Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
>>> Como Passar Um Ano Sem Facebook
>>> Mulheres de cérebro leve
>>> O curioso caso de Alberto Mussa
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade
Mais Recentes
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Violetas na Janela de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro
>>> Tudo Tem um Porquê de Marcelo Cezar pela Vida e Consciência
>>> Tragédias 1 de Shakespeare pela Abril Cultural (1981)
>>> Tragédia Em Três Atos de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Themen Aktuell 1 de Maria Helena Voorsluys Battaglia pela E. P. U./ Hueber
>>> Testemunha da Acusação de Agatha Christie pela Record
>>> Terra Nua de Morris West pela Círculo do Livro
>>> Terceiro Milênio - Decida-se ! de Valéria Cazeloto pela Valéria Cazeloto
COLUNAS

Segunda-feira, 15/8/2011
Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia
Adriana Baggio

+ de 3000 Acessos

Até o Google Maps diz que a gente pode passar por dentro do Instituto Butantan...

No início de agosto, participei de um congresso de Comunicação na Escola de Comunicação e Artes da USP. Faço doutorado na PUC em São Paulo e estou morando aqui, neste ano, para cursar as disciplinas. Até que ando bem pela cidade, mas prefiro usar o GPS para ir a alguns lugares, como a Cidade Universitária. O problema nem é chegar lá, mas se achar lá dentro.

Já que precisava usar o GPS para chegar à ECA, decidi seguir as orientações dele para o caminho todo. Peguei a Rebouças, cruzei a ponte sobre o rio Pinheiros, virei na Vital Brasil. Segui por ela até chegar à entrada do Instituto Butantan. O aparelhinho mandava entrar e seguir em frente. Supus o óbvio: havia uma passagem para a Cidade Universitária.

O portão estava aberto, não havia cancela, não havia nada impedindo minha entrada. Continuei pelo caminho que o GPS indicava, admirando a beleza do lugar, até chegar à saída. Já avistava, do outro lado, os prédios da USP. Desta vez, porém, a passagem não era livre: guarita, seguranças, cancelas.

As cancelas se levantaram para deixar passar uma moto e segui atrás dela. A barra desceu bruscamente e quase bateu no meu carro. Freei. Um segurança se aproximou: "a senhora não pode passar por aqui". Não entendi: podia entrar mas não podia sair? (Lembrei daquela história do doberman, o cachorro que não faz nada quando o ladrão entra na casa mas morde na saída.)

O segurança disse que aquela saída era apenas para quem tinha um cartão, ou seja, os funcionários. Expliquei que eu não sabia, que não havia placa nenhuma avisando isso, que eu era de fora, que o GPS tinha indicado aquele caminho. O segurança disse: "pois é, o GPS mostra esse caminho mesmo, um monte de gente se engana".

Nesse ponto, minha indignação atingiu os píncaros. Se isso acontece com frequência, por que cargas d'água não colocam uma placa na entrada do Instituto? Por que não colocam placas no acesso a essa saída? Não houve conversa. Não me deixaram passar para o lado da Cidade Universitária, apesar da veemência dos meus gritos protestos.

Poucas vezes na vida senti tanta raiva. Não tanto pelo fato de ter que dar uma volta de mais de 4 km, de ter que perder tempo em mais um engarrafamento de São Paulo. O pior mesmo foi a sensação de ser feita de palhaça.

Enviei um e-mail para a ouvidoria do Instituto. Reproduzo parte da resposta aqui (não coloquei tudo porque a primeira parte é uma explicação do ouvidor sobre o motivo - válido - de não estar presente na ouvidoria quando o procurei pessoalmente):

"Quanto ao fato de Vossa Senhoria não ter dito [tido?] a oportunidade de transladar os portões do Instituto Butantan rumo a USP a explicação oficial é muito simples:

Como aqui é um parque, ou seja uma área de visitação pública, inclusive com muitas crianças, não é intenção da Instituição ter um tráfego pesado de veículos, como a senhora mesmo disse, foram necessários mais 4 Km para chegar a USP,  portanto essa passagem é restrita a carros oficiais e de parte dos funcionários que recebem crachás autorizadores por sorteio.

Do lado da USP há uma placa indicando a proibição, aliás bem discreta.

Do nossa lado deveria haver uma, logo na entrada da rua ou a distância suficiente para que a pessoa interessada na passagem retorne.

Procurarei junto a direção que providencie essa placa, e já falei com a chefia da segurança tercerizada para que se oriente melhor seus funcionários."


Veja que, em nenhum momento, o Instituto Butantan, representado pelo seu ouvidor, se desculpa pelo que aconteceu. Há o reconhecimento da necessidade de avisos, mas pelo jeito isso não é considerado importante, já que essa necessidade existe faz tempo: os próprios seguranças assumem a recorrência dos enganos dos GPSs.

O motivo dado pelo ouvidor não me pareceu impeditivo de uma atitude de bom senso: eu claramente não estava me aproveitando do "atalho". Sotaque curitibano, placa de Curitiba, engano involuntário, raiva autêntica. Será que tudo isso não indicava o motivo para uma exceção?

Não me importa quantas vacinas façam, quantas cobras ou aranhas sejam abrigadas nesse lugar. A imagem que tenho do Instituto Butantan é a mesma que, infelizmente, tenho de outros órgãos públicos: falta de profissionalismo, falta de bom senso, falta de respeito pelos cidadãos, decisões tomadas com base em privilégios.

Acrescento à lista, ainda, a arrogância. A ausência de um pedido de desculpas parece mostrar que o Instituto não se considera equivocado em todo esse episódio. Cabe a nós, cidadãos e visitantes, correr o risco de sermos feitos de bobos quando, inadvertidamente, cruzamos os portões desta organização.

Para finalizar, uma dica construtiva: considerando a letalidade e a gravidade da burocracia, sugiro ao Instituto Butantan que aproveite seu know-how e desenvolva alguns tipos de antídoto para esse mal que assola nosso país. Matéria-prima é o que não lhe falta.


Adriana Baggio
Curitiba, 15/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra de Renato Alessandro dos Santos
02. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
03. O bosque inveterado dos oitis de Elisa Andrade Buzzo
04. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
05. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2011
01. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011
02. Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres - 10/5/2011
03. Por que as curitibanas não usam saia? - 22/2/2011
04. The Good Wife visita Private Practice - 31/8/2011
05. Moda em 20 textos - 1/8/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cantos Harmoniosos da América
Johan Dalgas Frisch; Christian Dalgas Frisch
Dalgas Ecoltec
(2001)



Estratégias Colaborativas na Distribuição
Vera Moreira e Outros
Abad
(2004)



Tancredo Vivo: Casos e Acaso
Ronaldo Costa Couto
Record
(1995)



Biologia Hoje 3 - Ensino Médio
Sergio Linhares / Fernando Gewandsznajder
Atica
(2013)



Quatro Anos-luz
Leda Miranda Huhne
Uape
(1994)



Você é do Tamanho dos Seus Sonhos
Cesar Souza
Agir
(2009)



Cousteau: uma Biografia
Axel Madsen
Campus
(1989)



A Vitória de Churchill
Michael Dobbs
Record



Responsabilidade Civil por Erro Médico
Fábio Motta da Cunha
Cbj
(2007)



Dupla Falta
Lionel Shriver
Intrinseca
(2011)





busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês