busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Terça-feira, 12/4/2011
Comentários
Leitores

Te amo muito...
Caro autor, seu texto além, de lindo, brilhante e emocionante, expressa com fidedignidade tudo pelo que estou passando no momento. Vivi uma paixão / amor avassaladores que duraram uma semana no tempo real, mas que tiveram a intensidade de um relacionamento de um ano. Infelizmente fomos separados por sua mãe, uma mulher possessiva e castradora, e que a meu ver nunca soube o que é amar, pois se soubesse deixaria seu filho ser feliz... Agora só sinto falta do meu grande amor e de todos os momentos maravilhosos que passamos juntos. Apesar de tudo, desejo que seja feliz Abner e acredito que se tiver escrito e predestinado por Deus, Ele te entregará em minhas mãos novamente... Te amo muito... Fran.

[Sobre "Receita para se esquecer um grande amor"]

por Françoise
12/4/2011 às
15h44

História e livros
Estou acompanhando esta série de textos do Marcelo Spalding com muita curiosidade e atenção. Coisa de quem é louco por história e por livros. Mesmo que não tenha havido um ruptura imediata à invenção da imprensa e dos tipos móveis, ainda assim representou uma grande revolução na leitura e suas possibilidades. Para mim Gutemberg foi mais importante que a Internet, pois a posse de muitos livros já cria a possibilidade da hiperlincaguem. E na história nenhuma ruptura significou o fim imediato de uma ferramenta de conhecimento, sempre houve intercessões e convívios. Outras dificilmente acabaram como o correio e sua evolução para o correio postal...

[Sobre "História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg"]

por Edson B de Camargo
10/4/2011 às
21h38

não ouço mais
é uma pena nós amantes do rock termos que ouvir esses lixos que as rádios estão tocando hoje. aqui em vila velha, ES, existe a rádio cidade que chegou a fazer rede com a 89 fm, mas foi por pouco tempo. desde o fim do ano passado ela deixou de lado a programação original e passou a ficar cada vez mais pop. resultado: não ouço mais. procuro nos meus aquivos o bom e velho rock'n roll e a net ajuda bastante.

[Sobre "89 FM, o fim da rádio rock"]

por luiz henrique
10/4/2011 às
17h27

Recauchutamento da identidade
É uma verdade, mas há na pobreza uma espécie de recauchutamento da identidade que hoje é mera economia e senso comum. Abs.

[Sobre "A rentável miséria da literatura"]

por Daniella Caruso
9/4/2011 às
15h24

Diferente em Caio Fernando
Muito destes livros fariam a mente das massas entrarem em colapso ou desvirtuarem os reais objetivos, devido a falta de preparo e preguiça usufruída por estas literaturas pobres e cinematográficas (diferente em Caio Fernando). OBS: O problema hoje da originalidade está em saber usar o que já se tem.

[Sobre "A rentável miséria da literatura"]

por Marcos Ordonha
9/4/2011 às
14h35

Se deixar o transporte público
Parabéns pelo texto, que retrata o cotidiano de muitos. Li vários livros nessa situação e realmente sinto que, se deixar o transporte público, perderei um precioso tempo de leitura.

[Sobre "Manual para o leitor de transporte público"]

por Alexandre Macedo
9/4/2011 às
11h37

Muito pertinente o texto
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!

[Sobre "Plágio"]

por Albarus Andreos
9/4/2011 às
11h29

interessante


[Sobre "História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg"]

por Marmo
8/4/2011 às
22h55

Sábia e humilde
Bom, muito prazeroso ler sobre Sheila Leirner, sábia e humilde.

[Sobre "Sheila Leirner"]

por lecy Souza Cardoso
8/4/2011 às
20h30

Um dos mais vigorosos poetas
O poeta Oleg Almeida é um dos mais vigorosos poetas da atualidade. O seu verso é requintado, trabalhado e profundo. Mesmo com todas estas qualidades, não é enfadonho; muito pelo contrário. É um prazer ler seus poemas.

[Sobre "Hiperbóreo nos trópicos: a poesia de Oleg Almeida"]

por Paulo Mohylovski
8/4/2011 às
18h08

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês