busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Quarta-feira, 9/10/2013
Só Cronista se Explica
Joca Souza Leão

Nunca vi romancista preocupado com a diferença entre romance e novela. Nem novelista preocupado com gênero literário. Crítico, sim. Escritor, nunca. Nem tampouco vi contista preocupado com o tamanho do conto. Se alguém classificasse A Morte de Ivan Ilych, porque extenso, como romance e não conto, Tolstói daria um muxoxo. E escreveria Falso Cupom, como escreveu, com dezenas de personagens, em uma centena de páginas. E é conto (pelo menos é como está classificado na obra completa que tenho na estante). Hoje, há quem classifique As Neves do Kilimanjaro não como conto, mas novela (até romance) e O Velho e o Mar não é mais romance, agora é novela. Hemingway, pode crer, tomaria um gim Gordon's duplo e não daria a menor bola pr'esse papo. Os poetas é que são felizardos, pois escrevem em versos e estrofes - e tudo em verso e estrofe, não há dúvida, é poesia (ainda que só na intenção do pretenso poeta).

Agora, cronista, foi, não foi, tá se explicando, definindo o que é crônica, artigo e ensaio. Eu, mesmo, já falei dessas coisas aqui mais de uma vez. Porque publicada em jornal, a crônica é tomada - por vezes e por alguns leitores - como notícia. Porque trata do cotidiano, a leem como fato, quando é relato. Outro dia, um amigo me pediu para definir artigo e crônica em poucas palavras. "Artigo é verdade. Crônica, mentira (ou não)" - sapequei de primeira. "Como 'ou não'?" - ele quis saber. "Bem, aí você já não quer definição em poucas palavras, quer ensaio."

Veja se não tenho razão. Moacyr Scliar escreveu mais de 20 romances e publicou mais de dez livros de contos. Não conheço texto de Scliar revelando qualquer preocupação em classificar seus contos e romances. Mas foi só alguém dizer que as crônicas que ele escrevia na Folha de São Paulo não eram crônicas, mas contos, para cuidar de classificá-las: "crônicas ficcionais." E num artigo (aí, sim, artigo), com rigor e acuidade acadêmicos, definiu crônica como gênero literário, diferençando-a do artigo, que é gênero jornalístico, analítico. Para ilustrar o que dizia e dissipar mal-entendidos, escreveu um artigo e uma crônica, no mesmo espaço, os dois sobre o mesmo assunto. O artigo falava de menores abandonados, subnutrição, maus-tratos, evasão escolar, drogas e por aí ia. A crônica contava a história de um menino pobre. Só o assunto era o mesmo. Nada mais. Nem as conclusões (se é que a crônica tinha conclusão, não lembro, acho que não).

"A crônica é a vida ao rés-do-chão", definiu Antônio Cândido num artigo. "No Brasil ela tem uma boa história, e até se poderia dizer que sob vários aspectos é um gênero brasileiro. (...) Ou que aqui se aclimatou com originalidade. Desde o início, foi ganhando certa gratuidade, certo ar de quem está escrevendo à toa." Em sua despedida como cronista do JB, Drummond disse que a crônica não usa "paletó-e-gravata". Gosto do jeito como Machado de Assis se definiu como cronista: "um escriba de coisas miúdas".

Outro dia, achei aqui na estante (ligeiramente esculhambada, diga-se) um livrinho que andava perdido: A crônica na mídia impressa, de Ana Maria Gottardi. Diz a moça: "Justamente por não ser jornalístico, por não se preocupar com a veracidade histórica ou com relatos fiéis, o texto da crônica permite-se a imprecisão, os 'vazios'. O cronista pretende-se não repórter, mas poeta ou ficcionista do cotidiano. A crônica sustenta-se pelo estilo, desenvolve-se em torno de muito pouco ou, até mesmo, em torno de nada."

Antes que alguém diga qu'isso aqui não é crônica, mas artigo, trato logo de, como Scliar, classificá-la: crônica factual. Ou não?

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Jornal do Commercio. Joca Souza Leão é o autor do livro Pano Rápido.

Joca Souza Leão
Recife, 9/10/2013

 

busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês