Mais arte, menos política | Rogério Kreidlow

busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
>>> Performer e dançarina Morgana Apuama apresenta a obra 'Risko'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Minha formatura
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> O enigma de Lindonéia
>>> Paisagens Originais & Detalhes De Um Pôr do Sol
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A extraordinária Nina
>>> Pensamentos & Pedidos
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> Insanidade é perder
>>> Arte sem limites
Mais Recentes
>>> Mantenha o Seu Cérebro Vivo de Lawrence C. Katz, Ph. D. e Manning Rubin pela Sextante (2010)
>>> Entender la Arquitetura - Sus elementos, historia y significado de Leland M. Roth prólogo de Josep Maria Montaner pela Gustavo Gili (1999)
>>> Entender la Arquitetura - Sus elementos, historia y significado de Leland M. Roth prólogo de Josep Maria Montaner pela Gustavo Gili (1999)
>>> Entender la Arquitetura - Sus elementos, historia y significado de Leland M. Roth prólogo de Josep Maria Montaner pela Gustavo Gili (1999)
>>> Conselhos a Um Jornalista de Wmf pela Wmf (2021)
>>> Inteligência executiva de Justin Menkes pela Rocco (2008)
>>> Conselhos e Conselheiros que Produzem Resultado - Vol 3 Coleção Família e Negócio de Autografia pela Autografia (2021)
>>> Jornalisticamente incorreto de Marilene Felinto pela Record (2000)
>>> Viva Bem na Cidade: semana a semana de Allen Elkin pela Publifolha (2004)
>>> Constelação De Um Céu Nublado de Modo pela Modo (2021)
>>> Constituição da Liberdade de Faro pela Faro (2021)
>>> Consultoria Empresarial de Sermais pela Sermais (2021)
>>> Continhas e Historinhas Adição e Subtração de Pé da Letra pela Pé da Letra (2021)
>>> Contos de fada dos irmãos Grimm de Principis pela Principis (2021)
>>> Contos de Pégaso de Movimento pela Movimento (2021)
>>> Conversando Com o Coração de Magnitude pela Magnitude (2021)
>>> Conversas com Vargas Ilosa de Panda Books pela Panda Books (2021)
>>> Coração de Mãe de Agir pela Agir (2021)
>>> Corações De Arame de Movimento pela Movimento (2021)
>>> Coragem Para Lutar de Magnitude pela Magnitude (2021)
>>> Coragem: Peter Pan de Pé da Letra pela Pé da Letra (2021)
>>> Cornélius de Cristão pela Cristão (2021)
>>> Corpo e Interdisciplinaridade de Autografia pela Autografia (2021)
>>> A imagem no ensino da arte de Ana Mae Barbosa pela Perspectiva (2009)
>>> A literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Global (1999)
COMENTÁRIOS

Terça-feira, 9/10/2007
Comentários
Leitores


Mais arte, menos política
Dificilmente faço críticas "negativas" aqui, mas acho que elas nos ajudam a rever alguns pontos. O texto está bem escrito, a relação com os autores é boa, mas, primeiro, não traz nada de tão novo sobre Bolaños a não ser que é "gênio" — um conceito discutível. Segundo, há muito preconceito aí. Deixa o pessoal do interior dançar Strauss em seu casamento, o que há de brega nisso? Para muitas pessoas, é o momento mais especial da vida, não há nada de brega, errado ou feio — se há, é em achar isso brega. Também achei exagerado "momentos mais ridículos" da existência humana. E nunca assinei nem leio Caros Amigos, devido a seu excesso de partidarismo. Mas a crítica a ela, no meio de um texto como este, é desnecessária. Tenho amigos que lêem Caros Amigos e são fãs de Chaves sem, necessariamente, serem deste ou daquele partido ou ideologia. Bolanõs é um artista excelente e sua arte (ou seja, a Arte) não precisa vir acompanhada de julgamentos de valor pessoais. Abraço e até a próxima!

[Sobre "A propósito de Chapolin e Chaves"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
9/10/2007 às
20h34 200.180.59.152
(+) Rogério Kreidlow no Digestivo...
 
Identificação
Muito bom o texto! Batalhando exatamente para inscrever meu filme (digital) em festivais (estrangeiros, né...) me identifiquei totalmente. Como colaborador do Digestivo, estou até devendo uma matéria de "bastidores de produção cinematográfica no Brasil", mas parece que a novela não acaba nunca e o texto periga virar um tratado! Abraços! Jabá: se estiver interessado em conhecer meu filme, entre aqui.

[Sobre "Fetiche por película"]

por André
http://www.lanho.com.br/indodoc
9/10/2007 às
20h19 201.53.48.41
(+) André no Digestivo...
 
Novas Observações 06
Uma das coisas que também se falava muito em relação à película era a velocidade de gravação. Além disso, enquanto a película fazia 24 fotogramas por segundo, as câmeras digitais semi-profissionais (e até mesmo alguns modelos digitais) gravavam de modo entrelaçado, ou seja, toda a resolução que tinham era de, no máximo, 1080 linhas entrelaçadas em 29,97 frames por segundo (não eram fotogramas). Chama-se 1080i, os formatos de gravação das conhecidas HDV. Hoje esse modo de gravação já estava superado pela Panasonic, que lançou uma camera HDV que gravava em 24 progressivo (e não entrelaçado, como nas outras digitais). Com a RED também não é diferente, podendo filmar em 24, 30, 60 e outros.

[Sobre "Fetiche por película"]

por Déborah Guaraná
http://postodegasolina.blogspot.com
9/10/2007 às
20h16 200.249.25.12
(+) Déborah Guaraná no Digestivo...
 
Novas observações 05
Pesquisando encontrei uma empresa super legal! Imagine que você quer montar uma sala de cinema digital e alguém lhe oferece um computador (conectado à empresa distribuidora via satélite), projetor e tela. Faz um investimento inicial e depois paga apenas por sessão exibida! A empresa chama-se RAIN Network e, por incrível que pareça, é brasileira! Gente, o único entrave para que o cinema não se transforme é o dinheiro que as grandes empresas norte-americanas vão perder com essa conversão. Imagine todas aquelas câmeras da Panavision sendo jogadas no lixo. Imagine que as distribuidoras iriam lucrar BEM menos com o cinema digital. Imagine se elas vão deixar isso acontecer? Imagine se a gente tem poder pra fazer alguma coisa com o pensamento retrógrado da maioria dos cineastas cheios de fetiche burro...

[Sobre "Fetiche por película"]

por Déborah Guaraná
http://postodegasolina.blogspot.com
9/10/2007 às
20h12 200.249.25.12
(+) Déborah Guaraná no Digestivo...
 
Novas observações 04
E ainda tem quem diga que vídeo não é cinema. Ou seria o contrário? Uma vez fiz uma matéria, no Cine-Pe, festival de cinema aqui em Recife, sobre a empresa que possui um projetor móvel de película e exibe os filmes nos festivais brasileiros. Não lembro agora o nome da empresa, mas ia combinar de entrevistar o pessoal no intervalo e o técnico puxou uma cadeira e disse para conversarmos no meio da exibição do primeiro longa da noite. Fiquei com o coração na mão e perguntei se ele não ia ver o filme. O cara deu uma risada e disse que já tinha visto mils vezes. Fiquei curiosa e sentei: "Como assim?". Pergunta à qual ele respondeu com muita calma e naturalidade mais ou menos assim: só tem a gente com esse projetor no Brasil, a gente acaba indo pra todos os festivais e vendo esses filmes milhões de vezes.

[Sobre "Fetiche por película"]

por Déborah Guaraná
http://postodegasolina.blogspot.com
9/10/2007 às
20h11 200.249.25.12
(+) Déborah Guaraná no Digestivo...
 
Novas observações 03
A empresa define a camera como Ultra High Definition. Onde editar? No Final Cut Pro 2, que já oferece suporte para edição em 4K. Claro que isso tudo vai aumentar um pouco o orçamento de qualquer produção digital, mas ainda assim, nunca chegará aos pés do preço da película.

[Sobre "Fetiche por película"]

por Déborah Guaraná
http://postodegasolina.blogspot.com
9/10/2007 às
20h11 200.249.25.12
(+) Déborah Guaraná no Digestivo...
 
Novas observações 02
Uma das coisas que também se falava muito em relação à película era a velocidade de gravação. Além disso, enquanto a película fazia 24 fotogramas por segundo, as câmeras digitais semi-profissionais (e até mesmo alguns modelos digitais) gravavam de modo entrelaçado, ou seja, toda a resolução que tinham era de, no máximo, 1080 linhas entrelaçadas em 29,97 frames por segundo (não eram fotogramas). Chama-se 1080i, os formatos de gravação das conhecidas HDV. Hoje esse modo de gravação já estava superado pela Panasonic, que lançou uma câmera HDV que gravava em 24 progressivo (e não entrelaçado, como nas outras digitais). Com a Red também não é diferente, podendo filmar em 24, 30, 60 e outros.

[Sobre "Fetiche por película"]

por Déborah Guaraná
http://postodegasolina.blogspot.com
9/10/2007 às
20h10 200.249.25.12
(+) Déborah Guaraná no Digestivo...
 
Novas observações 01
Bem, não exagerei não! Vocês provavelmente não entraram no site Red. Ela trabalha com uma configuração duas vezes melhor que a película, a começar pela quantidade de informação que ela grava. A película tem uma resolução que convenientemente chamamos de 2K. Isso significa que a película grava em 2024x1080 linhas numa janela nativa 16:9. Diz-se que o olho humano nem consegue enxergar toda essa resolução, pois, ao passar de duas mil linhas, não é possível perceber. Essa qualidade é boa, porque, para quem fotografa, quanto maior a resolução, melhor a latitude de gravação. Essa qualidade da película, era, até o começo do ano, insuperável, e em vista disso, ainda se valia a pena filmar em película. Entretanto, hoje em dia, com o lançamento das câmeras da empresa Red, o formato de gravação e as convenções cinematográficas terão de mudar. Ela filma com 4K. São 4520 X 2540 pixels de resolução! Isso aumenta e melhora a latitude, tornando o vídeo superior à película.

[Sobre "Fetiche por película"]

por Déborah Guaraná
http://postodegasolina.blogspot.com
9/10/2007 às
20h05 200.249.25.12
(+) Déborah Guaraná no Digestivo...
 
Eu de novo
Profundidade de campo fica mais delicada a partir de duas coisas, Yuri: latitude e resolução. Quanto melhor esses dois itens numa câmera, mais e melhor você poderá controlar a profundidade de campo. A opção da galera que faz vídeo, como eu e você, por exemplo, é afastar a câmera, dá um zoom e acompanhar a cena. Com uma lente boa ficaria difícil perceber a diferença até mesmo usando uma câmera DV, como a XL1-s, da Canon, que é o modelo que eu tenho. E faça-se um favor: não alimente o ego dos conservadores fetichistas. São eles que fazem com que a indústria de cinema não mude, nem democratize-se.

[Sobre "Fetiche por película"]

por Deborah Guaraná
9/10/2007 às
16h09 201.50.159.239
(+) Deborah Guaraná no Digestivo...
 
É O filme
Bom, o filme é muito interessante, legal, entre outras coisas. É uns dos filmes que mais gostei de ter assistido. Na verdade, nunca teria visto se minha professora não tivesse passado para trabalho valendo nota, rs. Brincadeiras à parte, eu assisti porque foi muito comentado em todo o Brasil. E vale a pena.

[Sobre "Olga e a história que não deve ser esquecida"]

por Kauana Lima
9/10/2007 às
15h29 200.168.147.139
(+) Kauana Lima no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Pensadores Voltaire
Voltaire
Abril Cultural
(1978)



Lenigme Napoléon Résolue
René Maury François de Candé-montholon
Albin Michel
(2000)



Metodologia das Ciências Sociais - 5ª Edição
Max Weber; Augustin Wernet ( Tradução )
Unicamp
(2016)



Os Seixos Encantados
Jorge Saad; Jinnie Pak
Ftd
(2009)



Idéias Que Pintaram
Walmir Cedotti
Aquariana
(2003)



O Bosque de Cedros
Paulo Coelho
Caras
(1999)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Os Ricos e Elegantes
Ruth Harris
Record
(1978)



Alexandros  o Sonho de Olympias
Valerio Massimo Manfredi
Rocco
(1999)



Testando o Leviathan
A. Fernanda Pacca
Perspectiva
(1978)





busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês