Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
>>> Aulas on-line percorrem os caminhos da produção editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carnaval só ano que vem, da Orquestra Imperial
>>> Os tataravôs da filosofia
>>> Sexo, drogas e rock’n’roll
>>> Dostoiévski era um observador da alma humana
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> Nélson e Otto #Clássico
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Escritor: uma ambição
>>> O Rei Roberto Carlos e a Ditadura
>>> Uma leitura jornalística
Mais Recentes
>>> Direito Constitucional Ambiental Brasileiro e Ecocentrismo de Ana Stela Vieira Mendes Câmara pela Lumen Juris (2017)
>>> O Acesso à Justiça Internacional para Empresas Brasileiras de Rafaela Câmara Silva pela Lumen Juris (2017)
>>> Os Impactos da Proteção ao Meio Ambiente no Direito de João Luiz Nogueira Matias pela Lumen Juris (2017)
>>> Obra Completa de Oliverio Girondo pela Allca XX / Scipione Cultural
>>> Crie Peixes - as Dicas Que Você Precisa de Alzugaray pela Três (1996)
>>> O Direito e a Ciência de Giselle Marie Krepsky pela Lumen Juris (2017)
>>> O Ministério Público Sobre o Olhar do Outro de Gustavo Hermont Corrêa pela Lumen Juris (2017)
>>> Receitas para a Cura Através de Nutrientes de Phyllis A. Balch; James Balch pela Campus (1995)
>>> Filosofia de Boteco - no Reverso das Ilusões de Antônio Charles Santiago Almeida pela Moura (2019)
>>> O Que é a Inteligência? de José Fernández Tejeda, Felipe Cherubin pela Lumen Juris (2016)
>>> Lung Cancer de Paul Lorigan pela Mosby (2007)
>>> A Crise Hídrica e o Direito de Alexandre Jorge Carneiro Filho, Ana Rita Nery pela Lumen Juris (2016)
>>> A Crise Hídrica e o Direito de Alexandre Jorge Carneiro Filho, Ana Rita Nery pela Lumen Juris (2016)
>>> Combate do Irani - Amanhece o Dia 22 de Outubro de 1912 de Revista História Catarina - Ano VI Nº 44 pela Leão Baio (2012)
>>> O Menino e o Mar de Lino de Albergaria pela Saraiva (2005)
>>> Contos de Amor Novo de Edson Gabriel Garcia pela Atual (1990)
>>> A Mina de Ouro - Coleção Cachorrinho Samba de Maria José Dupré pela Atica (1989)
>>> A Escola e a Produção Textual - Práticas Interativas e Tecnológicas de Silvia M. Gasparian Colello pela Summus (2017)
>>> Conceito de Renda Para Fins Tributários e IFRS de Roberto Salles Lopes pela Lumen Juris (2017)
>>> Regimes Alimentares e Questões Agrárias de Philip Mcmichael; Sonia Midori pela Unesp (2016)
>>> O Conselho Nacional de Justiça e o Poder Judiciário Brasileiro de Maria Lírida Calou de Araújo pela Lumen Juris (2017)
>>> O Estupro - uma Perspectiva Vitimológica de Nohara Paschoal pela Lumen Juris (2017)
>>> Acesso à Justiça nos Sistemas Internacionais de Proteção de Direitos Humanos de Marcus Pinto Aguiar pela Lumen Juris (2017)
>>> Voto e Máquina Política de Eli Diniz pela Paz e Terra (1982)
>>> Afinal, Quem Sou Eu para o Direito de Débora Caroline Pereira Chaves pela Lumen Juris (2017)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/8/2011
Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia
Adriana Baggio

+ de 2900 Acessos

Até o Google Maps diz que a gente pode passar por dentro do Instituto Butantan...

No início de agosto, participei de um congresso de Comunicação na Escola de Comunicação e Artes da USP. Faço doutorado na PUC em São Paulo e estou morando aqui, neste ano, para cursar as disciplinas. Até que ando bem pela cidade, mas prefiro usar o GPS para ir a alguns lugares, como a Cidade Universitária. O problema nem é chegar lá, mas se achar lá dentro.

Já que precisava usar o GPS para chegar à ECA, decidi seguir as orientações dele para o caminho todo. Peguei a Rebouças, cruzei a ponte sobre o rio Pinheiros, virei na Vital Brasil. Segui por ela até chegar à entrada do Instituto Butantan. O aparelhinho mandava entrar e seguir em frente. Supus o óbvio: havia uma passagem para a Cidade Universitária.

O portão estava aberto, não havia cancela, não havia nada impedindo minha entrada. Continuei pelo caminho que o GPS indicava, admirando a beleza do lugar, até chegar à saída. Já avistava, do outro lado, os prédios da USP. Desta vez, porém, a passagem não era livre: guarita, seguranças, cancelas.

As cancelas se levantaram para deixar passar uma moto e segui atrás dela. A barra desceu bruscamente e quase bateu no meu carro. Freei. Um segurança se aproximou: "a senhora não pode passar por aqui". Não entendi: podia entrar mas não podia sair? (Lembrei daquela história do doberman, o cachorro que não faz nada quando o ladrão entra na casa mas morde na saída.)

O segurança disse que aquela saída era apenas para quem tinha um cartão, ou seja, os funcionários. Expliquei que eu não sabia, que não havia placa nenhuma avisando isso, que eu era de fora, que o GPS tinha indicado aquele caminho. O segurança disse: "pois é, o GPS mostra esse caminho mesmo, um monte de gente se engana".

Nesse ponto, minha indignação atingiu os píncaros. Se isso acontece com frequência, por que cargas d'água não colocam uma placa na entrada do Instituto? Por que não colocam placas no acesso a essa saída? Não houve conversa. Não me deixaram passar para o lado da Cidade Universitária, apesar da veemência dos meus gritos protestos.

Poucas vezes na vida senti tanta raiva. Não tanto pelo fato de ter que dar uma volta de mais de 4 km, de ter que perder tempo em mais um engarrafamento de São Paulo. O pior mesmo foi a sensação de ser feita de palhaça.

Enviei um e-mail para a ouvidoria do Instituto. Reproduzo parte da resposta aqui (não coloquei tudo porque a primeira parte é uma explicação do ouvidor sobre o motivo - válido - de não estar presente na ouvidoria quando o procurei pessoalmente):

"Quanto ao fato de Vossa Senhoria não ter dito [tido?] a oportunidade de transladar os portões do Instituto Butantan rumo a USP a explicação oficial é muito simples:

Como aqui é um parque, ou seja uma área de visitação pública, inclusive com muitas crianças, não é intenção da Instituição ter um tráfego pesado de veículos, como a senhora mesmo disse, foram necessários mais 4 Km para chegar a USP,  portanto essa passagem é restrita a carros oficiais e de parte dos funcionários que recebem crachás autorizadores por sorteio.

Do lado da USP há uma placa indicando a proibição, aliás bem discreta.

Do nossa lado deveria haver uma, logo na entrada da rua ou a distância suficiente para que a pessoa interessada na passagem retorne.

Procurarei junto a direção que providencie essa placa, e já falei com a chefia da segurança tercerizada para que se oriente melhor seus funcionários."


Veja que, em nenhum momento, o Instituto Butantan, representado pelo seu ouvidor, se desculpa pelo que aconteceu. Há o reconhecimento da necessidade de avisos, mas pelo jeito isso não é considerado importante, já que essa necessidade existe faz tempo: os próprios seguranças assumem a recorrência dos enganos dos GPSs.

O motivo dado pelo ouvidor não me pareceu impeditivo de uma atitude de bom senso: eu claramente não estava me aproveitando do "atalho". Sotaque curitibano, placa de Curitiba, engano involuntário, raiva autêntica. Será que tudo isso não indicava o motivo para uma exceção?

Não me importa quantas vacinas façam, quantas cobras ou aranhas sejam abrigadas nesse lugar. A imagem que tenho do Instituto Butantan é a mesma que, infelizmente, tenho de outros órgãos públicos: falta de profissionalismo, falta de bom senso, falta de respeito pelos cidadãos, decisões tomadas com base em privilégios.

Acrescento à lista, ainda, a arrogância. A ausência de um pedido de desculpas parece mostrar que o Instituto não se considera equivocado em todo esse episódio. Cabe a nós, cidadãos e visitantes, correr o risco de sermos feitos de bobos quando, inadvertidamente, cruzamos os portões desta organização.

Para finalizar, uma dica construtiva: considerando a letalidade e a gravidade da burocracia, sugiro ao Instituto Butantan que aproveite seu know-how e desenvolva alguns tipos de antídoto para esse mal que assola nosso país. Matéria-prima é o que não lhe falta.


Adriana Baggio
Curitiba, 15/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena de Jardel Dias Cavalcanti
02. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
03. Em defesa da arte urbana nos muros de Fabio Gomes
04. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
05. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2011
01. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011
02. Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres - 10/5/2011
03. Por que as curitibanas não usam saia? - 22/2/2011
04. Moda em 20 textos - 1/8/2011
05. The Good Wife visita Private Practice - 31/8/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Hacker - Page Turners Level 2
Sue Leather / Julian Thomlinson
Heinle Cengage
(2014)
R$ 20,00



História Sociedade & Cidadania 7º Ano
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(2015)
R$ 25,00



O Melhor do Mau Humor
Ruy Castro
Companhia das Letras
(1998)
R$ 10,00



Contos e Lendas da Ilíada
Jean Martin
Wmf Martins Fontes
(2006)
R$ 29,00



Evolution of the Horse
W. D. Matthew S. H. . Chubb
American Museum Press
(1924)
R$ 68,77



Gradus Philosophique
Vários
Gf-Flammarion
(1996)
R$ 63,00



Trinta Anos de Mim Mesmo
Millôr Fernandes
Círculo do Livro
(1974)
R$ 15,00



O Registro da Hipoteca de Incorporações Imobiliárias: o fim social da lei, o princípio da boa-fé e a mitigação da finalidade do registro
Lafaiete Luiz do Nascimento
Thesaurus
(2006)
R$ 6,00



Histórias para Aquecer o Coração
Jack Canfield / M. Victor Hansen / Heather Mcnama
Sextante
(2001)
R$ 7,70



Auto da Barca do Inferno - 7ª Ed.
Gil Vicente
Ateliê
(2005)
R$ 17,41





busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês