Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
33260 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Brunchinho tem bloco de carnaval infantil e comidinhas saudáveis
>>> O Buraco d'Oráculo encerra residência em Cidade Tiradentes
>>> Musical AVESSO encerra temporada no dia 24 de fevereiro no Teatro Nair Bello
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retratos da ruína
>>> O blog do Fernando Meirelles
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mrs. Robinson
>>> A fotografia é a mentira verdadeira
>>> MOMENTOS
>>> Entrevista com José Castello
>>> Roland Barthes e o prazer do texto
>>> Melhores Podcasts
>>> Aqui sempre alguém morou
Mais Recentes
>>> Diabolik - Scontro Frontale de A e L. Giussani pela Astorina (1993)
>>> O Amanhã a Deus pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2007)
>>> A Saga da Sabedoria de Leo Reisler pela Nórdica (1994)
>>> Chakraterapia - O encontro da ciência com a tradição milenar de cura através da energia de Maria Helena B. Damiani pela Hércules (2002)
>>> O Enigma dos Desaparecidos de Leandro Ribeiro pela Reggraf (2009)
>>> Revivir Lo Vivido de Dr. Jorge Adoum (Mago Jefa) pela Kier - Buenos Aires (1993)
>>> Espelhos de Joana D' Arc Gouvêa Costa pela Funalfa (2007)
>>> Zen-Budismo e a Literatura - A Poética de Gilberto Gil de Antonio Carlos Rocha pela Madras (2004)
>>> Economia Ambiental de Ronaldo Seroa da Motta pela FGV (2009)
>>> Os Lusíadas edição de luxo com capa dura de Luís de Camões pela Nova Cultural (2002)
>>> Educação Executiva - Curso Estratégia Empresarial de Luiz Alberto N. Campos Filho pela Ibmec (2010)
>>> Educação Executiva - Curso Estratégia Empresarial de Luiz Alberto N. Campos Filho pela Ibmec (2010)
>>> Educação Executiva - Curso Estratégia Empresarial de Luiz Alberto N. Campos Filho pela Ibmec (2010)
>>> São Bernardo - 27ª edição de Graciliano Ramos pela Record (1977)
>>> Death Of a Darklord de Laurell K. Hamilton pela Ravenloft Books (1995)
>>> O Agente Ésse Creto na Selva - 2ª edição de Martin Oliver pela Scipione (1993)
>>> No Alto da Idolatria Sexual de Steve Gallagher pela Graça Editorial (2003)
>>> Leo and Pip de Ron Holt pela Macmillan Children's (1997)
>>> Malraux - Artista e Guerreiro, Filósofo e Estadista de Curtis Cate pela Scritta (1995)
>>> Antologia Poética de Vinícius de Moraes pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Física de Jornada nas Estrelas - Star Trek de Lawrence M. Krauss pela Makron Books (1997)
>>> De A a Z Pólvora Pura - Condenado a Falar - 2ª edição de Jorge Kajuru pela Do Autor (2008)
>>> La Femme D'um Autre Et Le Marri Sous Le It de Fédro Dostoievski pela Folio (2009)
>>> Família Periferia Nivelando por Cima de Almério Barbosa pela Um Por Todos (2013)
>>> Os Dez mandamentos - Explicando Para Crianças de Antonio Bueno Lopes pela Ass. N. Senhora das Graças (2017)
>>> Temas do Amor Imortal - 2ª edição de M. B. Tamassía pela Círculo de Claus (1977)
>>> A Semana de 22 - A Aventura Modernista no Brasil de Francisco Alambert pela Scipione (1992)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Objetivo (2000)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Objetivo (2000)
>>> Machado de Assis - Personagens que Marcaram Época de Ana Tereza Clemente pela Globo (2007)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Escala (2008)
>>> Lira dos Vinte Anos - 2ª edição de Álvares de Azevedo pela Escala (2008)
>>> AA Hora e o Tempo que Passa de Vários Autores pela Melhoramentos (1996)
>>> Poesiaterapia de Rosilene Valerio da Silva pela Scortecci (1999)
>>> Mundo Di Versos de Josué Santos pela Do Autor (1966)
>>> A História, o Filme e Você ou o Olhar Mágico de Irene Tavares de Sá pela Paulinas (1984)
>>> Como as Empresas Podem Implementar Programas de Voluntariado de Ruth Goldberg pela Instituto Ethos (2001)
>>> Cruzando o Limiar da Esperança de João Paulo II pela Francisco Alves (1994)
>>> Na Cruz a Salvação - 2ª edição de Enrico Zoffoli pela Padres Passionistas (1975)
>>> Le Rabbin Congelé de Steve Stern pela J'ai Lu (2012)
>>> A Árvore dos Sexos - 4ª edição de Santos Fernando pela Círculo do Livro (1976)
>>> Aline e Seus Dois Namorados de Adão Iturrusgarai pela L & PM Pocket (2001)
>>> Os Canibais Estão na Sala de Jantar - 4ª edição de Arnaldo Jabor pela Siciliano (1993)
>>> Reunião 10 Livros de Poesia - 8ª edição de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1977)
>>> A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo pela Editorial Sol90 (2004)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Editorial Sol90 (2004)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Editorial Sol90 (2004)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Editorial Sol90 (2004)
>>> Bookworms Club Gold - Stories for Reading Circles de Mark Furr pela Oxford (2007)
>>> O Verão do Lobo Vermelho de Morris West pela Círculo do Livro (1971)
COLUNAS

Terça-feira, 13/11/2018
Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
Renato Alessandro dos Santos

+ de 6900 Acessos

“É bom falar, é bom conversar com um amigo, a quem se abre o coração”, diz Sem Medo a Teoria. São dois guerrilheiros, comandante e comandado, conversando no interior da floresta tropical que é Mayombe, que é Angola. “Guardar para si não dá, só quando se é escritor. Aí um tipo põe tudo num papel, na boca dos outros. Mas quando se é escritor é preciso desabafar, falando”. Este é Sem Medo. Qualquer semelhança com o orixá Ogun, o “prometeu africano”, não será mera coincidência.

Personagem admirável, o leitor segue-o de perto romance adentro, desconfiando de que o guerrilheiro poderia ser Pepetela. Seria possível? Seria, se a literatura não fosse ficção, o contrário da vida. “A acção é outra espécie de desabafo, muitos de nós utilizam esse método, outros batem na mulher ou embebedam-se”, continua Sem Medo. “(...) a conversa franca que me parece o melhor, a mim que não sou escritor. Não foi por acaso que os padres inventaram a confissão, ela corresponde a uma necessidade humana de desabafo”.

Tribalismo

Não há sequer um pôster de Marx ou Lênin nos muros de Dolisie ou em alguma árvore na floresta. São anos de chumbo. Mas os dois revolucionários ficariam orgulhosos lendo Mayombe. Os soldados encontram na guerrilha o caminho para a independência de Angola. É hora de pôr a teoria em prática: Pepetela, o escritor, aplica em seu romance o que Pepetela, o guerrilheiro, aprendeu em seus anos de luta armada. É coerente; é sedutor; é profundo. A ideologia percorre os labirintos da selva; vêm honestidade, honra e coragem, virtudes encontradas na maioria dos guerrilheiros, que, pensando no bem-estar social do grupo e do Mayombe, querem levar a revolução adiante. Angola para os angolanos.

Na guerra colonial contra Portugal, na selva, guerrilheiros de grupos diversos formam um conjunto que pode ser visto como simulacro de uma nação composta de um punhado de tribos (kimbundos, kikongos, umbundos), que, por força de lutar contra o inimigo em comum, esforçam-se para se entender, até porque, para se reconquistar um país, é preciso ter unidade e um caminho que leve todos a um mesmo lugar.

Mas, zumbindo, açoita o tribalismo que, dentro da cabeça do guerrilheiro, faz de Mayombe ― escrito em 1971 e publicado em 1980 ― um vespeiro, um microcosmo do que Angola vai acabar vivendo após 1975, quando a independência do país, automaticamente, transforma-se em uma guerra civil, e, na algaravia ímpar de culturas, de tradições e de códigos tribais, ninguém conseguirá se entender. É por isso que, mais do que a floresta gigantesca, Mayombe é Angola, rica em cultura ancestral, de tradição secular interrompida e desprezada pelo colonialismo português. Tudo obedecendo aos ditames da civilização ocidental. Um vexame.

Negro lá, índio cá

À mercê dessa realidade terrível, civilizar, para toda nação que foi pilhar África, significou ir aquém de aprender com outra cultura. A alteridade lusitana, ou melhor, a ausência dela, impôs a relação servil em que o europeu não se reconheceu no outro ― negro lá, índio cá ― e, por isso, longe de valorizar as diversas culturas encontradas pelo caminho, tentou apagar a alma da colônia, buscando por meio da política da assimilação, por fim oficializada por Salazar, alinhar africanos que deveriam ser, tendo a língua como elo, mais portugueses do que angolanos, moçambicanos, guineenses, são-tomenses e cabo-verdianos. As independências tardias, diferente do que houve no Brasil, um século e meio antes, trouxeram a guerra, e com ela refugiados, que, nômades, foram levar adiante ― mais uma vez ― a diáspora africana. Não é fácil ser mãe, suspira África, jamais reclamando de sua sorte, ou da falta dela.

Dentro de Mayombe, a floresta é o cenário principal, onde se ouvem muitas vozes: a narrativa traz vários narradores anexados ao fio principal, onisciente, que segue Sem Medo, o comissário e outros, enredo adentro, alterando a narração entre terceira e primeira pessoa. Leitores aspirantes ao serviço militar, aqueles que trazem o coração verde-oliva, vão se esbaldar com Mayombe, e os transes que enfrentam os guerrilheiros do MPLA (Movimento Popular para Libertação de Angola) ou da UPA (União das Populações de Angola) ― nêmesis dos “tugas”, os portugas ― não têm nada de hollywoodiano, de batalhas épicas, mas traz o sangue daqueles que, caindo sobre o chão de seu país, chão de batalha, morreram por Angola, como reclama um bilhete em CAIXA ALTA deixado por Sem Medo, numa emboscada aos portugueses:

SACANAS COLONIALISTAS, VÃO À MERDA, VÃO PARA A VOSSA TERRA. ENQUANTO ESTÃO AQUI, NA TERRA DOS OUTROS, O PATRÃO ESTÁ A COMER VOSSA MULHER OU IRMÃ, CÁ NAS BERÇAS!

Polifonia

A história envolve o leitor. A tática de Pepetela, o autor, é deixar que, na fabulação, vários narradores-guerrilheiros deem sua versão do que vai. Quase todo mundo tem voz aqui; quer dizer, as mulheres e o inimigo, não. Quando o sobrinho de Sem Medo, Vewê, também um combatente, esperando alguma espécie de nepotismo, esbarra na ideologia austera do tio, seu comandante, cai em uma discussão que cresce como uma enchente, até que é interrompida pelo Comissário, que defende o sobrinho de Sem Medo, horrorizado pela truculência do outro. A superfície esconde a profundeza da alma humana, e o que poderia ser uma discussão passageira leva mais barulho para a base, onde, divididos, os guerrilheiros convivem, soterrados em dúvidas e insatisfação. Um por todos e todos por um? A ideia é essa, mas, em certas horas de desespero, fica mais para salve-se quem puder...

A fim de defender o que pensa, essa discussão é retomada por Mundo Novo, que, por meio de uma análise focada no tribalismo, oferece outro ponto de vista ao leitor, e assim vai, com um narrador por vez formando múltiplas vozes, numa polifonia cujo maior mérito é dar ao outro a possibilidade de se expressar, e não é assim que funciona entre adultos? Na base no meio da selva, no rio de surucucu, no quartel na cidade, ou no mato rasteiro do campo, o enredo vai tomando forma, levando a gente, atenta, a tiracolo.

Viver ou hibernar? Eis a questão

Os verdadeiros leitores de Mayombe não são aqueles estudantes forçados a encará-lo por causa do vestibular ― embora em muitos sempre há rebeldes em crisálida constante que, no livro, encontrarão razão de ser ― mas as pessoas que se sentirão recompensadas pela narrativa de Pepetela e que, certamente, partirão em busca de obras dele e de outros autores da contemporânea literatura africana de língua portuguesa, que está, como toda arte literária, sempre à espera de novos leitores dispostos a, com ela, compartilhar a vida, enriquecendo-a e multiplicando-a, imprevisível, uma vez que viver é “criação constante, morte e recriação”, enquanto “a rotina é exatamente o contrário da vida”, isto é, “é a hibernação”.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 13/11/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
02. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
03. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
04. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
05. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. O massacre da primavera - 29/5/2018
02. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela - 13/11/2018
03. Inferno em digestão - 17/10/2018
04. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018
05. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIARIO DE UM BANANA SEGURANDO VELA
JEFF KINNEY
VER
(2012)
R$ 20,00



MAPAS DO CORPO - EDUCAÇÃO POSTURAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES
ANDRÉ TRINDADE
SUMMUS
(2016)
R$ 49,90



O VELHO E O MAR
ERNEST HEMINGWAY
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1990)
R$ 15,00



COMO ESTUDAR PARA CONCURSOS
ALEXANDRE MEIRELLES
MÉTODO
(2014)
R$ 50,00



REVISTA MUNDO ESTRANHO--23--UM VERAO DE CURIOSIDADES QUENTISSIMAS!.
ABRIL
ABRIL
R$ 8,00



VOZES DA SOMBRA
PEGGY DE CASTRO ABREU
APOLO
(1955)
R$ 100,00



DIREITO CONSTITUCIONAL
ALEXANDRE DE MORAES
ATLAS
(2003)
R$ 39,80



COMO PASSAR EM CONCURSOS FCC - 6.000 QUESTÕES COMENTADAS
WANDER GARCIA
FOCO
(2017)
R$ 90,00



CRONICAS DE VIAGEM VOL. 4
CECÍLIA MEIRELES
NOVA FRONTEIRA
(2000)
R$ 19,00



A COLABORAÇÃO : O PACTO ENTRE HOLLYWOOD E O NAZISMO
BEN URWAND
LEYA
(2014)
R$ 36,00





busca | avançada
33260 visitas/dia
1,0 milhão/mês