busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Quarta-feira, 15/8/2007
Comentários
Leitores

Jornalismo chapa quente!
Concordo plenamente que o pior jornalismo é o chapa-branca, que não contesta nada. Isso num país tão carente de debates como o Brasil; é desolador... O Mainardi foi um dos cases estudados no meu Trabalho de Conclusão de Curso - eu analisei o uso da ironia no jornalismo opinativo. Concordo que a postura "do contra" do colunista da Veja é fundamental, por mais que ele cometa equívocos, como fazer comentários preconceituosos contra o Nordeste e lançar provocações vazias apenas para polemizar. Também espero que o Mainardi siga com seu estilo combativo nos próximos governos, sejam eles do PT, do PSDB, ou do sei-lá-o-quê. Por fim, digo que não acho o Mainardi a "versão piorada do Paulo Francis", como muitos gostam de classificá-lo. Não há comparação: o Francis era muito mais sofisticado, culto e bem-humorado do que o Mainardi. Quase desisti de me formar em Jornalismo quando um dos meus professores-militantes comentou que, para ele, o Francis era apenas "um ideólogo da direita". Pfui...

[Sobre "A favor do jornalismo contra"]

por Lucas Colombo
15/8/2007 às
02h42

Perdas necessárias
Toda perda sempre é dolorosa, pode ser óbvio, mas ninguém gosta de perder algo com que se acostumou ou acomodou. Inúmeras pessoas acharam que a pintura acabaria com a fotografia, ou ainda que o teatro estaria fadado ao fracasso com a entrada do cinema, não acredito que o jornalismo esteja morrendo e sim se modificando, o que parece nescessário num momento onde o fator-tempo junto à tecnologia ditam todas as regras.

[Sobre "O velho jornalismo está morrendo"]

por Andre Henrique Ferre
15/8/2007 à
01h58

as pessoas que mais visito
Parabéns Julio e Ale. Por coincidência (ou não) as duas pessoas que mais visito na internet, através de seus blogs. Vejo o Ale como um exemplo, não que isso me faça largar de ser preguiçoso e mandar ver no meu blog, mas ainda vale o tal exemplo. Abraços!

[Sobre "Papo com Alessandro Martins"]

por Albarus Andreos
14/8/2007 às
16h58

Como Conrad contaria
Belo texto Guga. Ao Lê-lo me lembrei um pouco do livro Juventude, de Joseph Conrad. Conrad foi marinheiro de verdade e conta neste livro uma aventura naval. O clima é sombrio e pessimista. Nada de extravagâncias, já que tratava da realidade que ele conhecia e amava, embora ficcional. Contudo, a história não nos conta de seus sonhos e aspirações, mas de como conseguiu sobreviver a eles e, depois de muitos anos, olhar para trás e sentir alívio.

[Sobre "Retrato 3X4 de um velho jornalismo"]

por Albarus Andreos
14/8/2007 às
16h33

Abaixo Harry Potter
Concordo. Também é isso que penso. Valeu. Adriana

[Sobre "Não, não gosto de Harry Potter"]

por Adriana
14/8/2007 às
11h45

cinema de autor é passado
Existem inúmeras maneiras de fazer um filme, e cada um teria sua resposta diferente. No sistema de Hollywood, por exemplo, o diretor é literalmente um nada. É a peça mais substituível de todas. O roteirista é outro nada: um sujeito propõe alguma coisa, milhões mexem até chegar ao resultado final. A peça mais importante nesse contexto é o assistente de direção, que é quem garante que o filme sai mesmo. Mas também tem o filme em que um mesmo sujeito escreve, filma e monta. Tem o filme em que alguém resolve sair com uma câmera em cima do ombro. E assim por diante. De qualquer forma, cada vez mais o cinema "de autor", aquele que permite ao mesmo tempo as pontas soltas, as imperfeições e as genialidades, é coisa do passado. Não se pode mais brincar e arriscar a perder dinheiro. O controle é cada vez maior, o cinema está cada vez mais entregue a fórmulas. Se ele pode se perguntar quem é o autor, é porque o cinema não quer mais saber de autores.

[Sobre "Quem é o autor de um filme?"]

por osrevni
14/8/2007 às
09h23

Classificados e editoriais...
Não sei muito do "ser contra" ou "a favor", tenho lido muito sobre a finalidade do jornalismo de fundar algum sentido crítico na sociedade, sinceramente, não acredito. Não atribuo aos jornalistas a primazia de desenvolver nenhuma tese ou postura politica, que deva ser de desejo de cada individuo. O jornalismo que me atrai é o da diversidade, feito entre o trágico e o cômico e não uma leitura ordinária do cotidiano. Há também a referência econômica do veículo que não deve ser ignorada, então resta ao jornalista a coragem de sê-lo e a vocação para o nada. A isca da atenção é o escandalo e o extraordinário, e os jornais sabem disto e usam este conhecimento à exaustão. A sobrevivência de um veiculo de informação está no lastro de leitores regulares que ele consegue captar e tudo o que possa ser apresentado e oferecido a este público: notícia, entretenimento; formação política e cultural é só uma possibilidade cuja a responsabilidade é individual e está fundada no senso crítico, se há um...

[Sobre "A favor do jornalismo contra"]

por Carlos E. F. Oliveir
14/8/2007 às
08h09

all around
você viu, julio, você viu. a discussão está all around :)

[Sobre "A tal literatura independente"]

por Olivia
14/8/2007 às
07h12

no universo dos taxistas
Eu também tenho uma teoria de como o tempo está passando mais rápido, mas deixo isso pra lá, se eu perder tempo nessas coisas acabo não conseguindo enxugar todo esse gelo que escorre aqui da geladeira velha de casa, minha própria calota polar aqui na cozinha. Além do fato de eu não ter autorização de passar meu tempo em outros universos, afinal, um estudante de jornalismo não tem autorização para mexer no universo dos taxistas. Um abraço!

[Sobre "Meta-universo"]

por Renan De Simone
13/8/2007 às
22h14

companheirismo, honra, coragem
Li um livro quando guri, chamava-se "A Guerra dos Botões", autor não lembro... tratava-se da mesma historia, dois grupos de crianças, brigas, verdadeira guerra declarada... companheirismo, honra, coragem... muito parecidas as duas historias para ser mera coicidencia...

[Sobre "Os meninos da rua Paulo"]

por Luciano Borba Stecke
13/8/2007 às
21h19

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês