Cultura do livro digital? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Livro Eletrônico

Quinta-feira, 11/2/2010
Cultura do livro digital?
Vicente Escudero

+ de 4400 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A discussão sobre os livros digitais é literária, comercial ou agrega estas ideias? Pensei nessa questão enquanto assistia Steve Jobs demonstrar as maravilhas do iPad, o último lançamento da Apple, que pretende ser o matador do Kindle, além de imperador dos gadgets no quesito convergência.

Puxe lá do fundo do baú o nascimento do walkman. A música que era ouvida dentro das casas, num aparelho de som gigante, que podia no máximo acompanhá-lo enquanto dirigia seu carro, num toca-fitas com som de péssima qualidade, de repente começou a ser carregada num aparelho pequeno, pendurado na cintura da calça, para qualquer lugar. Então o Metallica nasceu, fez shows e mais shows com seus integrantes incitando os fãs a gravar suas músicas diretamente do rádio, em fitas cassete. Depois de quase quinze anos a internet surgiu, o formato de arquivos MP3 foi criado e os downloads começaram a derrocada da indústria da música. Daí os integrantes do Metallica começaram a discursar contra a pirataria. Alguém, lá no fundo da plateia, ouvindo "Enter Sandman" num iPod, virou as costas e foi embora do show. E o Metallica permanece tocando em eventos esgotados, pelo mundo afora.

Meio século antes de a Sony começar a revolucionar a forma de ouvir música, alguém teve uma ideia parecida para os livros. Gutemberg, o Steve Jobs da Mogúncia, criou os tipos móveis para impressão de livros em série, separando cada uma das letras em chapas individuais de metal, reutilizáveis, em vez das chapas fixas de madeira para a impressão de todo o texto. Qual o resultado disso? Mais livros, mais leitores, menos escribas. Cinco séculos depois, o mesmo Steve Jobs afirma que se inspirou em aulas de caligrafia para criar as fontes dos softwares no primeiro Macintosh: decies repetita placebit. Os escribas agradecem.

Essas mudanças repentinas nas formas de reprodução da escrita e da música criaram o consumo em larga escala e não diminuíram a qualidade das manifestações culturais posteriores. Se a música e a literatura não pioraram (há quem defenda o contrário), resta saber por que ainda impera a resistência aos avanços. Os livros e os CDs têm um significado pessoal maior para o consumidor pela textura, inexistente no material digital? Ou será que essa textura refere-se ao papel moeda que para de cair na conta bancária dos intermediários?

O fim da indústria fonográfica atual é certo, na permanência da resistência dos consumidores em comprar música e do descaso dos governos em regulamentar os direitos autorais com rigor. Já para a indústria da escrita, especificamente as editoras, parece não haver a mesma dificuldade de ingresso no novo mercado do consumo digital. Enquanto os CDs foram quase exterminados instantaneamente com o surgimento do MP3, as editoras têm tempo suficiente para se transformar em produtoras de conteúdo digital, gastando a gordura da reserva de mercado dos livros técnicos e das compras governamentais. As escolas não vão aderir rapidamente ao modelo digital de ensino pela ausência de recursos e dezenas de outros motivos, os leitores também já deram sinais de que resistirão à mudança do suporte. Enquanto existirem, haverá suporte financeiro. A migração de suporte ocorrerá lentamente.

Parece estúpido, no mínimo, que em mais de dois mil e quinhentos anos de descobertas científicas da civilização ocidental, nossa forma de armazenamento do conhecimento para as gerações futuras não seja inteligente. Quantos incêndios não destruíram escritos de filosofia ou soluções de problemas de física? Quantos naufrágios não acabaram com romances, poesias e cartas que poderiam mudar o destino de civilizações? Imagine ― se você não for vestibulando ― se Camões não tivesse resgatado os escritos de Os Lusíadas do naufrágio do qual sobreviveu, na Costa do Camboja, em 1556? Quantos problemas como esses poderiam ter sido evitados com a utilização de uma forma de armazenamento perene?

Olhando através dessa extensa linha do tempo, é possível perceber como a resistência a modelos de divulgação em massa da cultura é mesquinha. Nos dois momentos em que a escrita e a música passaram a ser produzidas em larga escala, os mercados consumidores se tornaram cada vez maiores, aumentando proporcionalmente o lucro das empresas envolvidas na produção. Neste ritmo de mudanças, resistir corresponde a morrer. Conservadorismo é a causa mortis.

Nesse redemoinho de mudanças, pouco é esperado dos escritores e seu ofício. Com a digitalização dos livros e o contato direto com vendedores, a possibilidade de negociação aumenta. Embora o escritor possa perder sem o auxílio de um editor competente, a relação com os melhores leitores, em longo prazo, pode suprir essa ausência. O risco de desvalorização da literatura, armazenada em dispositivos que fornecem também arte visual, é um problema que está muito além de qualquer previsão razoável. Beowulf, poema escrito há mais mil anos, é a prova inconteste de que o cinema e as artes visuais são dependentes crônicos da literatura. A partir daí, alea jacta est.

Aguardo o lançamento do iPad para vender meu Kindle. Gosto do cheiro dos livros, de carregá-los, olhar para a estante abarrotada do meu quarto, suas tábuas entortando pelo peso excessivo. Imaginar que parte de meu conhecimento tem o mesmo peso de todos eles é desafiador. Como a tábua que resiste, impedindo a queda dos livros no chão, anseio suportar esse peso cada vez mais, até a tábua ceder. Contudo, gostarei mais ainda desses livros se permanecerem iguais, na tela de um iPad, guardados numa estante virtual, prontos para leitura a qualquer momento. Perderei peso, mas ganharei a elegância da leveza.


Vicente Escudero
Campinas, 11/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
02. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
03. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
04. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton
05. A Copa mais triste de todos os tempos de Elisa Andrade Buzzo


Mais Vicente Escudero

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'VE' AND colunas.ano = 2010 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. Ausência do mal? - 15/4/2010
04. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
05. Cultura do livro digital? - 11/2/2010


Mais Especial Livro Eletrônico
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/2/2010
19h11min
Qual sua opinião a respeito dos celulares?
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes Fernan]
15/2/2010
15h22min
Também "gosto do cheiro dos livros, de carregá-los, olhar para a estante abarrotada do meu quarto, suas tábuas entortando pelo peso excessivo". E espero continuar assim, já que não estou ansiosa pelo lançamento e nem quero um iPad.
[Leia outros Comentários de Paola]
22/2/2010
09h38min
Não gosto do cheiro dos livros nem do das bibliotecas porque sou alérgica, mas gosto de olhar a ficha catalográfica, ver quem editou, em que ano foi a primeira edição, apreciar o projeto gráfico. Pôxa, um "iPadzinho" agora não seria nada mal!
[Leia outros Comentários de Juliana Galvão]
23/2/2010
11h17min
Primeiramente, gostaria de parabenizar o autor pela maestria com que redigiu o artigo, misturando "simbioticamente" história e poesia! Quanto ao tema em questão, acredito que tenhamos mais medo do novo, como sempre ocorreu na história da civilização, que propriamente da coisa em si, ou seja, do iPad. É notório, ou pelo menos nos fazem acreditar nos benefícios trazidos por tal aparelho: menor custo de acesso ao conteúdo dos livros, se comparado aos preços exorbitantes praticados pelas livrarias; maior facilidade de armazenamento do material nas bibliotecas virtuais, quando comparado aos imensos espaços físicos que precisamos ter, ou seja, longas paredes, com inúmeras prateleiras, ou enormes estantes. Todavia, não podemos nos esquecer que assim como o incêndio que pode destruir o livro físico, temos os problemas de hardware e software que podem apagar tudo. Bem, ainda estou no tempo do livro físico, com seu odor e textura única. Porém, acredito que ambos poderão existir bem juntos.
[Leia outros Comentários de Claudio Cruz]
24/2/2010
12h18min
Sou radicalmente contra a substituição dos livros por arquivos digitais. Como você disse, adoro o cheiro do livro, ter aquele objeto ao meu lado é de uma sensação de conhecimento gratificante. Mas nunca vi um texto se expressar tão bem quanto o seu. A ideia de uma forma inteligente para guardar as obras dos nossos escritores para as futuras gerações nunca tinha me ocorrido e confesso que faz todo o sentido. Acho que pela primeira vez vou começar a olhar o Kindle ou o iPad com outros olhos.
[Leia outros Comentários de Guilherme]
29/3/2010
10h36min
As plataformas digitais nunca se compararão com o físico. O cheiro dos livros novos, a sensação única e prazerosa de "pegar" o livro nas mãos é indescritível (assim como os musicófilos têm essas mesmas tendências pelos discos de vinil), sem falar na possibilidade de poder vê-los juntos em estantes super-limpas dentro de nossas salas de estar; tudo isso faz parte de um "ritual literário" pós-literatura. Para os loucos ou ávidos, a leitura acaba, mas os livros permanecem.
[Leia outros Comentários de Lucas Feat]
1/5/2010
06h36min
Não discuto aqui a substituição dos livros impessos por digital (e-books). Gostaria que as escolas adquirissem o mais rápido possível uma versão brasileira do Kindle (alguém já pirateou?). Diminuiria (e quanto!) as despesas dos pais. Só este ano (2010) gastei quase R$1.000,00 com livros da escola. E já descobri a Estante Virtual há tempos. Sem contar o peso das mochilia que diminuiria bastante, de 15 quilos para três ou quatro.
[Leia outros Comentários de Manoel Amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOLOTA N° 89
EDITORA RIO GRAFICA
RIO GRAFICA
(1974)
R$ 30,00



A QUEDA DA FRANÇA VOL 3 - O COLAPSO DA TERCEIRA REPÚBLICA
WILLIAM L. SHIRER
RECORD
(1969)
R$ 8,00



SEU REI MANDOU DIZER
GISELDA LAPORTA NICOLELIS
MODERNA
(1986)
R$ 12,00



PATHOLOGIC PHYSIOLOGY : MECHANISMS OF DISEASE
WILLIAM A. SODEMAN
W B SAUNDERS
(1950)
R$ 29,40



O CAMAROTE VAZIO
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1990)
R$ 7,00



ANATOMIA DO GRANDE EXECUTIVO
JOHN WAREHAM
BEST SELLER
(1991)
R$ 24,00



GOLD GREED AND GLORY - LEVEL B1 +
BRIAN SARGENT
CAMBRIDGE/DICOVERY EDUCATION
(2014)
R$ 17,87



MANEQUIM TRABALHOS 177
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(1974)
R$ 7,00



POESIA TRADIÇÃO E MODERNIDADE: INTERLOCUÇÕES
MELÂNIA SILVA DE AGUIAR E SUELY MARIA DE PAULA
VEREDAS & CENARIOS
(2008)
R$ 8,00



A MAIS REMOTA LEMBRANÇA
FRED D AGUIAR
RECORD
(1994)
R$ 5,00





busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês