Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
29017 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
>>> Eloy Casagrande e Michelle Abu encerram o projeto Baterias Brasileiras no Sesc Belenzinho
>>> LANÇAMENTO - livro " O CRIME COMO GÊNERO NA FICÇÃO AUDIOVISUAL DA AMÉRICA LATINA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
>>> Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras
>>> nem tanto assim
>>> Sob o domínio do Mal
>>> Palavra na Tela - Blogs
Mais Recentes
>>> Jantares De Mesa E Cama de Alexandra Forbes pela Marco Zero (2004)
>>> Cândido ou o Otimismo de Voltaire pela LPM Pocket (2018)
>>> Cinemas de Horror (Cinema Estronho) de Demian Garcia (Org.) pela Estronho (2016)
>>> 1001 Discos Para Ouvir Antes de Morrer de Robert Dimery pela Sextante (2007)
>>> O Massacre da Serra Elétrica - Arquivos Sangrentos de Stefan Jaworzyn pela Darkside Books (2013)
>>> Dick Tracy - Edição Especial 50 Anos de Chester Gould pela Rge
>>> Isaac Asimov Magazine nº 10 de Vários Autores pela Record (1985)
>>> Isaac Asimov Magazine nº 3 de Vários Autores pela Record (1991)
>>> Açucar de Gilberto Freyre pela Ministério da Indústria e do Comércio (1969)
>>> Histeria - Primeiros Artigos II de Sigmund Freud pela Imago (1986)
>>> Critique No 471-472 1986 Michel Foucault: du Monde Entier de Axel Honneth, François Ewald e outros pela Éditions de Minuit (1986)
>>> A Felicidade em Albert Camus, Aproximação à sua Obra de Marcello Z. Mathias pela Tempo Brasileiro (1975)
>>> Los Rollos del Mar Muerto, El Descubrimiento de los Manuscritos Bíblicos de Edmund Wilson pela Fondo de Cultura Económica (1956)
>>> Mundo do Fim do Mundo de Luis Sepúlveda pela Relume Dumará (1997)
>>> Claves para el Diagnostico de las Enfermedades de los Peces de H.-H. Reichenbach-Klinke pela Acribia (1976)
>>> A Alimentação dos Peixes de Aquário de Gastão Botelho e outros pela Nobel (1984)
>>> Miscelânea de Língua e Literatura Portuguêsa Medieval de M. Rodrigues Lapa pela Instituto Nacional do Livro (1965)
>>> Revolução Industrial e Subdesenvolvimento de Paul Bairoch pela Brasiliense (1976)
>>> Revista Tempo Brasileiro 30 / 31 Epistemologia 2 de Carlos Henrique de Escobar, Louis Althusser e outros pela Tempo Brasileiro (1973)
>>> Aforismos para a Sabedoria de Vida de Arthur Schopenhauer pela Folha de São Paulo (2015)
>>> Receita de Ano Novo de Carlos Drummond de Andrade pela Record (2011)
>>> Um Espia Na Casa Do Amor de Anaïs Nin pela L&PM (2006)
>>> Jogos divertidos e Brinquedos Criativos de Marcos Teodorico Pinheiro de Almeida pela Vozes (2007)
>>> O efeito urano de Fernanda Young pela Objetiva (2001)
>>> Tarzan Nº 27 5ª Série de Edgar Rice Burroughs pela Ebal (1979)
>>> Tarzan Nº 35 5ª Série de Edgar Rice Burroughs pela Ebal (1980)
>>> Tarzan Bi Nº 10 2ª Série de Edgard Rice Burroughs pela Ebal (1978)
>>> L'Origine et l'Evolution de la Vie de A. Oparine pela Éditions de la Paix
>>> O Acaso e a Necessidade de Jacques Monod pela Vozes (1976)
>>> O Capital Livro 2 Volume III de Karl Marx pela Difel (1983)
>>> Os Paraísos Artificiais / O Ópio e Poema do Haxixe de Charles Baudelaire pela L&pm (1982)
>>> Se Deus Fosse um Ativista dos Direitos Humanos de Boaventura de Sousa Santos pela Cortez (2014)
>>> Realidad del Alma de C. G. Jung pela Losada (1946)
>>> 501 Filmes Que Merecem Ser Vistos de Larrousse Editorial pela Larrousse Editorial (2009)
>>> Almanaque dos seriados de Paulo Gustavo Pereira pela Ediouro (2008)
>>> No Jardim das Feras de Erik Larson pela Intrínsica (2012)
>>> A massai branca de Corinne Hofmann pela Geração (2007)
>>> Norte e Sul - Edição Bilíngue de Elizabeth Gaskell pela Landmark (2010)
>>> Julieta de Anne Fortier pela Arqueiro (2010)
>>> A Balada do Velho Marinheiro de Samuel T. Coleridge pela Disal (2006)
>>> Que País É Este? e Outros Poemas de Affonso Romano de Sant'Anna pela Civilização Brasileira (1980)
>>> A Mulher Mais Linda da Cidade e Outras Histórias de Charles Bukowski pela L&pm (2017)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela Expressão Popular (2018)
>>> Adução - O Dossiê Alienígena de Pedroon Lanne pela Talentos Da Literatura (2015)
>>> Medo Clássico de Edgar Allan Poe pela Darkside Books (2018)
>>> Mandrake - a Bíblia e a bengala de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Memórias de Minhas Putas Tristes de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> Belo Sacrifício de Jamie Mcguire pela Verus (2016)
>>> Perdido na Amazônia 1: Dan contra a terrível Doutora Nova de Toni Brandão pela Sm (2005)
>>> Deixe os homens aos seus pés de Marie Forleo pela Universo dos livros (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 13/11/2018
Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2000 Acessos

“É bom falar, é bom conversar com um amigo, a quem se abre o coração”, diz Sem Medo a Teoria. São dois guerrilheiros, comandante e comandado, conversando no interior da floresta tropical que é Mayombe, que é Angola. “Guardar para si não dá, só quando se é escritor. Aí um tipo põe tudo num papel, na boca dos outros. Mas quando se é escritor é preciso desabafar, falando”. Este é Sem Medo. Qualquer semelhança com o orixá Ogun, o “prometeu africano”, não será mera coincidência.

Personagem admirável, o leitor segue-o de perto romance adentro, desconfiando de que o guerrilheiro poderia ser Pepetela. Seria possível? Seria, se a literatura não fosse ficção, o contrário da vida. “A acção é outra espécie de desabafo, muitos de nós utilizam esse método, outros batem na mulher ou embebedam-se”, continua Sem Medo. “(...) a conversa franca que me parece o melhor, a mim que não sou escritor. Não foi por acaso que os padres inventaram a confissão, ela corresponde a uma necessidade humana de desabafo”.

Tribalismo

Não há sequer um pôster de Marx ou Lênin nos muros de Dolisie ou em alguma árvore na floresta. São anos de chumbo. Mas os dois revolucionários ficariam orgulhosos lendo Mayombe. Os soldados encontram na guerrilha o caminho para a independência de Angola. É hora de pôr a teoria em prática: Pepetela, o escritor, aplica em seu romance o que Pepetela, o guerrilheiro, aprendeu em seus anos de luta armada. É coerente; é sedutor; é profundo. A ideologia percorre os labirintos da selva; vêm honestidade, honra e coragem, virtudes encontradas na maioria dos guerrilheiros, que, pensando no bem-estar social do grupo e do Mayombe, querem levar a revolução adiante. Angola para os angolanos.

Na guerra colonial contra Portugal, na selva, guerrilheiros de grupos diversos formam um conjunto que pode ser visto como simulacro de uma nação composta de um punhado de tribos (kimbundos, kikongos, umbundos), que, por força de lutar contra o inimigo em comum, esforçam-se para se entender, até porque, para se reconquistar um país, é preciso ter unidade e um caminho que leve todos a um mesmo lugar.

Mas, zumbindo, açoita o tribalismo que, dentro da cabeça do guerrilheiro, faz de Mayombe ― escrito em 1971 e publicado em 1980 ― um vespeiro, um microcosmo do que Angola vai acabar vivendo após 1975, quando a independência do país, automaticamente, transforma-se em uma guerra civil, e, na algaravia ímpar de culturas, de tradições e de códigos tribais, ninguém conseguirá se entender. É por isso que, mais do que a floresta gigantesca, Mayombe é Angola, rica em cultura ancestral, de tradição secular interrompida e desprezada pelo colonialismo português. Tudo obedecendo aos ditames da civilização ocidental. Um vexame.

Negro lá, índio cá

À mercê dessa realidade terrível, civilizar, para toda nação que foi pilhar África, significou ir aquém de aprender com outra cultura. A alteridade lusitana, ou melhor, a ausência dela, impôs a relação servil em que o europeu não se reconheceu no outro ― negro lá, índio cá ― e, por isso, longe de valorizar as diversas culturas encontradas pelo caminho, tentou apagar a alma da colônia, buscando por meio da política da assimilação, por fim oficializada por Salazar, alinhar africanos que deveriam ser, tendo a língua como elo, mais portugueses do que angolanos, moçambicanos, guineenses, são-tomenses e cabo-verdianos. As independências tardias, diferente do que houve no Brasil, um século e meio antes, trouxeram a guerra, e com ela refugiados, que, nômades, foram levar adiante ― mais uma vez ― a diáspora africana. Não é fácil ser mãe, suspira África, jamais reclamando de sua sorte, ou da falta dela.

Dentro de Mayombe, a floresta é o cenário principal, onde se ouvem muitas vozes: a narrativa traz vários narradores anexados ao fio principal, onisciente, que segue Sem Medo, o comissário e outros, enredo adentro, alterando a narração entre terceira e primeira pessoa. Leitores aspirantes ao serviço militar, aqueles que trazem o coração verde-oliva, vão se esbaldar com Mayombe, e os transes que enfrentam os guerrilheiros do MPLA (Movimento Popular para Libertação de Angola) ou da UPA (União das Populações de Angola) ― nêmesis dos “tugas”, os portugas ― não têm nada de hollywoodiano, de batalhas épicas, mas traz o sangue daqueles que, caindo sobre o chão de seu país, chão de batalha, morreram por Angola, como reclama um bilhete em CAIXA ALTA deixado por Sem Medo, numa emboscada aos portugueses:

SACANAS COLONIALISTAS, VÃO À MERDA, VÃO PARA A VOSSA TERRA. ENQUANTO ESTÃO AQUI, NA TERRA DOS OUTROS, O PATRÃO ESTÁ A COMER VOSSA MULHER OU IRMÃ, CÁ NAS BERÇAS!

Polifonia

A história envolve o leitor. A tática de Pepetela, o autor, é deixar que, na fabulação, vários narradores-guerrilheiros deem sua versão do que vai. Quase todo mundo tem voz aqui; quer dizer, as mulheres e o inimigo, não. Quando o sobrinho de Sem Medo, Vewê, também um combatente, esperando alguma espécie de nepotismo, esbarra na ideologia austera do tio, seu comandante, cai em uma discussão que cresce como uma enchente, até que é interrompida pelo Comissário, que defende o sobrinho de Sem Medo, horrorizado pela truculência do outro. A superfície esconde a profundeza da alma humana, e o que poderia ser uma discussão passageira leva mais barulho para a base, onde, divididos, os guerrilheiros convivem, soterrados em dúvidas e insatisfação. Um por todos e todos por um? A ideia é essa, mas, em certas horas de desespero, fica mais para salve-se quem puder...

A fim de defender o que pensa, essa discussão é retomada por Mundo Novo, que, por meio de uma análise focada no tribalismo, oferece outro ponto de vista ao leitor, e assim vai, com um narrador por vez formando múltiplas vozes, numa polifonia cujo maior mérito é dar ao outro a possibilidade de se expressar, e não é assim que funciona entre adultos? Na base no meio da selva, no rio de surucucu, no quartel na cidade, ou no mato rasteiro do campo, o enredo vai tomando forma, levando a gente, atenta, a tiracolo.

Viver ou hibernar? Eis a questão

Os verdadeiros leitores de Mayombe não são aqueles estudantes forçados a encará-lo por causa do vestibular ― embora em muitos sempre há rebeldes em crisálida constante que, no livro, encontrarão razão de ser ― mas as pessoas que se sentirão recompensadas pela narrativa de Pepetela e que, certamente, partirão em busca de obras dele e de outros autores da contemporânea literatura africana de língua portuguesa, que está, como toda arte literária, sempre à espera de novos leitores dispostos a, com ela, compartilhar a vida, enriquecendo-a e multiplicando-a, imprevisível, uma vez que viver é “criação constante, morte e recriação”, enquanto “a rotina é exatamente o contrário da vida”, isto é, “é a hibernação”.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 13/11/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
02. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
03. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
04. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
05. Uma Receita de Bolo de Mel de Heloisa Pait


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. O massacre da primavera - 29/5/2018
02. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018
03. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018
04. Inferno em digestão - 17/10/2018
05. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel - 8/5/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INSTITUIÇÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO
RUY REBELLO PINTO, AMAURI MASCARO NASCIMENTO
ATLAS
(2004)
R$ 15,00



MITOLOGIA NÓRDICA
NEIL GAIMAN
INTRÍNSECA
(2017)
R$ 39,00
+ frete grátis



O CÃO FANTASMA
IVAN TURGUÊNIEV
34
(2007)
R$ 12,50



RELACIONAMENTOS QUE DÃO CERTO
GIULIANO MILAN
NOVO SÉCULO
(2011)
R$ 17,01



BIOLOGIA EM CONTEXTO: VOLUME ÚNICO
AMABIS E MARTHO
MODERNA
(2016)
R$ 110,00
+ frete grátis



RODIN
RAINER MARIA RILKE
RELUME DUMARÁ
(1995)
R$ 21,00



ASPECTOS DA PINTURA MODERNA NO BRASIL
NARCIZO MARTINS
ADRIAN
(1989)
R$ 35,91



KEY GUIDE. GUIA ITÁLIA
PUBLIFOLHA
EDITORA PÁGINA VIVA
(2009)
R$ 40,00



DITADURAS DO SÉCULO XX: A HISTÓRIA DE PAÍSES DEVASTADOS POR
EDITORA ESCALA
ESCALA
(2009)
R$ 15,00



O TEATRO BRASILEIRO - VALDEMAR DE OLIVEIRA
VALDEMAR DE OLIVEIRA
PROGRESSO
(1957)
R$ 20,00





busca | avançada
29017 visitas/dia
1,1 milhão/mês