busca | avançada
84642 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Quarta-feira, 27/2/2008
Comentários
Leitores

Indiferença
A pior coisa do mundo é quando a pessoa que te fez a pessoa mais feliz do mundo passa a te tratar como se você não existisse. São esses momentos que precisamos esquecer para seguir adiante!

[Sobre "Receita para se esquecer um grande amor"]

por Flávia de Oliveira
27/2/2008 às
15h28

Esse Boris, argh!!!
Quanto mais vivas, mais me decepcionam as pessoas. Esse Boris, argh!!! O cara é descartável tanto quanto suas palavras. Imagine, ele daqui a alguns anos... O que fará com sua velhice??? O que é ser novo? Eu, heim...

[Sobre "Across the Universe, de Julie Taymor"]

por Adriana Godoy
27/2/2008 às
14h46

idéia de jerico
Um lúcido comentário. Enquanto em outros países vemos o nível culural e mesmo a educação serem jogados para cima, aqui, nas terras de Pindorama, nivelamos tudo por baixo. Sempre com aquela idéia de jerico de achar que "brasileiro não entende", "ninguém está interessado". Meu Deus, quando vamos parar com essa péssima mania?

[Sobre "Daniel Piza na Imprensa"]

por Leonardo
27/2/2008 às
11h43

Não veio
Como diria o ensaísta Antonio Prata, o I.Boris é de direita, o filme e a época que retrata são de esquerda. Sem muito pensar, a escolha aqui é fácil fácil. Enquanto tu vinhas, fui.

[Sobre "Across the Universe, de Julie Taymor"]

por José Carlos da Costa
27/2/2008 às
11h11

espetáculo e parabéns
Oi, Ana: isso já virou indústria, né? Eu também tive esta experiência com duas semanas de aula espetáculo. Mas, eu quero mesmo é te dar os parabéns, te desejar boa sorte na defesa e um sucesso tremendo. Não vejo a hora de ler sua tese. Abs

[Sobre "Eu e o cursinho pré-vestibular"]

por Fátima Franco
27/2/2008 às
11h11

nostalgia de um tempo perdido
Muito sensível e bem fundamentado seu texto sobre Flávio Colin, o qual não conhecia. Foi a primeira vez que senti em suas palavras, Guga, um amor genuíno pelo Brasil, uma nostalgia de um tempo que perdemos por aí. Sua carta a Wellington nos leva a pensar e a tentar entender uma certa época, um certo Brasil. Sinceramente, deu vontade de conhecer o trabalho desse cara e suas estórias gerais. BJ.

[Sobre "HQ: Estórias Gerais"]

por Adriana Godoy
27/2/2008 às
10h20

Amado, sem preconceitos
Pois estava, ao ler Masnavi, do Rumi, hoje pela manhã, pensando justamente no que ele dizia com um milagre que transformava um homem negro num branco tão lindo como José. Concluí que não havia preconceito, apenas uma posição definida quanto às razões estéticas, uma forma muito pessoal de enxergar as cores e as formas. Uma questão de gosto, apenas. O que atrai a mim ou a ti. Mas, não tão obviamente, é outra coisa que buscamos na literatura, viva, por entre as formas e cores de cada autor, é essa humanidade, na idéia de que o que nos torna iguais é sermos mesmos muito diferentes. Amei teu texto. Grata.

[Sobre "Jorge Amado universal"]

por Gabriela
27/2/2008 às
10h14

Quanta verdade nessas palavras
Você tem razão: a obra de Jorge Amado não pode ser considerada mediana. Apesar de muito preconceito em relação a seus livros (e já me enquadrei aqui) o cara é bom. Mar Morto, Capitães de Areia e tantos outros fazem parte do meu imaginário e de muitos brasileiros. A idéia de relançar a sua obra é excelente!

[Sobre "Jorge Amado universal"]

por Adriana Godoy
27/2/2008 às
10h06

Sazionalidade cult
Tenho a impressão que o nível das idéias e os apetites intelectuais/culturais definem os ciclos no jonalismo cultural, que podem ser áureos ou medíocres. Neste momento, contenta-se com o muito pouco e com o mesmo. Não há hoje, por exemplo, lugar para um caderno com as ambições do Fim de Semana da Gazenta na era Daniel Piza. A falta de continuidade, o excesso de juveniilismo, como dizia Pepe Escobar, tem algo a ver com isso. É tudo uma pena, mas o tempo não vai parar, não é?

[Sobre "Tupiniquin"]

por Anotatus Anotandum
27/2/2008 às
08h35

Rir também é de esquerda
E a "esquerda" ri e "muito", principalmente quando entra no serviço público e passa a receber um bom salário. Aí a ficha cai: sentindo o "gostinho do dinheiro" (e curtir grana é de direita), todas as "brilhantes soluções" para a humanidade são engavetadas...

[Sobre "Direita, Esquerda ― Volver!"]

por Julio Winck
27/2/2008 às
08h18

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
84642 visitas/dia
1,8 milhão/mês