busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Quinta-feira, 2/5/2002
Comentários
Leitores

Demais
Alexandre, essa está demais! Foi como lhe disse, são tantos os brasileiros que usam essas frases para explicar sua falta de interesse pela leitura... é uma pena saber que isso não vai mudar...

[Sobre "Quem Não Lê Não É Humano"]

por Juliano Maesano
2/5/2002 às
11h29

Lebesraum é coisa antiga.
Caro Jaques Já te respondi particularmente, mas não sabia q esse texto constava aqui do digestivo. Só para não deixar em branco repito. A invasão da Cisjordânia foi um fato militar válido e civilizado. Foi uma resposta ao inconformismo árabe (q me parece meridianamemte compreensível) e q apelou à força. Já a montagem de colônias, viabilizadas por essa invasão é um fato espúrio. É uma evidente estratégia para "roubar" o resto da palestina. Só o tempo irá demonstrar se a direita israelense é cega aos sinais dos tempos, ou se sou eu q penso q essa fase de conquista de "espaço vital" já passou. O dia em q Israel oferecer a devolução de 100% da Cisjordânia em troca do reconhecimento de sua existência (incluso o não retorno dos exilados para Israel) então voltaresmo ao q vc chama de "legalismo". Até lá a política judaica, lamento , lembra claramenre a política expansionista do socialismo nacionalista germânico no final dos anos 30. pedro (o chato)

[Sobre "Nas garras do Iluminismo fácil "]

por pedroservio
2/5/2002 às
10h20

Conto de fadas enfadonho!
Primeiro: gostaria de perguntar como este livro foi parar na sua mão e você leu-o? Segundo: acho tão óbvio o interesse comercial ($) da autora, uma vez que o mercado que ela pretende atingir deva ter sido meticulosamente calculado graças ao grande número de mulheres na situação descrita, que duvido que ela acredite no que escreveu. Terceiro: de uma vez por todas a sociedade, principalmente as mulheres, deve perceber que a instituição do matrimônio, foi adequada à épocas remotas onde a mulher cumpria um papel coadjuvante na estrutura familiar. Tarefas domésticas, casamentos negociados, sexo religioso, babás oficiais, cúmplices de adultérios,etc. Nossos avós sabiam bem como isto funcionava. Atitudes incabíveis em nossa sociedade! Esta dependência financeira descrita no livro é o próprio contrato de posse de um marido sobre uma esposa....Lamento às mulheres que pensam em "segurar" casamento, hoje um relacionamento baseia-se em confiança, cumplicidade, sexo aberto, sem estâncias familiares superiores se intrometendo, respeito pela individualidade de cada um e suas sequelas, e muita inteligência em jogo. Ninguém que tenha maturidade emocional admite pisar ou ser pisado por ninguém.

[Sobre "Querido, eu me rendo"]

por Eduardo Vianna
2/5/2002 às
08h56

Voltando ao assunto
Fabio e Alexandre, achei um poema do Manuel Bandeira chamado "Resposta a Vinícius"... essa "conversa" entre dois poetas me lembrou a posição de vocês em relação à cabana na montanha, concordando achando que discordam... Olha ele aqui de presentinho para meus dois oficiais mais queridos do exército de Pedro! "Poeta sou; pai, pouco; irmão, mais./Lúcido, sim; eleito, não./ E bem triste de tantos ais/ Que me enchem a imaginação.// Com que sonho? Não sei bem não./ Talvez com me bastar, feliz/ -- Ah, feliz como jamais fui! --,/Arrancando do coração/ -- Arrancando pela raiz -- / Esse anseio infinito e vão / De possuir o que me possui." É lá do alto da cabana, Fábio, que o Manézinho enxerga essas coisas todas, e sofre... E é o silêncio mesmo da cabana que o consola... Beijos da Sue

[Sobre "O que é um livro"]

por Assunção Medeiros
1/5/2002 às
23h27

Presença feminina
Não sei se sou inteligente ou charmosa, mas queria apenas registrar que sou leitora assídua de Fábio Danesi há algum tempo, já tendo acompanhado e até mesmo mantido com ele diversas discussões, seja por concordância ou discordância de suas idéias. Em qualquer situação sempre encontrei esse espaço aberto ao livre debate, assim como sempre fui tratada com o devido respeito que um colunista deve a seus leitores, o que não significa que ele não possa ser educado, bem humorado e até charmoso. Não o conheço pessoalmente, até porque moramos em estados diferentes, mas acredito que Fábio não tenha necessidade de cantar suas leitoras, uma vez que homens como ele, gentis, com idéias próprias e argumentos que as sustentam (independentemente de estarem corretos, até porque a verdade única não existe), bem informados e inteligentes, são raros e, certamente, encantam por si só. Quanto a política e futebol não interessarem às mulheres em geral, creio que não sejam exatamente os temas que causem desinteresse; pelo menos a mim, qualquer assunto que seja tratado com paixão cega e radicalismo, onde não se dá chance de análise e revisão dos argumentos de ambos os lados, esvazia a discussão e, conseqüentemente, torna-se chato. Foi só um aparte. Continuem, cavalheiros, pois uma discussão inteligente e sadia sempre enriquece, mesmo a quem seja apenas assistente. Um beijo pr’ocês.

[Sobre "a falsa verdadeira democracia"]

por Isabella
1/5/2002 às
22h49

Topo da Serra
Sabemos que quem mais lê mais sabe. Por isso vale a pena subir ao Topo da Serra, que embora custoso, agora dá pra ver o vale todo verde, ou a incógnita do mar. Li e gostei.

[Sobre "O que é um livro"]

por Abílio
1/5/2002 às
17h17

Libru
Alguns livros, nos convidam ao conhecimento, outros aos prazeres de vivenciar novas "Cabanas". Seu texto foi um belo passeio, como num "Tapete Voador" além do permetido. Quanto as "Janelas", gosto muito das Indiscretas do Hitchcock.

[Sobre "O que é um livro"]

por Sérgio Tadeu
1/5/2002 às
17h01

Palavras rudes
É deprimente ter que ler tão rudes palavras! Saiba que dvds do tal " ceguinho detes- tável", estão sempre em falta nas lojas, pois o povo brasileiro está tomando gosto pela verdadeira boa música, da qual Bocelli é um grande representante!

[Sobre "esultate!"]

por Marcela
1/5/2002 às
15h40

a coisa é clara
Fábio, quem disse que nunca tinha ouvido falar de CNN foi um comentador, não você. Eu não conheço o autor, não pessoalmente, se é o que você quis dizer. Admiro sua iniciativa de ler aqueles que considera como seus “oponentes”, mas continuo fazendo reparos à sua argumentação./// CNN foi uma voz na esquerda brasileira que defendeu a democracia como valor universal (título de um de seus livros), quando para parte da esquerda ela devia encarada apenas como valor tático. Foi altamente criticado por isso e se manteve coerente. Acredito ser importante saber disso para não classificá-lo como reles stalinista./// Continuo achando que o trecho destacado por você não é fiel ao todo. Enfim, não vamos esgotar esse debate aqui. Espero que continuemos podendo trocar idéias.

[Sobre "a falsa verdadeira democracia"]

por Helion
1/5/2002 às
12h22

Achei o artigo!
Aleluia! Finalmente encontrei o artigo que eu procurava há meses sobre o homem! Quem tem semi-ótica, jamais vai ter a ótica inteira. E quem se limita a ECOS jamais terá acesso a consistência das autenticas VOZES. Se é que vocÊ me entende...

[Sobre "A mentira crítica e literária de Umberto Eco"]

por Carlos Ribeiro
30/4/2002 às
22h21

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês