busca | avançada
41460 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Quinta-feira, 9/2/2012
Comentários
Leitores

O texto não procede. É dis...
O texto não procede. É discriminatório, incoerente, de visão limitada. O tema é até bem interessante, já que revela certa afecção globalizante, mas o autor interrompe o fluxo com ingenuidade. Ele realmente não conhece a Índia.

[Sobre "A Cultura do Consenso"]

por Dan
9/2/2012 às
09h50

não tiive a felicidade de c...
não tiive a felicidade de conhecer pessoalmente o DANIEL PIZA.mas,o conheci e admirei pelos seus escritos. Muitas vezes a morte nos arrebata a pessoa e rapidamente a "guardamos" no mais recôndito de nossa lembrança... Muito tem sido escrito sobre Daniel Piza, e creio que muito mais virá, numa inequívoca demonstração de seu valor, caráter e amizade, ao longo de seus dias: ele terá merecido!

[Sobre "Noites Urbanas, de Daniel Piza"]

por ligia
7/2/2012 às
13h34

Gostei tanto do que Eugenia...
Gostei tanto do que Eugenia Zerbini escreveu sobre o Daniel Piza que quero ler o livro dela. Tambem eu devo ao Daniel a oportunidade de ter sugerido leituras e exposicoes de arte aos leitores da Gazeta Mercantil. Mas depois de algumas perdas que ainda me doem profundamente fiquei incapaz de escrever como a Eugenia. Obrigada por ter usado palavras que eu usaria.

[Sobre "Para o Daniel Piza. De uma leitora"]

por Sonia N. Heilborn
6/2/2012 às
17h30

parabens Julio Daio!! você ...
parabens Julio Daio!! você mereceu

[Sobre "Digestivo Cultural na ABL"]

por giuseppebrasil
5/2/2012 às
03h40

Assino...Está assinado.
Assino...Está assinado.

[Sobre "Copacabana e a cultura urbana carioca"]

por carlos eduardo perei
5/2/2012 à
01h08

Oi, Marta, você transmite m...
Oi, Marta, você transmite muito bem essa postura de escritora. Obviamente, não é pra menos, pois é uma profissional das melhores, sem perder o múnus de artesã na arte das letras. Guardada a devida proporção, comigo acontece, à altura da minha sexagenarice, o que nunca acontecia quando eu era um jovem escrevinhador contumaz e oferecido. Creio que o meu senso crítico se tornou mais aguçado. Outro poblema é que, por acúmulo natural de conhecimentos e informações, em decorrência do meu tempo cronológico e de meu interesse em criação, fica mais difícil escolher palavras corretas e dar corpo ao pensamento em letras que nem sei quem as lerá.

[Sobre "Escrever pode ser uma aventura"]

por Geraldo Generoso
4/2/2012 às
17h20

Jorge Amado: "Yemanjá - ...
Jorge Amado: "Yemanjá - Dona das águas, esposa de Oxalá, mãe de todos os orixás. Veste azul. Pedras do mar e conchas são seus símbolos. No sincretismo, é Nossa Senhora da Conceição. Contas transparentes. Usa abebé prateado. Dia da semana: sábado. É também conhecida como Dona Janaína, Ynaê, Maria, Princesa de Aioká. Os negros gruncis chamavam-na simplesmente Yá. Em sua homenagem, realizam-se grandes festas de pescadores, saveiristas e marítimos no Dique, em Itaparica, no Rio Vermelho. A festa de de 2 de fevereiro, no Rio Vermelho, é belíssima e mereceu canção de Dorival Caymmi. Aliás, boa parte da obra de Caymmi tem Yemanjá como tema. No rastro do grande compositor, outros muitos têm celebrado Yemanjá. Sem a grandeza do mestre, pois Dorival Caymmi nasce um em cem anos. Yemanjá come cabra. Ebó de milho branco com azeite e cebola também é de seu agrado. Sua saudação: Odoia! Todo o mar da Bahia pertence a Yemanjá."

[Sobre "Dois de Fevereiro"]

por Duanne Ribeiro
2/2/2012 às
10h52

O texto remete-me (estamos ...
O texto remete-me (estamos em uma teia) à obra "A louca da casa", da jornalista e escritora espanhola Rosa Montero. Belíssima crônica sobre o trabalho da imaginação, da ficcão, da arte narrativa.

[Sobre "É possível conquistar alguém pela escrita?"]

por Rose
29/1/2012 às
19h45

Quem dera, Ana Elisa, se as...
Quem dera, Ana Elisa, se as pessoas pensassem "as faculdades de Letras ficam o dia inteiro discutindo literatura." Elas pensam que durante o curso inteiro só estudamos gramática!Mal sabem elas que a gramática normativa (e mal sabem elas que existem outros tipos de gramática, como a descritiva) é muito discutida e criticada pelos linguistas, que respeitam a variedade, enfim...não vamos ficar, a essa altura do campeonato, dando aula aos estreitinhos, como você falou. Simplesmente eu dou o link da Faculdade de Letras para que consultem a grade curricular, vejam que em Letras não se formam apenas professores, mas editores, tradutores, pesquisadores (mal sabem as pessoas que existe também o Bacharelado!). É sério, já fiz isso e vou continuar fazendo.Minha esperança é o Manuel Carlos escrever uma novela com uma Helena formada em Letras para divulgar essas informações. E quer saber, e daí estudar o que "não serve para nada"? Eu quero é mais a "inutilidade da Arte" do que o pragmatismo.

[Sobre "Em defesa dos cursos de Letras"]

por juliana galvão minas
27/1/2012 às
14h27

Bem, sou contista, com três...
Bem, sou contista, com três livros de contos publicados, e fui naturalmente me interessando por novelas e romances, até por decorrência de uma necessidade de um mergulho mais extenso em meus personagens. Mas reconheço que o conto perdeu a sua "aura de prestígio" realmente, e lamento. O mercado editorial é insano. Nas Letras, gênero não importa, o que importa é talento, criação. Mas o comercialismo só consegue pensar de um jeito, infelizmente...e este jeito é anti-artístico, quase sempre.

[Sobre "Os contistas puros-sangues estão em extinção"]

por francisco lopes
27/1/2012 às
13h48

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
41460 visitas/dia
1,4 milhão/mês