busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Sexta-feira, 28/12/2012
O risco de se tornar um sem-noção
Marta Barcellos

Nove de outubro de 2012: "Ipanema é nossa", gritaram os banhistas quando guardas municipais foram repreendê-los por jogar bola em horário proibido naquela faixa de areia. Era terça-feira e a praia estava cheia. A mesma frase, alguns meses antes, estava por trás de um movimento de moradores que tentavam retirar do projeto do metrô uma estação prevista para o coração do bairro, na praça Nossa Senhora da Paz. Na Ipanema deles, a estação seria um incômodo desnecessário.

De quem é Ipanema, afinal? Nunca morei, mas tive um escritório lá. Se não fosse por um episódio no início da minha temporada ipanemense, talvez eu tivesse incorrido no erro de me sentir coproprietária do bairro - um sentimento comum a moradores engajados, um equívoco que tem lá seus aspectos positivos se gerar uma postura participativa e cidadã. Em bairros de classe alta, porém, o pronome possessivo antes de "rua", "praça", "bairro" tem seus perigos: pode revelar uma elite encastelada e sem noção da realidade, mesmo numa cidade como o Rio, conhecida pela proximidade física entre ricos e pobres, "asfalto" e favela.

Estamos falando de Brasil também. De São Paulo (qualquer semelhança entre Ipanema e Higienópolis não é mera coincidência). O risco de se tornar um "sem-noção" espreita como um todo a elite que não elabora sobre a sua condição, a elite econômica não intelectualizada que caracteriza o nosso país.

Mas não estou aqui para me colocar em posição de exceção ou superioridade intelectual. Como confessava antes, eu mesma, distraída, poderia ter chegado a bradar pela "minha Ipanema" em alguma situação de estresse ("essa vaga é minha!", já gritei em um estacionamento de shopping, às vésperas do Natal). Na vida confortável que levo, só não corro risco de me tornar uma "sem-noção" porque fui criada em um ambiente politizado, que separava "conscientes" de "alienados" - desprezíveis seres desinformados que na prática seriam cúmplices da ditadura militar.

Com o fim das ideologias, acredito que meu risco continua baixo graças ao exercício da alteridade que acompanha todo escritor, essa mania-curiosidade de imaginar como seria ser outro, ser diferente, se deixar atravessar pela descoberta do senhor carrancudo escondido pelo vidro fumê do Mercedes choferado, ou da mocinha escondida no uniforme de faxineira no banheiro público.

Mas isso é outra história, outra coluna. O objetivo desta é contar sobre as vezes em que me flagrei quase sem noção da realidade, e fiquei em pânico diante da possibilidade de estar me tornando uma odiosa "alienada".

Em relação à Ipanema, a ficha caiu lá pelas 11h do dia 24 de outubro de 2007. Cinco anos antes do "Ipanema é nossa" ouvido recentemente na praia carioca. Como chovera a noite toda, previ o trânsito caótico na cidade e resolvi ir a pé para o trabalho, de galochas. No caminho, no entanto, além de poças, havia algo estranho, muito estranho, nas ruas da Zona Sul. Nada. Ninguém. Em pleno dia útil, o comércio não abria suas portas. Um ou outro funcionário, desolado, esperava junto às portas de ferro cerradas. Em vão. O gerente, ou o vendedor com a chave, não havia chegado. E não chegaria, no dia em que zonas sul e norte da cidade foram isoladas por uma chuva forte de madrugada.

Atingido por um deslizamento, o túnel Rebouças, emblemática ligação entre a região nobre e o "resto" da cidade, estava interditado, e as vias alternativas rapidamente entraram em colapso por causa do trânsito ou dos alagamentos. Sem os empregados que abrem as portas das butiques famosas, dos restaurantes estrelados, dos cafés charmosos, dos consultórios renomados, dos cabeleireiros chiques..., não havia Ipanema. Se, naquele dia, o sol permitisse um banho de mar, os moradores sem noção poderiam jogar bola na praia, mas não encontrariam água de coco para comprar, ou cadeiras e barracas para alugar. E pensar que coco, cadeiras e barracas foram as "armas" utilizadas pelos banhistas para expulsar os guardas municipais, chamados no vídeo de "bando de fodidos"...

A partir daquele dia, fui perseguida por uma espécie de obsessão: tentar calcular quanto por cento do burburinho de Ipanema, do vai-vem nas calçadas, era efeito da multidão de prestadores de serviços que moram "além túnel". Não cheguei a um número, óbvio, mas tive certeza de que Ipanema não pertencia à meia dúzia dos que dormem por lá. Quando soube do movimento contra a estação de metrô na Praça Nossa Senhora de Paz, fiquei indignada: os empregados de Ipanema deveriam ser consultados, não apenas os moradores!

Agora vou contar sobre outro dia em que, envergonhada, percebi outra ficha caindo. Nos últimos anos tenho me dedicado a escrever pequenas biografias de pessoas admiráveis, em geral com idade suficiente para ganhar tal status (não, eu não acho que Justin Bieber mereça uma segunda biografia). Pois é comum que esses entrevistados me contem sobre o maravilhoso ensino recebido em escolas públicas, no remoto tempo em que as escolas públicas eram maravilhosas. E foi assim que eu, atenta aos problemas educacionais do país e orgulhosa filha de professor, fui assimilando a ideia de que a luta hoje neste campo é por algo que já existiu no passado.

Até que, numa tarde preguiçosa de domingo, folheando uma revista semanal, me detive na entrevista de um economista que falava sobre educação. Samuel Pessoa, chefe do Centro de Crescimento Econômico da Fundação Getúlio Vargas, entre outros dados citava um número que surtiu em mim o efeito de uma bomba: nos anos 1950, 70% das crianças entre 7 e 14 anos estavam fora da escola.

Então era isso. A maravilhosa escola pública na qual pessoas brilhantes estudaram só era maravilhosa porque atendia apenas a uma minoria, a pequena classe média da época. E nesses anos todos eu não havia feito qualquer questionamento ao saudosismo em torno da escola pública de antigamente.

No momento em que aquela ficha caiu, uma outra, presa em um vespeiro, começou a se movimentar na minha consciência não alienada. Não estaríamos todos deixando de ver algo na atual discussão em torno das cotas na universidade pública? Pois é. Quando essa ficha cair de vez, juro que conto aqui.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 28/12/2012

 

busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês