busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Segunda-feira, 2/7/2007
Um plano
Eduardo Mineo

Não que eu pense muito em ter filhos, mas gosto de ficar planejando as coisas e eu já planejei toda a educação que darei aos meus, cada detalhezinho. É verdade que ainda terei de aprender boa parte do que pretendo ensinar a eles - como golpes mortais com a palma da mão - mas acho saudável ter este tipo de preocupação, em vez de esperar que um colégio caro os ensine a dar valor ao que realmente se deve dar valor. Ou vai me dizer que colégios caros ensinam o valor do tiro ao alvo e do teatro grego?

Admito: é um plano ousado. Eu sei que até os três anos terei problemas, pois não é possível ensinar muito a quem baba em si mesmo, o que talvez explique por que os bebês nunca fizeram nada muito relevante - esta eu peguei do Walter Huston em Yankee Doodle Dandy. Mas a partir daí, a partir do momento em que a criança começa a andar e a falar, já está pronta para aulas de piano. Nada muito exigente, mas com tendências clássicas, óbvio. Uma criança de quatro anos já tem que saber quem é Haydn da mesma forma como saberia quem é o bicho papão. "É o tio do piano" já me deixaria contente como resposta, mas aos cinco anos, já perderia a sobremesa.

Tenho alguma convicção de que música precisa ser ensinada desde muito cedo e com rigor, com regularidade, para um bom desenvolvimento intelectual de uma pessoa. Mozart, Beethoven, Chopin, Bach, Villa-Lobos, Strauss, Tchaikovski e Wagner, passaria por cada um destes. Música faz coisas boas em nossa mente, principalmente a música clássica. Toda pessoa que se interessa por música clássica tem mais sensibilidade, pois, cedo ou tarde, começa a se interessar pelas diferenças de sons, de instrumentos, de tempo e de entonação que lhe dão uma percepção muito fina para tudo mais que há na vida. A interpretação de sons precisa estar além do limite da língua para atingir compreensões mais profundas com mais facilidade, pois a interpretação da música é a forma mais crua e mais natural que há de compreensão. E pouco me importa se, aos quinze, meus filhos vão preferir punk rock: a música clássica faz parte de qualquer educação minimamente aceitável e é isto que vou fazer.

A criança também precisa aprender a falar não apenas em português, que é a minha língua e que eu gosto, mas em inglês, francês e alemão. Já considerei me basear no modelo de ensino do personagem de Albert Finney em The Browning Version, um professor conservadorzão que dá aulas de tragédias gregas com uma versão original de Agamêmnon, de Ésquilo, para crianças de uns dez anos. Mas grego, assim como russo e latim, já seria um pouco exagerado pra uns dez anos. E também não sei se vou conseguiria aprender essas línguas a tempo.

O que quero ter feito até lá com certeza é uma boa biblioteca. Na época em que meus filhos começarem a ler e a escrever, já quero ter em minha casa uma do tamanho da do pai do Jorge Luís Borges, com tudo que havia de bom e legal naquela biblioteca. Além disto, claro que terei os livros do Monteiro Lobato. Seria um bom começo para meus filhos, os livros infantís do Monteiro Lobato, embora a formação de uma criança não esteja completa sem o contato com o fantástico de Lewis Carroll e com os valores de Dickens. Sem esta base, não é de se espantar que existam idiotas, assassinos e praticantes de rapel.

Outros autores podem - ou devem - ser incluídos neste começo de vida. A que primeiro me veio a mente foi Jane Austen que, embora não seja exatamente divertida para uma criança, ajuda a entender de uma maneira extremamente delicada como alguém deve tratar um homem e uma mulher e como se portar diante dos outros. Enfim, ser alguém de respeito. Guerra e Paz, de Tolstói, também faz isto e até melhor, mas fico com receio de jogar nas mãos de um molequinho um livro de mil e poucas páginas. Pode traumatizar.

Mas uma hora meus filhos terão de encarar um livro maior. Talvez lá pelos treze anos, eu os tire um pouco da literatura infantil para lhes apresentar obras mais amplas. Penso em começar pela Odisséia, de Homero, que não é exatamente um livro grande, mas necessário. Os gregos, num geral, são necessários, embora os filósofos eu indicaria para depois dos quinze. Além disto, não pretendo aprofundá-los em filosofia. Quero que conheçam a razão em Aristóteles e a ética em Platão. Talvez leve um pouco adiante dos gregos, com Cândido de Voltaire. A partir daí, dependerá do interesse deles.

Acredito que, na adolescência, já não haja mais restrição para assuntos, o que me permitirá apresentar tudo que conheço e o que quero conhecer até lá. Isto não quer dizer que vou conversar sobre orgasmo com meus filhos, Jesus Cristo, mas apresentar livros que possuem estruturas de relacionamento um pouco mais desenvolvidas do que seria interessante para uma criança. Não consigo imaginar por que uma criança se interessaria por Madame Bovary, de Flaubert, por exemplo. É simplesmente incompatível.

Mas adolescentes estão prontos para qualquer coisa. No teatro, volto aos gregos, principalmente com Aristófanes, mas há muitos outros dramaturgos indispensáveis como Shakespeare, Ibsen, Nelson Rodrigues, Tchekhov, Bernard Shaw e Beckett que devem ocupar um espaço na mente de qualquer pessoa que tenha uma alma.

Na literatura brasileira, Machado de Assis deve ser lido de ponta a ponta. Começaria pela coleção de contos Várias Histórias e por Memórias póstumas de Brás Cubas. Depois de Machado, Os Sertões, de Euclides da Cunha; Fogo morto, de José Lins do Rego; Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto; Urupês, de Monteiro Lobato e qualquer coisa de Guimarães Rosa. Ou tudo de Guimarães Rosa. E está aí o que importa no Brasil.

Fora do Brasil, a lista é grande. A literatura italiana não tem muito a oferecer, mas A divina comédia, de Dante, precisa ser lida. Subindo para a França, eu dispenso Victor Hugo. Talvez obrigue meu filho a ler Os miseráveis caso ele vá mal na escola, de castigo. Já Stendhal é aconselhável. Maupassant, como grande contista, também. E Flaubert fecharia a literatura francesa. Mais do que isso é lucro.

Literatura em inglês é a minha preferida e será a que eu darei mais importância. Começando pelos Estados Unidos: Edgar Allan Poe, Mark Twain, Henry James, F. Scott Fitzgerald, Herman Melville e Ernest Hemingway. No Reino Unido, Jane Austen, que já citei, assim como Lewis Carroll, Dickens, Bernard Shaw e Samuel Beckett. Mas também Swift, Conrad, Laurence Sterne, Chesterton, Oscar Wilde, Thackeray, Walter Scott, Evelyn Waugh e Emily Brontë. Joyce é um caso a parte, mas farei questão de apresentar pelo menos o Portrait of the artist as a young man, que é meu favorito. E sigamos adiante.

Goethe como representante da literatura alemã está de bom tamanho. Os sofrimentos do jovem Werther me parece ser um bom livro romântico de contraponto ao racionalismo iluminista, que até certa altura é interessante, mas pode levar facilmente qualquer pessoa à idiotice. Não que Werther também não seja um idiota, mas, mas, mas...deu pra entender. E seguindo esta mesma idéia de contraponto ao racionalismo, entro na literatura russa com Crime e Castigo de Dostoiévski, que trata deste assunto de uma forma mais clara e mais direta. Tolstói e Gógol entram na seqüência e meus filhos serão pessoas melhores conhecendo estes autores.

E eis que me vejo num dilema: quero que meus filhos sejam pessoas melhores, mas sinto que eles precisarão entrar em contato com este limitador espiritual que é a política. Tratarei do assunto, mas farei com que aprendam a usar a política como um revólver: com pudor e apenas em caso de emergência. E nada com muita ênfase aos acontecimentos, pois um colégio bom dá conta disto. Tampouco algo muito profundo. Quero que aprendam o suficiente para saber o que essa gente feiosa anda falando na televisão e qual é a pilantragem da vez.

No caso do Brasil, começaria pelo começo: crônicas de Machado de Assis e obras de Rui Barbosa. Na área econômica, por um lado daria Celso Furtado e, por outro, Roberto Campos. Sobre a ditadura, o Trinta anos esta noite do Paulo Francis e as obras do Elio Gaspari, que fez um trabalho extenso, chato pra burro, mas válido. Deixo a molecada ler; se alguém desmaiar, eu tiro.

Já em política clássica, não tem como fugir de Hobbes, Locke e Maquiavel. Já Adam Smith, David Ricardo e Schumpeter entram, mas com moderação. Posso pensar em algo mais elaborado para Keynes e Hayek; e uma conversinha de leve sobre Marx e Mises. Talvez não doa muito.

Só me preocupo mesmo com minha inaptidão em matéria de poesia. Sei que precisaria apresentar aos meus filhos Fernando Pessoa, Keats, Baudelaire, Camões, Bocage, Milton, etc., mas não consigo me interessar minimamente por poesia. Ainda bem que ensinar poesia é coisa de mãe.

E artes plásticas também. Eu sou muito ruim neste troço. Tentei aprender alguma coisa lendo Civilização, de Kenneth Clark, e até aprendi alguma coisa sobre os clássicos da arquitetura, pintura e escultura, mas nada além de alguns nomes decorados. Li algumas coisas de John Ruskin no projeto Gutenberg, mas nada muito promissor, também.

Há alguns dias, tentei comprar um conjunto de ensaios sobre a arte norte-americana por John Updike, falando sobre Pollock e tal, mas venderam a última unidade na livraria e como o preço era bem salgado, eu deixei de lado. Me incomoda deixar estes buracos na educação dos meus filhos, mas espero pelo menos estimulá-los à cultura. Sei que com tudo isso talvez meus filhos ainda continuem ignorantes, mas certamente darei a base para que deixem de ser naquilo que mais lhes interessar.

Eduardo Mineo
São Paulo, 2/7/2007

 

busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês