Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
Mais Recentes
>>> Novo código civil brasileiro de Coordenação; Giselle de Melo Braga Tapai e colaboradores pela Revista dos tribunais (2003)
>>> Execução de Pré Executividade de Marcos Valls Feu Rosa pela Sergio Antonio Fabris (1996)
>>> O desafio do escombro : nação, identidades e pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau de Moema Parente Augel pela Garamond (2007)
>>> Processo de Execução de Levenhagen pela Atlas (1986)
>>> Processo de Execução de Humberto Theodoro Júnior pela Leud (1999)
>>> Execução direito processual civil ao vivo de Humberto Theodoro Júnior pela Aide (2000)
>>> Teoria e prática do processo de execução de Orlando Fida e Carlos A.M. Guimarães pela Led (2019)
>>> Lei de execução Fiscal Comentada e Anotada Lei 6.830 de 22 /09/1980 de Maury Ângelo Bottesini e outros pela Revista dos Tribunais (2000)
>>> Execução Fiscal de José Afonso da Silva pela Revista dos Tribunais (1975)
>>> A Execução contra fazenda pública de Wanderley José Federighi pela Saraiva (1996)
>>> Execução Civil (Princípios Fundamentais) de José Miguel Garcia Medina pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Da arrementação e da Execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Leud (1998)
>>> Execução Forçada de Cláudio Nunes do Nascimento pela Saraiva (1974)
>>> Fraude a Execução de José Sebastião de Oliveira pela Saraiva (1986)
>>> Fraude de Execução e Garantias Fundamentais do Processo de Sergio Coelho Junior pela Lumen Juris (2006)
>>> Prática do processo de execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Idéia Jurídica (2001)
>>> Execução contra fazenda pública fundada em título extrajudicial de Juraci Inês Chiarini Vicente pela Forense (2001)
>>> Da execução e dos Embargos de João Roberto Farizato pela Led (1996)
>>> Execução de Luiz Guilherme Marinoni e Sergio Cruz Arenhart pela Revista dos Tribunais (2007)
>>> O Novo processo de execução de Luiz Fux pela Forense (2008)
>>> A Reforma da execução do título extrajudicial de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (2007)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (1999)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (2001)
>>> A consciência do impacto nas obras de Cruz e sousa e de Lima Barreto de Cuti pela Autêntica (2009)
>>> Execução no Código de processo Civil de José Antonio de Castro pela Saraiva (1983)
>>> Crédito Hipotecário na execução movida por terceiro de Haroldo Pabst pela Revista dos Tribunais (1978)
>>> Intervenção de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1989)
>>> Embargos de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1987)
>>> Embargos de Devedor de José Antonio Alem pela Leud (1986)
>>> Embargos de terceiro de Edson Prata pela Leud (1987)
>>> Das intervenção de terceiros de Jônatas Milhomens pela Forense (1985)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (2001)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1983)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1986)
>>> Pluralidade de partes e intervenção de Terceiros de José Raimundo Gomes da Cruz pela Revista dos Tribunais (1991)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª Fase (Civil) de Fernando Tartuce e Fernando Sartori pela Métado (2007)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª ( Fase Processo Penal) de Vauledir Ribeiro Santos pela Métado (2007)
>>> Código de processo Civil Reformado de J. E. Carreira Alvim pela Del Rey (1995)
>>> Instituições de processo Civil de Renato Riotaro Takiguthi pela Saraiva (1977)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Processo Civil Procedimentos Especiais de Thereza Christina Nahas pela Atlas (2006)
>>> Do chamamento a autoria Denunciação da Lide de Antonio Carlos de Araujo Cintra pela Revista dos Tribunais (1973)
>>> Das citações e das intimações de João Roberto Parizatto pela Leud (1990)
>>> Os prazos processuais de Norma Chrissanto Dias pela Lumen Juris (2003)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> A ação civil pública na nova ordem constitucional de Édis Milaré pela Saraiva (1990)
>>> Alinhamentos da nova reforma do cpc de José Rogério Cruz e Tucci pela Revista dos Tribunais (1997)
>>> O advogado e sua identidade profissional em risco de Ivan Alkmim pela Destaque (2001)
>>> Declaração de Insolvência de Onaldo Campos pela Saraiva (2019)
>>> Repertório de jurisprudência e doutrina sobre processo cautelar de Arruda Alvim Nelson Luiz Pinto pela Revista dos Tribunais (2019)
COLUNAS

Terça-feira, 7/6/2016
Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2600 Acessos




“Havia sempre em meu espírito algo a tirar de si um grande oposto.” (Byron)

O pintor paulista Egas Francisco criou, em 1988, uma de suas mais fascinantes e perturbadoras pinturas. Trata-se da obra denominada "Transformação de Lúcifer".

Na tela aparecem duas figuras envoltas e sustentadas por uma densa e ricamente movimentada massa pictural. Em termos de contrastes de cores, a tela divide-se em duas partes: de um lado, à esquerda, predomina a cor branca, através do qual o personagem infantil é criado e sobre o qual é amparado; do outro lado, à direita, um grande fluxo de cores (que vão do roxo ao amarelo, laranja e vermelho) aparece através de densas pinceladas que modelam e reforçam a escuridão na parte de cima da tela. Essa escuridão parece querer sugar para dentro de si tudo o que está dentro da tela.

Nas telas de Egas, de uma forma geral, a energia que brota do uso das cores e da movimentação das pinceladas nunca é tranquila, ao contrário, constitui-se como um grupo de forças que se opõem num enfrentamento que revela/desvela a natureza dos conteúdos de suas obras.

É o caso de Transformação de Lúcifer. Aqui, uma criança que é representada através de um amplo uso da cor branca, com traços e constituição suave, encontra-se acomodada sobre uma pastosa massa de tinta também branca. Pequenos sombreamentos da cor permitem perceber seus traços. Ao seu lado, de forma contrastante com a primeira figura, surge um ser desfigurado, numa insurgente aparição fantasmagórica. Ao contrário das pinceladas mais delicadas que constituem a primeira figura, esta se apresenta de forma mais desfigurada, através de uma movimentação mais inquieta e frenética das cores e das formas.

Há uma concentração de cores escuras que estão na tela sugando e fazendo esvair-se a força que poderia constituir o personagem infantil. Se observarmos a mutação das cores, partindo do menino em branco até o alto, no lado oposto da tela, percebemos que há ali uma espécie de instância sugadora que é formada por esta concentração movimentada de formas e cores mais escuras que criam uma espécie de zona tenebrosa: o destino?

Essa mudança das cores mais claras para as mais escuras é que nos transmite essa dimensão da mutação da criança em adulto. Nosso olho caminha pela tela partindo do branco da criança, depois passando pelas partes claras do corpo de Lúcifer, que vai ganhando mais cores na cabeça, até a densa matéria escura que surge atrás dele. É esse caminhar visual que nos proporciona a sensação das zonas obscuras do espírito da personagem central da tela. Egas, nesse sentido, é um grande mestre na arte de produzir efeitos subjetivos através dos deslocamentos de massas e cores dentro de suas telas.

A pureza do universo infantil pode ser percebida no uso da cor branca, símbolo da leveza e ausência de mácula, perceptível na lívida palidez de sua face, e pela inocente sensualidade do corpo despojado de tensões. A abjeção é, por sua vez, representada pela tensão pastosa da pincelada que cria a figura que está ao lado, com uma face de aspecto fero que insinua um traço perverso ou espectral, como um ser dotado de força maléfica.

As duas figuras se olham. A criança vê materializar-se o terrível destino que a aguarda; Lúcifer se põe diante do universo de sua perda inevitável. Não podemos saber ao certo o quanto há de terror no encontro desses olhos. Parafraseando Baudelaire, os olhos de Lúcifer observam a criança como um animal feroz que a vítima vigia, após havê-la antes marcado com os dentes. Pressentimos que no fundo deste embate há qualquer coisa de ardente e triste. Isso é provocado no quadro pelo amplo uso do roxo que domina parte da tela. E a partir desta percepção sabemos que o demônio celerado da idade adulta precipitará a inocência no mais profundo abismo da danação.

Na tela aparece tanto o lado luminoso como o lado tenebroso da condição humana. E a confrontação desses universos encontra a sua expressão na oposição das cores, que modelam os personagens, e na forma com a qual as pinceladas atingem a tela, com extrema violência.

Há uma tensão dramática nesta obra que provém de seu tema-limite: a inevitável perversão do Ser que ocorre durante a transformação da criança em adulto. Aqui as duas figuras são uma só, uma como devir da outra. A criança e seu espelho futuro: a perda da inocência e o mergulho no seu destino que é tornar-se um adulto abjeto.

Se essa perda da inocência fosse tratada pelo artista como um tema de natureza bíblica poderia encontrar dentro da tela sua redenção em algum simbolismo religioso. No entanto, a obra de Egas afasta a possibilidade dessa saída. Este outro que surge à frente da criança é uma espécie com seu destino selado por uma condição ontológica: tornar-se adulto significa, também, tornar-se abjeto, demoníaco, ou simbolicamente falando, através da figura do próprio Lúcifer, tornar-se fonte do Mal.

Lúcifer não é tratado por Egas como a mão esquerda de Deus ou sua outra face. Não se trata, portanto, de uma reflexão sobre o lado demoníaco da divindade, o Demon est deus inversus.

A tela trata, certamente, do Mal, encarnado na figura de Lúcifer. Não dentro da concepção agostiniana do mal, que existe como ausência do bem, mas como uma corrupção e destruição inescrutável do Ser. Esta é a condição inelutável ao qual se condena o homem ao sair da infância. Trata-se, portanto, de uma reflexão sobre o próprio destino humano. Não há o signo de uma esperança por vir.

Egas nos coloca frente a um fato consumado, sem possibilidade de redenção. Essa realidade que se cristaliza num destino, na qual a força religiosa não pode interferir, torna sua tela a reflexão de um ateu. Já que o mal não está inserido numa problemática da liberdade, da escolha de um caminho a seguir, ou na busca de sua superação através dos códigos religiosos, mas está inscrito no coração de uma realidade insuperável, essa condição enclausura o Ser dentro de uma fatalidade.

Como uma espécie de canto do mal para duas vozes, o que a tela apresenta é o mal que não se opõe ao bem, que não representa a outra face, sombria e bela, do divino. A figura de Lúcifer já nasce como condição do Ser do menino. As figuras se correspondem uma à outra, não se opõem, não se combatem, ao contrário, mantém, uma relação íntima que define a condição de devir do tema da tela. Não interessa saber se Deus é todo poderoso, se Deus é absolutamente bom. O chamado de Deus não tem sentido aqui, pois o mal não é cometido nem sofrido. Não se trata de pecado ou sofrimento. O mal acontece de uma vez por todas e é a própria condição na qual o homem é chamado a existir ao tornar-se adulto. Isto faz do quadro de Egas uma obra extremamente perturbadora.

DADOS SOBRE A OBRA: Título: Transformação de Lúcifer Data: 1998 Técnica: Óleo sobre tela Medida: 88 X 116 cm


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/6/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MISTÉRIO DA CRIPTA AMALDIÇOADA
EDUARDO MENDOZA
PLANETA
(2011)
R$ 19,00



OS CADERNOS DE DOM RIGOBERTO (EDIÇÃO DE BOLSO)
MARIO VARGAS LLOSA
OBJETIVA
(2011)
R$ 12,00



NIELS LYHNE
JENS PETER JACOBSEN
GOLDMANNS GELBE TASCHENBÜCHER
R$ 30,00



SOLDIERS PAY
WILLIAM FAULKNER
PENGUIN BOOKS
(1964)
R$ 32,00



CRIME QUE ABALOU A REPÚBLICA, O
ROBERTO SANDER
MAQUINARIA EDITORA
(2010)
R$ 30,32



TRABALHO DOCENTE NA CRECHE
CELI COSTA S. BAHIA, CELINA MAGALHÃES UND FERNADO PONTES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



AROUND THE WORLD IN EIGHTY DAYS
JULES VERNE
OXFORD
(2010)
R$ 18,61



PRÁTICA FORENSE PARA ESTAGIÁRIOS
LUIS FERNANDO RABELO CHACON; LUIZA HELENA
SARAIVA
(2013)
R$ 21,82



PERSONAGENS FEMININAS
JORGE MARQUES
EDITORA OFICINA RAQUEL
R$ 46,00



WINDSURF: PRANCHA À VELA
JEAN-LUC MARTY
EDIOURO (TECNOPRINT - RJ)
(1982)
R$ 31,28





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês