busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Sexta-feira, 4/4/2008
Comentários
Leitores

Qual é a próxima?
... já pras feiras!

[Sobre "Rodrigo Capella em turnê"]

por Guto Maia
4/4/2008 às
09h04

Todos devem conhecer
São Luiz do Paraitinga sempre foi tudo de bom... Todos devem conhecer! Abraço.

[Sobre "Semana da Canção Brasileira"]

por Guto Maia
4/4/2008 às
09h00

Resgate cultural
Fico até emocionado quando leio uma notícia dessas. A Suzana está de parabéns. Nós precisamos resgatar essas pérolas da nossa real cultura. Parabéns pra todos desta cidade. Um abraço. Paulo

[Sobre "Semana da Canção Brasileira"]

por Paulo Ferreira de Me
4/4/2008 às
07h34

Ler é indispensável para todos
A leitura é muito importante na vida do ser humano, pois é através da leitura que podemos ter uma boa escrita e interpretar qualquer texto. E poder viajar em um mundo infinito de coisas...

[Sobre "Adolescente lê, sim, senhor!"]

por Danyele Silva Sousa
3/4/2008 às
16h43

Contra a guerra santa
Reconheço que entrei com a mão pesada neste especial. Foi proposital. E não me excluí de nenhuma crítica que fiz. Minha intenção era apenas que levantássemos algumas questões importantes: precisamos desta "guerra"? O que ela nós trará de bom? A qualidade e o sucesso dos blogs implica necessariamente na morte dos jornais? Se o papel vai acabar ou não, o tempo dirá. Agora, não podemos nos gabar de nossa blogosfera. Não ainda. É muito imatura e os debates não conseguem fugir dos velhos maniqueísmos. Antes de reivindicarmos alguma coisa, precisamos fazer por onde e, acima de tudo, ter mais humildade. Claro que não me refiro a todos os blogueiros - apenas àqueles que, na falta de um assunto melhor, ficam conjecturando a destruição de seus inimigos imaginários para que possam "tomar ao poder". A blogosfera vai continuar crescendo, melhorando seu conteúdo e conquistando ainda mais leitores? SIM. Os jornais precisam morrer para que isso aconteça? NÃO. Uma coisa é independente da outra.

[Sobre "Jornalistossaurus x Monkey Bloggers"]

por Diogo Salles
3/4/2008 às
10h31

Lya, a marí­tima
Lya Luft é mais do que uma mera tradutora. Sua literatura, carregada de fortes influências de Virginia Woolf, Rilke e Hesse - e de tantos outros gigantes - conduz o leitor para o pesaroso terreno dos espectros da alma, onde os sentidos, as angústias, decepções, tragédias, momentos de felicidade e, sobretudo, "seus encantamentos com a vida" são transpostos para o papel. Do "mar que há dentro de nós", Lya consegue fazer o leitor perceber-se na sua obra: em outras palavras, que o leitor também pode ser seu personagem. [Santa Maria - Rio Grande do Sul]

[Sobre "Promoção Escrever Bem"]

por Ana Carolina Seffrin
3/4/2008 às
09h37

Cony, o singular
Sinto-me seguro o bastante ao apontar o jornalista Carlos Heitor Cony como o maior defensor vivo do bom texto brasileiro. A coluna mantida pelo escritor no jornal Folha de São Paulo é uma jóia rara no meio da adoração popular a escritores subversivos e polemistas. Além disso, obras como a magnífica "Quase Memória" lhe renderam a imortalidade na ABL e são testemunhos da importância de sua voz literária e da singular integridade de seu texto. [Ribeirão Preto/SP]

[Sobre "Promoção Escrever Bem"]

por Eric Bortolato
3/4/2008 às
09h28

Põe na conta do Dawkins!
Guilherme Montana, gostei muito do texto. Parabéns! O mais recente livro que li a respeito de deus foi "Deus, um delírio", de Richard Dawkins, o qual penso ser fenomenal, magnífico, corajoso. Eu recomendo.

[Sobre "Deus 3.0"]

por Patricia Zancanaro
2/4/2008 às
23h10

Leitora assídua do Diogo
Realmente a entrevista foi boa, o Julio é bem informado, mas e dái? O tempo todo tive a impressão de que o entrevistador queria, de certa forma, provocar o entrevistado. Para entender o Diogo basta usar um pouco de inteligência e sensibilidade. Ele sabe muito bem que este país não tem memória e que não se deve esperar muito dos leitores fiéis de hoje. Como poucos ele tem senso crítico, é bem informado, tem humor e sabe rir de si mesmo. Uma das maiores armadilhas é o homem começar a se levar a sério demais, achar que é "o cara"... Nosso amigo sabe disso como ninguem. Sou leitora assídua, confesso, e muitas vezes leio a revista de trás para frente...

[Sobre "Diogo Mainardi"]

por Ethel Joyce Borges
2/4/2008 às
14h52

Deixem Deus quieto!
Mesmo que não existisse, de tanto que se fala em Deus ultimamente, ele passaria a existir. É, mais ou menos, como Papai Noel, sabemos que o velho não existe, mas é como se existisse; ficou impregnado no subconsciente, se tornou uma pessoa conhecida... gente nossa! Agora, ficar dissertando sobre Deus não nos leva a nada. Será, por muito tempo ainda, só filosofia, e filosofia é a arte de especular. Como entendê-lo se ninguém sabe se é O ou A. Acreditamos que não tenha gênero, nem número e muito menos grau. -Ah! E não é branquinho de olhos verdes como querem alguns... Somos demasiadamente pequenos e involuídos para querermos entendê-lo(a). Quanto mais se fala, mais se arruma encrenca com o defensor do indefensável. E se alguém o matou, não foi Nietzsche e nenhum outro filósofo, foi, de fato, o Darwin, quando enunciou que viemos do símio sem rabo, passando pela linda ameba ancestral... Deixemo-lo(a) quieto(a), até porque Ele(a) tem ódio mortal de quem fica enchendo o seu sagrado saco.

[Sobre "Deus 3.0"]

por I. Boris Vinha
2/4/2008 às
12h41

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês