busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Quinta-feira, 2/2/2006
Por que quero sair do Orkut (mas não consigo)
Fabio Silvestre Cardoso

Há pouco mais de seis meses, publiquei um texto para este Digestivo sobre os diários da poeta Silvia Plath. Na introdução daquela resenha, só para fazer um rápido suíte (em jornalismo, retomar a história anterior), escrevi que, hoje em dia, é possível ler sobre a vida das pessoas, e até mesmo colher informações preciosas, sem que essas sequer tenham dado qualquer autorização. Em outras palavras, graças aos blogs, aos fotologs e, evidentemente, ao Orkut, somos todos objetos de contemplação ao mesmo tempo em que exercitamos esse caráter, digamos, voyeurístico de cada um de nós.

Toda essa introdução para falar do Orkut. Na verdade, não é uma análise ou uma outra teoria. Especialistas, arre, existem aos montes. Aqui vai um relato, um depoimento, de alguém que perde tempo com o Orkut; que vê que seus benefícios privados são relativos e seus vícios públicos excessivamente nocivos, só para fazer um trocadilho com uma das teses do professor Giannetti (esse, sim, um bom teórico; pena que não escreveu nada sobre o Orkut). E, por isso, o meu grande dilema é exatamente esse: quero sair do site de relacionamentos mais concorrido da internet, mas não consigo. Vou explicar por que, siga-me.

Entrei no site com o mesmo sentimento de um mineiro ao ouvir as vantagens de deixar sua terra natal. Não estou certo se os leitores se recordam, mas, à época de sua pré-explosão, poucas pessoas estavam no Orkut, pelo menos por aqui, em terra brasilis. Lembro-me que li uma nota do Julio D. Borges sobre o tema e que meus amigos mais bem informados do mundo da tecnologia, Andre de Abreu e Ricardo Senise, já navegavam com toda curiosidade que lhes é particular e costumeira. Cá comigo, pensei: "não vou entrar nisso". Mas, depois que eu vi as vantagens ("pode-se fazer ótimos contatos e encontrar amigos que você nunca mais viu!"), aceitei o convite de minha amiga Mariane Gonçalves, cujo recado inicial está lá até hoje "Nossa, Fabio, que bom que você entrou". Se vocês olharem para a Mari, vão notar que isso não é pouca coisa...

Uma vez dentro, logo fui me familiarizando com as comunidades. Queria entrar nas mais sérias. Sobre música clássica. Sobre literatura. Política. Estratégia Militar. Guerras Napoleônicas. Todos os assuntos que um dia eu quis discutir, mas não tinha com quem fazê-lo. Mas é, de fato, um admirável mundo novo, pensei. E lembro que ficava muito entusiasmado toda vez que achava um amigo que havia sumido do mapa. Os colegas perdidos do Segundo Grau (falar Ensino Médio soa estranho; na época, fiz o Segundo Grau mesmo), os amigos desses amigos e até mesmo, surpresa, minha turma de faculdade que simplesmente desapareceu na fumaça depois da festa de colação de grau, em 2003.

Como vocês podem notar, estava realmente contente com a ferramenta do Google. Tão feliz que sequer percebi quando a coisa começou a me dar nos nervos. Não, não foi por causa do Bad, bad Server, no Donut for you. Acho que foi um pouco depois, mas me lembro da Maíra, outra colega de Aliança Francesa, me dizer que havia cometido um "orkuticídio". "Para que que serve essa coisa, Fabio? Eu saí. Tomava muito meu tempo. Coisa de nerd." Não levei a sério, principalmente porque o que a Maíra tem de inteligente ela tem de exagerada. De qualquer forma, aquilo ficou na minha cabeça e com o tempo percebi que ficava no Orkut tal como um zumbi. Obcecado pela idéia de encontrar meus amigos e, sobremaneira, ver seus interesses. O que lêem? O que assistem? A quais comunidades pertencem? Sim, em vez de debater no fórum dedicado a Tulcídides a estrutura da narrativa de A História da Guerra do Peloponeso, eu tentava interpretar o significado de cada comunidade nos perfis de meus amigos e, sobretudo, de minhas amigas - as solteiras, claro. Aliás, lembro que mais de uma ocasião eu olhava se algumas de minhas amigas estavam solteiras em vez de perguntar isso diretamente a elas. Era, e é (se a pessoa for honesta no que escreve), uma maneira de não deixar claro que eu estava a fim de alguém e, por extensão, se prevenir contra um não vexaminoso.

O fato é que, com o tempo, eu percebi que isso é muito esforço por quase nada. E que, infelizmente, estava perdendo muito tempo com o site de relacionamentos, sem contar que houve uma invasão de usuários que passaram a utilizar o Orkut não só como instrumento de propaganda, mas também como plataforma de agendamento de guerra de torcidas, entre outros "ações" não menos absurdas. A decisão estava, portanto, madura. Era o momento de deixar o Orkut. Só precisava definir quando.

Meu tempo é hoje, canta o sambista Paulinho da Viola, mas eu não consegui fazer minha hora e até o dia (acabei de dar uma checada nos meus testimonials) em que escrevo permaneço no Orkut. Não sem uma justificativa simples. Amigos. Muito embora acredite que boa parte das pessoas com quem eu voltei a falar depois de muito tempo talvez não valham a pena (isso ficou evidente com meus amigos de colégio, por exemplo), existem algumas, poucas é verdade, com quem eu só falo via Orkut. Desse modo, se eu cometesse o tal do "orkuticídio", acabaria também colocando a pá de cal em relacionamentos que, aos poucos, renascem. E é por isso, então, que o dilema resiste: eu quero, mas não consigo sair do Orkut.

O leitor que chegou até aqui provavelmente pode considerar esse depoimento um tanto melodramático demais. Talvez seja, mas não posso negar que, se por um lado há muita besteira no Orkut, as amizades que restam e que sobreviveram à fome, ao frio e à distância (nada substitui o contato, disse Clarice Lispector) são tão fortes que me fazem adiar uma decisão de maneira indeterminada. E quem sabe eu não mude minha opinião sobre o Orkut novamente? Pode ser.

Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 2/2/2006

 

busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês