busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Terça-feira, 2/10/2007
Comentários
Leitores

Millôr, como sempre
Millôr sabe coisas inimagináveis. Quero dizer, inimagináveis para nós, os sem imaginação, porque ele já as imaginou completas. A modéstia exemplar é só uma miragem, tão bem feita que é quase real. E esse "quase" é cheio de humor. Como sempre.

[Sobre "Notas de um ignorante"]

por Guga Schultze
2/10/2007 à
00h17

Só não vê quem não quer
Até onde sei, a minha frase está correta. Tanto faz escrever "vai" ou "vão". Depende do que eu quero que concorde com o quê. Mas, por mais que a frase estivesse errada, isso só comprovaria o que eu disse: quem lê algo errado na rede - ou em qualquer lugar - e não tem conhecimentos maiores sobre a língua, vai achar que aquilo é certo e vai escrever daquele jeito. Existem erros em livros, jornais e revistas, mas, na rede, em chats e sites para jovens, os erros são mais graves. Não estou aqui levantando hipóteses, estou relatando um fato. É assim, e só não vê quem não quer, ou nunca esteve, está, no meio.

[Sobre "Literatura e internet"]

por Rafael Rodrigues
1/10/2007 às
23h15

a prática de escrever na Web
Pessoal, acho que há uma certa obsessão à la Pasquale com o erro. Nesse debate, o Rafael errou. Deveria ter escrito: "é óbvio que não vão acontecer tantos erros" e eu tb: "não importa que tantos erros aconteçam..." Mesmo assim, isso em nada atrapalhou a comunicabilidade. Quem está abreviando, por vício, quem sabe, sem a prática de escrever na internet nem estaria comunicando.

[Sobre "Literatura e internet"]

por Lúcio Jr
1/10/2007 às
21h50

Agradeço o espaço
Obrigada, Julio, por trazer "as minhas vozes" até aqui. Você foi e é um grande incentivador, que me ajudou a ter coragem de me expor, pois escrever é algo que às vezes me parece tão imenso, tão mais forte do que eu, além de qualquer explicação e entendimento. Também agradeço a você, Bia, pelo comentário enriquecedor, que me deixa feliz. A janela está sim aberta à comunicação, um dos principais sentidos de se escrever, tentar alcançar os sentidos que constantemente nos faltam, limitados pela própria incapacidade de nomeação da linguagem ou proibidos pelas convenções sociais.

[Sobre "Minhas vozes"]

por Cristina Sampaio
1/10/2007 às
21h00

Fico feliz em saber
A internet sempre fica mais rica quando pessoas que possuem sensibilidade em relação a vida e sabem escrever abrem um blog. Uma pequena janela para comunicação com os demais.

[Sobre "Minhas vozes"]

por Bia Cardoso
1/10/2007 às
19h35

Pistolão
Nossa, que abordagem verdadeira! Só quem passou pela situação surrealista do engodo da TVA é que sabe dizer! Quando querem te vender atendem logo. Quando você quer resolver um problema ou cancelar a assinatura fica meses telefonando e o departamento responsável está sempre sem sistema. Passei por isso por longos quatros meses, mais de 30 ligações, mais de 10 protocolos e só consegui resolver com "pistolão". Eta Brasil! Até para defender os seus direitos tem que ter pistolão, neste país de administração do tempo do império!

[Sobre "Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas"]

por Silmara Avila
1/10/2007 às
15h54

Se chorar piora...
Diogo, dei muitas risadas com teu excelente texto. Tens "muita" razão quando escreves. Uma das maiores anomalias do mundo corporativo é fruto legítimo do casamento entre o despreparo dos operadores com o desrespeito das empresas frente ao consumidor. É de "chorar" a falta de ética, integridade, dignidade, respeito e muito além. Os que não morrem de ódio ou do coração tem como última opção levar na piada, como tudo neste nosso "mundinho doente". Pelo menos rindo nos mantemos "saudáveis" frente a tanta falta de discernimento. Adorei o caso D. Josefa. Parabéns pela maneira alegre de tua indignada expressão... Beijos!

[Sobre "Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas"]

por Maira Knop
1/10/2007 às
15h43

Zelite
Clap clap clap clap! Realmente, é mto fácil sair culpando os "monstros capitalistas" antes de avaliar a situação. Esse discursinho "de esquerda", para mim sempre esteve pra lá de fora da realidade, mas hoje está mais do que nunca. Também acho que se as pessoas tivessem um mínimo de educação (não estudo, mas aquela que se aprende em casa) não teriam capacidade de fazer algo como a corrupção, simplesmente porque "minha mãe me ensinou que é errado", sem haver necessidade de estudar as possíveis teorias sociológicas decorrentes disso. Infelizmente o brasileiro já se acostumou com a corrupção. E "a zelite" é que pagam o pato.

[Sobre "Cada um, cada um"]

por Hellen
1/10/2007 às
15h01

A arrogância de Rodrigo Xavier
Realmente, Mano Brown merece voz e deve continuar a falar. A democracia que cita Rodrigo deve sim ser seguida como princípio, mas somente quando todos são cidadãos. No Brasil, uma grande parcela da população não está inserida nessa integridade cidadã. Não porque não quer, mas porque não são dados direitos iguais a eles. Assim a democracia não funciona, assim ela não existe. Ela vira falácia para a permanência da divisão absurdamente desigual de classes. Assim a democracia é apenas uma palavra sem significado de fato. Mano Brown mostra a todos essa defasagem entre a palavra e a realidade nas comunidades de periferia. Deixe de hipocrisia, Rodrigo, e saia de seu Second Life. A periferia agradece sua atuação na vida real.

[Sobre "Os manos Racionais"]

por Mauro
1/10/2007 às
11h55

Trotes de telemarketing
Diogo, logo depois que li seu texto conheci um site (willmutt) muito engraçado de trotes com o telmarketing. Me senti vingada. Acho que vale a pena dar uma olhada. Abraços!

[Sobre "Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas"]

por Áurea Thomazi
1/10/2007 às
11h23

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês