busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Quinta-feira, 14/2/2008
Comentários
Leitores

Nem morrendo...
Vim parar aqui por indicação depois de minha irmã ler uma postagem minha onde digo que dou meu reino por um instante de silêncio. Ahn... Gosto não se discute, lamenta-se, né?! Em muitas vezes, eu acho que sim. Porque certas coisas são ruins, e ponto. Sobre simplificar as partituras, tô caminhando pra isso... Se certos "músicos" desaparecessem eu já ficaria contente... Ish, mas o estrago feito eles não levariam embora, humpf... Nem morrendo os sacanas dariam sossego, aff...

[Sobre "Algumas notas dissonantes"]

por Gabriela Galvão
14/2/2008 às
17h33

bela e maduramente
Sou citado por Márcio-André nessa entrevista que ele responde bela e maduramente, chegando a reformular as próprias perguntas quando seus pressupostos de reflexão se mostram radicalmente distintos - tal reformulação é digna e ética, posto que não evita, senão adentra, as questões propostas.

[Sobre "Márcio-André"]

por Ronaldo Ferrito
14/2/2008 às
15h44

Não convidados
Diria: todos os não convidados fossem tão bem comportados.

[Sobre "Baratas"]

por Elen
14/2/2008 às
12h35

um dos melhores textos do País
Maravilhosa entrevista esta com o Ruy Castro, que considero um dos melhores textos do Brasil, para usar um jargão jornalístico e uma pessoa, sem conhecer pessoalmente, que transparece simpatia e elegância... Seu texto é fluido e uma delicia de ler... Quero também, como os outros comentaristas acima, ler Era no Tempo do Rei... Imagino que deva ser coisa finissima como tudo que ele faz.

[Sobre "Bate-papo com Ruy Castro"]

por Ana L.Vasconcelos
14/2/2008 às
12h23

Tudo depende do olhar
Ana, sejamos cautelosos com as idiossincrasias... Na Holanda ou em outras cidades européias, andar de bicicleta não é só uma imagem bucólica: é um meio de transporte efetivo e ecológico. E só é possível não em função da vontade do condutor, mas porque a cidade é pensada pra ser percorrida por elas, seja em função de um trânsito humano, seja pela existência de ciclovias. E o turismo está no olhar e no caminhar de cada um. Quem viaja pra olhar torres à distância, escolheu este roteiro. Mas existem outros, que só dependem do nosso olhar.

[Sobre "Se um dia, uma culta viajante..."]

por daniella zupo
14/2/2008 às
11h58

Quase Perfeito
Ruy Castro prova que com disciplina, competência, planejamento e algum talento é possível migrar do jornalismo para a literatura com sucesso. Para ser perfeito, ele teria de ser santista e ter escrito um livro sobre Pelé.

[Sobre "Bate-papo com Ruy Castro"]

por Odir Cunha
14/2/2008 às
11h54

Não sou rei, mas...
Se auto-ajuda, conselhos e dicas fosse tão bons, os autores dessas mixórdias não precisariam suar tanto para divulgá-las. Muitas vezes, os consultores desses cursos miraculosos que as empresas nos oferecem ganham mal, trabalham muito e nem sempre utilizam o que prometem (ia dizer que enchem nossos sacos, mas é muito chulo e pessoas educadas não gostam disso). Por outro lado, as macumbeiras e ledoras de sorte seriam todas maravilhosas, teriam maridos e namorados bonitos e ricos w todos os times de futebol da Bahia seriam campeões nacionais em todos os anos. Não li esse livro "35 segredos..." e não irei ler e nem indicar para nenhum amigo. Só se for para inimigo! Quantas besteirinhas juntas, meu Deus, só pelo que diz o colunista Spanding! Não sou rei, mas se fosse diria, com certeza: "Porque no si callam!" Mesmo que eles estejam brincando... Há coisas melhores, acho.

[Sobre "Literatura de auto e baixo-ajudas"]

por I. Boris Vinha
14/2/2008 às
11h03

Ruy Castro e o Rio hoje
O Ruy Castro chamou minha atenção pelo espaço de mil e setecentos e setenta e sete batidas que o apaixonou. Tem um texto limpo, fala apaixonadamente de uma cidade que está inteiramente desmoralizada perante os brasileiros. Não sei dizer se a imagem é correta, mas tenho o mesmo otimismo que ele. Somos prisioneiros de todos os lugares em que moramos, o Rio por ser maravilhosamente lindo é o mais 'apropriado' para ser covil de bandidos. Esse senso destrutivo que nos possui e diverte; é enfrentando por ele com um brilhantismo sem igual. Um Quixote de óculos que batalha contra o Morro dos Ventos Uivantes. Comprei "Era no tempo do rei", com essa entrevista, o lerei imediatamente. Parabéns.

[Sobre "Bate-papo com Ruy Castro"]

por Djabal
14/2/2008 às
08h09

Gene Egoísta e o capitalismo
O socialismo não se perdeu, ele foi apenas uma das facetas do capitalismo, onde a concentração do poder, onde quer que ela ocorra, seja no campo econômico, seja no campo político, acaba produzindo a total supressão das liberdades humanas e o fim da natureza tal como ela existe ou existiu para os seres humanos. Ou alguém tem alguma dúvida que a maior parte das pessoas - uns 95% - que vivem nas grandes cidades, lutando por empregos que mal conseguem sobreviver, são verdadeiras prisioneiras e escravas desse cárcere chamado liberalismo e economia do mercado? Ou alguém tem alguma dúvida ainda sobre quais são os verdadeiros propósitos dos governos e das empresas e a forma como eles extraem maciçamente do mundo as riquezas sociais e ambientais sem devolver praticamente nada, principalmente para os que mais necessitam? Vale a pena ler sim O Gene Egoísta, para nós entendermos que enquanto nos arrastamos sobre a Terra não temos nada de interessante além da falta total de humildade.

[Sobre "O Gene Egoísta, de Richard Dawkins"]

por Hugo Penteado
13/2/2008 às
17h02

Vinha, não vem
Uau, o Boris Vinha. Embora ele venha, atirando pra todos os lados, fui emboris enquanto ele vinha.

[Sobre "Across the Universe, de Julie Taymor"]

por Guga Schultze
13/2/2008 às
14h19

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês