busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Sábado, 29/12/2007
Comentários
Leitores

Digam a todos que fico!
Como belorizontina típica, concordo e me identifico plenamente com suas colocações. A cidade se torna mais nossa nesse intervalo e, à parte nossos devaneios, o que queremos é estar no nosso canto e poder, quando sentirmos necessidade, alcançar os nossos, de alguma forma. Esse ano não me rendi aos apelos insistentes de amigos e família para passar o ano novo na praia. Não, Não, Não. Quero ficar aqui, com um grupo especial de amigos, tomando um champanhe, se possível, sem aquela agitação peculiar. Curtindo uma boa música, boas conversas, e se der, um beijo na boca, à meia-noite. É pedir muito? Adorei o seu texto e pra você, um 2008 muito feliz. Abraço. Adriana

[Sobre "7 bilhões e um réveillon"]

por Adriana Godoy
29/12/2007 às
11h13

DM: a ponta de lança da Veja
Não vejo a crítica de DM como algo avulso inserido na Veja. Seu texto é a ponta de lança da postura editorial da revista, que, neste últimos tempos, procura se identificar com uma linha de pensamento de oposição radical ao governo do PT. O jornalista serve à mídia que o criou, não consigo vê-lo como alguém com luz própria.

[Sobre "Diogo Mainardi"]

por Newton Carlos
28/12/2007 às
16h13

homo urbanus
um texto inteligente, auto-crítico, sincero consigo mesmo... gostei... sociopatia ou não, o fato é que qualquer "homo urbanus" normal é assim... temos nossos momentos em que nos rendemos à instintiva necessidade de "tocar e ser tocado", à satisfação do irresistível prazer (ou desprazer) tátil. Mas, em nossos muitos outros momentos de "lucidez urbana civilizada", o que mais queremos mesmo é o nosso espaço "intocado", "esterilizado" até! faz parte...

[Sobre "7 bilhões e um réveillon"]

por silvio
28/12/2007 às
14h48

Deixa pra lá...
Estas panelinhas existiram, existem e sempre existirão. Eu de certa forma tenho a minha, mas melhor seria chamá-la "grupo de amigos que têm um gosto em comum, a literatura". Estou longe de poder publicar algo, se é que um dia poderei. Em relação às panelinhas "oficiais", foi-se o tempo em que me preocupava (acho que já conversamos sobre isso). Deixa elas.

[Sobre "E-mails a um jovem resenhista"]

por Diego Barreto Ivo
28/12/2007 às
14h31

Fonseca ou Fonte Seca?
Tenho dele Agosto e o desgosto em tê-lo.

[Sobre "O Romance Morreu, de Rubem Fonseca"]

por Antônio P. Andrade
28/12/2007 às
11h22

A caminho do mito
Estás com a razão, Julio. Num momento como este, em que grandes nomes da MPB estão restritos aos hits do passado, sem apresentar inovações, temos mais é que louvar o trabalho de artistas como Maria Rita, que corajosamente "dão a cara a tapa" ao inédito. Sds. Antônio Pimenta de Andrade

[Sobre "Samba Meu, de Maria Rita"]

por Antônio P. Andrade
28/12/2007 às
11h13

Críticos do nonsense
A crítica como instrumento de se mostrar marginal da unanimidade é justificável e fácil; mas não mostra essencialmente a personalidade de quem a pratica. Quero algum dia abrir a Revista Veja e vê-lo - Diogo Mainardi - criticando-a. Aí, sim, mediante à constatação da sua imparcialidade, serei capaz de enviar uma cesta básica para complementar o seu seguro-desemprego. Criticar aos que não têm direito a defesa e resposta pode soar momentaneamente engraçado, mas não condiz com a ética. Sds. Antônio Pimenta de Andrade

[Sobre "Diogo Mainardi"]

por Antônio P. Andrade
28/12/2007 às
10h58

Os horizontes da civilização
Sua crônica metropolitana, ao contrário de ser preconceituosa, revela fobias que são partes do nosso próprio inconsciente. Realmente, Belo Horizonte é mais humana e mais bela sem tantos humanos nela. O problema maior é que, os excedentes demográficos são produzidos longe do turbilhão das ruas. Resta-nos aderir e rezar... Sds. Antônio Pimenta de Andrade

[Sobre "7 bilhões e um réveillon"]

por Antônio P. Andrade
28/12/2007 às
09h26

cantinho de saudades
cantinho de saudades, de novas amizades, de vontade de viver um novo amor...

[Sobre "Um bar em permanente construção"]

por dayrton
28/12/2007 às
09h11

Sem dúvida, um talento
Beleza, Julio. Concordo com você. Somos resistentes a mudanças e, às vezes, me enquadro. Não sou fã ardorosa de Maria Rita, tenho os dois cedês, não conheço esse terceiro, mas, sem dúvida, ela é um talento. Ela passeia pela MPB bem à vontade. Merece o nosso respeito e o respeito pela escolha de seu repertório. Vou conferir esse terceiro trabalho. Abraços, Adriana.

[Sobre "Samba Meu, de Maria Rita"]

por Adriana Godoy
27/12/2007 às
22h29

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês