busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Sábado, 21/7/2007
Comentários
Leitores

o maior poeta vivo
Herberto Helder é simplesmente o maior poeta vivo. Um exemplo é o que ele faz com o soneto de Camões, que apanha um verso e transforma tudo com apenas uma supressão: "Transforma-se o amador na coisa amada" e Helder diz "Transforma-se o amador". Fora o grandioso livro de contos.

[Sobre "Benditos Malditos"]

por Leandro Oliveira
21/7/2007 às
23h26

quadros inspiram a escrita
Caros amigos! Recomendo um singelo livrinho "Histórias de quadros e leitores", da Ed. Moderna, organizado por Marisa Lajolo. O livro trata justamente de textos escritos a partir de impressões que certos quadros nos trazem. São vários os autores e as obras que os inspiraram. Vale a pena dar uma olhadinha, quem sabe vocês não mudam de opinião. Um abraço, Sônia Maris

[Sobre "Comum como uma tela perfeita"]

por sonia maris
21/7/2007 às
22h10

a mídia impressa já morreu
Diogo, acredito que o papel ainda vá continuar por algum tempo (senão as empresas de papel vão falir) mas a mídia impressa já morreu, só se recusa a ser enterrada. Basta ver o caso dessa semana, da queda do avião. A TV e a internet comandaram as notícias, mais uma vez. Eu acompanhei o caso, inclusive, assistindo TV via internet. A questão da interatividade na internet é velha, mas esse seu argumento sobre a "democracia on-line" me fez sorrir, parece até meu avô falando (e olha que ele faleceu há 20 anos) sobre os perigos da juventude transviada e as motocicletas. A internet está se desenvolvendo numa velocidade espantosa (só temos 12 anos de internet no Brasil e veja o que já temos) e, em espaço democrático e interativo, claro que os trolls se manifestam. Mas isso acontece nas redações de jornais também, só que era invisível, porque era através de cartas. ERA. Porque tudo está na internet. Acabou o papel.

[Sobre "A internet e a arte marginal"]

por Daniela Castilho
21/7/2007 às
12h09

vaia só em campo de futebol
Fazia tempo que eu não via uma crítica tão lúcida, sobre esse tipo de comportamento. Realmente, vaia só cabe, mesmo, em campo de futebol, jamais num encontro de gente inteligente

[Sobre "Maniqueísmo"]

por jaques
21/7/2007 às
11h24

na Tenda da Matriz
Apenas assisti às palestras na Tenda da Matriz e nela, até onde sei, não houve tal conduta, felizmente.

[Sobre "Maniqueísmo"]

por Fátima
21/7/2007 à
00h05

desencanto com o jornalismo
Belo Texto. Recomendo a vc este link, que versa também sobre o desencanto com o jornalismo.

[Sobre "Retrato 3X4 de um velho jornalismo"]

por Mauricio Dias
20/7/2007 às
20h39

Russos e coreanos
Taís, tive a oportunidade de ver o premiado Lavatory Love Story, do Bronzit, e tenho que concordar que o público pode ter se deixado levar pelo história repleta de humor, mas a animação não fica atrás, com seus traços talvez já batidos, e que lembrem outros desenhos clássicos, mas de uma delicadeza sem igual. A animação consegue explorar todos os seus ângulos, restritos, mas ainda encantadores. E viva os russos, que cada vez mais percebo serem difíceis de decepcionar em qualquer arte, assim como os coreanos (que, logicamente, também estavam no Anima Mundi com uma bela animação).

[Sobre "Destaques do Anima Mundi"]

por Marília
20/7/2007 às
16h53

Poemas pelas praças homericas
Adorei o texto da Ana Elisa. Lindo, preciso, precioso, gostoso, estimulante. Gostei de saber das andanças de minha amiga Alice Ruiz, pelos prados mineiros... onde a poesia amanhece com o dia... Homero... quimeras em todas as capitais do nosso Brasil... como se os poemas invadissem as praças, os bares, os lares, as boates, boites... enfim... Invadissim!!!

[Sobre "Ler em voz alta"]

por ClovisRibeiro
20/7/2007 às
13h47

Muito legal!
Que deleite! Não sou propriamente um nerd, e sou homem, mas acho que nunca achei nada tão prazeroso na Internet quanto esse site! Parabéns às responsáveis!

[Sobre "Revista Mininas, edição 11"]

por Mateus
20/7/2007 às
11h36

há mérito no trabalho dos dois
Já li muitas comparações entre Haydn e Mozart. Parece ser verdade que Haydn foi mais original e criou um número maior de caminhos novos. Coube a Mozart melhorar o que Haydn havia feito. Ora, há mérito no trabalho dos dois. E a lógica diz que é mais fácil produzir um maior número de ítens no início de um processo. Refiná-los é tão difícil quanto... A economia de um país em desenvolvimento apresenta maior crescimento nominal do que a economia de um país já desenvolvido, não é mesmo?

[Sobre "Tokyo String Quartet, na Sala São Paulo"]

por Juca Azevedo
20/7/2007 às
11h05

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês