busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Quinta-feira, 24/1/2019
Nos escuros dos caminhos noturnos
Elisa Andrade Buzzo

Há sempre pessoas que somem nos caminhos tardios. É uma cidade provinciana, são as paragens largas, e cedo a vida morre, e tarde ela renasce; por isso é que se encontra pouco, mas sempre há de se encontrar alguém num ermo ininterrupto, uma silhueta azul-escuro, o eco baixo de uns passos calcando solitários as pedras com musgo e areia úmida.

Então aparece alguém no interior da trilha isolada, rebatendo ruídos secos ou sacudindo malas. Depois desvanece, porque na verdade não havia ninguém no caminho, apenas uma escuridão sobre a qual incidiu uma claridade de olho, um gesto de corpo percutido. Há sempre diferentes possibilidades entre sombra e luz sobrevindas. Distintas, porque a vida é infinita, mesmo num país pequenino, mesmo com os olhos subidos e fechados.

Na ponta de um escuro caminho, claros ladrilhos, resplandecentes, com tufos de gramíneas aleatórios. Sobe um homem, ao longe, na medida de um traço, que se vira em determinado momento, revelando seus óculos de sol quadrados. Vivaz e hesitante é seu pescoço móvel, que vez por outra gira devagar, como quem visualizasse e dispensasse uma presa. Há uma intangibilidade fria nesse contorno esquálido de homem que aguça espreitar numa lupa.

De nada se sabe ao certo da fisionomia, nem dos sulcos, nem das linhas daquele rosto que está a alcançar o cume da ladeira em pedra. Coroa esse tracejado negro de homem uma cabeça, por trás, apenas, uma imagem, um formato ovoide boiando no sol, como uma flor agigantada meio murcha, uma configuração piramidal invertida, aproximada, cabeça flutuante na discrição de turva grinalda.

É uma cabeça austera de esfinge carregando rua acima mistérios e demônios em um dia tão claro que arde seu rosto até transformá-lo num facho esbranquiçado, desaparecendo pela porta de um prédio. O delineamento de seu aspecto seguro titubeia na lembrança que parece se empalidecer, se encolher num pensamento condensado.

Essas pessoas dos caminhos vazios aparecem do nada, como uma ideia surge; e desaparecem, como uma ideia que não se anotou no papel, e um dia retorna tal qual um corpo vacilante sempre reaparece e desaparece no escuro dos caminhos noturnos, como um perfil de vela bruxuleante na tarde intacta.

Elisa Andrade Buzzo
Lisboa, 24/1/2019

 

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês