Lynch, David | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/12/2011
Lynch, David
Vicente Escudero

+ de 3100 Acessos

David Lynch é um artista polivalente. Produtor, diretor e roteirista de cinema que produz comerciais de televisão, álbuns musicais, pinturas figurativas contemporâneas e diariamente apresenta na internet a previsão do tempo em Los Angeles, tudo fora de ordem, como um quebra-cabeça desmontado, onde as peças não se encaixam por completo e formam apenas paisagens particulares, fragmentos da vida construídos em sonhos produzidos artificialmente, enquanto o autor está acordado, manipulando a realidade. Ninguém seria capaz de definir com tal tirocínio o processo criativo do autor de Twin Peaks a não ser ele mesmo.

A precisão da análise se encerra no processo. A maioria dos resultados, com exceção de suas produções musicais, reconstrói o caminho das memórias no subconsciente lynchiano, um conjunto de escolas estéticas servindo ao surrealismo na produção de obras heterogêneas e bastante pessoais. Desde o início de sua carreira como diretor de cinema, no primeiro longa Eraserhead (1976), passado numa cidade industrial de um futuro distópico, onde o pai de um bebê com deformidades físicas sofre com sua morte acidental, que desencadeia a destruição da própria cidade, o passado do diretor é reconstruído. Lynch viveu no subúrbio da Filadélfia durante o final da década de sessenta, quando se casou e foi -relutante- pai pela primeira vez. A casa onde morava foi assaltada logo após se mudar com a família e uma criança foi morta, semanas depois, na mesma rua. A influência destes episódios, apesar de negada pelo diretor, é indiscutível.



Gravado em preto-e-branco, com cenas desconexas e recortadas, repleto de elementos que se tornariam algumas de suas características na direção como corpos deformados, a fotografia sombria e o ritmo misterioso e lento da história, Eraserhead tornou-se uma referência entre outros diretores. George Lucas convidou David Lynch para dirigir Star Wars VI e Stanley Kubrick exibiu-o numa preparação do elenco de O Iluminado. Infelizmente, o diretor recusou o convite para produzir O Retorno de Jedi.

Com o sucesso de Eraserhead entre os experts, Lynch dirigiu O Homem Elefante em 1980, a convite do renomado comediante e produtor Mel Brooks. No drama passado durante o século XIX, em Londres, um homem com o esqueleto deformado (John Hurt) é explorado e maltratado por um dono de circo até ser resgatado por um cirurgião, interpretado por Anthony Hopkins. No seu primeiro filme produzido por um estúdio, David Lynch reduziu a marcha e conduziu a história lentamente, valorizando os personagens e seus contrastes: a inocência do homem reduzido à condição de atração de circo, seu tratamento desumano, em conflito com o interesse mórbido dos espectadores.



Manipulando sua habilidade de produção estética para humanizar o monstro, que aos poucos revela ser mais humano do que a maioria dos normais e sem conceder um final de conto de fadas, Lynch criou um dos personagens inesquecíveis do cinema, capaz de suportar a exploração pelos desejos ocultos do público sem se destruir. Neste duelo entre a curiosidade e a piedade não existe pausa para a reflexão. Em nenhum momento o salvador demonstra pena do monstro, mas age com um espírito de solidariedade inabalável para ajudá-lo a sair da condição de escravo.

É seu filme mais humano, desligado do ambiente urbano etéreo presente em obras posteriores importantes como o seriado Twin Peaks e os Filmes Blue Velvet, Wild at Heart e Mulholland Drive. Esta pá de cal no simbolismo construído sobre o passado sombrio na Filadélfia foi o início da radicalização de sua estética surrealista, e um salto ornamental no precipício da imaginação.

Veludo Azul, lançado em 1986, é indecifrável. Os únicos faróis que guiavam a interpretação de seus filmes anteriores não existem mais. Navegar entre os símbolos da violência, sexualidade e amadurecimento é quase impossível, não há mais referências para qualquer destino seguro. O pedaço de uma orelha é encontrado por um jovem (Kyle McLachlan) na grama do quintal de casa, revelando na cidade um submundo perverso, habitado por um violento -e cômico- maníaco sexual (Dennis Hopper) envolvido com uma misteriosa cantora de cabaré (Isabella Rosselini). A maioria dos acontecimentos é desconexa e só faz sentido no desenrolar da história, um processo que revela o novo estilo do diretor, a preocupação maior com a reprodução de seu universo interior, o etéreo de memórias fragmentadas. Nestes retalhos costurados em realidade, a jornada que liga os universos impossíveis de pessoas tão distintas encontra seu sentido nas conexões emotivas, a dúvida em busca da perversão, controladora da submissão. O jovem, o maníaco e a cantora submissa completam-se formando um retrato perfeito -com uma fotografia repleta de vazios, irretocável- do descontrole que reina no inconsciente.



As produções posteriores caminharam, aos poucos, para a radicalização do surrealismo lynchiano. Wild at Heart (1990), um road movie com elementos de O Mágico de Oz -um pitaco de simbolismo do início da carreira- é destacável pela composição entre trilha sonora e fotografia, uma mistura entre as décadas de setenta e oitenta, jaquetas de pele de cobra e heavy metal, e serve como um prenúncio do que estava por vir com Quentin Tarantino em 1992, com Cães de Aluguel. Felizmente, David Lynch manteve-se fiel à instabilidade da própria consciência e continuou no ritmo de Veludo Azul nas duas produções posteriores, Twin Peaks e Mulholland Drive.



Twin Peaks (1990) e Mulholland Drive (2001) são dois marcos da televisão e do cinema. Ambos sofreram com os mesmo problemas na produção, os limites que a rede de televisão ABC decidiu impor ao diretor. O roteiro da série Twin Peaks, sobre a exótica investigação do assassinato de Laura Palmer, foi alterado para revelar o assassino durante a metade da segunda temporada, esvaziando o sentido dos capítulos posteriores. Já Mulholland Drive, sobre uma mulher sofrendo de amnésia, em busca de sua identidade, nasceu como um piloto de uma série na mesma emissora, mas foi rejeitado depois de dezenas de ingerências da rede ABC no roteiro e acabou, para a felicidade do diretor, sendo produzido como filme, no cinema, com o roteiro intacto.





Mulholland Drive foi o último grande filme escrito e dirigido por David Lynch, que atualmente trabalha em vários projetos paralelos sobre música, produzindo animações na internet, comerciais para a televisão e até desenhando o interior de uma casa noturna, na França, o Club Silencio. Seu cinema autoral foi deixado em segundo plano depois da montanha de dificuldades que enfrentou para controlar todo o processo de produção, desde a criação do roteiro, passando pela escolha do elenco, cuidado com a fotografia na filmagem, a escolha da trilha sonora (Lynch filma usando fones de ouvido para ter certeza de que a música combina com a cena) até a edição final. Esse excesso de interferências, infelizmente, desviou o diretor de seu maior talento. Hoje, é difícil saber o que se passa na cabeça de David Lynch. Se nenhum grande artista suporta a censura de seu trabalho, difícil imaginar o desconforto sofrido por aquele que reproduz com fidelidade a própria consciência.


Vicente Escudero
Campinas , 8/12/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
04. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
05. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TIGRE BRANCO
ROBERT STUART NATHAN
BEST SELLER
(1988)
R$ 10,00



LUXURIA
ALEXANDRE CARVALHO
LEYA
(2015)
R$ 8,00



ESTUDOS SOBRE TÉCNICA PSICANALÍTICA
HEIRICH RACKER
ARTES MEDICAS
(1982)
R$ 17,91



MEMORIAS DE AIRES
MACHADO DE ASSIS
W. M. JACKSON
(1961)
R$ 9,99



ORAR PODE MUDAR TUDO
SILAS MALAFAIA
CENTRAL GOSPEL
(2009)
R$ 15,00



REPÚBLICA DO TACAPE
ROGÉRIO REZENDE
UNITED
(2004)
R$ 29,90
+ frete grátis



OS HOMENS NÃO TAPAM AS ORELHAS
A. M. GALOPIM DE CARVALHO
EDITORIAL NOTÍCIAS
(1997)
R$ 21,70



PRINCIPLES OF LANGUAGE LEARNING AND TEACHING
H. DOUGLAS BROWN
PRENTICE HALL LONGMAN
(2000)
R$ 130,00



A BELEZA E O INFERNO
ROBERTO SALVIANI
BERTRAND
(2011)
R$ 20,00



DE WEG VAN DE VREEDZAME KRIJGER
DAN MILLMAN
DE ZAAK
(1990)
R$ 4,00





busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês