O retorno a cidade natal | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
81512 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais jornais morrendo
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Maná, de Rodrigo Amarante
>>> Lecturis Salutem
>>> Palavras impressas
>>> Teoria da Conspiração
>>> Movimento Literatura Urgente
>>> O fim das mídias físicas
>>> Ayn Rand ou o primado da razão
Mais Recentes
>>> Revista arquitetura & construçao--junho de 2007--luxo & basico de Abril pela Abril (2007)
>>> Revista arquitetura & construçao--outubro de 2006--estrutura de madeira. de Abril pela Abril (2006)
>>> Revista arquitetura & construçao--maio de 2012--reformas 32+20 de Abril pela Abril (2012)
>>> Revista arquitetura & construçao--maio de 2007--morar em apartamento. de Abril pela Abril (2007)
>>> Arquitetura & construçao--junho de 2006--telhas de Abril pela Abril (2006)
>>> Revista arquitetura & construçao--maio de 2005--piso de madeira de Abril pela Abril (2005)
>>> Revista arquitetura & construçao--janeiro de 2006--casas pequenas de Abril pela Abril (2006)
>>> Coleção Grandes Impérios e Civilizações - 17 Volumes de Del Prado pela Del Prado
>>> Coleção História em Revista - 25 Volumes (COMPLETA) de Time Life e Abril Livros pela Time Life
>>> Álgebra Linear de Alfredo Steinbruch - Paulo Winterle pela Makron (1987)
>>> Um Curso de Cálculo 1 de Hamilton Luiz Guidorizzi pela Ltc (1995)
>>> Marketing Ambiental de Reinaldo Dias pela Atlas (2007)
>>> Projeto Presente - História 3º Ano de Ricardo Dreguer & Cássia Marconi pela Moderna (2012)
>>> Projeto Presente - Geografia 3º Ano de Neuza Sanchez Guelli & Allyson Lino pela Moderna (2012)
>>> A Troca de Paulo Novaes pela Agir (1984)
>>> O Linguado de Günter Grass pela Nova Fronteira (1983)
>>> A dieta do tipo sanguíneo: A, B, O e AB de Peter Dadamo pela Elsevier / Alta Books (2005)
>>> Projeto Presente - Matemática 3º Ano de Luiz Márcio Imenes, Marcelo Lellis & Estela Milani pela Moderna (2012)
>>> Dicionário Ilustrado Verbo da Língua Portuguesa 4 vols. de Francisco Fernandes pela Verbo-Globo (1972)
>>> Matemática 2ª Série - Coleção Conhecer e Crescer de Jacqueline Garcia & Márcio Dantas pela Escala Educacional (2005)
>>> Rio de Assis - Imagens Machadianas do Rio de Janeiro de Aline Carrer - John Gledson - Pedro da Cunha e Menezes pela Casa da Palavra (1999)
>>> Missão Investigar Entre o Ideal e a Realidade de Ser Policial de Maria Cecília de S. Minayo-Edinilsa R. de Souza pela Garamond (2003)
>>> A Estranha Nação de Rafael Mendes de Moacyr Scliar pela L&pm (1983)
>>> Deixa Tuas Lágrimas Em Moscou de Barbara Armonas pela Ipanema (1963)
>>> Declarando-se Culpado de Scott Turow pela Best Bolso (2012)
>>> O Medo à Liberdade de Erich Fromm pela Zahar (1977)
>>> Cadastro-geral dos Suspeitos de Ódio ao Presidente de Luiz Gutemberg pela Alhambra (1991)
>>> Então foi Assim? Os Bastidores da Criação Musical Brasileira 4 vols. de Ruy Godinho pela Abravideo (2017)
>>> Conformismo - Tópico de Psicologia Social de Kiesler e Kiesler - Tradução Dante Moreira Leite pela Edgard Blucher Usp (1973)
>>> O Direito a Ter Direitos de Jose Vaidergorn pela Autores Assossiados (2000)
>>> Amor é Só uma Palavra de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro
>>> Vida sem Morte? de Dr. Nils Jacobson pela Círculo do Livro (1976)
>>> A Lenda do Violeiro Invejoso de Fábio Sombra pela Rocco (2005)
>>> Ombusdsman - O relógio de Pascal de Caio Túlio Costa pela Geração Editorial (2006)
>>> Águas do Brasil de Araquém Alcântara pela ´Terrabrasil (2007)
>>> O tigre de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2013)
>>> Os Doze Trabalhos de Hércules 1/2/4 volumes de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1944)
>>> Morte dos reis de Bernard cornwell pela Record (2016)
>>> Bom Apetite vol II de Diversos pela Abril Cultural (1972)
>>> A menina que semeava de Lou Aronica; Maria ângela Amorim De Paschoal pela Novo Conceito (2021)
>>> Curso de Desenho e Pintura 9 volumes de Equipe Globo pela Globo (1985)
>>> 1889 Juvenil ilustrada de Laurentino Gomes; Rita Brugger pela Globo Livros (2014)
>>> Quem me roubou de mim? de fabio de Melo pela Canção Nova (2010)
>>> Se conto ninguem acredita- autografado de Rafael pedrosa pela pandogA (2018)
>>> The Young Riders of Mongolia de Rob Waring pela Footprint (2011)
>>> Let’s Do It Together de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2008)
>>> A Matter of Prejudice de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Strange Noises de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> A Casa Vazia de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasill (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 24/2/2010
O retorno à cidade natal
Guilherme Pontes Coelho

+ de 7400 Acessos

O retorno à cidade natal, depois de alguns anos ausente, sempre tem o efeito de uma madeleine proustiana. Chegando, basta respirar o ar da cidade para que todo esse clichê do novelo de reminiscências se desenrede aos olhos da memória. Sobretudo se esse ar for o de Recife, minha cidade natal. Eu, já tão acostumado, e mesmo enamorado, ao ar seco de Brasília, me senti noutro planeta quando desembarquei no Aeroporto Internacional Gilberto Freyre um mês atrás. A umidade me entrava narinas adentro, e as reminiscências espocavam coração afora. Viradas no cão.

A primeira delas foi a de quanto eu detesto Boa Viagem. Quando pequeno, os passeios familiares à praia só eram bons se fossem para Pau Amarelo, Gaibu, Calheitas, Maria Farinha etc. Mas Boa Viagem, com toda aquela exibição de prédios "modernos", cuja arquitetura tem a cara do dinheiro sem requinte, era um saco. Já era assim duas décadas atrás. O tempo teve efeito hipertrófico sobre o espírito daquela região e hoje aquilo tudo lá só piorou.

Do aeroporto ao hotel, tive aquela sensação de clausura que conheci em Belo Horizonte. O que é algo bizarro, convenhamos: sentir-se enclausurado perto do mar. Mas, com todos aqueles arranha-céus de Boa Viagem, não era pra ser diferente. Não só são prédios gigantes, como são feios e sem desenho. Caixotes mesmo, retos, quadradões. Covas verticais, diria. Não sou nenhum expert em arquitetura, mas gosto muito, sim. Gosto a ponto de abominar a arquitetura pasteurizada, como a de Boa Viagem.

A última sentença do parágrafo anterior é facilmente rebatida, acreditará o possível defensor de BV e connaisseur de arquitetura. Mas não, não é. Isso por causa do fator tempo. Em BV os edifícios não sabem o que é isso. O ciclo de demolição e reconstrução por lá é meio frenético, considerando que falamos de grandes construções. De maneira que a arquitetura de lá é sempre, digamos, a da moda. Sabe, os prédios art decó que vemos acidentalmente no Rio de Janeiro precisaram sair de moda um dia, permanecer "intactos", adquirir a perenidade necessária para serem características da região e hoje representarem parte da identidade carioca. Isso não acontece em Boa Viagem. Hoje, a única coisa charmosa de Boa Viagem são os tubarões, que não gostam d'a gente.

Mas não é só de diatribes que meu novelo é composto. Passado o choque inicial, algumas horas depois, no táxi a caminho da casa da família, me senti melhor. Além de matar a saudade de seis anos, passei pela Recife de que gosto mais.

Essa Recife é a da História. Se você mora ou tem sua origem nalguma grande metrópole brasileira, talvez nunca tenha parado para pensar no quanto de História há nas ruas pelas quais você anda. Eu não tinha (mas era adolescente e adolescentes não sabem de nada), até vir morar em Brasília e ficar impressionado com o seguinte pensamento: "Poxa, essa rua tem só quarenta anos". Então vi minha cidade natal com outros olhos.

Veja bem. Diariamente eu vinha andando da escola pra casa pela Estrada do Arraial e parava no Sítio da Trindade pra paquerar ou arrumar briga. Foi lá que os holandeses levaram uma surra. Ou então, nos fins de semana, ia ao Recife Antigo com cinco reais no bolso (e eram mais que suficientes), parava pra mijar* na frente da Kahal Zur Israel, e nem sabia que aquela sinagoga foi a primeira das Américas ― e de onde saíram os judeus que seriam os futuros colonos de Manhattan. Ou, quando voltava de algum show de death metal, andando trôpego pela Ponte Buarque de Macedo não me caiu a ficha de que aquela era "a ponte do Augusto dos Anjos", o poeta predileto de todo adolescente de gostos tétricos. Enfim, a Recife da História.

Gosto disso no Rio de Janeiro também, da história da cidade impregnada em cada prédio, rua, praça, ilha e o escambau.

Os nativos de cidades litorâneas como o Rio, Recife e Salvador devem se sentir noutro planeta quando pisam aqui em Brasília. Eu me senti assim quando vim morar aqui quinze anos atrás. A umidade de Recife, a secura de Brasília. A desorganização urbana de lá, o planejamento daqui. O nervosismo do trânsito de lá, a educação daqui. O calor humano de lá, o retraimento daqui. Dois planetas diferentes. Apesar de todas as diferenças físicas entre estas duas cidades, a principal delas, é claro, é a que se vê nos relacionamentos humanos. O brasiliense nato, ou forasteiro já aclimatado à cidade, não é exatamente frio, porque, afinal, somos brasileiros. Mas são, sim, reservados e de uma maneira muito peculiar. Como me disse outra digestora, a Pilar Fazito, o brasiliense se comporta como se estivesse no set d'O Bebê de Rosemary.

O brasiliense é anômico também. Qualquer paulistano ou gaúcho pode abrir a boca pra se gabar de quatrocentos anos de História. O brasiliense mal tem cinquenta anos pra reclamar um palito de dente. O brasiliense carece de sotaque (pois é, eles não têm, mesmo), de comida típica e de tudo isso que cria identidades regionais. O brasiliense é um alienígena.

Foi assim que sempre me senti em Recife, aliás. Um alienígena. Apesar de tudo, um alienígena. Principalmente pelo clima, ao qual eu jamais me acostumei.

Como completo trinta anos este ano (e assim saio de vez da adolescência) e há quinze moro em Brasília, sou mezzo recifense, mezzo brasiliense. Depois de matar a saudade da família, rever as ruas que pixei, as escolas onde estudei e os morros onde enchi a cara em Recife, chegou a hora de voltar para Brasília.

Não sei se minha cidade natal é a que havia deixado ou a para a qual retornava.

Nota do Autor
O xixi à frente da sinagoga era acidental e por motivos meramente etílicos.


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 24/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LENDAS E MITOS DO FOLCLORE BRASILEIRO - REGIÃO NORDESTE
ITALO AMADIO
RIDEEL
(1991)
R$ 10,00



30 DIAS EM SYDNEY ( UM RELATO DESVAIRADAMENTE DISTORCIDO) - 7866
PETER CAREY
COMPANHIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 10,00



MUITO MAIS QUE UM SIMPLES BANHO
DR. KEITH SOUTER
ÁTICA
(1997)
R$ 10,00



CEM DIAS ENTRE CÉU E MAR
AMYR KLINK
JOSE OLYMPIO
(1985)
R$ 10,00



O SER MULHER NA CAMA - 8583
ELIANA MARIA A. SOUZA
STS
(1996)
R$ 10,00



AUTÓPSIA
ÁLVARO ALVES DE FARIA
TRAÇO
(1986)
R$ 10,00



REUNIÃO DE TALENTOS CRIANDO A EMPRESA BASEADA NO MERCADO
VICENT P BARABBA
ROCCO
(1999)
R$ 10,00



O LABIRINTO GREGO
MANUEL VÁZQUEZ MONTALBÁN
COMPANHIA DAS LETRAS
(1992)
R$ 10,00



O QUE OS HOMENS DIZEM O QUE AS MULHERES OUVEM
LINDA PAPADOPOULOS
ACADEMIA
(2010)
R$ 10,00



RECONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA FONOAUDIOLOGIA NO RIO GRANDE DO SUL
MARLENE CANARIM DANESI E ZULMIRA OSORIO MARTINEZ ORGS.
IMEC
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
81512 visitas/dia
2,4 milhões/mês