busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Segunda-feira, 31/12/2007
Comentários
Leitores

Sempre fui ruim...
E eu aqui escrevendo horrores.

[Sobre "Como escrever bem — parte 1"]

por Italo
31/12/2007 às
16h04

Queria não amar
O que sabes do amor? Que dizes de amor? Amor, e amor. Doença que consome a alma e que traz funestos semblantes cheios de nostalgia do que não se pode mudar. Eu queria que o amor morresse. Quem sabe assim eu viveria em paz.

[Sobre "Receita para se esquecer um grande amor"]

por Juliana
31/12/2007 às
10h22

E se...
A mente de uma criança quando nasce é um quadro em branco, a partir daí suas experiências somadas às influências externas farão dela um ser humano crente ou cético com relação ao místico. Mas, e se essa criança não tivesse influências externas, será que saberia da existência de um Deus? Se essa criança no decorrer de sua vida fizesse uma análise baseada no que viu aqui, será que acreditaria em vida eterna?

[Sobre "Deus, um delírio, de Richard Dawkins"]

por Almir
30/12/2007 às
22h20

Já estou encomendando
Marcia, as suas palavras a respeito do livro de Pennac, já me deixaram com a obrigação de comprá-lo e lê-lo, antes que o sentimento de não ter lido tudo que deveria ter lido, tome conta de mim depois. Já estou encomendando. Muito obrigado.

[Sobre "Como um leitor se sente..."]

por Delton L. Martins
30/12/2007 às
16h37

Precisamos dar um basta nisso
É, você tem razão, Daniel. Somos completamente hipócritas quando se trata de coisa séria a se resolver neste país. Futebol, aqui, é mais importante que a saúde pública ou a educação, por exemplo. Ninguém se une realmente para cobrar dos dirigentes melhoria real e definitiva nestes setores nacionais. Dizer que dinheiro falta para isso ou aquilo é mentira, com tantos impostos que se paga neste país. Agora, dizer que os impostos são desviados a bel prazer de seus dirigentes, que não se preocupam com o povo, exceto na hora do voto, é a mais pura verdade. Vide caso CPMF. Como você disse, aqui, entregar incompetentes ou amigos do "rei" é taxado de dedo-duro, e assim eles vão se perpetuando no poder indefinidamente, usufruindo dos nossos impostos e poder por nós outorgado. Precisamos dar um basta nisso, afinal estamos no século XXI. Chega de esquecimentos e mémorias curtas que só nós prejudicam.

[Sobre "Cultura da hipocrisia"]

por Delton L. Martins
30/12/2007 às
16h16

Criminoso sim...
Parabéns pelo excelente texto! Me assusta ver a apologia ao tráfico, e me assusta mais ainda uma pessoa que se diz recuperada não se arrepender de ter feito mal a tantas pessoas. Como um ex-traficante pode não se sentir responsável por mortes por overdoses ou de PMs na tentativa de prisão e muitas outras? Para mim, esta pena não foi suficiente para ele. Lógico, reconheço que o sistema carcerário é precário e antiquado, mas aí está a prova do que pode acontecer com um filhinho de papai sem limites: continuar achando que não fez nada de errado, para ninguém: "lidava com adultos não forcei ninguém a nada". Só espero que os colégios e instituições de ensino escolham pessoas mais aptas para falar sobre consumo e trafico, caso contrário pensarei que este mundo está perdido.

[Sobre "Traficante, sim. Bandido, não."]

por Tatiana Cintra
30/12/2007 às
02h29

Vou dar um pulo lá!
Oi, Adriana! Vi que o post é antigo, mas caí aqui procurando mais informações sobre Tiramisù, pois tenho receitas demais e nunca fiz nenhuma. Adorei o testo sobre a Osteria. Desde que ela abriu penso em dar uma olhada, mas restaurantes italianos costumam me decepcionar tanto, que fiquei com o pé atrás. Mas depois dessa crítica, com certeza darei um pulo lá. Abraços!

[Sobre "Tiramisù!"]

por ana elisa
29/12/2007 às
18h13

Escritor-herói
Pertinente o seu texto. Acho que faz bastante sentido. Essa história de panelinha faz tanta parte desse meio, que quase foi condicionada à publicação de algum livro. Quem consegue, por si só, lançar e publicar um livro, sem a ajuda dessa panelinha? Se consegue, é um herói ou ele mesmo se banca, sei lá. O que não pode ocorrer é deixar-se contaminar pela vaidade e achar que é um foda, que é um grande escritor. Deixe que o público indique isso, como você disse, a curto ou médio prazo. O tempo e os leitores dirão. Pena que muitos bons e verdadeiros escritores deixem seus livros guardados no fundo de alguma gaveta. E para que façam parte dessa panelinha, talvez, só depois de mortos. Ou quando são descobertos por algum mecenas, com boa alma. Muito bom o seu texto. Abraço, Adriana

[Sobre "E-mails a um jovem resenhista"]

por Adriana Godoy
29/12/2007 às
11h27

Digam a todos que fico!
Como belorizontina típica, concordo e me identifico plenamente com suas colocações. A cidade se torna mais nossa nesse intervalo e, à parte nossos devaneios, o que queremos é estar no nosso canto e poder, quando sentirmos necessidade, alcançar os nossos, de alguma forma. Esse ano não me rendi aos apelos insistentes de amigos e família para passar o ano novo na praia. Não, Não, Não. Quero ficar aqui, com um grupo especial de amigos, tomando um champanhe, se possível, sem aquela agitação peculiar. Curtindo uma boa música, boas conversas, e se der, um beijo na boca, à meia-noite. É pedir muito? Adorei o seu texto e pra você, um 2008 muito feliz. Abraço. Adriana

[Sobre "7 bilhões e um réveillon"]

por Adriana Godoy
29/12/2007 às
11h13

DM: a ponta de lança da Veja
Não vejo a crítica de DM como algo avulso inserido na Veja. Seu texto é a ponta de lança da postura editorial da revista, que, neste últimos tempos, procura se identificar com uma linha de pensamento de oposição radical ao governo do PT. O jornalista serve à mídia que o criou, não consigo vê-lo como alguém com luz própria.

[Sobre "Diogo Mainardi"]

por Newton Carlos
28/12/2007 às
16h13

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês