busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Terça-feira, 8/5/2007
Comentários
Leitores

Belo Texto
Belíssimo texto, de uma fluência e beleza realmente tocantes. Preciso e enxuto; toca nossas memórias mais delicadas e desvenda uma emoção quase sempre intuída. Um texto reverente aos que escrevem e amam livros.

[Sobre "o trompetista gago"]

por Carlos E. F. Oliveir
8/5/2007 às
07h56

Ninguém segura este Braziu...
O que tem de lei absurda por aí... e tanta gente assinando embaixo o tempo todo. Por falta de consciência, de conhecimento de causa, por conveniência, má-fé ou coisa do gênero. Tá sim muito complicado e triste ser brasileiro. Grata pelo artigo, vou repassar. Beijo.

[Sobre "Era uma vez uma verdade"]

por Gisele Lemper
7/5/2007 às
20h55

Autopublicação, sim!
Sim, Gabrielle, você vai. Contudo, recomendo a todos o site lulu.com, onde as pessoas podem publicar seu livro sem ter que arcar com qualquer "tiragem mínima". A autopublicação é a saída para aqueles que não podem ter seu livro publicado por uma editora tradicional, ou ainda, para aqueles que querem mandar uma banana pra elas! Se seu livro for bom mesmo, talvez elas venham atrás de você...! Aí, vê se aproveita e pisa muito, antes de aceitar qualquer oferta. Abraços.

[Sobre "Os desafios de publicar o primeiro livro"]

por Albarus Andreos
7/5/2007 às
17h02

Muito bom
Mas Príapo fica ainda devendo a muitos papas...

[Sobre "Ratzinger, sexo e católicos"]

por Guga Schultze
7/5/2007 às
14h03

O que incomoda é o excesso
A incorporação de termos estrangeiros em nossa língua existe, existiu e sempre existirá. Basta lembrar a origem da nossa língua, quando da invasão romana, na Península Ibérica, a influência dos termos árabes, e por aí vai. A língua é uma entidade viva e, portanto, sujeita a mudanças, ainda bem! O que me incomoda é o excesso, é a inadequação de certos termos da Língua Inglesa no nosso cotidiano. Imagina como isso cria uma barreira maior ainda, para aqueles que têm grandes dificuldades de entender o Português escrito, o que diremos então, das palavras em Inglês? É mais uma vez a elite ditando as regras, e o povão se contorcendo para entrar nesse meio, pronunciando termos em Inglês, de uma maneira hilária, grotesca. Bem, muito interessante a sua pesquisa e demonstra mais uma vez como é distante a língua falada da língua escrita. Pena que só uns poucos conheçam bem o segundo registro. Parabéns, pelo seu artigo. Um abraço. Adriana

[Sobre "Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?"]

por Adriana
7/5/2007 às
11h19

Seguro e sem vacilos
Mais uma entrevista interessante com um cara que nem conhecia! Não sei se li algum artigo nele na Bravo, não me lembro. Parece que ele é muito seguro em suas respostas, sem vacilos. Bateu uma vontade de ler o "Longe das àguas", deve ser interessante. A entrevista foi bem conduzida, você soube extrair a essência desse escritor, o que não é novidade. Só posso dizer: Parabéns! Um abraço, Adriana

[Sobre "Michel Laub"]

por Adriana
7/5/2007 às
10h46

O Jô já era...
Jô Soares era bom quando estava no SBT, quando passou para a Globo ele ganhou o direito de entrevistar qualquer artista Global... Aí, foi o fim do programa. No SBT ele entrevistava gente comum e engraçada e não tinha o hábito de humilhar tais pessoas.. Certa vez assisti no programa do João Gordo uma entrevista com Tony Garrido e Derico. Tony Garrido perguntou a Derico se ele recebia algo mais por ser ridicularizado no programa. A resposta foi um contrangido "não"... O principal sinal da decadência do programa é o fato de só haver agora duas entrevistas. Eles provavelmente não tem mais dinheiro pra deslocar três entrevistadores...

[Sobre "Anti-Jô Soares"]

por Darlan Moreira
7/5/2007 às
04h30

Escrevo um livro...
Gostei bastante do texto. Informativo. Mas... Estou escrevendo um livro, e me assustei quando li isso. Será que tb terei esse tipo de problema para publicá-lo?

[Sobre "Os desafios de publicar o primeiro livro"]

por Gabrielle C. Torres
6/5/2007 às
17h11

BLOGS e blogs
Julio, os blogs muito tem contribuido para difundir idéias. É o canal mais democrático que existe no mundo. Tem de tudo e podemos escolher os melhores pela qualidade. Os ruins morrem por falta de visitas. Acontece, infelizmente, que tem muitas pessoas totalmente desqualificadas para um comentário sério, crítico e produtivo. Apelam com palavrões e não aceitam idéias contrárias. Mas, tudo bem, democracia é isto. Tem lugar para todos inclusive para os tolos. Abraço, Ivo Samel

[Sobre "Sobre os blogs de jornalistas"]

por Ivo Samel
5/5/2007 às
23h49

Existe fronteira para língua?
Tema oportuno considerando a aceleração que as novas tecnologias possibilitaram. A adoção de verbetes e as influências de outras raízes idiomáticas é, desde sempre, uma das razões dinâmicas da construção e constituição da linguagem. É preciso que o nosso magistrado, quando julgue estas ações, que carecem de conhecimento específico, peça perícia de ligüístas e até dos gramáticos antes de assinar uma sentença que revogue a lei da gravidade. Culturas predominantes por valor material ou cultural deixam marcas nas culturas mais abertas com as quais se relacionam. Podemos por posicionamento ideológico acreditar neste fenômeno de neocolonialismo, embora, honestamente, esta caracterização não se sustente. A língua é dinâmica e quanto mais plástica e permeável ela for, mais expressiva tornar-se-á, possibilitando comunicação efetiva e estreitando as distâncias entre o universo representado por cada indivíduo. Positivo é saber do seu trabalho na faculdade registando e qualificando estas influências.

[Sobre "Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?"]

por Carlos E. F. Oliveir
5/5/2007 às
21h19

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês