50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/2/2015
50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2800 Acessos

Quatro personagens femininas de filmes em cartaz, indo do drama à fantasia e passando pelo drama erótico, formam uma conexão interessante a partir de suas escolhas sobre amor e relacionamentos em momentos críticos - aqui englobando autoconhecimento - de sua existência. Personagens que são mais do que recatadas ou perversas, que ouvem frases como "você não tem ideia do que causa nos homens" e, no entanto, ainda que possam parecer que são letárgicas ou levadas pelas situações, medem e experimentam, sendo protagonistas de sua própria história.

No aclamado drama russo Leviatã, o principal da história é o faz-tudo Kolia (Aleksey Serebryakov), que se encontra frente ao desmoronamento de sua vida e, literalmente, de sua casa, estando de certo modo em segundo plano sua mulher, Lylia (Elena Lyadova). Lylia, que além de cuidar da casa e do afilhado que a rejeita trabalha em uma fábrica de processamento de peixe, realmente parece estar sendo levada ao seu limite, a despeito do amor verdadeiro, mas sufocante, de Kolia. Bom, com a chegada de um amigo de infância de Kolia, um advogado educado e charmoso da capital Moscou, e as situações que daí decorrem, a história irá ter seu contorno alterado. Diante da "desgraça" da traição, Lylia enfim decide permanecer com Kolia ou ir a Moscou em busca de Dmitri (Vladimir Vdovitchenkov) e um novo tipo de vida? Mesmo sendo aceita em ambos os casos, sua resolução (que por sua vez também mudará os contornos da história, como se em última instância as ações em segundo plano da mulher fossem a mola chave do enredo) é bem diferente. Entre duas opções, Lylia parece não conseguir afinal se decidir. Parece não haver saída de fato naquela península esquecida e isolada no Mar de Barents, o que se mostra em sua expressão de desalento e eterno cansaço no longa.

Algo semelhante acontece com a mulher do padeiro no filme de fantasia Caminhos da floresta. Aliás, ousado para um filme da Disney (embora seja baseado no musical homônimo da Broadway) que reúne diversos personagens de contos de fadas num roteiro abrangendo todos eles numa nova história conjunta. Casada e com um filho recém-nascido, a mulher do padeiro (Emily Blunt) não deixa de flertar na floresta com o príncipe da Cinderela (Chris Pine) (e ele não deixa de flertar com ela, primeiro numa busca apaixonada por Cinderela, depois já casado com ela). Depois, numa situação extrema de sobrevivência na história, eles irão se encontrar novamente na floresta e se beijam, numa atração mútua. Depois do ocorrido, a mulher entrará numa crise existencial, dizendo que o ideal seria ficar com os dois, padeiro e príncipe. Por que não? (O príncipe também admire que apenas Cinderela não o poderá satisfazer para sempre.)

Mas o que acontece com aquela, ou melhor, com mais esta personagem feminina com tal brutal decisão a tomar e ao mesmo tempo sem verdadeiras condições de escolha (voltar ao padeiro com a marca latente de novos desejos ou ceder ao príncipe na impossibilidade de completude por ser simples camponesa)? Aí se encontram a jovem camponesa numa época fantasiosa e a russa interiorana Lylia do século XXI. O desenlace da situação da mulher do padeiro, enfim, pode ser interpretado como um castigo dos céus diante da audácia de seus desejos ou então a sua impossibilidade de seguir simplesmente (pois aqui também estamos numa fábula moralista) diante de tais questionamentos.

E o que Anastasia (Dakota Johnson), do amado por alguns e odiado por outros drama erótico Cinquenta tons de cinza tem a ver com estas mulheres? É o empresário de sucesso e sadomasoquista Grey que parece ter personalidade complexa em seus "cinquenta tipos de dores" que ainda não conhecemos, mas dentre as suas metamorfoses ("você é quem está me mudando"), fiquemos aqui com a da estudante de literatura "recatada". Ainda que apaixonada por Grey e cedendo aos seus gostos inusuais, me parece que é ela que vai tendo as rédeas do jogo. Ela aguarda sua formatura para iniciar com Grey; ela vai ao encontro da família em momentos de tensão psicológica e tem decisões duras quando percebe que sua dignidade é ferida, embora apaixonada. Enfim, ao ter sua rotina quebrada, forçada por situações externas, ela tomou resoluções que a transformaram e a deixaram mais forte, e tenta seguir mantendo sua essência diante das situações e, principalmente, de seus desejos. Este ponto é importante: estas protagonistas não estão aí para agradar alguém, embora se testem a todo momento, algumas delas colocando-se, em decorrência disso, em situações-limite.

Se a junção destas três personagens tivesse um ápice, certamente seria com Ida (Agata Trzebuchowska), no longa-metragem Ida (agora sim, tamanha é a amplidão da personagem que mesmo o filme tem por título o seu nome). Uma órfã judia criada num convento, depois da morte brutal da família num vilarejo polonês, durante a Segunda Guerra Mundial, está descobrindo o mundo exterior e a sua identidade antes de fazer o voto final para se tornar freira. Mais do que alcançar o outro e entender o mundo fora dos muros, Ida busca respostas para si mesma e, mais relevante ainda, quer saber quem pretende ser depois de saber quem foi. A parte sentimental fica por conta da figura livre e bela do safoxonista de uma banda de jazz, o qual ela delicadamente experimenta. E qual decisão ela tem? De início pode causar estranheza por conta de nosso mundo mundano ao qual estamos acostumados. Depois, é possível entender esta personagem que se deu ao direito de se arriscar, testar e testar-se para depois ter uma base sólida de decisão.

De todas estas personagens que iniciam um processo de abertura, descobertas e transformação, fatais ou não, Ida é a que parece ter mais maturidade, ou melhor, mais complexão no que acredita ser o que anseia para a sua vida, quem sabe da natureza humana contraditória (sua saída do convento parece o suficiente para conhecer o mundo exterior e suas nuances) e da transitoriedade das situações e dos sentimentos. Ela consegue lidar com as situações que lhe são apresentadas com inteligência e até certo ponto frieza. Talvez seja este um dos pontos a se considerar quando vemos o filme como uma obra-prima e completo, cujas pontas se intercambiam.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 26/2/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
02. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
03. Viagem através da estepe de Celso A. Uequed Pitol
04. Momento ideal & conciliação de Ana Elisa Ribeiro
05. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2015
01. Rugas e rusgas - 15/1/2015
02. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá - 5/2/2015
03. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas - 26/2/2015
04. Em noite de lua azul - 6/8/2015
05. Quero ser Marina Abramović - 7/5/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A TÉCNICA DO DIREITO VOL 3 - A TÉCNICA DA DEFESA CRIMINAL
GILBERTO CALDAS
BRASILIENSE
R$ 10,00



CERIMONIAL DO CASAMENTO - 4930
MARIA DE LOURDES DE FARIA MARCONDES WOLFF
WB EDITORES
R$ 10,00



COTIDIANO E ROTINA NA SALA DE AULA
MARLEI GOMES DA SILVA MALINOSKI
APPRIS
(2016)
R$ 34,00



NAU DOS DESEJOS
CREMILDA MEDINA
CJE / ECA / USP
(1994)
R$ 4,70



SEU FUTURO SEGUNDO OS TARÔS
GIOVANNI SCIUTO
NORDICA
(1992)
R$ 15,00



MANOEL JULIO VERA DEL CARPIO
MANOEL JULIO VERA DEL CARPIO
DIALETO
(2012)
R$ 55,00



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS ,1772 - 1814
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 40,00



A IMPORTÂNCIA DO RELACIONAMENTO COMERCIAL E CULTURAL...
VÁRIOS
SENADO FEDERAL
(1995)
R$ 8,58



O PRIMEIRO GUERREIRO - 2ª EDIÇÃO
ORLANDO PAES FILHO
ARX JOVEM
(2002)
R$ 10,00



ALICE DO 5O DIEDRO
LAURITA MOURAO
NORDICA
R$ 6,00





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês