busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Segunda-feira, 3/3/2008
Comentários
Leitores

escravidão intelectual
O Guga, quando escreve, deixa resquícios do seu pensamento por bastante tempo. Estou comentando um texto seu de janeiro recém-passado. É que esse assunto me interessa muito, gosto disso, até escrevi um livro, ainda não publicado, como sempre, sobre a intrigante dúvida humana. Penso que religião, política, sexo e outros temas que são feitos tabus, devem sim ser discutidos, analisados e se possível renovados e melhorados. Caso contrário, seremos sempre os acomodados. O Richard Dawkins escreveu um livro bom, apesar de muito longo; outros já falaram sobre isso e estão corretos, precisamos alertar para os grilhões religiosos que nos prendem e nos escravizam, como faz a política. Política e religião são os maiores responsáveis pela escravidão intelectual dos humanos. Em tudo há essas amarras! Acredito, juro, que a Bíblia deveria ser reescrita, tirando o ranço dos ensinamentos errôneos e brutos ditados pelos escritores religiosos, antigos e ignorantes, até pelo tempo em que viveram...

[Sobre "Ciclones sobre a cruz"]

por I. Boris Vinha
3/3/2008 às
11h24

Não existe um melhor jornal
Os melhores jornais do Brasil são aqueles que dão ao público o que ele quer ler. Como gosto de esportes, para mim o melhor jornal é o Lance!, que chega todos os dias a minha casa e me traz as informações das quais preciso. Para quem gosta de economia, o melhor jornal será o Valor ou o Estado de S. Paulo. Não existe um melhor jornal, existe um gosto diferente pela leitura. [São Paulo/SP]

[Sobre "Promoção Os Melhores Jornais do Mundo"]

por Letí­cia C. Mendes
3/3/2008 às
10h26

Vejam, o Mestre Iluminado!
Quer dizer que ás vezes sou um chato intrometido e ninguém me quer ouvir?? Buaaaaaaaaaaaa! E eu que pensei que todos gostavam tanto de minha sabedoria... e que era por isso que se calavam todos... para me escutar :) Afinal, estavam a rogar pragas para eu ir embora... Não quero ser Mestre assim! Ficarei em meu canto/blog com minha sabedoria e quem necessitar dela que venha até mim. Ser intrometido não está com nada, mas todos têm direito a sua opinião seja ela formada em que bases for e tem todo direito em exprimir sua visão do assunto. Agora a imposição vale para este senhor tb que escreve este artigo e tenta calar as vozes que o irritam fazendo o mesmo que aqueles que acusa, ou seja, é tão arrogante que parece ter toda sabedoria. A palavra Mestre refere-se a Rafael autor do artigo pois falou como um mestre iluminado! Abracinho literário! Denis

[Sobre "A literatura e seus efeitos"]

por Denis
3/3/2008 às
06h55

Parcialidade mal empregada
Apesar da redundância da análise ela não deixa de ser pertinente. Deixando a lucidez falar - e sendo concomitantemente uma fiel apreciadora do Maiden - concordo. A banda vem, sim, repetindo suas fórmulas. E, sim, isso é um fenômeno mercadológico. Quantificando o ph: a acidez utilizada em demasia (como no início, na referência às três guitarras e no final, na analogia à Roberto Carlos) isenta, em parte, o texto de credibilidade - ruindo os alicerces argumentativos com parcialidade mal empregada.

[Sobre "Iron Maiden no Brasil. De novo"]

por Luiza Amorim
2/3/2008 às
20h56

Sentimentos ambíguos
A descrição da crônica me pareceu expor sentimentos ambíguos em relação à França, mas foi apurada e bela.

[Sobre "No chão em que você pisa com seu salto agulha"]

por Luiza Amorim
2/3/2008 às
20h20

forma concisa e abrangente
Engraçado como as pessoas que estão por trás da indústria cultural utilizam-se de referências eruditas para criação de produtos destinados às massas... A temática do filme foi abordada ao mesmo tempo de forma concisa e abrangente. Entretanto, achei o tom da conclusão demasiado sensacionalista - mesmo pressupondo sua função especulativa para o desfecho.

[Sobre "Nós estamos de olho em você!"]

por Luiza Amorim
2/3/2008 às
19h55

Viver só é relativo...
Achei o texto muito bom, porém muito pessoal. A minha opinião é a seguinte: viver só é relativo. Ninguém vive só! Quando Tom Jobim indaga que é impossivel ser feliz sozinho não é exatamente viver um relacionamento de casamento. Você, como diz o texto, convive com vizinhos, funcionários de banco, açogueiro, amigos, pai, mãe. Será que vivemos totalmente sós? Não. Na realidade, podemos não optar pelo casamento, mas só estaremos sós quando morrermos! Pense nisso.

[Sobre "Sim, é possível ser feliz sozinho"]

por Sergio Aurelio
2/3/2008 às
17h22

A religião não é grande
Uma questão mui instigante. Muitos preferem não discuti-la: aceitam e pronto. Isso de entender a religião é com os pastores, os padres, o bispo, o papa. A estes, se errarem, o perdão, a recondução ao cargo, um tapinha nas costas. Àqueles, o inferno, o purgatório, o cão em pessoa. Dawkins acerta o alvo quando logo no início diz a que veio: quero te converter ao agnosticismo puro: não creia. Hitchens está na vez. Valeu pela referência a Bertrand, a Hesse, ao Dalmy Gama e ao Franz Griese e, também, a Michel Onfray (valeu, Daniel).

[Sobre "Ciclones sobre a cruz"]

por Pepê Mattos
2/3/2008 às
15h26

Intolerância
Para quem escrever? Para os massagistas de ego? Para mamãe e a titia? Os "mestres" dão pedradas e elas machucam? Ai, ai. O espaço público e as caixas de comentários não nos preserva de idiotas, nem de nossas próprias idiotices, todos somos um pouco. Livros ruins, leituras ruins... Não sei, imaginava um dialogo mais maduro a partir da sua abertura sobre Cesar Aira. Atacar o leitor, que comenta com a referência que tem, com a experiência do que vivenciou é grosseiro e beira a intolerância. Todos somos desejo e vontade antes de nos tornarmos potência. Imagino textos como este seu como uma náusea, uma fadiga por não colher o reconhecimento que se supunha devido. Escrever supõe coragem e ousadia. É estar exposto; pronto para todos os juízos. Quanto aos chatos, prefiro estes aos elogios cansados de resenhas cruzadas. Literatura só existe com leitor e respeito ao leitor, o resto é masturbação intelectual(?).

[Sobre "A literatura e seus efeitos"]

por Carlos E. F. Oliveir
2/3/2008 às
15h21

O livro do Trevisan
Acabei de ler esse livro de Dalton Trevisan e achei, no mínimo, interessante. Incomoda, aflige, sensibiliza, como a boa literatura deve fazer. Acho que quem não leu deve ler, pelo menos para conhecer textos curtos, mas fortes; cruéis, mas sensíveis, feios, mas belos. É isso.

[Sobre "Quem, Eu?"]

por Adriana Godoy
2/3/2008 às
12h19

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês