Cultura do livro digital? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
COLUNAS >>> Especial Livro Eletrônico

Quinta-feira, 11/2/2010
Cultura do livro digital?
Vicente Escudero

+ de 4200 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A discussão sobre os livros digitais é literária, comercial ou agrega estas ideias? Pensei nessa questão enquanto assistia Steve Jobs demonstrar as maravilhas do iPad, o último lançamento da Apple, que pretende ser o matador do Kindle, além de imperador dos gadgets no quesito convergência.

Puxe lá do fundo do baú o nascimento do walkman. A música que era ouvida dentro das casas, num aparelho de som gigante, que podia no máximo acompanhá-lo enquanto dirigia seu carro, num toca-fitas com som de péssima qualidade, de repente começou a ser carregada num aparelho pequeno, pendurado na cintura da calça, para qualquer lugar. Então o Metallica nasceu, fez shows e mais shows com seus integrantes incitando os fãs a gravar suas músicas diretamente do rádio, em fitas cassete. Depois de quase quinze anos a internet surgiu, o formato de arquivos MP3 foi criado e os downloads começaram a derrocada da indústria da música. Daí os integrantes do Metallica começaram a discursar contra a pirataria. Alguém, lá no fundo da plateia, ouvindo "Enter Sandman" num iPod, virou as costas e foi embora do show. E o Metallica permanece tocando em eventos esgotados, pelo mundo afora.

Meio século antes de a Sony começar a revolucionar a forma de ouvir música, alguém teve uma ideia parecida para os livros. Gutemberg, o Steve Jobs da Mogúncia, criou os tipos móveis para impressão de livros em série, separando cada uma das letras em chapas individuais de metal, reutilizáveis, em vez das chapas fixas de madeira para a impressão de todo o texto. Qual o resultado disso? Mais livros, mais leitores, menos escribas. Cinco séculos depois, o mesmo Steve Jobs afirma que se inspirou em aulas de caligrafia para criar as fontes dos softwares no primeiro Macintosh: decies repetita placebit. Os escribas agradecem.

Essas mudanças repentinas nas formas de reprodução da escrita e da música criaram o consumo em larga escala e não diminuíram a qualidade das manifestações culturais posteriores. Se a música e a literatura não pioraram (há quem defenda o contrário), resta saber por que ainda impera a resistência aos avanços. Os livros e os CDs têm um significado pessoal maior para o consumidor pela textura, inexistente no material digital? Ou será que essa textura refere-se ao papel moeda que para de cair na conta bancária dos intermediários?

O fim da indústria fonográfica atual é certo, na permanência da resistência dos consumidores em comprar música e do descaso dos governos em regulamentar os direitos autorais com rigor. Já para a indústria da escrita, especificamente as editoras, parece não haver a mesma dificuldade de ingresso no novo mercado do consumo digital. Enquanto os CDs foram quase exterminados instantaneamente com o surgimento do MP3, as editoras têm tempo suficiente para se transformar em produtoras de conteúdo digital, gastando a gordura da reserva de mercado dos livros técnicos e das compras governamentais. As escolas não vão aderir rapidamente ao modelo digital de ensino pela ausência de recursos e dezenas de outros motivos, os leitores também já deram sinais de que resistirão à mudança do suporte. Enquanto existirem, haverá suporte financeiro. A migração de suporte ocorrerá lentamente.

Parece estúpido, no mínimo, que em mais de dois mil e quinhentos anos de descobertas científicas da civilização ocidental, nossa forma de armazenamento do conhecimento para as gerações futuras não seja inteligente. Quantos incêndios não destruíram escritos de filosofia ou soluções de problemas de física? Quantos naufrágios não acabaram com romances, poesias e cartas que poderiam mudar o destino de civilizações? Imagine ― se você não for vestibulando ― se Camões não tivesse resgatado os escritos de Os Lusíadas do naufrágio do qual sobreviveu, na Costa do Camboja, em 1556? Quantos problemas como esses poderiam ter sido evitados com a utilização de uma forma de armazenamento perene?

Olhando através dessa extensa linha do tempo, é possível perceber como a resistência a modelos de divulgação em massa da cultura é mesquinha. Nos dois momentos em que a escrita e a música passaram a ser produzidas em larga escala, os mercados consumidores se tornaram cada vez maiores, aumentando proporcionalmente o lucro das empresas envolvidas na produção. Neste ritmo de mudanças, resistir corresponde a morrer. Conservadorismo é a causa mortis.

Nesse redemoinho de mudanças, pouco é esperado dos escritores e seu ofício. Com a digitalização dos livros e o contato direto com vendedores, a possibilidade de negociação aumenta. Embora o escritor possa perder sem o auxílio de um editor competente, a relação com os melhores leitores, em longo prazo, pode suprir essa ausência. O risco de desvalorização da literatura, armazenada em dispositivos que fornecem também arte visual, é um problema que está muito além de qualquer previsão razoável. Beowulf, poema escrito há mais mil anos, é a prova inconteste de que o cinema e as artes visuais são dependentes crônicos da literatura. A partir daí, alea jacta est.

Aguardo o lançamento do iPad para vender meu Kindle. Gosto do cheiro dos livros, de carregá-los, olhar para a estante abarrotada do meu quarto, suas tábuas entortando pelo peso excessivo. Imaginar que parte de meu conhecimento tem o mesmo peso de todos eles é desafiador. Como a tábua que resiste, impedindo a queda dos livros no chão, anseio suportar esse peso cada vez mais, até a tábua ceder. Contudo, gostarei mais ainda desses livros se permanecerem iguais, na tela de um iPad, guardados numa estante virtual, prontos para leitura a qualquer momento. Perderei peso, mas ganharei a elegância da leveza.


Vicente Escudero
São Paulo, 11/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
04. A firma como ela é de Adriane Pasa
05. A sedução da narrativa de Marta Barcellos


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. Ausência do mal? - 15/4/2010
04. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
05. Cultura do livro digital? - 11/2/2010


Mais Especial Livro Eletrônico
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/2/2010
19h11min
Qual sua opinião a respeito dos celulares?
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes Fernan]
15/2/2010
15h22min
Também "gosto do cheiro dos livros, de carregá-los, olhar para a estante abarrotada do meu quarto, suas tábuas entortando pelo peso excessivo". E espero continuar assim, já que não estou ansiosa pelo lançamento e nem quero um iPad.
[Leia outros Comentários de Paola]
22/2/2010
09h38min
Não gosto do cheiro dos livros nem do das bibliotecas porque sou alérgica, mas gosto de olhar a ficha catalográfica, ver quem editou, em que ano foi a primeira edição, apreciar o projeto gráfico. Pôxa, um "iPadzinho" agora não seria nada mal!
[Leia outros Comentários de Juliana Galvão]
23/2/2010
11h17min
Primeiramente, gostaria de parabenizar o autor pela maestria com que redigiu o artigo, misturando "simbioticamente" história e poesia! Quanto ao tema em questão, acredito que tenhamos mais medo do novo, como sempre ocorreu na história da civilização, que propriamente da coisa em si, ou seja, do iPad. É notório, ou pelo menos nos fazem acreditar nos benefícios trazidos por tal aparelho: menor custo de acesso ao conteúdo dos livros, se comparado aos preços exorbitantes praticados pelas livrarias; maior facilidade de armazenamento do material nas bibliotecas virtuais, quando comparado aos imensos espaços físicos que precisamos ter, ou seja, longas paredes, com inúmeras prateleiras, ou enormes estantes. Todavia, não podemos nos esquecer que assim como o incêndio que pode destruir o livro físico, temos os problemas de hardware e software que podem apagar tudo. Bem, ainda estou no tempo do livro físico, com seu odor e textura única. Porém, acredito que ambos poderão existir bem juntos.
[Leia outros Comentários de Claudio Cruz]
24/2/2010
12h18min
Sou radicalmente contra a substituição dos livros por arquivos digitais. Como você disse, adoro o cheiro do livro, ter aquele objeto ao meu lado é de uma sensação de conhecimento gratificante. Mas nunca vi um texto se expressar tão bem quanto o seu. A ideia de uma forma inteligente para guardar as obras dos nossos escritores para as futuras gerações nunca tinha me ocorrido e confesso que faz todo o sentido. Acho que pela primeira vez vou começar a olhar o Kindle ou o iPad com outros olhos.
[Leia outros Comentários de Guilherme]
29/3/2010
10h36min
As plataformas digitais nunca se compararão com o físico. O cheiro dos livros novos, a sensação única e prazerosa de "pegar" o livro nas mãos é indescritível (assim como os musicófilos têm essas mesmas tendências pelos discos de vinil), sem falar na possibilidade de poder vê-los juntos em estantes super-limpas dentro de nossas salas de estar; tudo isso faz parte de um "ritual literário" pós-literatura. Para os loucos ou ávidos, a leitura acaba, mas os livros permanecem.
[Leia outros Comentários de Lucas Feat]
1/5/2010
06h36min
Não discuto aqui a substituição dos livros impessos por digital (e-books). Gostaria que as escolas adquirissem o mais rápido possível uma versão brasileira do Kindle (alguém já pirateou?). Diminuiria (e quanto!) as despesas dos pais. Só este ano (2010) gastei quase R$1.000,00 com livros da escola. E já descobri a Estante Virtual há tempos. Sem contar o peso das mochilia que diminuiria bastante, de 15 quilos para três ou quatro.
[Leia outros Comentários de Manoel Amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ENTRE DOIS MUNDOS
KATHRYN HULME
AGIR
(1959)
R$ 12,00



O ESTRANHO
HOWARD FAST
BEST SELLER
(1984)
R$ 6,00



ESTILHAÇOS
EDUARDO WOTZIK
AUTOR (RJ)
(2011)
R$ 19,82



VIVA EM PAZ COM SEUS NERVOS
DR. WALTER C. ALVAREZ
RECORD
(1958)
R$ 22,00
+ frete grátis



SUBTERRÂNEA - NOTAS ENTRÓPICAS
ISABEL WAQUIL ORG
PUBBLICATO
(2015)
R$ 25,00



VIVER COM SABEDORIA - O AMOR E A AMIZADE-A MULHER E O HOMEM
SELEÇÕES READERS DIGEST
READERS DIGEST
(2004)
R$ 29,90
+ frete grátis



DIREITO CIVIL VOLUME 5 - DIREITO REAIS
SÍLVIO DE SALVO VENOSA
ATLAS
(2005)
R$ 62,91
+ frete grátis



CARTAS POLÍTICAS A JOÃO DE BARROS
MAUELA DE AZEVEDO PREFÁCIO E NOTAS
IMPRENSA NACIONAL
(1982)
R$ 19,43



VOLTAIRE A PRINCESA DE BABILÔNIA
ANTONIO GERALDO DA SILVA
ESCALA
(2000)
R$ 5,00



O MELHOR DE SÃO PAULO PARA O MUNDO GLOBALIZADO
CARLOS ROQUE
DO AUTOR
(2004)
R$ 14,88





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês