busca | avançada
59013 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Quarta-feira, 29/8/2001
Mas isso é arte???
Daniela Sandler

Yara Mitsuishi

“Mas isso é arte???” Você talvez já tenha feito essa pergunta. Eu já perguntei, diante de muita instalação em galeria de arte, como por exemplo um monte de saquinhos de vômito de avião, olhando em redor para ver se algum especialista definia a palavra. “Arte”, o que é? Não adianta olhar no dicionário. Não estou falando dos muitos sentidos do termo nem da definição clássica. Estou pensando na conotação especial, mágica – fetichista, se quiserem –, mística que acompanha a idéia de objetos artísticos, artistas, criação, obra de arte.

Quando os modernos, no começo do século 20, romperam a representação figurativa da realidade com manchas coloridas ou formas geométricas, muita gente torceu o nariz. “Mas isso é arte???” Horror dos horrores, aqueles quadros e esculturas expostos poderiam ter sido feitos por uma criança! Ou talvez as formas e cores distorcidas fossem o produto de mentes degeneradas, como diziam os nazistas! Alguns temiam que fosse simples tiração de sarro. Público e críticos – incluindo Monteiro Lobato com o célebre ataque a Anita Malfatti em “Paranóia ou Mistificação?” – reagiram muitas vezes com violência.

O curioso é que, hoje em dia, quase cem anos depois, as obras modernas estão devidamente consagradas pelas instituições que ditam as normas culturais (museus, faculdades, livros...), e a situação se inverteu. Boa parte do público e críticos de arte vai torcer o nariz diante daquilo que, há um século, parecia seguramente ser arte: paisagens, retratos, representações fiéis e convencionais da realidade, pinturas acadêmicas. Quadros que você pode ver na loja do Roberto Camasmie (com o devido outdoor eletrônico), na Praça da República, em algumas galerias de arte comerciais. “Mas isso é arte???” De novo, o coro escandalizado – e violento.

Berço e cadeirão

Lembro-me de uma visita ao Masp há dez anos. Eu estava no terceiro colegial e fui com amigos mostrar nosso museu a um intercambista canadense. Lá no andar de baixo, junto às rampas vermelhas, arte contemporânea brasileira. Um dos artistas expunha três obras (todas intituladas “Sem título”, como sempre): um berço, uma banheirinha suspensa de bebê e um cadeirão. As três peças eram evidentemente da mesma linha, pois o plástico que as revestia tinha a mesma estampa. As peças estavam meio detonadas: plástico rasgado, manchas de tinta, revestimento descascado.

Veja bem: éramos um grupo privilegiado em termos artísticos. Tínhamos aula de história da arte, conhecíamos as inovações modernistas, freqüentávamos museus. Mas foi demais. Não gastamos muito tempo vociferando: estávamos nos divertindo. Meu amigo jogou sua mochila no chão, no meio do piso, e eu passei em volta da mochila, admirando: “Oh que obra de arte profunda!” Tudo virou obra de arte – ou melhor, tudo virou piada: a mochila, a lata de lixo, nós mesmos em pose de estátua, a pedra do piso. Rindo castigas mais (assim está em O Nome da Rosa, e com razão), mas rir não resolve o nosso problema.

Tenho de confessar, se é que os mais atentos já não pensaram nisso: faço doutorado no Departamento de... História da Arte! Devia já ter chegado a alguma conclusão, não? Não. Tenho a desculpa confortável de que o meu negócio é arquitetura, não arte. Arquitetura é mais fácil: está na interseção entre arte e utilidade, criação e técnica.

Mas a desculpa não me convém. Digo com todas as letras que, mesmo tendo feito cursos sobre arte, lido textos teóricos, mesmo estando rodeada por historiadores da arte e por artistas, eu não tenho a resposta para a pergunta: “Mas isso é arte?”

Em parte porque o tema é complexo demais (e, enquanto eu escrevo esse texto, vou pensando em dezenas de implicações e desdobramentos que gostaria de citar aqui – o que não farei, para não transformar a coluna em mau ensaio acadêmico). Em parte, porém, há outro motivo mais importante: porque arte é definida historicamente. Socialmente. Não é como uma cenoura, por exemplo, que é cenoura para mim, para você, para o coelho e para Picasso. Que sempre foi cenoura desde que cenoura apareceu na Terra (independente do nome que lhe damos).

Arte, como outros termos abstratos e complexos, tem significado contigente e sempre em transformação. Muda o que nós entendemos por arte, mas não só isso: muda tudo. Muda a maneira de produzir arte, mudam os artistas, e muda o produto final. Quando o produto muda, muda também nossa maneira de olhar, perceber e reagir. E, por fim, muda o conceito, afetado por tudo isso – e por sua vez afetando todos esses modos também.

Todas essas mudanças não são gratuitas. As condições de vida mudam, a tecnologia progride, o mundo material que nos rodeia se transforma; as relações sociais também se modificam, as crenças, os valores; os eventos históricos se sucedem, e, pensando assim, não é de surpreender que mudem as obras de arte, assim como as roupas, as comidas e até os corpos (ou os ideais de beleza).

Poder místico

Mas e o tal poder mágico ou místico da obra de arte? Será que é só porque está no museu? Não haverá algum critério?

Sempre penso em como tudo começou. As primeiras obras de arte foram as pinturas nas paredes das cavernas e as estatuetas femininas. Esses objetos tinham funções mágicas ou místicas: atrair sucesso na caça ao bisão, garantir fertilidade. Por que sua importância cultural? Porque testemunham a capacidade para o pensamento simbólico e abstrato, a representação de eventos por meio de ícones, a atribuição de significado a determinadas formas. Não apenas a raiz do pensamento simbólico: também a origem do contrato social, já que o significado dos desenhos ou amuletos era uma convenção, um acordo entre os membros de um grupo (voltamos aí ao caráter convencional, socialmente definido, da arte).

A arte, na origem, tinha esse poder mágico. Não surpreende que a arquitetura grega seja magnífica em templos dedicados aos deuses, ou que boa parte da produção estética e intelectual da Idade Média tenha sido sacra. Quando penso nisso, penso que é como se essa conotação mística e religiosa tivesse impregnado nossa expectativa em relação à arte até hoje – como se isso tivesse sobrevivido às outras mudanças (ou quase – há gente que vê arte de um ponto de vista puramente intelectual; há também os cínicos).

É nisso que eu penso quando vou a um museu. Quero dizer, quando vou ao museu como eu mesma e não como doutoranda em Estudos Culturais e Visuais. Eu me ponho diante da obra e, no meio de toda a análise formal ou histórica, sempre me faço uma espécie de pergunta, ou me abro para a resposta que a obra pode me dar: pode ser um insight, um sentimento, um estímulo ao pensamento, uma cadeia de associações-livres... às vezes a obra faz um comentário político, às vezes me emociona, às vezes traz uma lembrança. Uma obra que é significativa, para mim, vai me atingir de alguma dessas formas, antes mesmo que eu formule a questão: “Mas isso é arte?”

Sei que alguns hão de discordar da maneira jocosa com que me referi, no começo do texto, a uma obra da artista Jac Leirner – a tal obra que usou um monte de saquinhos de vômito, e que ganhou certa notoriedade por conta disso. Sem nenhuma intenção de ofensa, eu comecei a tentar lembrar como era a obra, para poder descrevê-la aqui. Não lembrava se eram costurados, se era em forma de corda, se era em forma de manta, se eram amontoados... Só lembrava que era um monte de saquinho de vômito junto (sem vômito, diga-se). Achei minha falha de memória significativa. Afinal, só o que lembro, em relação à obra, são os saquinhos de vômito. Uma instalação que é lembrada por isso – e não por sua “mensagem” artística ou por suas qualidades formais: gente, preciso dizer mais???

Antes que meu tempo acabe, uma última consideração: embora eu me deixe envolver por objetos artísticos (até já chorei diante de gravura em museu), sou contra a confusão entre arte e “arteterapia”. Acho bacana que qualquer um possa socar argila ou empunhar pincéis para exorcizar fantasmas (ou divertir as mãos), mas não é isso que faz do produto uma obra de arte. Do mesmo modo que o meu diário não é literatura.

Para quem se interessar pelo assunto, recomendo o texto “A Obra de Arte na Era da Reprodução Mecânica”, do Walter Benjamin. É um texto, por assim dizer, básico. Benjamin tem um estilo fluente, solto, nada empoeirado. É um dos textos que mais me ajudaram a entender o que é arte.

Daniela Sandler
Rochester, 29/8/2001

 

busca | avançada
59013 visitas/dia
2,0 milhão/mês