Suicídio: as razões de Pavese e Koestler | Rodrigo Gurgel | Digestivo Cultural

busca | avançada
80637 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Boa tarde às coisas aqui em baixo
>>> Spamzines, blogs e literatura
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> O que não fazer em época de crise
>>> Pizzaria Brasil
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> Passeata Contra o eBook
>>> Sendo Humano
>>> O que fazer com este corpo?
Mais Recentes
>>> Bangüê de José Lins do Rego pela Nova Fronteira (1984)
>>> Política - Quem Manda, por Que Manda, Como Manda de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1981)
>>> Ai Meu Deus, Ai Meu Jesus: Crônicas de Amor e Sexo de Carpinejar pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Histórias da Velha Totônia de José Lins do Rego pela José Olympio (1981)
>>> Fábulas - Obra-prima de Cada Autor de Esopo pela Martin Claret (2006)
>>> Sobre a Norma Literária do Modernismo - Lingüística e Filologia de Raimundo Barbadinho Neto pela Ao Livro Técnico (1977)
>>> Rei Édipo - Antígone / Prometeu Acorrentado Tragédias Gregas de Sófocles - Ésquilo pela Ediouro
>>> Namoros Com a Medicina de Mário de Andrade pela Martins (1972)
>>> Claude Levi-strauss - o Guardião das Cinzas de David Pace pela Bertrand (1992)
>>> Uma Total Mudança de Mentalidade de Willis Harman pela Pensamento (1993)
>>> Kabballah Egípcia - um Universo de Conhecimento de Gilberto Luiz Bacaro pela Isis (2010)
>>> No Ar Rarefeito de Jon Krakauer pela Companhia das Letras (2006)
>>> As Mais Belas Páginas da Literatura Árabe de Mansour Challita pela Vozes (1973)
>>> Canudos - Diário de uma Expedição de Euclides da Cunha pela Martin Claret (2006)
>>> Discurso Sobre a Origem e os Fundamentos da Desigualdade entre os Homens de Jean-Jacques Rousseau pela Martin Claret (2005)
>>> Conversa na Catedral de Mario Vargas Llosa pela Francisco Alves (1977)
>>> O Príncipe - Escritos Políticos de Nicolau Maquiavel - os Pensadores pela Abril (1979)
>>> A Epistemologia Genética-sabedoria e Ilusões da Filosofia de Jean Piaget - os Pensadores pela Abril (1978)
>>> O Existencialismo é um Humanismo-a Imaginação-questão de Método de Jean-paul Sartre - os Pensadores pela Abril (1978)
>>> Reencarnação de Annie Besant pela Pensamento
>>> Antes dos Tempos Conhecidos de Peter Kolosimo pela Melhoramentos (1970)
>>> Doidinho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Sonetos de Luís Vaz de Camões pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson pela Companhia Nacional (2005)
>>> Efésios N Testamento Coleção Lições De Vida de Max Lucado pela Mundo Cristão (2014)
>>> Os Condenados - Obras Completas 1 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Ponta de Lança - Obras Completas 5 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> A Luz da Estrela Morta de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Quem Foi? Albert Einstein de Jess Brallier pela Dcl (2009)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1974)
>>> As Filhas de Rashi de Maggie Anton pela Rocco (2008)
>>> Drummond o Gauche no Tempo de Affonso Romano de Santanna pela Lia (1972)
>>> Traição Em Família de David Baldacci pela Arqueiro (2012)
>>> Bichos de Lá e de Cá de Lia Neiva pela Ediouro (1993)
>>> O Fogo de Katherine Neville pela Rocco (2011)
>>> Desvirando a Página - a Vida de Olavo Setubal de Ignácio de Loyola Brandão; Jorge J. Okubaro pela Global (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Saraiva (2013)
>>> Dom Casmurro - Obras Completas de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> The Elegance of the Hedgehog de Muriel Barbery pela Penguin Usa (2008)
>>> O Direito à Privacidade na Internet de Sidney Guerra pela América Jurídica (2004)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Nono Descobre o Espelho de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta pela Objetiva (2007)
>>> Nós, Mulheres - Edição Especial de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2012)
>>> Autant En Emporte Le Vent - Tomes I et II de Margaret Mitchell pela Gallimard (1938)
>>> Memória de Minhas Putas Tristes de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2005)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Um Dia "daqueles" - um Lição de Vida para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/2/2003
Suicídio: as razões de Pavese e Koestler
Rodrigo Gurgel

+ de 3100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Cesare Pavese

Quem lê o diário de Cesare Pavese - O Ofício de Viver(1) -, escrito entre os anos de 1935 e 1950, percebe, em certo momento, uma inflexão rumo à angústia, um desvio na direção da morte, uma escolha que, a princípio apenas sugerida, acentua-se, ganha dimensões inusitadas e, por fim, encontra o desfecho do suicídio.

A 13 de janeiro de 1949, em breves linhas, o escritor expõe um novo sentimento em relação aos homens: "Viver entre pessoas é sentir-se folha solta. Vem a necessidade de isolar-se, de fugir ao determinismo de todas aquelas bolas de bilhar." A figura das esferas coloridas, espalhando-se a esmo sobre um plano coberto de feltro verde, explicita uma reação de estranhamento, como se Pavese olhasse as pessoas do alto e, o principal, como se não fizesse parte delas. As bolas que se entrechocam sem qualquer sentido, impassíveis, para, no momento seguinte, afastarem-se em outra direção, formam uma poderosa imagem da sensação de desencontro. Ela clarifica a percepção de Pavese sobre o quanto são fugidias as relações nos grandes centros urbanos, cujas aglomerações não passam de refúgios para milhares de solitários que, movidos pela pressa, apenas esbarram uns nos outros superficialmente.

Em fevereiro, a 27, ele reafirma, não só em relação às pessoas, o seu fastio:

"Noite nítida, limpa, fustigante. Antigamente excitava meus sentidos. Agora, não. Para senti-la, preciso lembrar-me e dizer: 'É como naquele tempo.' Nem aquele desejo intenso de falar, de me impor, me invade mais. Devo isso à ânsia eterna, à neurose do já acontecido, do iminente cataclismo? Ou à idade, à minha glória-segurança, de certa forma atingida?

Na realidade, o único motivo que me toca e mobiliza é a magia da natureza, o olhar cravado na colina. Não tendo em mente esse tema, mas um humano, um jogo urbano e moral, eis que a fantasia é preguiçosa."


Depois, a 28 de novembro do mesmo ano, as primeiras sensações físicas da angústia o torturam:

"Ocorre à noite, quando começo a adormecer. Qualquer ruído - estalo de madeira, barulho na rua, distante e inesperado grito - me sorve como um redemoinho que mexe com meu cérebro e mexe com o mundo. Na hora espero um terremoto, o fim do mundo. É um resíduo da guerra, das bombas aéreas? É uma consciência adquirida do possível fim universal? Esgotamento - é uma palavra -, mas o que significa? É agradável, ligeiro sobressalto, como que de embriaguez, e me recupero com os dentes cerrados. Mas se um dia não conseguir me recuperar?"

Lentamente, ele se rende aos mecanismos psicológicos da angústia, compartilhando seus dias com o desamparo e a crescente sensação de não saber lidar com os terrores e as emoções que o assaltam.

Em 1950, a 8 de maio, a tortura evoluiu para um tormento físico: "Começou o ritmo do sofrer. Toda tarde, ao escurecer, aperto no coração - até a noite."

Dois dias depois, 10 de maio, a evolução do quadro parece irreversível, pois ele encerra as poucas linhas que escreve com um período que irrompe no texto abruptamente, numa clara alusão ao suicídio:

"O gesto - o gesto - não deve ser uma vingança. Deve ser calma e cansada renúncia, balanço de contas, um fato privado e rítmico. O último compasso."

E, a 16 do mesmo mês, a angústia torna-se uma companheira inseparável: "Agora a dor invade também a manhã."

Os três meses seguintes são os derradeiros. Em 14 de julho, como se elaborasse uma justificativa teórica para sua decisão, Pavese define o suicídio como uma forma de estoicismo.

Em agosto, 16, inicia a despedida: "Meu papel público, eu desempenhei - como podia. Trabalhei, dei poesia aos homens, compartilhei os sofrimentos de muitos."

A 17, mostra-se absolutamente decidido:

"Nada mais tenho a desejar nesta terra, exceto o que quinze anos de fracassos já excluem.

Este é o balanço do ano não terminado, que não terminarei."


Pavese coloca um ponto final no diário em 18 do mesmo mês:

"Basta um pouco de coragem.

Quanto mais a dor é determinada e precisa, mais o instinto da vida se debate, e cede a idéia do suicídio.

Parecia fácil, pensando nisso. Entretanto mulherezinhas o fizeram. É preciso humildade, não orgulho.

Tudo isso dá nojo.

Não palavras. Um gesto. Não escreverei mais."


As últimas linhas denunciam os embates entre a vida e o anseio pela morte. Mas a frase final, o assassinato da escrita, símbolo através do qual ele sempre se expressou, é a antecipação da morte física. A decisão era irreversível.

Em 27 de agosto ele se mata, ingerindo barbitúricos num quarto de hotel, em Turim.

Os motivos que levaram Cesare Pavese a esse trágico final podem ser inúmeros, mas serão, sempre, suposições. O certo - como em todos os suicídios - é a vivência de uma situação limite, um estado para além do qual a possibilidade de continuar a viver é algo inaceitável. No caso do escritor italiano, em 25 de março de 1950 ele descreve uma de suas prováveis razões: "Ninguém se mata pelo amor de uma mulher. As pessoas se matam porque um amor, qualquer que seja, nos revela nossa nudez, miséria, inofensividade, nulidade."

Se nos sentimos nus, miseráveis e nulos, por que continuar a viver? Por que insistir no ofício da vida, se ela nos nega - apesar de nossa insistência - o que nos é essencial para usufruir dela com a dignidade que achamos merecer? Essas perguntas, o animal humano sempre as fará, sob pena de, não as realizando, abandonar sua condição de homem e, portanto, o bem que ele mais deve prezar: a liberdade. Uma liberdade que não deve conhecer limites, ainda que as religiões e o Estado pensem e defendam o contrário.

Os suicidas, seus prováveis motivos e as formas escolhidas para colocar um ponto final à participação no jogo do acaso que a seleção natural comanda, podem ser encontrados no Dicionário de Suicidas Ilustres, de J. Toledo (2). Todos estão lá: rejeitados pela sociedade, doentes, insatisfeitos, repudiados pelo objeto de seu amor, amedrontados, incapazes - física ou emocionalmente - para lutar e alcançar seus sonhos, ou até mesmo aqueles que se mataram sem qualquer motivo aparente. No centro de cada verbete, homens e mulheres que optaram por tomar as rédeas de suas vidas, inclusive - e principalmente - no que se refere a como e quando elas deveriam acabar.

O suicídio, é verdade, escandaliza. Para muitos, Walter Benjamin poderia ter esperado mais um dia, antes de colocar fim à ansiedade de se sentir uma caça prestes a cair nas garras dos nazistas. Para outros, o pacto de Paul Lafargue e Laura Marx - eles decidiram se matar antes dos setenta anos, para não conhecerem os horrores da degradação física - é uma decisão que avilta a natureza e, quem sabe, Deus.

Mas, no que se refere a Deus, qual espécie dotada de inteligência - ou do que ela imagina ser e define como inteligência - não pretenderia elaborar infinitas teorias que lhe assegurassem a vida além da morte? É do nosso instinto natural de autopreservação, portanto, a luta dos metafísicos de todos os matizes no sentido de provarem e assegurarem que nossa vitória sobre as demais espécies - e, presunçosos que somos, sobre a própria natureza - não se esgota com o fim da vida biológica.

O certo, no entanto, é que renunciar à vida pode significar um dever para consigo mesmo, principalmente quando continuar vivendo significaria chegar a um ponto onde seria impossível o cumprimento do que entendemos serem os nossos deveres.

Tal humilhação - a de não poder exercer qualquer controle sobre nossas escolhas - pode ser, a algumas consciências menos frágeis, uma condição inaceitável. Não foi outro o caso, por exemplo, de Artur Koestler, cuja carta de despedida estava escrita desde junho de 1982, preparada para o ato que se consumou em março do ano seguinte: "Depois de haver sofrido uma deterioração física mais ou menos constante durante os últimos anos, o processo chegou agora a um estado agudo, com complicações adicionais que fazem recomendável buscar a autoliberação agora, antes que me encontre incapaz de tomar as medidas necessárias. (...)."

Em suas lúcidas palavras, o escritor de 77 anos - que sofria de mal de Parkinson e de uma leucemia incurável - afirma a liberdade do homem contra a lei da necessidade, uma das desventuras da existência. Membro atuante da EXIT - The Society of the Right to Die with Dignity (Sociedade pelo Direito de Morrer com Dignidade)(3), o suicídio, para Koestler, era um ato deliberado de autodestruição que o libertaria da cega opressão da natureza.

Mas, e Cynthia Jeffries, mulher de Koestler? Aos 56 anos, em perfeito estado de saúde, nada, aparentemente, poderia justificar sua decisão de morrer junto com o marido. Contudo, em um adendo manuscrito à carta do escritor, ela nos explica seus motivos com inigualável simplicidade: "(...) Sem dúvida, não posso viver sem Artur."(4)

"Eu elogio a minha morte", diz Nietzsche em Assim falou Zaratustra, "a livre morte, que chega porque eu quero". Mais que um elogio, o gesto final de todos os suicidas é um ato de reverência ao livre-arbítrio, uma recusa a aceitar destinos que não escolhemos, última fortaleza do homem cercado pela dor, pelo opróbrio e pelas injustas penas da mãe-natureza.

Notas
1. Editora Bertrand Brasil, RJ, 1988.
2. Editora Record, RJ, 1999.
3. www.euthanasia.org/index.html
4. As informações sobre Artur Koestler e Cynthia Jeffries foram retiradas do ensaio de Bernard Avishai, Anales del matrimonio (los riesgos de la devoción), publicado em La Gaceta del Fondo de Cultura Económica, nº 315, março, 1997.

Nota do Editor
Ainda sobre o tema do suicídio, leia "Está Consumado".


Rodrigo Gurgel
São Paulo, 5/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
02. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol
03. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva
04. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol
05. Sobre o caso Idelber Avelar de Julio Daio Borges


Mais Rodrigo Gurgel
Mais Acessadas de Rodrigo Gurgel em 2003
01. Os gatos têm algo a nos ensinar? - 20/8/2003
02. Suicídio: as razões de Pavese e Koestler - 5/2/2003
03. Blasfêmia e prazer: as bem-aventuranças de Sade - 25/6/2003
04. Esboços para uma etnologia paulistana - 19/2/2003
05. Como conhecer a literatura chilena atual? - 5/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/2/2003
00h21min
[Leia outros Comentários de Luiz de Carvalho]
5/2/2003
837. 99,9%
08h25min
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Miss Ferrovia 1999
Dolabella Chagas
Quíron
(1982)
R$ 10,00



Textos escolhidos; Contingências do reforço uma análise teórica
Ivan Petrovich Pavlov e Burrhus Frederic Skinner
Abril Cultural
(1980)
R$ 10,00



Marina
Carlos Ruiz Zafón
Suma de letras
(2011)
R$ 10,00



Coração do lado esquerdo
Pedro Bloch
Do Brasil
(1999)
R$ 10,00



Violência, Arquétipo e Lei
Djalma L.G. Barreto
Vozes
(1975)
R$ 10,00



Poesia Magica
Paulo Netho; Patricia Girotto
Ciranda Cultural
(2012)
R$ 10,00



Festival Sesc Melhores Filmes 2012 (catálogo) - 7233
Diversos
Sesc
(2012)
R$ 10,00



Interpretação de Kafka
Ruy Alves Jorge
L. Oren
(1968)
R$ 10,00



O Monstro do Morumbi
Stella Carr
Moderna
(1984)
R$ 10,00



Les Enfants Gates - 82
Philippe Heriat
Gallimard
(1939)
R$ 10,00





busca | avançada
80637 visitas/dia
2,4 milhões/mês