Lynch, David | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
>>> Bruno Zolotar ensina como fortalecer a marca e ampliar vendas no mundo editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Virtual cai na real
>>> Literatura universal do Sul
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> Em Cena: Um Casal Admirável
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O elogio da narrativa
Mais Recentes
>>> Nintendo world--189--mario party 10 de Conrad pela Conrad
>>> Reinações de Narizinho de Monteiro Lobato pela Círculo do Livro
>>> Dicionario enciclopedico conhecer--15 volumes. de Abril pela Abril
>>> Nintendo world--9--star wars-episodio i--racer--voce e o jedi na maior aventura do ano de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--33--zelda em dobro! de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--44--dragon ball z de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--51--mega man zero de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--30--sou eu,mario! de Conrad pela Conrad
>>> Cuerpo Presente y Otros Cuentos de Augusto Roa Bastos pela Centro Editor da América Latina S. A. (1971)
>>> Nintendo world--187--captain toad treasure tracker de Conrad pela Conrad
>>> Amanhã é dia Santo de Angela Fileno da Silva pela Alameda (2014)
>>> #Falsiane de Lucy Sykes; Jo Piazza pela Agir (2015)
>>> 10 Lições de Sucesso de Fernando Martins de Carvalho; José Roberto Orquiza pela Posigraf (1998)
>>> 10 Passos Para Aprovação em Concursos de Alexandre Garcia pela Leya (2014)
>>> 100 Anos de Propaganda de Victor Civita (Editor) pela Abril Cultural (1980)
>>> 100 Anos do Automóvel de Domingo Alzugaray (Editor) pela Três (1986)
>>> 100 Magias Para Conhecer Melhor os Meninos de Disney; André João Rypl (trad) pela Edelbra (2003)
>>> 100 Melhores Ideias de Embalagem nos Últimos 25 Anos de Dil; Food & Drug Packaging pela Dil; Food & Drug Packaging (1986)
>>> 100 Páginas Para Colorir - Carros 3 de Diversos pela Bicho Esperto (2016)
>>> 100 Páginas Para Colorir - Dinossauros de Diversos pela Bicho Esperto (2016)
>>> 100 Vezes Ique no Estadão de Aluízio Maranhão (Apresentação) pela Oesp (1997)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer (pocket) de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> 1000 Tiras em Quadrinhos - Turma do Xaxado de Antonio Cedraz pela Martin Claret (2012)
>>> 1001 Lugares do Brasil Para Conhecer Antes de Morrer de Diversos; Gabriela Erbetta (Editora) pela Abril Cultural (2009)
>>> 1001 Razões Para Gostar do Brasil de Marcelo Camacho pela Sextante (2003)
>>> 101 Great Tramps in New Zealand de Mark Pickering; Rodney Smith pela Reed (1998)
>>> 101 Lugares Para Fazer Amor Antes de Morrer - Edição Especial de Marsha Normandy; Joseph St. James pela Best Seller (2012)
>>> 101 Maneiras de Conversar Com Deus - Capa Dura de Dandi Daley Mackall pela Pensamento Cultrix (2004)
>>> 101 Razões Por Que Seu Homem Veio do Céu .... e Por Que Ele Veio do Inferno de Kristina Downing-Orr pela Pensamento Cultrix (2005)
>>> 12 Segredos Simples Da Felicidade No Trabalho de Glenn Van Ekeren pela Pensamento Cultrix (2002)
>>> 12 Segredos Simples Da Felicidade Num Mundo Caótico de Glenn Van Ekeren pela Pensamento Cultrix (2003)
>>> 122 Dúvidas e as Escolhas Certas Que Mudarão Sua Vida de Hilly James pela Agir (2013)
>>> 16 Livretos de Literatura de Cordel de Diversos pela Do Autor
>>> 1940 - do Abismo À Esperança de Max Gallo pela Objetiva (2013)
>>> 1941 - o Mundo em Chamas de Max Gallo pela Objetiva (2015)
>>> 20.000 Léguas Submarinas de Júlio Verne pela Pé da Letra (2018)
>>> 200 Mil Quilômetros de Aventura de Gilberto Bezerra de Farias pela Espaço e Tempo (1987)
>>> 21 Contos Inéditos de Carlos Lacerda de Carlos Lacerda pela UnB (2003)
>>> 21 Dias - Perca Peso e Melhore seu Metabolismo em 3 Semanas de Sara Gottfried pela Paralela (2016)
>>> 24 Letras por Segundo de Rodrigo Rosp (org.) pela Não (2011)
>>> 3 Days in Cologne de Bayer pela BKB Verlag (2012)
>>> 3 Homens e Nenhum Segredo de Renzo Mora pela Leitura Médica (2011)
>>> 3 X Tri de Vitor Loureiro Sion pela Onze Cultural (2012)
>>> 336 Horas de Noemi Faffe (Org.) pela Casa da Palavra (2013)
>>> 365 - Caça Palavras de Diversos pela Pé da Letra (2019)
>>> 365 - Palavras Cruzadas (Grande) de Diversos pela Pé da Letra (2020)
>>> 365 Caça Palavras - Amarelo de Diversos pela Pé da Letra (2020)
>>> 365 Caça Palavras - Bíblico de Diversos pela Pé da Letra (2020)
>>> 365 Caça Palavras - Inglês de Diversos pela Pé da Letra (2020)
>>> 365 Passatempos - Bichinhos de Diversos pela Diversos (2019)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/12/2011
Lynch, David
Vicente Escudero

+ de 3200 Acessos

David Lynch é um artista polivalente. Produtor, diretor e roteirista de cinema que produz comerciais de televisão, álbuns musicais, pinturas figurativas contemporâneas e diariamente apresenta na internet a previsão do tempo em Los Angeles, tudo fora de ordem, como um quebra-cabeça desmontado, onde as peças não se encaixam por completo e formam apenas paisagens particulares, fragmentos da vida construídos em sonhos produzidos artificialmente, enquanto o autor está acordado, manipulando a realidade. Ninguém seria capaz de definir com tal tirocínio o processo criativo do autor de Twin Peaks a não ser ele mesmo.

A precisão da análise se encerra no processo. A maioria dos resultados, com exceção de suas produções musicais, reconstrói o caminho das memórias no subconsciente lynchiano, um conjunto de escolas estéticas servindo ao surrealismo na produção de obras heterogêneas e bastante pessoais. Desde o início de sua carreira como diretor de cinema, no primeiro longa Eraserhead (1976), passado numa cidade industrial de um futuro distópico, onde o pai de um bebê com deformidades físicas sofre com sua morte acidental, que desencadeia a destruição da própria cidade, o passado do diretor é reconstruído. Lynch viveu no subúrbio da Filadélfia durante o final da década de sessenta, quando se casou e foi -relutante- pai pela primeira vez. A casa onde morava foi assaltada logo após se mudar com a família e uma criança foi morta, semanas depois, na mesma rua. A influência destes episódios, apesar de negada pelo diretor, é indiscutível.



Gravado em preto-e-branco, com cenas desconexas e recortadas, repleto de elementos que se tornariam algumas de suas características na direção como corpos deformados, a fotografia sombria e o ritmo misterioso e lento da história, Eraserhead tornou-se uma referência entre outros diretores. George Lucas convidou David Lynch para dirigir Star Wars VI e Stanley Kubrick exibiu-o numa preparação do elenco de O Iluminado. Infelizmente, o diretor recusou o convite para produzir O Retorno de Jedi.

Com o sucesso de Eraserhead entre os experts, Lynch dirigiu O Homem Elefante em 1980, a convite do renomado comediante e produtor Mel Brooks. No drama passado durante o século XIX, em Londres, um homem com o esqueleto deformado (John Hurt) é explorado e maltratado por um dono de circo até ser resgatado por um cirurgião, interpretado por Anthony Hopkins. No seu primeiro filme produzido por um estúdio, David Lynch reduziu a marcha e conduziu a história lentamente, valorizando os personagens e seus contrastes: a inocência do homem reduzido à condição de atração de circo, seu tratamento desumano, em conflito com o interesse mórbido dos espectadores.



Manipulando sua habilidade de produção estética para humanizar o monstro, que aos poucos revela ser mais humano do que a maioria dos normais e sem conceder um final de conto de fadas, Lynch criou um dos personagens inesquecíveis do cinema, capaz de suportar a exploração pelos desejos ocultos do público sem se destruir. Neste duelo entre a curiosidade e a piedade não existe pausa para a reflexão. Em nenhum momento o salvador demonstra pena do monstro, mas age com um espírito de solidariedade inabalável para ajudá-lo a sair da condição de escravo.

É seu filme mais humano, desligado do ambiente urbano etéreo presente em obras posteriores importantes como o seriado Twin Peaks e os Filmes Blue Velvet, Wild at Heart e Mulholland Drive. Esta pá de cal no simbolismo construído sobre o passado sombrio na Filadélfia foi o início da radicalização de sua estética surrealista, e um salto ornamental no precipício da imaginação.

Veludo Azul, lançado em 1986, é indecifrável. Os únicos faróis que guiavam a interpretação de seus filmes anteriores não existem mais. Navegar entre os símbolos da violência, sexualidade e amadurecimento é quase impossível, não há mais referências para qualquer destino seguro. O pedaço de uma orelha é encontrado por um jovem (Kyle McLachlan) na grama do quintal de casa, revelando na cidade um submundo perverso, habitado por um violento -e cômico- maníaco sexual (Dennis Hopper) envolvido com uma misteriosa cantora de cabaré (Isabella Rosselini). A maioria dos acontecimentos é desconexa e só faz sentido no desenrolar da história, um processo que revela o novo estilo do diretor, a preocupação maior com a reprodução de seu universo interior, o etéreo de memórias fragmentadas. Nestes retalhos costurados em realidade, a jornada que liga os universos impossíveis de pessoas tão distintas encontra seu sentido nas conexões emotivas, a dúvida em busca da perversão, controladora da submissão. O jovem, o maníaco e a cantora submissa completam-se formando um retrato perfeito -com uma fotografia repleta de vazios, irretocável- do descontrole que reina no inconsciente.



As produções posteriores caminharam, aos poucos, para a radicalização do surrealismo lynchiano. Wild at Heart (1990), um road movie com elementos de O Mágico de Oz -um pitaco de simbolismo do início da carreira- é destacável pela composição entre trilha sonora e fotografia, uma mistura entre as décadas de setenta e oitenta, jaquetas de pele de cobra e heavy metal, e serve como um prenúncio do que estava por vir com Quentin Tarantino em 1992, com Cães de Aluguel. Felizmente, David Lynch manteve-se fiel à instabilidade da própria consciência e continuou no ritmo de Veludo Azul nas duas produções posteriores, Twin Peaks e Mulholland Drive.



Twin Peaks (1990) e Mulholland Drive (2001) são dois marcos da televisão e do cinema. Ambos sofreram com os mesmo problemas na produção, os limites que a rede de televisão ABC decidiu impor ao diretor. O roteiro da série Twin Peaks, sobre a exótica investigação do assassinato de Laura Palmer, foi alterado para revelar o assassino durante a metade da segunda temporada, esvaziando o sentido dos capítulos posteriores. Já Mulholland Drive, sobre uma mulher sofrendo de amnésia, em busca de sua identidade, nasceu como um piloto de uma série na mesma emissora, mas foi rejeitado depois de dezenas de ingerências da rede ABC no roteiro e acabou, para a felicidade do diretor, sendo produzido como filme, no cinema, com o roteiro intacto.





Mulholland Drive foi o último grande filme escrito e dirigido por David Lynch, que atualmente trabalha em vários projetos paralelos sobre música, produzindo animações na internet, comerciais para a televisão e até desenhando o interior de uma casa noturna, na França, o Club Silencio. Seu cinema autoral foi deixado em segundo plano depois da montanha de dificuldades que enfrentou para controlar todo o processo de produção, desde a criação do roteiro, passando pela escolha do elenco, cuidado com a fotografia na filmagem, a escolha da trilha sonora (Lynch filma usando fones de ouvido para ter certeza de que a música combina com a cena) até a edição final. Esse excesso de interferências, infelizmente, desviou o diretor de seu maior talento. Hoje, é difícil saber o que se passa na cabeça de David Lynch. Se nenhum grande artista suporta a censura de seu trabalho, difícil imaginar o desconforto sofrido por aquele que reproduz com fidelidade a própria consciência.


Vicente Escudero
Campinas, 8/12/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
02. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
03. Os olhos brancos de Deus de Elisa Andrade Buzzo
04. Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
05. As histórias magras de Rubem Fonseca de Cassionei Niches Petry


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIVULGAÇÃO JORNALÍSTICA & RELAÇÃO PÚBLICAS
DOROTY LAW NOLTE
CULTURA
(1995)
R$ 15,00



SER ESCRAVO NO BRASIL
KÁTIA DE QUEIRÓS MATTOSO
BRASILIENSE
(2001)
R$ 50,00



IRECÊ
O. BALLARIN
NOBEL
(1997)
R$ 5,56



DIVINA COMÉDIA- COLEÇÃO REENCONTRO LITERATURA
CECILIA CASAS - ADAPTAÇÃO
SCIPIONE
(2008)
R$ 29,00
+ frete grátis



CONCESSOES, PERMISSOES E PRIVATIZACOES DE SERVICOS PUBLICOS
TOSHIO MUKAI (2ª EDIÇÃO)
SARAIVA
(1997)
R$ 9,00



O VETERANO
FREDERICK FORSYTH
RECORD
(2002)
R$ 8,90



EÇA DE QUEIROZ
CLOVIS RAMALHETE
LIVRARIA MARTINS
(1960)
R$ 13,00



INFLAÇÃO - QUE É INFLAÇÃO - INFLAÇÃO E ALTA DOS PREÇOS
EDWIN WALTER KEMMERER
IRMÃOS DI GIORGIO & CIA
(1945)
R$ 14,48



OS DIAS FELIZES
LUÍS T. RODRIGUES
CAMINHO
(1989)
R$ 11,33



SEGREDOS PARA O SUCESSO E A FELICIDADE
OG MANDINO
RECORD
(1997)
R$ 21,00





busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês