham dinheiro, têm bons empregos, compram suas bolsas preferidas e muitos sapatos, mas, oh, o amor, isso elas nunca conseguem comprar. Então, espere Bettina se dar super bem na vida e aí, meu caro, aposto que ela estará louca para casar.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
21/3/2008
23h26min
Valeu a lembrança de que não é a igreja que tem que se adaptar ao postulante a freqüentador e receptor de ungüentos espirituais conforme a sua colaboração dizimal. Isso é obrigação de quem se presta a isso. Até porque a Igreja, qualquer uma delas, é uma instituição como outra qualquer. Não difere nadica de nada. Crer ou não em Deus, já é um pressuposto pra levá-lo em conta. De chofre posso dizer que não creio nalgo voltado pra isso. E descreio muito mais ainda em qualquer igreja. Mas a função social dela, é... Bem, qual é mesmo? Bom, deve de ser aglomerar o maior número possível de possíveis ocupantes de tarefas vãs, como bebericadores contumazes, viciados em qualquer atividade ilícita e candidatos a terem seu tempo, estômago e mente ocupados pelo... ia dizer Diabo, mas aí já é assumir um dos lados da questão... Ocupados pelo ócio improdutivo (desculpa aí, De Masi)... No mais, um texto pra apimentar o assunto...
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pessoal e Intransferível
Sylvia Leal Regina Protasio
Record
(2004)



Plano Mortal - Missão Terra - Volume 6
L. Ron Hubbard
Record
(1993)



o livro dos pequenos terráqueos do dr. Marciano
Jeanne Willis e Tony Ross lustrações
globo



O Coelhinho Deficiente
Lourdes Marques
Dom Bosco
(1991)



Histoire de La Colonisation Française
Xavier Yacono
Puf
(1969)



Rei do Mundo
Lucilia Junqueira de Almeida Prado
Record
(1987)



Hyper Link Volume Único 2 Cds Livro do Aluno
Vinicius Nobre e Albina Escobar
Pearson
(2011)



Pequeno Dicionário Jurídico de Citações Latinas
Tassilo Orpheu Spalding
Saraiva
(1971)



Felicidade ilimitada
Renato Alahmar, Waldyr Bevilacqua Júnior, Walter Quintana, J. Lima
Literare Books International
(2020)



Filosofia Contemporânea: o Drama Milenar do Homem Em Busca da Ver
Huberto Rohden
Martin Claret
(2008)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês