Mulheres, homens e outros insetos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift e Cláudia Lopes pela Scipione (1970)
>>> Líderes e Lealdade - as Leis da Lealdade de Dag Heward-mills pela Central Gospel (2011)
>>> Revista Manchete , Nº 1 , 907 - Novembro de 1988 de Varios pela Bloch (1988)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (1984)
>>> Álbum de família de Mercedes Teixeira João pela Gente (1993)
>>> O Amor Verídico de Tânia Leite Motta pela Própria (1999)
>>> Martelo: uma salada literária de Selma Horta pela Própria (1999)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1990)
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
>>> Mistery behind the wall de Gertrude Chandler Warner pela Scholastic inc (1991)
>>> Trotz allem ein Stuck Himmel de Max Ronner pela Gotthelf Verlag (1979)
>>> There is a tide de Agatha Christie pela Dell (1970)
>>> Cantora Revelação de Roberto Belli pela BrasiLeitura (2015)
>>> He - A Chave do Entendimento da Psicologia masculina de Robert A, Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo de Matemática Financeira pela Saraiva (2007)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1998)
>>> Ao ponto da tristeza de Aaron Appelfeld pela Kinnet, Zmora-Bitan, Dvir (2012)
>>> Conhecer & Aprender - Sabedoria dos Limites e Desafios de Pedro Demo pela Artmed (2021)
>>> Stiletto de Harold Robbins pela Record (1980)
>>> Tudo Pela Vida de Danielle Steel pela Record (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 19/9/2008
Mulheres, homens e outros insetos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

É questão de mercado. Oferta e demanda, talvez. Questão de nicho ou, como dizem alguns, segmento. Parcelas grandes de população em idade reprodutiva (e nem sempre produtiva) se contentam com pouco, não raro apenas com o exoesqueleto. Sendo assim, basta uma barata e é puro prazer.

Certa vez, minha bela e charmosa amiga, além de tudo bastante inteligente, voltou abalada da cidade onde fora morar. O problema não teria sido nem o clima, nem a comida, mas o casamento fracassado, dizia ela. Chorosa como uma viúva (que deveria estar feliz), minha linda amiga lastimava a tentativa frustrada de unir-se a um gaúcho bonito e bem-sucedido. Ela também era bem-sucedida, conheceram-se, inclusive, em reuniões de trabalho. Bons salários, belos rostos, bons corpos. Adivinharam que se queriam em um beijo intolerado. Namoraram e resolveram se mudar para dentro das vidas um do outro (mais um do que o outro, leia-se, como quase sempre é).

Cada um deles era de uma cidade diferente. Bem longes no mapa, dessas que demandam insuportáveis viagens de ônibus ou caríssimas milhas de avião. Sendo assim, o amor acaba corrompendo a compreensão de ambos e resolveram acelerar a decisão. Ela foi para lá, ele abriu espaço entre as gavetas e prateleiras.

Mês vai, mês vem, os e-mails dela começaram a ficar desanimados. O que antes era graça, agora era força de expressão. Depois de um mês de mudança, ela conseguira compreender a razão do choro soluçante logo no primeiro dia. Só porque esperava uma grande recepção e ele pedira uma pizza em domicílio? A vida é assim, querida. Era isso o que ele queria mostrar.

Sábado vai, sábado vem. A bela moça, cada vez mais linda, mais cuidada, mais poeta, passou a se cansar. Além dos assuntos contábeis do trabalho, vinha ele, todos os dias, lá pelas 18h, como se fosse uma Ave Maria, rezar o terço dos descontentamentos da repartição, do truco com os amigos, do churrascão no domingo e dos compromissos inadiáveis na casa de não se sabe que parceiro de bola. Ela introduzia um livro qualquer, a visita de uma nova amiga, um passeio pela rua, mas não tinha muita coragem para nada. Machão, não? Pensei que seria diferente. Já dizia minha mãe para não levar a Cinderela a sério.

Um dia, minha belíssima amiga se cansou. Admitiu que era tudo uma porcaria e voltou para casa. Sem o peso agudo de um filho, ficava tudo fácil. Consolava-se bem: ao menos não havia feito essa burrice duradoura que é a gravidez numa circunstância como esta. Assimilou umas coisas, rearranjou o guarda-roupas dele, pediu desculpas por qualquer incômodo e voltou. Aqui, ela teve coragem de se confessar umas tantas coisinhas, inclusive que achava que casamento fosse mais bacana. Algumas de nós até sugerimos que existem registros de boas experiências. É necessário só ter alguma paciência para procurar, tarefa que a geração internet não há de estranhar.

Mas minha amiga linda logo logo voltou para a noite da cidade. De vez em quando, encontrava-se conosco num chá mais cedo e logo dizia: deixe eu ir me montar no banheiro. Daqui a pouco vêm me buscar. E tocava para as boatezinhas onde a maior parcela da população em idade reprodutiva (nem sempre, quase nunca, produtiva) deveria estar.

Um dia, minha amiga me perguntou o que eu achava de ela sair para aqui ou para ali. Eu fingi que não escutei. Há perguntas que são retóricas, não é mesmo? Mas ela insistiu. E então eu expliquei: menina, é questão de lógica, análise combinatória, probabilidade. Para outros tantos analistas, é questão de segmento de mercado, nicho. Nesses lugares onde você tem ido, há imensas chances de você encontrar um belo rapaz que não lhe interessa, querida. Um macho padrão, sem qualquer desvio a seu favor. Ele provavelmente se encantará com seu corpinho lindo, seu sorriso escandalosamente bonito, mas não precisará de mais do que isso para compreender os dois ou três sentidos que tem a vida dele. Não é preciso ser muito inteligente para desejar comer uma mulher como você, convenhamos. Talvez seja disso que você precisa neste momento: alguém que a arrebate a alma tecendo elogios às coisas que você visivelmente é. Será preciso que alguém, a esta altura, ainda confirme que você é linda? Talvez. Mas o que você busca não está nesse show e nem nessa boate. Essa pessoa só pode estar em outro lugar. Você precisa se dar as chances que você quer. Certamente seu próximo namorado gostará dos seus seios, sorte a dele, que terá uma menina cheia de atributos. Existe gente com todos os gradientes de belezura (ou não). Mas bem que é gostoso conviver com gente que sabe conversar, não é, não? Para comer a carapaça, basta ser qualquer crustáceo. Se até os zumbis de filmes trash saem à procura de cérebros, deve haver uma mínima parte dos homens (e das mulheres) interessados em biscoito fino. Uma regalia lidar com gente inteligente.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 19/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A sujeira embaixo do tapete de Renato Alessandro dos Santos
02. O Anvil e o amor à música de Rafael Fernandes
03. Lendo no Kindle de Julio Daio Borges
04. A literatura, a internet e um papo com Alex Castro de Luis Eduardo Matta
05. Sobre palavras mal ditas de Rafael Rodrigues


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/9/2008
11h41min
Essa a questão. Encontrar pessoas que saibam conversar até que não é tão difícil. Mas, até quando uma boa conversa pode durar? Algumas se tornam intermináveis, e quando isso acontece, a união pode ser duradoura. Mas, só quando encontramos alguém que quer conversar conosco exatamente sobre aquilo de que gostamos de conversar, é que a união é para sempre. Sua amiga, Ana, não precisa sair por aí, procurando essa pessoa. Ela poderá surgir a qualquer momento, sem que se dê conta disso. Observação pode ser uma boa "dica", mas ela precisa "dizer" sobre o que mais gosta de conversar. Se for Literatura, ela pode passar a frequentar bibliotecas e/ou livrarias. Quem sabe, em uma dessas visitas, não surja o tal bom conversador dos anseios dela? Sei que isso é ficção, que essa sua amiga "não existe", mas como foi legal conhecê-la. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Estrutura do Tesão. Melissa
Claudia Riecken
Universidade Quantum
(2012)



Beleza para a Vida Inteira
Cristiana Arcangeli
Senac
(2002)



Comigos de Mim
Rachel Gutiérrez
Massao Ohno
(1995)



A Morte da Justiça do Trabalho
Sylvia Romano
Minelli
(2002)



Mistura de Palavras
Silvia Cristina de Oliveira
Do Autor
(1989)



O Benefício da Dilatação de Prazo para a Fazenda Pública
Revista de Processo, Nº 1 - Ano 1
Revista dos Tribunais
(1976)



Por uma Política de Ciência e Tecnologia Em Saúde no Brasil
Marília Bernardes Marques (org.)
Fund Oswaldo Cruz
(1998)



Direito Constitucional 2ª Edição
Gustavo Barchet
Impetus (niterói Rj)
(2004)



Gente Que Você Não Deveria Conhecer !!!!
Fátima Deitos
ícone
(2007)



Dune Guerre a Lautre: 1914-1945
J P Brunet e M. Launay
Hachete Universite
(1974)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês