Dá para viajar sem fotografar? | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/8/2011
Dá para viajar sem fotografar?
Marta Barcellos

+ de 2700 Acessos

A ideia era sair do roteiro das agências de turismo, buscar nossas veias latino-americanas e fugir das "viagens de confirmação", nas quais acabamos fotografando as mesmas fotos do guia visual. E também aproveitar o câmbio favorável enquanto há tempo (quem se lembra da tristeza dos viajantes depois da maxidesvalorização do real em 1999?).

Você vai mesmo para a cidade do México? Vou, eu respondia. Não, o destino não será uma praia mexicana, Cancun ou um novo paraíso artificial, continuava me explicando. Não, não penso que seja como ir a São Paulo. Ninguém me invejava; eu estava no caminho certo.

Mas havia as crianças. Quando dei por mim esperava à beira da piscina pelo grupo que "nadaria" com os golfinhos. Colocavam a roupa de neoprene, inclusa no preço camarada do parque mexicano ("mais barato que a Disney"), enquanto a mim caberia concorrer com o fotógrafo oficial na missão de registrar a façanha. Nadar com os golfinhos, viria a descobrir depois, é algo recomendável no currículo das crianças bem nascidas do Brasil, algo para abafar no Facebook. Eu precisava caprichar na foto.

Enquanto aguardava, pude observar uma modalidade que não nos havia sido oferecida no cardápio do parque. Segundo a mocinha gentil (os mexicanos são gentis até nos rituais de segurança do aeroporto), por 400 pesos as crianças poderiam interagir com o golfinho na piscina por 30 minutos. Sem abraçar o animal. Com mais 300 pesos, o programa duraria 45 minutos e incluiria o abraço. Ficamos com o pacote básico, até porque a chuva ameaçava estragar a foto, digo, o programa.

Naqueles minutos de espera concluí que nos tinham sonegado uma opção certamente mais em conta. Uma treinadora que orientava seu golfinho no canto da piscina, entre afagos e sardinhas, fez um gesto e um grupo de quatro crianças aproximou-se com o fotógrafo. Sem perder tempo com troca de roupas, elas apenas se abaixaram na beirada, uma de cada vez, e repetiram os gestos de comando necessários para duas fotos: numa o golfinho encostava o nariz na mão da criança espalmada para baixo e na outra viravam o rosto para receber um "beijinho" do mamífero. A orientação era clara: tinham que olhar para a câmera. Não dava tempo de ver o animal e o contato gelado causou algum sobressalto nos menores, mas tudo foi rapidamente registrado e premiado com sardinhas (o golfinho, claro). Fiquei calculando o preço daquela modalidade fast.

Nosso grupo finalmente saiu do vestiário, devidamente paramentado, e constatei que a prometida proporção de 12 pessoas para um golfinho havia sido estendida para 17. Mas não era hora de matemática ou rabugices, e sim de curtir o lado lúdico do investimento. Que foi um sucesso, tanto a performance do golfinho como a do treinador. Fotos tiradas, era hora de trocar de roupa novamente e comemorar com tacos, quesadilhas e enchilhadas, além de provar outra boa cerveza mexicana. Dessa vez, não vou esquecer a foto dos pratos.

Conheci dois viajantes (que não conhecem um ao outro) que nunca tiram fotos em suas viagens. Quando soube da primeira história fiquei um pouco chocada. Eram os tempos em que ver o mundo através de lentes parecia coisa de japonês, turistas ricos que andavam em grupo guiados por sombrinhas, com câmeras no pescoço e poucos recursos vocabulares para compreender o que se passava em volta. Fotografar tudo o tempo todo no mínimo denotava falta de imaginação. Mesmo assim, fiquei chocada, porque, especialmente numa viagem distante, a ideia deixar a experiência somente a cargo da memória que se apaga é angustiante. Os japoneses exageravam, mas abrir mão de qualquer registro parecia radical demais.

Hoje a pretensão de guardar a memória da viagem no álbum de fotos não existe mais. A fotografia é fato, versão e memória ao mesmo tempo, aqui, agora e no Facebook. Numa época de tantos flashes, a experiência e o seu registro viraram uma coisa só, distribuídas em tempo real, e raramente revisitadas em um álbum de fotos antigo. Assim como as festas, as viagens só existem quando fotografadas. Se você não fotografou uma viagem ela realmente aconteceu? É algo a se considerar. No caminho inverso, há algumas semanas confirmei no Facebook minha presença em um evento, não consegui ir, mas no dia seguinte constava que estive lá. Juro que me sinto como se não tivesse faltado tanto assim.

Quando soube, recentemente, do segundo viajante contumaz que não fotografa nem os lugares mais exóticos não pude deixar de sentir uma ponta de inveja. Imaginar a sua liberdade. A liberdade de escolher, depois, se a viagem aconteceu ou não. De construir com calma a sua versão do vivido. A liberdade de quem descobriu, há tempos, que tudo é ficção, inclusive a memória e as fotografias. Mesmo assim, apegada que sou a esse mundinho de experiências que 'precisam' ser capturadas, eu lhe perguntei: mas você nem escreve alguma coisa? Nem um moleskine para algumas notas, no lugar da câmera? Nada.

Sem registros, a viagem dura apenas o tempo que durou. Não é um investimento lúdico em um roteiro ensaiado para fotos. Ela se apaga como o "tempo real" que nem existe, como a memória insuficiente para reter qualquer resquício do tempo presente. Conheço gente que viaja muito, fotografa tudo e não se lembra de nada. Confunde as viagens na hora de citá-las. E também conheço bons contadores de histórias de viagem. Em geral viajam pouco e transformam seus poucos "causos" em histórias sensacionais. Afinal, para que viajar - ou fotografar golfinhos - quando se tem uma imaginação fértil?

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 12/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
02. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho
03. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry
04. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
05. Portas se abrindo de Marta Barcellos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL PRATICO DO ADVOGADO
JONATAS MILHOMENS E GERALDO MAGELA ALVES
FORENSE
(2002)
R$ 8,00



BLOODLINE
SIDNEY SHELDON
WARNER BOOKS
(1986)
R$ 13,00



SABATINA DE ESTUDOS DA OBRA DE ANTÓNIO QUADROS, CONTRIBUTO BIBLIOGR...
FUNDAÇÃO LUSÍADA
FUNDAÇÃO LUSÍADA
(1995)
R$ 20,10



CINQUENTA ANOS DE PENSAMENTO NA CEPAL - VOL. 2
RICARDO BIELSCHOWSKY (ORG.)
RECORD
(2000)
R$ 65,88



A ESCOLA DE PARIS
MUSEU DE ARTE MODERNA DO RIO DE JANEIRO
UNIDA / MAM-RJ
R$ 23,00



RESUMO DE HISTÓRIA DO BRASIL - 7210
AMÉRICO JACOBINA LACOMBE
ED. NACIONAL
(1977)
R$ 8,00



BASEADO EM FATOS REAIS
DELPHINE DE VIGAN
INTRINSECA
(2016)
R$ 21,00



O PASTOR
FREDERICK FORSYTH
RECORD
R$ 8,00



CANDIDA UMA DOENÇA DO SÉCULO XX
SHIRLEY S LORENZANI
GROUND
(1989)
R$ 500,00



ÁGUAS DOCES NO BRASIL - CAPITAL ECOLÓGICO
BENEDITO BRAGA E OUTROS
ESCRITURAS
(2015)
R$ 62,84





busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês