busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Sexta-feira, 11/2/2022
Uma alucinação chamada dezembro
Luís Fernando Amâncio

O cidadão humano é, acima de tudo, um sobrevivente. Até o momento em que deixa de sê-lo, evidentemente. Um curioso e infalível episódio que conhecemos com o nome de morte. Mas enquanto o derradeiro dia não chega, o cidadão humano vai levando. Contando os dias até o próximo feriado e lamentando a distância para o recebimento do próximo salário.

Durante o processo, ele ri de memes e comenta sobre o clima maluco dos últimos dias. Spoiler: o clima está sempre uma loucura.

Nesse ritmo calculado, sem muitas surpresas, o cidadão humano sobrevive mês a mês. De janeiro a novembro. Até dezembro. Dezembro é um capítulo excepcional. A maior alucinação coletiva de que se tem notícia.

Nada é mais insano do que a decoração natalina. Ao menos no Brasil, fim de mundo de onde disparo essas palavras. Podem até ser bonitas as luzinhas piscando, os pinheiros enfeitados e os presépios. Mas, em pleno verão tropical, entre temperaturas abrasivas e temporais, é um tanto insano a gente ficar contemplando trenós e globos de neve. É, literalmente, ter saudades daquilo que nunca vivemos.

Papai Noel, esse velhinho simpático, se aparecesse em alguma cidade brasileira em outro mês, portando aquelas vestes volumosas, seria tomado como louco. Mesmo no nosso cruel inverno.


E as árvores de Natal? Com a tarifa de energia elétrica no preço atual, faz algum sentido acender pisca-pisca para decoração interna?

Até aí, tudo bem. São comportamentos abobalhados, mas podemos dar um desconto. Os onze meses anteriores não foram fáceis. O que é realmente dramático em dezembro é a ilusão de que estamos, de fato, no fim de alguma coisa. Por mais que, na racionalidade, saibamos que janeiro do próximo ano está logo ali, o clima do último mês do ano é o de despedida.

De repente, é difícil encontrar uma data na agenda que não tenha alguma confraternização prevista. É pizza com a turma da natação, amigo oculto no grupo da igreja, piquenique com o pessoal da faculdade e, claro, a tão aguardada festa da firma. Se confraternizássemos assim o ano todo, a paz mundial já era uma realidade.

De repente, aquele sujeito que só lhe acena com a cabeça na fila do café quer saber se sua família vai bem. Gente que sequer sabe o seu nome te informa que o espetinho de frango da festa está um pouco salgado. E, se você tiver azar, vai ouvir o colega da raia 3 da piscina cantando no karaoquê.

A ceia em família também faz parte desse conjunto de aleatoriedades que é dezembro. Afinal, de onde vem essa cultura de que é saudável a gente se empanturrar de comida com pessoas que, por acaso, compartilham do mesmo sobrenome que você? Duas ou três opções de carne, pratos de abertura que geralmente levam maionese, diferentes possibilidades de sobremesa. Eu ouvi pavê?

Dezembro faz o fim do ano soar como o fim do mundo. E o capítulo final tem que ser com abundância. Por isso as caixinhas de Natal no comércio, o “Papai Noel” do lixeiro e as cestas natalinas para a equipe de limpeza. Se é o fim, que cada família, por mais pobre que seja sua realidade, possa ao menos celebrar com vinho Canção e panetone.

A fantasia do fim do ciclo é o grande atrativo de dezembro. E só há uma forma de desfrutar do mês: deixar a racionalidade de lado. Afinal, se a gente pensa muito, lembra que janeiro está logo ali, com impostos para pagar e o começo de um novo ano. Melhor comer uma coxa de peru e cantar qualquer canção de Natal. Que o amanhã seja só depois.

Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 11/2/2022

 

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês