29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28528 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
Últimos Posts
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> Lulu Santos versus Faustão
>>> Aperte o play
>>> Banana Republic
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
Mais Recentes
>>> O Modernismo de Affonso Ávila pela Perspectiva (2002)
>>> Sempre é Tempo de Wanda A. Canutti pela Eme (2007)
>>> Não leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> Gestão da Emoção de Augusto Cury pela Benvirá (2015)
>>> Sem medo de ser Feliz de José Carlos De Lucca pela Petit (1999)
>>> Schifaizfavoire de Mário Prata pela Planeta (2011)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbassi pela Gente (2004)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1998)
>>> Senhora de José de Alencar pela Ática (1996)
>>> Fome de Milagres de Virgil Gheorghiu pela Difusão Europeia do livro (1959)
>>> O Maior Vendedor do Mundo - 2ª parte de Og Mandino pela Record (1988)
>>> Monsehor Quixote 4ªed. de Graham Grene pela Record (1982)
>>> Mrs Polifaz e o Triângulo Dourado de Dorothy Gilman pela Casa Maria (1988)
>>> O Dossiê Pelicano de John Grisham pela Rocco (1993)
>>> Introdução à Economia Solidária de Paul Singer pela Perseu Abramo (2013)
>>> Tchapaiev - Coleção Romances do Povo - Direção de Jorge Amado de Dimitri Furmanov pela Vitoria (1954)
>>> O Dia do Chacal - Clássicos Modernos 6 de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1974)
>>> Drácula de Bram Stoker pela Nova Cultural (2002)
>>> Don Juan ou a Fascinante Vida de Lord Byron de André Maurois pela Nova Fronteira (1966)
>>> Resistência de Agnés Humbert pela Nova Fronteira (2008)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J. W. Rochester psicografado por Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Tutaméia - Terceiras Estórias de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1979)
>>> Dias Perdidos de Lúcio Cardoso pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Fauna Terrestre no Direito Penal Brasileiro de Luciana Caetano da Silva pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (Capa dura) de Célio César Paduani pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (Capa dura) de Célio César Paduani/ Autografado pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Criação de Alister Mcgrath pela Hagnos (2011)
>>> Processo de Hermenêutica na Tutela Penal dos Direitos Fundamentais de Eugênio Pacelli de Oliveira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Organismos Geneticamente Modificados de Marcelo Dias Varella/ Ana Flávia Barros- Platiau pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> Constituição e Hermenêutica Constitucional de Márcio Augusto Vasconcelos Diniz pela Mandamentos (2002)
>>> O Eden Perdido de Poliana R. Ramos pela Casa Publicadora Brasileira (1974)
>>> Servidor Público: Doutrina e Jurisprudência/ Capa Dura de Reinaldo Moreira Bruno e Manolo del Olmo pela Del Rey/ Mandamentos (2006)
>>> O Homem no Teto de Jules Feiffer pela Companhia das Letras (1995)
>>> Mais Veja Como se Faz de Derek Fagerstrom / Lauren Smith pela Sextante (2013)
>>> O Grupo de Empresas no Direito do Trabalho de Carine Murta Nagem Cabral: Coord. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2019)
>>> Aspectos Semiológicos do Direito do Ambiente de Patrícia Bressan da Silva pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Mulheres de Marilyn French pela Rio Gráfica (1986)
>>> Politicos do Brasil de Fernando Rodrigues pela Publifolha (2006)
>>> Hermenêutica Jurídica Clássica de Glauco Barreira Magalhães Filho pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2003)
>>> Instituições de Direito Eleitoral (capa Dura) de Adriano Soares da Costa pela Del Rey/ Belo Horizonte (2006)
>>> A Fúria de John Farris pela Record (1980)
>>> O Quebra-Ossos - A Obstinação de um milionário louco agita o mundo do turfe de Dick Francis pela Nova Fronteira (1988)
>>> Caçada Sem Fim de Bryan Forbes pela Best Seller (1986)
>>> Nasce um povo de Michel Bergmann pela Vozes (2019)
>>> Teatro Flutuante 1º Vol. de Edna Ferber pela Saraiva (1962)
>>> Isso sim, é real ... de César Azambuja pela Do autor (2004)
>>> Viva Melhor! Com a Medicina Natural - Edição e Luxo de Luiz Carlos Costa pela Vida Plena Edições/ Sp. (1996)
>>> Noções de Psicofarmacoterapia na Prática de Jair Salim pela Educ/ EPU/ SP. (1987)
>>> O poder que vem do seu nome de Aparecida Liberato - Beto Junqueira pela Sextante (2005)
>>> Formulaire Cosmétique et Esthétique (Avec figures dans le texte)/ (Enc de Paul Gastou (Le Docteur) pela J.- B. Baillière/ Paris (1939)
COLUNAS

Terça-feira, 12/10/2010
29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 15300 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

A Petrobrás, através de seu blog, me convidou para visitar a 29ª Bienal de Arte de São Paulo. Além do passeio entre as obras, fui convidado para debater nos "Terreiros" da Bienal com Vânia Rall, pesquisadora do Laboratório de Estudos sobre a Intolerância da USP, o tema "Arte e ética: o uso de animais nas obras de arte". O convite foi estendido a um grupo de artistas e produtores culturais de várias partes do Brasil que têm uma significativa inserção na internet.

Parte das reflexões que vão se seguir são pessoais, mas devo registrar a contribuição das responsáveis pelo site e dos outros convidados da Petrobrás que debateram, desde o jantar na noite anterior em um hotel de São Paulo até durante a visita, algumas das questões relativas à 29ª Bienal.

A Bienal deste ano tem como tema a relação entre arte e política, e seu título reproduz um belo verso do poeta Jorge de Lima: "Há sempre um corpo de mar para o homem navegar". Embora o título possa sugerir uma relação imediata entre arte e política, não é bem o conceito tradicional e caquético de arte engajada que está em jogo. Isso, de per si, já é uma novidade. Desligar a arte da visão tradicional do que seja uma reflexão política já é apontar para uma interpretação mais radical do que seja o valor da arte na sociedade.

Liberar a arte de seu caráter puramente panfletário e apontar a sua natureza incômoda pelo simples fato de ser arte, por seu desejo de revisar criticamente a própria realidade, refazê-la, reinventá-la, poetizá-la, introduzindo contradições, abismos, inclusive chamando atenção, mesmo que de forma extrema, para aspectos de seus limites éticos ou não, eis o verdadeiro caráter político da arte.

Baudelaire, ao comentar Os Miseráveis, de Victor Hugo, dizia que o artista, por vezes, deveria enfiar o nariz do espectador na lama. Ou seja, revelar para ele as injustiças do mundo, a desumanidade da sociedade. Foi o que Picasso fez com Guernica, não de uma forma panfletária, mas mostrando no próprio dilaceramento da forma da arte o dilaceramento de um mundo violento. Ali talvez estivesse contida a ideia mais radical de uma dialética entre forma e conteúdo na arte, ou aquilo que T. W. Adorno dizia: na grande obra de arte a forma é o próprio conteúdo.

Nesta Bienal podemos perceber, desde a sua forma de organização labiríntica, cheia de meandros serpentinados por onde facilmente nos perdemos, e por seus artistas, com propostas vertiginosas e de alta voltagem crítica e emocional, que vivemos num mundo desorganizado, contraditório, paradoxal, difícil de entender, conflituoso e ao mesmo tempo rico de sugestões de morte, desalento, desespero, mas também de vida, poesia e possibilidades de enfrentamento da realidade.

Esse delicioso perder-se dentro de uma labiríntica Bienal é resultado do projeto de expografia da arquiteta Marta Borgéa e alude àquilo que Beckett definiu muito bem como "um soberano desprezo dostoievskiano pela trivialidade de um encadeamento plausível", que é típico na arte desde a ideia de um "barco bêbado" de Rimbaud até as ousadias da arte contemporânea.

A rede de significados também é ampla nas obras, desde o singelo e doloroso coração sentido de Leonilson ao impactante vídeo Je vous salue Saravejo, de Jean-Luc Godard, tudo nos leva a vertigens incontestes e talvez à verdadeira definição dessa Bienal na seguinte frase estampada no vídeo do cineasta francês: "A cultura é a regra, a arte a exceção".

E pelo fato de a arte ser exceção é que sua condição política deve ser pensada de forma ampliada. Os termos colocados por Albert Camus nos indica essa posição: "Em arte, a revolta se completa e perpetua na verdadeira criação, não apenas na crítica ou no comentário".

A ideia de estranhamento expande nessa Bienal o conceito de política, pois tirar o espectador de suas zonas de conforto acaba por surpreender seu repertório em relação inclusive com a própria arte. O curador Moacir dos Anjos diz que o que interessou foi a ideia de política como o encontro com o desentendimento. Claro e acertado, pois se alguém quer uma postura político-ideológica clara que procure panfletos políticos, e não arte.

O próprio uso do verso de "Invenção de Orfeu", de Jorge de Lima, como tema escolhido, aponta a possibilidade utópica da arte como possibilidade de um outro entendimento do mundo, mais complexo, mais sensível, mais paradoxal. Por isso a própria indeterminação de caminhos no percurso às obras já é em si uma posição política da Bienal, que leva os espectadores a experimentarem a sensação do barco sem leme do já citado Rimbaud.

Os espaços de descanso, chamados nessa Bienal de "terreiros" também é outra forma de dar à Bienal uma nova qualidade. Ali se discute a própria Bienal, se apresenta performances, vídeos, dança, teatro, filmes e espetáculos de música.

Esta Bienal retoma também suportes e práticas antes bastante negligenciadas, como o desenho, a pintura, a escultura e a fotografia (esta menos). Dentre as obras, a polêmica série de desenhos em nanquim ou carvão do artista plástico Gil Vicente. Inimigos é um conjunto de desenhos onde aparecem retratos de personalidades do mundo da política tendo uma arma apontada para si. Dentre elas, George Bush, o Papa, a rainha Elizabeth II e o nosso presidente Lula, que tem sua cabeça sendo decepada por uma faca. A OAB se pronunciou contra a exposição das obras, pois, segundo a entidade, o trabalho do artista despertaria o desejo de violência nos espectadores. Mas a OAB não parece ter percebido em que direção o ódio dos espectadores seria direcionado: na dos políticos falastrões, os dominadores da política que tanto fizeram para piorar o mundo. E não é esse mesmo o interesse da obra, já que se trata de odiar os inimigos? Pelo que percebi no grande número de escolares que param imediatamente frente ao trabalho de Vicente, a obra virou um fetiche na Bienal, uma espécie de Mona Lisa do evento.

Diversão é o que não falta nessa Bienal, e uma delas é a obra de Henrique Oliveira. A origem do terceiro mundo remete à vagina pintada por Gustave Courbet e que se chamou A origem do mundo, hoje exposta no Museu D'Orsay, em Paris. A instalação de Oliveira é a reconstituição em tamanho gigante de uma vagina, feita com materiais nada nobres como tapumes e madeira compensada, geralmente materiais recolhidos pelas ruas da cidade. A diversão é garantida, como eu disse, pois a sensação de entrar dentro da vagina e percorrer seus corredores labirínticos tem garantido uma animada participação das crianças e dos jovens. Os mais maduros, já complexados moralmente, relutam à primeira vista, mas depois se entregam ao prazer desta penetração. É divertido ver a criançada saindo da vagina e gritando: "estou nascendo de novo", como pude presenciar em minha visita.

Umas das obras surpreendentes é com certeza a instalação Bandeira branca, do artista Nuno Ramos, que praticamente reconstitui gravuras de Oswald Goeldi onde aparecem urubus (também apresentadas nesta Bienal). Para além da polêmica ambientalista de maltrato a animais usados em obras de arte, o que nos interessa é perceber esse caráter de indeterminação que a obra causa, seu tamanho gigante nos lembrando a ideia do sublime, de algo que não podemos alcançar com a mente e nos leva à sensação de imprevisibilidade diante da impossibilidade de termos o conjunto da obra, de chofre, à nossa frente, predisposta ao nosso entendimento.

Outra instalação interessante é a do músico Livio Tragtenberg, que construiu um estúdio-jaula onde maneja sons colhidos da participação dos visitantes ou que podem ser enviados diretamente ao artista por e-mail. Livio se transforma em Dr. Estranho e compõe sua sinfonia com cacos de sons variados, tão estranhos quanto o mundo em que vivemos e tão estranhos quanto a paisagem sonora que nos rodeia hoje.

Retomando a história da intervenção, também em um sentido mais amplo de participação política, a Bienal apresenta artistas já consagrados pela nossa história da arte. Dentre eles Helio Oiticica e o multiartista Flávio de Carvalho. São expostos registros de suas experiências, na forma de fotografias e documentos, como, por exemplo, a Experiência n. 2, onde Flávio de Carvalho invade uma procissão de Corpus Christi no centro de São Paulo, andando em direção contrária aos fiéis e vestindo um boné verde, deixando claro sua crítica ao catolicismo, religião que ele abominava. Na ocasião, ele quase foi linchado.

Ainda vale registrar a obra O que é arte? Para que serve?, do artista Paulo Bruscky, que faz uma crítica ao sistema das galerias de arte e museus como instituições duvidosas. A própria arte mostrando que a arte pode estar em outros lugares que não apenas nos espaços institucionalizados.

Nosso espaço é pequeno para discutir tão ampla Bienal. Ao contrário da exposição anterior, que ficou marcada pela alcunha de "Bienal do vazio", esta é repleta de sugestões visuais, táteis, sonoras. Um encontro fecundo com o projeto contemporâneo da arte como um mundo flutuante, irreverente, mas pleno de sugestões. Ao contrário do mundo ordinário, da razão instrumental, a arte possibilita vivências de uma outra ordem, a ordem do sensível, e é este conhecimento, esta experiência, que a Bienal decidiu chamar corretamente de arte política.

Para ir além
29ª Bienal de São Paulo.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 12/10/2010


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/10/2010
12h12min
Jardel, gostei inteiramente de sua crítica positiva à Bienal, concordo em quase tudo, só achei que a frase de Adorno fica deslocada, talvez coubesse na discussão com Godard.
[Leia outros Comentários de Marcos Aulicino]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS RETIRANTES I
JOSÉ DO PATROCÍNIO
TRES
(1973)
R$ 9,20



MULATO: NEGRO-NÃO NEGRO, BRANCO NÃO-BRANCO
ENEIDA ALMEIDA DOS REIS
ALTANA
(2002)
R$ 15,00



A INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA E O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO
DANIEL PEDRO PUFFAL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



MARKETING MÓVEL
ALEXANDRE LAS CASAS
SAINT PAUL
(2009)
R$ 57,00



MUNICÍPIO QUE EDUCA APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS
PADILHA, PAULO ROBERTO E MARQUES FILHO, ALBER
INSTITUTO PAULO FREIRE
(2013)
R$ 11,00



PORTUGUÊS VOL 2 LÍNGUA LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS
ERNANI TERRA E JOSÉ DE NICOLA
SCIPIONE
(2003)
R$ 4,00



O ORGULHO E A VERGONHA
BRIGITTE LABBÉ / MICHEL PUECH
SCIPIONE
(2004)
R$ 10,00



REVISTA OCCIDENTAL: ANO 14 NÚMERO 1 DE 1997
DIVERSOS AUTORES
IICLA (MÉXICO)
(1997)
R$ 26,00



PROBLEMAS? OBA! - 20ª EDIÇÃO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(2011)
R$ 19,00



CARRASCOS DE PARIS: A DINASTIA DOS SANSON
BERNARD LECHERBONNIER
MERCURYO
(1991)
R$ 17,82





busca | avançada
28528 visitas/dia
922 mil/mês