Gustavo Rezende: uno... duplo... | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
46196 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 22/1/2014
Gustavo Rezende: uno... duplo...
Humberto Pereira da Silva

+ de 4200 Acessos

O imperador e seu Dorso

O imperador e seu Dorso, 1991, madeira, 98 X 70 X 12 cm, foto de Eduardo Brandão

A exposição Gustavo Rezende: Mergulho, curadoria de Ivo Mesquita, está aberta ao público na Pinacoteca de São Paulo desde 9 de novembro e vai até 26 de fevereiro. Nela estão reunidos cerca de 40 trabalhos, realizados da década de 1980 até os dias de hoje, que exibem diferentes momentos e inquietações do artista. Assim, nos trabalhos iniciais de Rezende predominam o uso de materiais como madeira, bronze, gesso e chumbo; já a partir dos anos de 1990, há uma ampliação de suportes: ele passa a explorar novas possibilidades de linguagem por meio de mangás, colagens com fitas crepe etc.; na exposição, destaque também para suas experiências com fotografia, que ganham densidade em sua trajetória no final dos anos de 1990.

A exposição também foi ocasião para o lançamento do livro Gus (Ed. Martins Fontes, 270 pág.), que reúne parte de sua obra e textos de Felipe Chaimovich, Fernando Oliva, Juliana Monachesi, Regina Teixeira de Barros e Tadeu Chiarelli. São redações curtas, mas instigantes e que procuram desvelar pontos cardeais das obras e das motivações implícitas do artista; com destaque, principalmente, para o lugar que ele ocupa no cenário artístico brasileiro nas duas recentes décadas. Nesse ponto, vale ressaltar, o modo como a obra de Rezende reflete os impasses da arte contemporânea: premida entre a ideia do artista como criador e injunções sociais e de mercado que colocam em xeque sua autonomia criativa.

Sendo assim, deve-se ter em vista em sua obra a persistência de duas constantes: a profusão de duplos de Gustavo Rezende e o caráter hermético na relação entre título de obra e obra referida pelo título.

Na primeira constante, os muitos "autorretratos" - ou imagens de Gustavo - são identificados com nomes próprios: Maxwell, Allan, Thompson, Gus...; ou um substantivo, como Hero. Para um olhar sem a devida cautela, a impressão de que o nome revelaria um processo de despersonalização: Maxwell seria um personagem, portanto, uma criação imaginária, com existência própria independente do artista (nesse sentido, do mesmo modo que Shakespeare e Hamlet não são o mesmo). Mas não é essa a ideia que está por trás do processo de nomeação de Gustavo Rezende. Sagaz, sua obra propõe um instigante e enigmático jogo entre a dimensão ontológica do nome e este tomado por mera etiqueta.

Seu próprio corpo é o meio que permite a nomeação. Sendo assim, Gustavo Rezende não se confunde com o corpo que lhe serve de nome; assim como seu corpo não se confunde com a imagem deste. Do mesmo modo, Maxwell não se confunde com a imagem que recebe este nome; tampouco, com o corpo que serve de modelo para a imagem. Contudo, da mesma maneira que o rosto - físico - de Gustavo Rezende não se confunde com o corpo que o prende, tal rosto assim considerado compõe com outros membros para que se tenha, efetivamente, o corpo. Assim, pelo menos, é como ele se expressa: "Não, não acho que seja eu, mas (ali) também tem eu. Às vezes é meu corpo, mas é claramente outra pessoa".

Ora, o nome "Maxwell", como o rosto no corpo, bem pode se separar do nome "Gustavo Rezende" e ganhar autonomia própria; do contrário, "Maxwell" é parte do que, na soma, é "Gustavo Rezende"; ou ainda, "Gustavo Rezende" é parte do que é "Maxwell". Certo, mas não é só a questão de se saber o que é "Maxwell", que está em jogo na obra do artista Gustavo Rezende. Nessa opção, na criação de personas, o nome concebido como etiqueta.

Se assim se deve considerar, levemos em conta a relação entre o nome e uma mercadoria exposta na prateleira de um supermercado. No nome, na etiqueta, está subsumido o valor. No nome, portanto, o quanto um produto se oferece como objeto de fetiche. A etiqueta pode separar, assim, o que na soma de incidentes traduz o mesmo sentido: saciamos a sede com água, ou com uma garrafa de coca-cola.

Ao jogar com duplos de si, assim me parece, a obra de Gustavo Rezende traz, justamente, um elemento de ambiguidade para se pensar a sociedade de consumo; o nome (a etiqueta) escolhido casualmente não é senão o sinal que aponta para uma coisa (um produto); mas, do ponto de vista simbólico - o campo dos chamados significados - essa coisa se adensa e carregá-la implica movimentar um peso que agrega mais do que a mera denotação.

Maxwell seria, então, apenas um nome a mais que se agregaria com outros duplos de Gustavo Rezende; sua obra, contudo, sugere que, assim como uma garrafa de coca-cola, esse não é o caso. O significado de "Maxwell" transborda, ao lado de Allan, Thompson, Gus..; como coca-cola ao lado de pepsi, sprite...

Maxwell sentado

Maxwell sentado, 2012, ferro fundido, madeira, folha de ouro, 33 X 19 X 17 cm

Outra constante que chama a atenção na obra de Gustavo Rezende refere-se ao caráter hermético dos títulos que ele dá. Tadeu Chiarelli observa que numa obra como "O imperador e seu dorso" não se percebe conexão entre "o imperador" e "seu dorso". Para ele, estas expressões não são equivalentes, nem com respeito ao significante nem quanto ao significado. Mas a questão interpretativa se estende ainda - mesmo que não observada por Chiarelli - ao nexo entre título e obra. Esta, uma escultura em madeira, com a forma de duas jarras de chope interligadas pelas alças.

Nada impede o apreciador em visita à Pinacoteca de buscar aproximação entre a forma da escultura e seu título. Com isso, uma possível significação. Mas para Chiarelli o enigma está no próprio título, cujas partes estariam desconectadas. Tenho, contudo, outro viés de observação: a obra está lá, autônoma em si mesma, inefável às palavras. Estas não explicam, ou esclarecem o que ela significa, pois a obra tão somente se mostra. Tentar significá-la é retirar dela seu caráter místico, conforme o filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein.

Se a pista sugerida por Wittgenstein for sensata, eis um dado para se pensar no nexo entre título e obra no conjunto de trabalhos de Gustavo Rezende. O título apenas sugere, revela traços imprecisos, oferece senhas falsas. Assim, a inefabilidade da obra se exibe por meio do título, que por sua vez se exibe como nonsense. Ora, por trás desse jogo entre procura de sentido e suspeita de absurdo, algo similar à relação entre Gustavo Rezende e seus duplos; entre Gustavo Rezende e Maxwell: ambos são e não são o mesmo. Ou seja, os sibilinos títulos de suas obras referem-se e não se referem às obras designadas.

Um observador atento poderá ver na junção de duas jarras de chope um dorso - uma questão de "ver como" wittgensteiniano; assim como poderá indagar sobre a "nobreza" da madeira que serve de suporte para a forma obtida. Mas se ele vir outra forma - e disser o que viu -, isso indica como as palavras são inefáveis para "dizer" sobre a obra (outro título podia ser pensado, algo como "O imperador e duas jarras de chope"...).

Esse dado inquiridor, constantemente presente na obra de Gustavo Rezende (no título e sua extensão material), desafia o olhar do observador; mas igualmente importante para perceber a relevância de seus propósitos, sua sagacidade para lidar com a tensão entre autonomia de criação e sujeição ao mercado (essas duas possibilidades são afirmadas e negadas, num paralelismo de espelhos cujas imagens se refletem ao infinito), assim como sobre os limites do que uma obra "queira dizer", com sentido, tendo por referência o mundo. Um tanto wittgensteiniano, "O imperador e seu dorso" está lá, e assim se mostra àqueles que visitem a exposição "Gustavo Rezende: Mergulho".

O título da exposição, por sinal, talvez inadequado; sem sentido, mas num nível diferente do nonsense dos títulos das obras. "Mergulho" sugere a tradução literal de "Hero", imagem de Gustavo Rezende nadando. Mas por um lado isso limita o alcance do que é exposto; e por outro sugere um sentido ausente no trajeto do artista (mais adequado, quiçá, "Mergulho e a vã busca de sentido para as palavras"...). Já o título do livro, "Gus", carrega o mesmo nonsense dos títulos das obras "retratadas", os duplos do que se vê na exposição.

Hero

Hero, 2000, fotografia sobre triedro [painel giratório com acabamento em aço inox] 200 X 140 X 12cm


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 22/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo
02. Ação Social de Ricardo de Mattos
03. Analisando Sara: Pós-hardcore atmosférico de Duanne Ribeiro
04. Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop de Noah Mera
05. 2010 e os meus álbuns musicais de Rafael Fernandes


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIREITO PASSADO A LIMPO
SÉRGIO SANTOS RODRIGUES
PERGAMUM
(2012)
R$ 6,90



HELLRAISER N°2
CLIVE BARKER
ABRIL JOVEM
(1991)
R$ 1.487,00



O ARCO-ÍRIS E A ROSA
NEVIL SHUTE
IBRASA
(1959)
R$ 8,00



É ISSO ALI POEMAS ADULTO-INFANTO- JUVENIS
JOSÉ PAULO PAES
RICHAMOND
(2007)
R$ 28,00



O ENGENHO COLONIAL
LUIZ ALEXANDRE TEIXEIRA JR.; IL; IL
ATICA
(2000)
R$ 14,90



NA COLMÉIA DO INFERNO - COLEÇÃO VEREDAS
PEDRO BANDEIRA
MODERNA
(1992)
R$ 13,00



O DIVINO, O SANTO E A SENHORA
CARLOS RODRIGUES BRANDÃO
FUNARTE
(1978)
R$ 29,00



O HOMEM MEDÍOCRE - COLEÇÃO FUNDAMENTOS DO DIREITO - 2ª EDIÇÃO
JOSÉ INGENIEROS
ÍCONE
(2017)
R$ 38,95



O PEQUENO PRÍNCIPE
ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY
AGIR
(2003)
R$ 25,00
+ frete grátis



SETE FACES DA FICÇÃO ESPACIAL
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1992)
R$ 5,00





busca | avançada
46196 visitas/dia
1,8 milhão/mês